terça-feira, 25 de julho de 2017

Pesquisadores estudam propriedades cicatrizantes de vegetais da flora brasileira

Seg, 05 de Junho de 2017

Um grande número de pessoas portadoras de doenças como diabetes Mellitus, hanseníase e alcoolismo apresentam alterações na integridade da pele, o que constitui um sério problema de saúde pública. Os indivíduos acometidos por essas moléstias apresentam um processo de cicatrização mais difícil e prolongado, desenvolvendo as chamadas feridas crônicas. 

Com o objetivo de propor uma alternativa de tratamento mais eficaz e acessível para esses e outros casos, pesquisadores do Núcleo de Biologia Experimental (Nubex), da Universidade de Fortaleza (Unifor), iniciaram projeto para desenvolver um gel à base de macromoléculas extraídas de sementes de fruta-pão (Artocapus incisa) e flor-de-pavão (Caesalpinia pulcherrima), que possuem ação cicatrizante. O projeto conta com o apoio da Funcap através do edital PPSUS.

Segundo a coordenadora do projeto, professora Cristina Moreira, a pesquisa visa o desenvolvimento de novas e mais eficazes formulações para o tratamento de feridas crônicas a partir de biomoléculas isoladas de sementes da fruta-pão e da flor-de-pavão. Esta combinação, segundo ela, torna o processo de cicatrização mais eficiente: testes feitos em camundongos comprovaram essa melhora no processo até o 7° dia, após o tratamento. A escolha dos dois vegetais para a pesquisa se deu por algumas vantagens que ambos trazem. “Trabalhamos há mais de 20 anos com uma proteína extraída de sementes de fruta-pão, que apresenta várias atividades biológicas importantes”, explica Cristina Moreira.

Já a flor-de-pavão, de acordo com ela, é uma planta que produz sementes apenas seis meses após o plantio, o que a torna uma fonte promissora para viabilizar a produção do gel. Os compostos extraídos das sementes são a lectina, uma proteína ligante quimicamente a carboidratos, e a galactomanana, hemicelulose abundante nas paredes celulares de plantas. Hemiceluloses, vale ressaltar, são polissacarídeos (carboidratos) que desempenham um papel estrutural. A lectina isolada no estudo possui propriedades anti-inflamatória, cicatrizante, analgésica e imunoestimulante, entre outras. Por meio da interação entre as duas moléculas, a cicatrização pode ser potencializada. 

Reportagem completa:

Chambá e cumaru no tratamento da asma: pesquisadores da UFC estudam propriedades medicinais de plantas da Caatinga

03 de Julho de 2017

Por Nerice Carioca

O Brasil é um país de proporções continentais que abriga diversos biomas. Além disso, possui a maior biodiversidade da Terra, o que justifica a enorme riqueza da sua flora e da sua fauna - que compreendem cerca de 20% da espécies do planeta. Um dos biomas encontrados no País é a Caatinga, presente no Ceará e que apresenta uma grande variedade de ambientes e espécies que não são encontrados em nenhum outro lugar. E entre os diversos tipos de plantas deste ecossistema, muitos são utilizados pela população para fins medicinais.

O imenso potencial da flora brasileira para uso em tratamentos contra vários tipos de doenças tem despertado cada vez mais o interesse da população. Segundo dados do Ministério da Saúde, entre 2013 e 2015 a procura por alternativas à base de plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos (obtidos a partir deste tipo de planta) pelo Sistema Único de Saúde (SUS) teve um crescimento de 161%. O fenômeno também é registrado na universidade, onde um número crescente de pesquisadores estuda estes recursos. 

Um exemplo de pesquisa nascida a partir deste interesse é o trabalho coordenado pela professora Kalyne Leal, do Departamento de Farmácia da Universidade Federal do Ceará (UFC), que busca desenvolver matérias-primas e medicamentos à base das plantas medicinais Amburana cearenses (cumaru) e Justicia pectoralis (chambá). O estudo visa a aplicação no tratamento da asma leve a moderada. O trabalho conta com o apoio da Funcap através de bolsas de pesquisa e apoio técnico para o desenvolvimento do estudo e recursos financeiros que têm viabilizado a compra de equipamentos e materiais de consumo.

Reportagem completa no link: