sábado, 9 de novembro de 2013

Europeans Do Not Consume Enough Vitamins, Minerals

Oct. 31, 2013 — A study has analyzed intake of 17 basic micronutrients in people's diets across eight European countries. The results reveal that, although vitamin D is the most extreme case, European citizens -- across all age and sex ranges -- do not consume sufficient iron, calcium, zinc, vitamin B1 (thiamine), vitamin B2 (riboflavin), vitamin B6 and folic acid.

A group of researchers from the International Life Sciences Institute (ILSI Europe) has evaluated the low intake of 17 micronutrients in eight European countries: Belgium, Denmark, France, Germany, the Netherlands, Poland, the United Kingdom and Spain.

"Better understanding the scope of micronutrient adequacy across Europe is a significant challenge," explain the authors of the study, which was published this year in the 'British Journal of Nutrition'.

The experts believe that, despite the fact that current European policies on nutrition focus fundamentally on tackling problems to do with excessive consumption, not much is known across the continent about the optimal intake of micronutrients.

According to the authors, despite its limited data, this study provides "valuable information on micronutrient intake in Europe and the likelihood of its inadequacy country by country."

The study, which compares the latest data from dietary surveys representing the various territories, shows that, of the 17 compounds analyzed, there is a great prevalence of 'improvable' intakes of various micronutrients, especially iron, calcium, zinc, vitamin B1 (thiamine), vitamin B2 (riboflavin), vitamin B6, vitamin D and folic acid.

"In the case of vitamins, low levels of consumption in all age and sex groups do not pose a risk except in the case of vitamin D," the experts continue. However, for minerals, the risk of inadequate intake is larger in certain groups depending on age.

"To our knowledge, this is the first time micronutrient consumption has been evaluated across several countries. Thus, it provides a better vision of micronutrient inadequacy in Europe and is a valuable resource for assessing the state of populations," they conclude.

Micronutrients in the Spanish diet

According to data from the National Survey on Dietary Intake conducted recently by the Spanish Agency for Food Safety and Nutrition (AESAN), the case of Spain is particular.

From all the values analyzed we can conclude that average micronutrient consumption exceeds 80% of the reference dietary intakes, except in the case of zinc, iron in women of childbearing age, vitamin A, vitamin D and folic acid, in which inadequate intake can be observed.

The AESAN survey concludes: "The modern Spanish diet is a western-type diet, further and further removed from typical Mediterranean cuisine, although this gap is lower than might be expected due to the population's high consumption of fish."

As such, the data show very low intakes of vegetables, fruits and their derivatives, low consumption of cereals, mainly refined, and high intake of meats and their derivatives and products prepared with high sodium, fat and added sugar content.

Journal Reference:
Mensink G.B.M. et al. Mapping low intake of micronutrients across Europe. British Journal of Nutrition, October 2013


Defending Food Crops: Whitefly Experimentation to Prevent Contamination of Agriculture

Nov. 8, 2013 — On November 8th, JoVE, the Journal of Visualized Experiments, will introduce a new technique to aid in the development of defenses against diseases threatening food crops worldwide. The method, published under the title Transmitting Plant Viruses Using Whiteflies, is applicable to such at-risk crops as tomatoes and common bean plants. The whitefly method provides a means of interfering with the plant-contamination process as well as the cultivation of plants that are altogether resistant to infection.
Experimentation with whitefly-transmitted diseases provides a means of interfering with the plant-contamination process as well as the cultivation of plants that are altogether resistant to infection. (Credit: JoVE)

"For example, the described technique is used to develop tomatoes with resistance to tomato yellow leaf curl virus, which is a big problem in tomato production in the southern U.S. and in many parts of the world," said Jane Polston, the principle investigator at the University of Florida's Department of Plant Pathology. In the article accompanying their JoVE video, Polston and her colleagues write that numerous genera of whitefly-transmitted plant viruses (such as Begomovirus, Carlavirus, Crinivirus, Ipomovirus, Torradovirus) are part of an emerging and economically significant group of pathogens affecting important food and fiber crops.

The technique includes reliably rearing whiteflies with a specific virus while omitting the possibility of cross-contamination to other viruses -- an easily encountered problem because of the sheer number of whiteflies used in testing. Such contamination would jeopardize the results of an entire experiment. After exposing large numbers of a particular plant species to a specific whitefly-transmitted virus, a researcher can then note which individual plants resisted infection and why. This article outlines how to generate hundreds or thousands of infected plants year-round by exposing them to whiteflies each week. Therefore, the whitefly-assisted transmission method provides researchers with a powerful means for continued experimentation in developing plant defenses against the threat of whitefly-transmitted disease.

Polston said that she published this technique through JoVE's video format because it was difficult to explain it through traditional text-only journals. "I have never published like this before and wanted to try it," she said, "And it was very difficult to describe some of the details of this technique in writing. Video was a better approach."

Journal Reference:
Polston, J. E., Capobianco, H. Transmitting Plant Viruses Using Whiteflies. J. Vis. Exp., 2013; (81), e4332 DOI:10.3791/4332


Gut Reaction: Effect of Diet, Estrogen On Gut Microbiota

Nov. 8, 2013 — Study results from Texas A&M University and University of North Carolina School of Medicine scientists on the effect of diet complexity and estrogen hormone receptors on intestinal microbiota has been published in the September issue of Applied and Environmental Microbiology.

To date, research has shown that promoting the growth of certain beneficial intestinal microorganisms can help to improve overall health.

"In this study, we wanted to determine if steroid hormone nuclear receptors, specifically estrogen receptor beta, affect the composition of intestinal bacteria," said Dr. Joseph Sturino, lead researcher in the nutrition and food science department at Texas A&M's College of Agriculture and Life Sciences, College Station.

"Some steroid hormones, like estradiol, and dietary phytoestrogens are known to influence the development of chronic gastrointestinal inflammation and estrogen-responsive cancers of the breast, prostate and colon," Sturino said.

Some of these effects are the result of differential and tissue-specific gene regulation by estrogen receptor beta, Sturino said. That aspect of the study was the focus of the lab work performed by Dr. Clinton Allred, also in the college's nutrition and food science department and a collaborator on the published study.

They hypothesized that some estrogenic regulatory signals are mediated, in part, by the activity of microorganisms present in the gut and that diet modification can be used to change those.

In order to investigate the effects of both receptors and diet on intestinal microorganisms, the scientists initially raised female mice on a fiber-rich diet containing plant-derived estrogenic compounds called isoflavones, comprising a complex diet. The animals were then fed an isoflavone-free diet that was rich in highly refined sugars for two weeks, comprising a simple diet. The composition of the fecal bacteria was surveyed over the course of the study.

"As you might expect, significant differences were found between the fecal microorganisms of mice fed a biochemically complex diet containing isoflavones and those that were fed a simple diet that lacked isoflavones," he said. "Interestingly, however, we also found that the microorganisms differed between mice that expressed estrogen receptor beta and those that did not."

Distinct patterns for Lactobacillales were exclusive to and highly abundant among mice fed a complex diet containing isoflavones, Sturino explained.

"Some Lactobacillales have probiotic function when taken in adequate numbers in food or dietary supplements, so indigenous species might also act to promote gut health," he said.

In contrast, he noted, the relative diversity of Proteobacteria increased significantly following the transition to the simple, isoflavone-free diet. Proteobacteria includes a number of species commonly associated with intestinal disease, including Escherichia, the "E" in E. coli O157:H7, and salmonella.

These and other study results demonstrated that steroid receptor status and diet complexity might play important roles in microbiota maintenance, Sturino said.

"While the balance and content of microorganisms in the gut changes as we age, we are only now learning how our genetics and dietary choices affect our health by modifying the composition and activity of these microorganisms," he said.

In the long term, Sturino believes that this study will aid in the development of novel probiotics, prebiotics, nutritional strategies and pharmaceuticals to improve overall health by promoting the growth and activity of beneficial intestinal microorganisms.
Dr. Joseph Sturino holds containers with components of simple and complex diets, such as those used in his recent study. (Credit: Photo courtesy Texas A&M’s College of Agriculture and Life Sciences)

Journal Reference:
R. Menon, S. E. Watson, L. N. Thomas, C. D. Allred, A. Dabney, M. A. Azcarate-Peril, J. M. Sturino. Diet Complexity and Estrogen Receptor Status Affect the Composition of the Murine Intestinal Microbiota. Applied and Environmental Microbiology, 2013; 79 (18): 5763 DOI:10.1128/AEM.01182-13


The Juice Illusion

The Juice Illusion
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

Soja preta é melhor que amarela ao prevenir envelhecimento

Por Lara Deus - lara.deus@usp.br
Da Agência Universitária de Notícias

Quando se fala em soja, logo se pensa no grão amarelo. Poucos sabem, porém, que a soja preta tem as mesmas qualidades nutricionais, além de apresentar o dobro de atividade antioxidante e prevenir a degeneração das células. Estas características se mantêm mesmo depois do cozimento, segundo o estudo da engenheira de alimentos Diana Figueiredo de Rezende, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP.

Os tipos de soja têm a mesma composição centesimal e qualidade nutricional

A maior quantidade de compostos fenólicos e flavonoides e a presença de antocianinas na soja preta são responsáveis pelas propriedades diferenciadas em relação à amarela. Isto porque as substâncias são responsáveis por evitar reações de oxidação de moléculas que podem acelerar o processo de morte celular, ou seja, são antioxidantes. Ao comprovar a relação entre compostos fenólicos, flavonoides e antocianinas com a antioxidação, a pesquisa indicou que, em média, a soja preta apresenta o dobro desta capacidade. O cozimento de ambos os tipos gerou uma perda igual de compostos fenólicos totais, de aproximadamente 40%.

As antocianinas contém um pigmento que vai do vermelho ao azul e, portanto, são encontradas principalmente em alimentos destas tonalidades. Elas fazem parte do grupo dos flavonoides, compostos de origem vegetal não produzidos pelo corpo humano. As antocianinas são o principal fator diferencial entre as duas sojas, já que é apenas encontrada na preta. Além disto, Diana identificou os dois tipos desta substância encontrados na soja preta: cianidina-3-O-glicosídeo e a peonidina-3-O-glicosídeo.

A qualidade nutricional das duas variedades também foi analisada. Resíduos minerais, lipídeos, proteínas e carboidratos totais foram mensurados nos dois grãos. Neste quesito, o estudo constatou a equivalência da porcentagem destas substâncias, ou seja, a mesma composição centesimal. Diante disto, ela garante “poderá haver uma aplicabilidade tecnológica similar e, possivelmente, maiores benefícios à saúde”.

Para garantir que características do solo não interferissem no resultado do estudo, foram analisados grãos de uma mesma região. “Tomou-se a precaução de que todas as amostras fossem provenientes da mesma safra e que tivessem as mesmas condições de cultivo”, explica Diana. A pesquisa da FCF também buscou entender se havia diferença na massa de 100 grãos de cada espécie e em seus teores de compostos da gordura, os ácidos graxos. Isto porque “o óleo de soja tem grande importância econômica e comercial”. Nenhum destes indicadores variou de um tipo para o outro.

A engenheira decidiu pesquisar o tema, pois segundo ela, “havia relativamente pouca pesquisa com soja preta, em comparação com os inúmeros trabalhos publicados sobre soja amarela”. Provavelmente devido à raridade no mercado, a reportagem da AUN constatou que a soja preta pode chegar a custar três vezes o preço do grão comum. Diante disto, o estudo pode propiciar um novo nicho de negócio para pequenos produtores. Sua dissertação de mestrado Estudo comparativo de características físico-químicas e nutricionais da soja preta e amarela foi orientada pela professora Ursula Maria Lanfer Marquez.

Foto: Luciana Tedesco

Mais informações: email diana.rezende@usp.br


Nut Hall of Fame

Nut Hall of Fame
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

Portal da Saúde: conceitos e observações em fitoterapia

O que é Fitoterapia? 

É um método de tratamento caracterizado pela utilização de plantas medicinais em suas diferentes preparações, sem a utilização de substâncias ativas isoladas. 

O que é Planta Medicinal? 

Espécie vegetal cultivada ou não, utilizada com propósitos terapêuticos (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2003). Chama-se planta fresca aquela coletada no momento de uso e planta seca a que foi precedida de secagem, equivalendo à droga vegetal. 

O que é droga vegetal? 

Planta medicinal ou suas partes, que contenham as substâncias, ou classes de substâncias, responsáveis pela ação terapêutica, após processos de coleta, estabilização e/ou secagem, podendo ser íntegra, rasurada (cortada), triturada ou pulverizada. 

O que é remédio? 

É um cuidado utilizado para curar ou aliviar os sintomas das doenças, como um banho morno, uma bolsa de água quente, uma massagem, um medicamento, entre outras coisas. 

O que é remédio caseiro de origem vegetal? 

É a preparação caseira com plantas medicinais, de uso extemporâneo (para uso imediato), que não exija técnica especializada para manipulação e administração. 

O que é fitoterápico? 

Produto obtido de planta medicinal, ou de seus derivados, exceto substâncias isoladas, com finalidade profilática, curativa ou paliativa. 

O que é medicamento fitoterápico?

É o obtido com emprego exclusivo de matérias-primas ativas vegetais. A eficácia e segurança são validadas por meio de levantamentos etnofarmacológicos, de utilização, documentações tecnocientíficas ou evidências clínicas. São caracterizados pelo conhecimento da eficácia e dos riscos de seu uso, assim como pela reprodutibilidade e constância de sua qualidade. Não se considera medicamento fitoterápico aquele que inclui na sua composição substâncias ativas isoladas, sintéticas ou naturais, nem as associações dessas com extratos vegetais.

Como é preparado um fitoterápico? 

Os fitoterápicos podem ser produzidos a partir de: 

1) Planta fresca – Sucos e alcoolaturas 

2) Planta seca – Infusos, decoctos (cozimento), extratos, tinturas, óleos medicinais. 

Os fitoterápicos podem ter ainda várias formas farmacêuticas produzidas a partir de extratos, tinturas, óleos medicinais e alcoolaturas. 

Formas farmacêuticas - são as formas físicas de apresentação do fitoterápico. Podem ser classificadas em sólidas, líquidas e semi-sólidas. 

Formas farmacêuticas líquidas: Tinturas, xaropes, soluções, extratos fluidos. 

Formas farmacêuticas sólidas: Extratos secos, comprimidos, cápsulas. 

Formas farmacêuticas semi-sólidas: Extratos moles, pomadas, géis, cremes 

Qual a diferença entre fitoterápico industrializado e manipulado? 

O fitoterápico industrializado é fabricado em uma indústria farmacêutica e possui registro na Anvisa/Ministério da Saúde para ser comercializado. 

O fitoterápico manipulado é uma preparação magistral e/ou oficinal, sob orientação de um farmacêutico. 

Tanto o fitoterápico industrializado quanto o manipulado devem seguir as Boas Práticas de Fabricação/Manipulação (BPF/BPM). 

O que são preparações magistral e oficinal? 

Preparação magistral: é aquela preparada na farmácia, a partir de uma prescrição de profissional habilitado, destinada a um paciente individualizado, e que estabeleça em detalhes sua composição, forma farmacêutica, posologia e modo de usar. 

Preparação oficinal: é aquela preparada na farmácia, cuja fórmula esteja inscrita no Formulário Nacional ou em Formulários Internacionais reconhecidos pela ANVISA. 

O que são Boas Práticas de Fabricação/Manipulação (BPF/BPM)? 

Boas Práticas de Manipulação (BPM): conjunto de medidas para assegurar que os produtos manipulados sejam consistentemente manipulados e controlados, com padrões de qualidade apropriados para o uso pretendido e requerido na prescrição. 

Boas Práticas de Produção/Fabricação (BPF): é a parte da Garantia da Qualidade para assegurar que os produtos são consistentemente produzidos e controlados com padrões de qualidade apropriados para o uso pretendido e requerido.

Plantas medicinais e fitoterápicos podem ser utilizados por mulheres grávidas ou amamentando? 

As mulheres grávidas ou que estejam amamentando devem buscar orientação de profissional de saúde antes de utilizar qualquer planta medicinal ou fitoterápico. Em alguns casos, existem estudos que podem garantir a segurança no uso, nestas situações. 

Crianças podem usar plantas medicinais e fitoterápicos? 

Antes de usar qualquer planta medicinal ou fitoterápico em crianças, deve-se buscar orientação de profissional de saúde. 

Crianças menores de dois anos não devem utilizar fitoterápicos, uma vez que não há estudos que possam garantir a segurança para esta faixa etária.

Por quanto tempo é possível utilizar uma planta medicinal ou um fitoterápico? 

Plantas medicinais e fitoterápicos não devem ser utilizados continuamente, a não ser por orientação de profissionais de saúde. 

As plantas medicinais e os fitoterápicos podem fazer mal à saúde? 

Como qualquer medicamento o mal uso de fitoterápicos e também de plantas medicinais pode ocasionar problemas de saúde. Determinadas plantas medicinais e fitoterápicos podem ser utilizados sem a orientação médica para o alívio sintomático de doenças de baixa gravidade e por curtos períodos de tempo. No entanto, caso os sintomas persistam por mais de sete dias, ou apareçam reações indesejadas, o uso deve ser interrompido e deve ser procurada orientação médica. 

Há problemas em usar outros medicamentos associados às plantas medicinais e fitoterápicos? 

No caso de utilizar medicamentos de uso contínuo, deve-se buscar orientação de um profissional de saúde. 

Existem plantas medicinais e fitoterápicos disponibilizados aos usuários do SUS? 

Sim. Algumas Unidades da Federação oferecem aos usuários do SUS os serviços da Fitoterapia, que fornecem plantas medicinais, fitoterápicos manipulados ou industrializados, especialmente a Mikania glomerata (guaco) e a Maytenus ilicifolia (espinheira-santa) em diversas apresentações.


Ministério da Saúde amplia acesso à vacina contra hepatite B

A partir de agora, pessoas com até 49 anos podem receber a vacina gratuitamente em qualquer posto da rede pública. A medida deve beneficiar cerca 150 milhões de brasileiros

O Ministério da Saúde ampliou a faixa etária de vacinação contra a hepatite B. A partir de agora, homens e mulheres com até 49 anos poderão receber a vacina gratuitamente em qualquer posto de saúde. A medida beneficia um público-alvo de 150 milhões de pessoas - 75,6% da população total do Brasil. No ano passado, a idade limite para vacinação gratuita era até 29 anos. A vacina é a medida de prevenção mais segura e eficaz contra a hepatite B e hepatite D.

O secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, explica que a proteção é garantida quando a pessoa recebe três doses da vacina. A segunda dose deve ser aplicada 30 dias após a primeira e, a terceira, seis meses após a primeira. “Todas as crianças recém-nascidas são vacinadas, mas estamos expandindo a faixa etária a outros grupos visando à eliminação da doença no futuro. Ela é segura, feita com engenharia genética e não tem contraindicação”, ressaltou o secretário.

A vacina também é oferecida a grupos prioritários, independentemente da faixa etária, como gestantes, manicures, pedicures, podólogos, caminhoneiros, bombeiros, policiais civis, militares, rodoviários, doadores de sangue, profissionais do sexo e coletores de lixo domiciliar e hospitalar. Em 2012, mais de 15,7 milhões de pessoas foram protegidas contra a hepatite B.

SOBRE A DOENÇA - As hepatites são doenças que atacam o fígado, um dos órgãos mais importantes do corpo humano. Estimativas apontam que 2,3 milhões de brasileiros são portadores das hepatites, sendo (800 mil) do tipo B e (1,5 milhão) do tipo C. Toda a produção da vacina de hepatite B é feita pelo Instituto Butantan. O laboratório público abastece o Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde desde 1996. 

A hepatite B é uma doença sexualmente transmissível, mas também pode ser transmitida pelo contato com sangue e por materiais cortantes contaminados, como alicate de unha. Por isso, o Ministério da Saúde alerta que, além do uso da camisinha em todas as relações sexuais, não se deve compartilhar escova de dente, alicates de unha, lâminas de barbear ou depilar. É importante também sempre usar materiais esterilizados ou descartáveis em estúdios de tatuagem e piercing, serviços de saúde, acupuntura, procedimentos médicos, odontológicos e hemodiálise.

SINTOMAS - Nem sempre a hepatite B apresenta sintomas. Quando aparecem, podem provocar cansaço, tontura ou ânsia de vômito. A pessoa pode levar anos para perceber que está doente. O diagnóstico e o tratamento precoce podem evitar a evolução da doença para cirrose ou câncer de fígado, por exemplo. O teste, o tratamento e o acompanhamento das hepatites virais estão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). Em 2012, foram distribuídos 759,2 mil testes rápidos para triagem de hepatite B. Outros 5,1 milhões de testes convencionais foram realizados no SUS.

Por Valéria Amaral, da Agência Saúde.
Atendimento à imprensa – Ascom/MS
(61) 3315-6258/2577
Data: 23.07.2013

Foto: Se você tem até 49 anos, faça o teste e vacine-se contra a hepatite B. São 3 doses e você fica imune a essa grave doença. #hepatitesvirais

CEBRID cria grupo de estudos sobre Cannabis sativa L. (maconha)

O CEBRID tem notado que o número de trabalhos científicos/artigos sobre maconha tem aumentado de maneira acentuada nos últimos tempos. E é sempre a mesma coisa: artigos a favor; artigos contra; não importando o tópico com o qual a planta é encarada. Acima de tudo, percebe-se um viés ideológico que obscurece a realidade sobre a maconha.

Assim, criamos um grupo multidisciplinar formado por pesquisadores do CEBRID e de outras instituições, visando analisar e discutir diferentes aspectos sobre esta temática. Ficou então constituído um grupo de estudos denominado“Maconhabras”.

Este nome veio da lembrança de importantes instituições brasileiras que honram o país, como: Petrobras, Eletrobras, Biobras, Radiobras, entre outras. Não se trata, portanto, de deboche ou ironia às deselegantes atitudes que procuram desmerecer os estudiosos sobre a maconha, em número cada vez maior no Brasil.

Como parte de suas atividades, o grupo publicará boletins sobre diferentes assuntos envolvendo as discussões sobre a maconha, especialmente a respeito de suas propriedades medicinais.

Desfrute da primeira edição do nosso boletim!

Grupo Maconhabras
E. A. Carlini, Lucas Maia, Paulo Mattos, Rafael Zanatto e Renato Filev.

Faça o download do da primeira edição do Boletim Maconhabras:

Sustentabilidade nas Escolas, artigo de Wanda Camargo

[EcoDebate] No mundo que sonhamos, todas as escolas institucionalizam a sustentabilidade em teorias e práticas, seus prédios são projetados e construídos com materiais reciclados/recicláveis, há condições para a economia de energia, reutilização de águas servidas e de chuva, descarte correto de resíduos; existe envolvimento das comunidades escolares, e do seu entorno, em atividades preservacionistas. No mundo em que vivemos, isso nem sempre acontece, a educação ambiental tem sido incipiente, os orçamentos públicos mal contemplam a construção das novas unidades escolares indispensáveis, e a manutenção, às vezes precária, das existentes.

Em muitas escolas, sustentabilidade é palavra lembrada em algumas efemérides, citada em umas poucas aulas, e deixada de lado no restante do tempo. Em outras, felizmente, sabe-se que o caminho entre o sonho e a realização passa necessariamente pela vontade e pela ação; e constata-se, com esperança, aquilo que o ideal de muitos pais, professores, diretores e orientadores pedagógicos têm realizado com os poucos recursos disponíveis. No ensino fundamental, procura-se a atenção e o comprometimento das crianças, são criadas hortas comunitárias, oficinas de marcenaria para recuperação de mobiliário, sistemas de compostagem do lixo orgânico, reciclagem de materiais escolares, até mesmo pequenas reformas com vistas à recuperação de ambientes degradados, sempre com a participação de alunos, pais e professores voluntários, que cedem parte de seu tempo de descanso.

Não são grandes obras, não são grandes intervenções, são imensos exemplos.

Sustentabilidade se funda em parte na materialidade, mas importa muito, também, a crença de que é vital para todos, e será cada vez mais. As escolas de ensino fundamental e médio comprometidas com sustentabilidade focam o coração dos alunos no processo de formação de consciência ambiental. Já as instituições de ensino superior miram a mente, estudantes universitários estão em faixa etária e intelectual em que a consciência já está formada, e são naturalmente mais sensíveis à racionalidade.

As boas práticas sustentáveis concentram-se em atividades de extensão, em normalização de procedimentos, em orientação de monografias, em conteúdos curriculares.

Reflexão ecológica, interrupção da destruição do ecossistema, diminuição dos hábitos de consumo desenfreado devem ser parte importante do ideário das instituições de ensino, e algo já indissociável do sentido pleno da educação. Uma questão que deve ser considerada é que sustentabilidade não dá lucro financeiro imediato e custa caro. E, ainda que muitas instituições cumpram seu papel de modo responsável, há um grande número de intenções piedosas manifestadas em documentos oficiais que não passam de bons propósitos e discursos vazios de quaisquer iniciativas deles decorrentes.

No entanto, para além de interesses pecuniários ou investimentos de curto prazo, estará o bem estar e mesmo sobrevivência das próximas gerações. Devemos a elas, no mínimo, um planeta em condições de equilíbrio ambiental.

* Wanda Camargo é educadora e representante das Faculdades Integradas do Brasil – UniBrasil no Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial (CPCE).

Colaboração de Claudio Stringari e Lorena Nogaroli, para o EcoDebate, 06/11/2013


Coca-Cola declara não mais tolerar a apropriação injusta de terras em suas cadeias de fornecimento

Coca-Cola decreta ‘Tolerância Zero’ à apropriação injusta de terras em todo o mundo
Anúncio ocorre na sequência de intensa mobilização pública promovida pela ONG internacional Oxfam. Agora, é preciso que a empresa mobilize seus fornecedores para a solução definitiva dos conflitos agrários e das violações do direito à terra

Nesta quinta-feira, 8 de novembro de 2013, a Coca-Cola anunciou uma decisão sem precedentes em sua história: em documento oficial, declarou não mais tolerar a apropriação injusta de terras em suas cadeias de fornecimento. O anúncio vem na sequência de intensa mobilização pública promovida pela ONG internacional OXFAM por meio da campanha Por Trás das Marcas, do relatório O Gosto Amargo do Açúcar, lançado há um mês – que aponta as amargas relações entre a indústria do açúcar e as apropriações injustas de terra – e de uma petição da Change.org que reuniu mais de 215 mil assinaturas em todo o mundo.

A Oxfam saudou a decisão. “Ao reconhecer e assumir o urgente compromisso de rever as suas práticas e as de seus fornecedores, visando impedir a apropriação injusta de terras, a Coca-Cola dá um passo importante para extinguir as violações do direito à terra e os conflitos agrários em sua cadeia de fornecimento”, disse Chris Jochnick, diretor de Engajamento com Empresas da campanha Por Trás das Marcas.

No documento divulgado nesta quinta-feira, a Coca-Cola se compromete a aderir ao princípio de Consentimento Livre, Prévio e Informado (da Organização Internacional do Trabalho/OIT) em todas as suas operações – e a requerer que os seus fornecedores adotem o mesmo princípio. A Coca-Cola também afirmou que vai realizar estudos de impacto social, ambiental e direitos humanos nos países de onde adquire açúcar, começando por Brasil, Colômbia e Guatemala.

Mais conhecida marca do mundo, a Coca-Cola é também uma das maiores compradoras mundiais de açúcar – e exerce inegável influência sobre as políticas do setor de alimentos e bebidas. A adoção da política proposta pela Coca-Cola poderá desencadear uma verdadeira revolução no setor. Por enquanto, a PepsiCo e a Associated British Foods (ABF) – as duas outras companhias enfocadas pela campanha da Oxfam – ainda não se pronunciaram sobre os problemas apontados pelo relatório O Gosto Amargo de Açúcar.

A Oxfam saúda a Coca-Cola pela adoção de “Tolerância Zero” à apropriação injusta de terras – incluindo as decisões de:
1. aderir ao princípio de Consentimento Livre, Prévio e Informado em todas as suas operações, incluindo as de seus fornecedores de açúcar, engarrafadores e detentores de franchising, entre outros;
2. divulgar imediatamente os três principais países que fornecem cana-de-açúcar à sua produção;
3. conduzir e publicar estudos de impacto social, ambiental e de direitos humanos, incluindo a questão dos conflitos de terra, em sete principais regiões de fornecimento: Brasil, Colômbia, Guatemala, Índia, Filipinas, Tailândia e África do Sul;
4. mobilizar governos e entidades internacionais para apoiar práticas responsáveis que garantam o direito à terra;
5. mobilizar os fornecedores de açúcar citados no relatório O Gosto Amargo de Açúcar para promover resoluções que respondam às demandas das comunidades.

Ao estabelecer a política de “Tolerância Zero” à apropriação injusta de terras, a Coca-Cola se compromete também a dialogar com seus fornecedores sobre os conflitos fundiários específicos apontados pelo relatório O Gosto Amargo do Açúcar. Entre estes conflitos estão dois no Brasil: um em Mato Grosso do Sul e outro Pernambuco.

Em Mato Grosso do Sul, o povo Guarani-Kaiowá demanda seus direitos quanto às suas terras tradicionais. Além de pedirem a conclusão dos longos processos de demarcação, as comunidades demandam que a cana de açúcar e outras monoculturas deixem de ser produzidas em áreas que estejam em processo de demarcação. Esta também é a posição de entidades que atuam em defesa dos direitos do povo Guarani-Kaiowá, como o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), a Anistia Internacional, a Rede de Ação e Informação “Alimentação primeiro” (FoodFirst Information & Action Network/Fian), a Repórter Brasil e a Survival International. Merece destaque também o papel do Ministério Público Federal nestes processos – e especificamente da Procuradoria da República de Mato Grosso do Sul, que apelou à Usina Monteverde, operada por Bunge, que deixe de comprar cana-de-açúcar de terras em processo de demarcação. A Bunge fornece açúcar à Coca-Cola a partir de outras usinas que opera no país.

Em Pernambuco, as comunidades pesqueiras locais, impedidas pela Usina Trapiche de desenvolverem a atividade econômica da qual dependem para sua sobrevivência no manguezal de Sirinhaém, demandam a criação de uma Reserva Extrativista (Resex). A criação da reserva significaria um controle ambiental mais rigoroso para a proteção do mangue e das águas, e possibilitaria um eventual regresso da comunidade de pescadores às suas casas tradicionais. Os grupos que trabalham com estas comunidades incluem a Comissão Pastoral da Terra (CPT) , o Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP) e o Instituto Costeira Recife (Ircos). O Ministério Público Federal de Pernambuco está investigando ativamente o caso. A criação da Resex – que obteve parecer técnico favorável do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) – aguarda desde 2009 sanção do gabinete da Presidência da República.

No Brasil, a Oxfam e seus aliados continuarão a monitorar a Coca-Cola, para avaliar se estas políticas estão sendo efetivamente colocadas em prática. “Continuaremos a acompanhar bem de perto os casos dos pescadores de Pernambuco e das comunidades indígenas Guarani-Kaiowá, no Mato Grosso do Sul – além de mantermos um olhar mais amplo, já que queremos ver mudanças positivas para os direitos e o bem-estar de todas as comunidades pobres afetadas pela agricultura em grande escala”, afirmou Simon Ticehurst, diretor da Oxfam no Brasil.




Informe da OXFAM, publicado pelo EcoDebate, 08/11/2013


Polícia Montada da PM do Rio vai usar esterco de cavalo para gerar energia

Foto: Subsecretaria de Comunicação Social / RJ

Ainda este ano, o Regimento de Polícia Montada da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro pretende lançar edital de licitação para contratar a construção de um biodigestor com capacidade de transformar 450 quilos de esterco produzidos diariamente por 285 cavalos em gás metano, que será utilizado para abastecer a cozinha e aquecer os chuveiros do regimento. Segundo o tenente-coronel Anderson Maciel, comandante do regimento, o projeto vai gerar uma economia de R$ 16,6 mil mensais.

A iniciativa conta com apoio da Secretaria de Estado do Ambiente, que vai liberar R$ 211 mil para o projeto por meio do Fundo Estadual de Conservação Ambiental e Desenvolvimento Urbano (Fecam). De acordo com o coronel José Maurício Padrone, coordenador de Combate aos Crimes Ambientais da secretaria, a estimativa é que, em um ano, o valor seja recuperado, com a economia que o projeto vai proporcionar.

“A PM gastava muito dinheiro recolhendo e transportando todo o esterco produzido na unidade até o aterro sanitário. Fizemos esse projeto para que o material vá para o biodigestor e, após a decantação, produza gás metano, alimentando os fogões industriais da unidade e acabando, também, com os chuveiros elétricos. Será uma economia muito grande para o regimento. A expectativa é que, até março, o decantador já esteja funcionando”, informou.

Edição: Davi Oliveira

Matéria da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 08/11/2013

Mudanças no clima vão afetar várias culturas no Brasil

Redução de chuva no nordeste, aumento de chuva no Sul e Sudeste e menos vazão de rios no Centro-Oeste são algumas das projeções do primeiro relatório produzido pelo Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Os resultados e conclusões dos cenários projetados foram apresentados nessa terça-feira (5), durante audiência pública na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados.

O pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP) Eduardo Assad participou da audiência apresentando os impactos das mudanças do clima na agricultura. Segundo ele, os estudos constataram que houve um aumento na frequência de fenômenos extremos no Brasil, ou seja, vários dias do ano com temperaturas muito elevadas, outros com temperaturas muito baixas e chuvas intensas. Mas, segundo o pesquisador, de maneira generalizada, o Brasil não está apresentando sinais de redução de temperatura. “Culturas como soja, milho, café e trigo seriam as mais afetadas com o aumento da temperatura. Já as pastagens e a cana-de-açúcar seriam beneficiadas”, exemplificou.

De acordo com Assad, as populações mais pobres vão sofrer mais com as consequências do aquecimento global. A seca que deverá se intensificar no Nordeste é um dos principais problemas da região que hoje já afeta cerca de 18 a 20 milhões de habitantes. “Precisamos investir em opções de culturas adaptadas à seca. Parte da solução, por exemplo, está no milho desenvolvido para o Nordeste com capacidade de adaptação ao clima da região. Por que não fazer testes com esse milho no Sul do país”, questionou.

Por esses motivos, é necessário, segundo Assad, investir em políticas públicas para resolver o problema. “Nós até estamos muito bem nessa área, porque já existem políticas públicas nesse sentido. Em 2010 foi implementado a política de baixa emissão de carbono que significa melhorar os pastos degradados, ampliar a integração lavoura-pecuária-floresta, fazer plantio direto correto, fixação biológica de nitrogênio, reflorestamento, uso de dejetos agrícolas para geração de metano e energia”, explicou Assad que, citou ainda, o fato de estrangeiros estarem vindo ao Brasil aprender mais sobre o assunto. Mas segundo ele, é preciso acelerar esse processo. “Será uma forma de mostrar que nós temos condições de ter a agricultura mais limpa do mundo e sem nenhum problema de barreira não-tarifária.”

Além de Eduardo Assad, outros convidados apresentaram resultados do relatório como o pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Gilvan Sampaio de Oliveira, a professora do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília, Mercedes Bustamante, o professor da Universidade Federal de Pernambuco, Moacyr Araujo e o assessor técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Nelson Ananias.

Visão contrária

O professor da Universidade Federal de Alagoas Luiz Carlos Molion também participou da audiência apresentando uma visão contrária dos demais participantes sobre as mudanças climáticas. Para ele, nos próximos 20 anos, haverá um resfriamento global. “O efeito estufa não controla o clima, quem faz isso é o sol. Os oceanos são os grandes responsáveis pela alteração do clima e dados comprovam que os eles estão resfriando ligeiramente”, afirmou. Molion disse ainda que reduzir as emissões de gases é inútil “Apesar de o CO2 ter sido colocado como vilão, ele é o gás da vida e não controla o clima global”, concluiu.

Informe da Embrapa, publicado pelo EcoDebate, 08/11/2013


E como viver sem água? artigo de Anchieta Mendes

[EcoDebate] O assunto é tão sério que nos deu sede (vontade) de noticia-lo. É o problema da água, melhor dizendo, da sua falta, aqui, acolá e por toda parte deste mundo sem fim.

Amigos e amigas, é um problema que deve chegar ao conhecimento do maior número de cidadãos. Urge ser discutido, avaliado, para tomada de providências que se tornam urgentes e sérias.

Cada indivíduo deve ser conscientizado para evitar o desperdício e a poluição do precioso líquido.

Estamos preocupados. Por isso trazemos alguns dados e informações generalizadas sobre fato tão grave. Vamos lá.

Iniciamos dizendo que a imprensa local divulgou, hoje, que os açudes, poços, barragens, do Piauí, que não secaram, estão a baixíssimo nível de armazenamento. Já por isso, foi suspenso o fornecimento de água à agricultura irrigada e à piscicultura.

Preserva-se o que resta para matar a sede dos animais, principalmente, os racionais que exigem maiores cuidados. E haja carros-pipa rodando pelos sertões, abastecendo-se a longas distâncias, em raros mananciais e poços que, também, estão sujeitos a exaurir.

Rever os compromissos internacionais do manejo dos recursos hídricos, estabelecer critérios duros para o uso da água, políticas públicas de defesa da sua qualidade, enfrentando-se a sua poluição que é desastrosa e incontrolada é medida urgente, urgentíssima, até.

A pecuária pode contaminar os lençóis freáticos e contribui para a escassez porquanto, para produzir-se um quilo de carne, são consumidos cerca de 15.000 litros de água, enquanto são necessários apenas 1.300 litros para se produzir a mesma quantidade de grãos (Wikipédia, a enciclopédia livre) .

A ONU assegura que, em 20 anos, faltará água para 60% da população mundial. A água doce constitui menos de 3% de toda a água existente no mundo, enquanto a água salgada dos oceanos e algumas áreas continentais chega a 97,25% do total. Parcela dos rios, lagos e nos aquíferos subterrâneos chega a 22% do estoque de água doce.

Desabafo emocionante ofereceu à humanidade a “cautelosa Secretária Executiva da Convenção do Clima (ONU) Sra. Christiana Figueres, ao ser entrevistada pela BBC, perdeu o controle e desabou em pranto incontido após afirmar que “a falta de acordo global para conter as emissões que contribuem para mudanças climáticas está condenando as futuras gerações antes mesmo que elas nasçam”. (Cf Washington Novaes – BBC News/22/10)-http://www.ecodebate.com.br/dkW)

Um lembrete final: por falta de comida a gente resiste algum tempo. À falta dágua a morte será em espaço curtíssimo.

Anchieta Mendes, Magistrado (aposentado), Professor da Universidade Federal do Piauí (aposentado) Jornalista, escritor – Membro de Academias de Letras e outras instituições literárias do Piauí e do Brasil

EcoDebate, 08/11/2013


HortaFácil: software para planejar, dimensionar e gerenciar hortas comerciais, domésticas, escolares e comunitária

HortaFácil desenvolvido com o apoio da FAPEMIG-Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais, e do CNPq-Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Sofware de uso livre, de fácil instalação, que os autores disponibilizam aos interessados,

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Aplicativo sobre calendário agrícola


Como reduzir o desperdício alimentar


Hortas urbanas (publicação da Associação Portuguesa dos Nutricionistas)


Comer bem, fora de casa - Um guia para escolhas alimentares saudáveis (publicação da Associação Portuguesa dos Nutricionistas)


Revista Nutrícias - abr-jun, n.17, 2013

EDITORIAL - Nuno Borges


Consenso sobre Aspectos Técnicos, Pedagógicos e Éticos da Formação na Área da Política Nutricional para as Ciências da Nutrição em Portugal
Pedro Graça, Maria João Gregório, Ana Gomes, Tim Hogg, Andreia Oliveira, Nelson Tavares, Hugo de Sousa Lopes, Ana Valente, Helena Ávila M.


Apresentação da Informação sobre os Alergénios Alimentares em Restauração Colectiva 
Carmen Costa, Raquel Silva, Sónia Mendes, Bruno M. P. M. Oliveira

Avaliação da Qualidade das Ementas em Instituições Particulares de Solidariedade Social do Concelho de Águeda 
João Lima, Ada Rocha


Conjugated Linoleic Acid and Exercise may Share One Biochemical Pathway to Induce Fat-loss
Hiskias G. Keizer


Resumos de Palestras

Resumos de Comunicações Orais

Resumos de Posters

Download da revista;

Revista Cidadania & Meio Ambiente, n. 47, 2013

Capa da edição n° 47 da revista Cidadania & Meio Ambiente

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Anacardium occidentale L.

A espécie vegetal Anacardium occidentale L. – Anacardiaceae, popularmente conhecida por “ cajueiro “ é uma espécie nativa do continente centro e sul-americano, sendo amplamente utilizada na alimentação humana e animal, bem como na medicinapopular. O extrato hidrometanólico (1:1) da casca do caule dessa espécie, constituído principalmente por taninos, flavonoides, goma, resina, alcaloides, saponinas, promoveu uma diminuição significativa na produção de iNO, PGE2, TNF-alfa e IL-6 (mediadores pró-inflamatórios) em BV-2 microglia (células do cérebro que auxiliam na imunidade) estimuladas com lipopolissacarídeos (moléculas pró-inflamatórias presentes em bactérias, por exemplo) por 24 hs. O pré-tratamento com esse extrato promoveu uma inibição significativa na expressão de COX-2 e iNOS (enzimas produtoras de mediadores pró-inflamatórios) via translocação nuclear mediada por IkappaB (proteína inibidora que se liga ao NFkappa e transativação de NFkappaB (fator nuclear pró-inflamatório) e inibição significativa da fosforilação das proteínas –quinases ativadas por mitógenos (MAPK) p38, p42/44 e JNK (enzimas presentes no citoplasma que permitem à célula responder aos estímulos externos como às citocinas pró-inflamatórias presentes no meio extracelular). Através dos mecanismos de ação acima mencionados (veja a figura) ficou evidenciado um efeito anti-inflamatório cerebral e neuroprotetor. Para auxiliar na neurodesintoxicação (em intoxicação por cafeína e nicotina, por exemplo) sugere-se 1 colher de chá da planta em pó em 1 xícara d´água fervente deixando-se em infusão por 20 minutos. Coa-se em filtro de papel e ingere-se com ½ limão espremido logo após o jantar. Cautela ao associar com alcaloides e hipoglicemiantes. Evitar na gravidez e na lactância.
Do face da APFIT

Santa Bárbara d'Oeste: Projeto de plantas medicinais é selecionado entre os melhores do Brasil

O projeto "Plantas Medicinais: compartilhando uso e semeando saberes", desenvolvido no município com o apoio da Prefeitura de Santa Bárbara d'Oeste, está classificado entre as 35 melhores ações do Prêmio Caixa Melhores Práticas em Gestão Local 2013/2014, iniciativa desenvolvida pela Caixa Econômica Federal e que tem o objetivo de descobrir experiências bem-sucedidas que melhorem a qualidade de vida das pessoas.

Executado no Horto Medicinal do bairro Cruzeiro do Sul e no Viveiro Municipal, o projeto barbarense participará de uma seleção nacional no início do próximo mês em Brasília, momento em que serão escolhidos os projetos que representarão o País em evento internacional a ser realizado pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

Coordenado pela médica sanitarista Dra. Nair S. N. Guimarães, com o apoio de servidores da Prefeitura, o projeto desenvolvido no município dispõe do cultivo de sementes de plantas medicinais, capacitando produtores e formando um grupo de estudos sobre a fitoterapia. Entre os setores da Administração Municipal envolvidos na execução estão as secretarias de Meio Ambiente, Saúde, Educação e Promoção Social. "O apoio da Prefeitura é importante. Este projeto foi expandido pela atual gestão, que nos proporciona todo o auxílio para o preparo de canteiros, disponibilizando técnicos e profissionais", comentou Nair, também apoiadora da Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Na ótica da profissional, a série de parcerias firmadas faz com que o projeto tenha maior sustentação e qualidade. "Contamos com ótimos profissionais ao nosso lado, como professores e pesquisadores de universidades. Agradeço a Prefeitura e também aos professores Dr. Pedro Magalhães, do Centro de Pesquisas Pluridisciplinar de produtos biológicos e agronômicos (CPQBA-Unicamp), Lindolpho Capellari Junior, do Departamento de Ciências Biológicas da Esalq-USP e Dra. Ana Maria Sperandio, da Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis", disse. "Os apoios são importantes e fazem com que o nosso projeto seja devidamente reconhecido", acrescentou.

Fonte: Redação

Data: 07.11.2013


Health Benefits of Wild Blueberries Abound

Nov. 6, 2013 — Wild blueberries are a rich source of phytochemicals called polyphenols, which have been reported by a growing number of studies to exert a wide array of protective health benefits. A new study by researchers at the University of Maine adds to this growing body of evidence.

This new research, published today in the journal Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism, shows that regular long-term wild blueberry diets may help improve or prevent pathologies associated with the metabolic syndrome, including cardiovascular disease and diabetes.

"The metabolic syndrome (MetS) is a group of risk factors characterized by obesity, hypertension, inflammation, dyslipidemia, glucose intolerance and insulin resistance, and endothelial dysfunction," explains Dr. Klimis-Zacas, a Professor of clinical nutrition at the University of Maine and a co-author of the study. "MetS affects an estimated 37% of adults in the US ." Many substances found in food have the potential to prevent MetS, thus reducing the need for medication and medical intervention.

"We have previously documented the cardiovascular benefits of a polyphenol-rich wild blueberry in a rat model with impaired vascular health and high blood pressure," says Klimis-Zacas. "Our new findings show that these benefits extend to the obese Zucker rat, a widely used model resembling human MetS."

"Endothelial dysfunction is a landmark characteristic of MetS, and the obese Zucker rat, an excellent model to study the MetS, is characterized by vascular dysfunction. The vascular wall of these animals shows an impaired response to vasorelaxation or vasoconstriction which affects blood flow and blood pressure regulation."

According to the study, wild blueberry consumption (2 cups per day, human equivalent) for 8 weeks was shown to regulate and improve the balance between relaxing and constricting factors in the vascular wall, improving blood flow and blood pressure regulation of obese Zucker rats with metabolic syndrome.

"Our recent findings reported elsewhere, documented that wild blueberries reduce chronic inflammation and improve the abnormal lipid profile and gene expression associated with the MetS." Thus, this new study shows even greater potential such that "by normalizing oxidative, inflammatory response and endothelial function, regular long-term wild blueberry diets may also help improve pathologies associated with the MetS."

Journal Reference:
Stefano Vendrame, Aleksandra S. Kristo, Dale A. Schuschke, Dorothy Klimis-Zacas. Wild blueberry consumption affects aortic vascular function in the obese Zucker rat. Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism, 2013; : 1 DOI: 10.1139/apnm-2013-0249


Japanese Superfood Prevents Flu Infection

Nov. 6, 2013 — Scientists have discovered that bacteria found in a traditional Japanese pickle can prevent flu. Could this be the next superfood?

The research, which assesses the immune-boosting powers of Lactobacillus brevis from Suguki -- a pickled turnip, popular in Japan -- in mice that have been exposed to a flu virus, is published today in the SfAM journal, Letters in Applied Microbiology.

Lead researcher, Ms Naoko Waki of KAGOME CO., LTD. in Japan said: "Our results show that when a particular strain of Lactobacillus brevis is eaten by mice, it has protective effects against influenza virus infection."

Suguki enthusiasts have often cited its protective powers but it is not known yet whether the same effects will be seen in humans. Human clinical trials using a probiotic drink containing Lactobacillus brevis KB290 bacteria are underway and scientists are hopeful that, given a suitable quantity of bacteria, foods containing them may turn out to be the next superfood.

What it is about the bacteria that gives them this amazing property is not known, but it is remarkably tolerant to stomach juices, which are too acidic for many bacteria. This is largely due to a protective layer of sugars called exopolysaccharides.

"We know that exopolysaccharides have immune boosting effects in other similar bacteria, so we wonder if the exopolysaccharides of KB290 are responsible for the effects we see," said Ms Waki. Further studies will be undertaken to investigate this.

The effect of the bacteria is to increase the production of immune system molecules in the body -- IFN-α and flu-specific antibodies -- and to enhance activity to eradicate virus infected cells. In this study these effects were sufficient to prevent infection by the H1N1 flu and the scientists think that there could also be protection against other viral infections, including the deadly H7N9 flu, which has recently emerged in China.

Journal Reference:
N. Waki, N. Yajima, H. Suganuma, B.M. Buddle, D. Luo, A. Heiser, T. Zheng. Oral administration ofLactobacillus brevisKB290 to mice alleviates clinical symptoms following influenza virus infection. Letters in Applied Microbiology, 2013; DOI: 10.1111/lam.12160


Speaking a Second Language May Delay Different Dementias

Nov. 6, 2013 — In the largest study on the topic to date, research shows that speaking a second language may delay the onset of three types of dementias. The research is published in the November 6, 2013, online issue of Neurology®, the medical journal of the American Academy of Neurology.

The study found that people who spoke two languages developed dementia four and a half years later than people who only spoke one language.

“Our study is the first to report an advantage of speaking two languages in people who are unable to read, suggesting that a person’s level of education is not a sufficient explanation for this difference,” said study author Suvarna Alladi, DM, with Nizam's Institute of Medical Sciences in Hyderabad, India. “Speaking more than one language is thought to lead to better development of the areas of the brain that handle executive functions and attention tasks, which may help protect from the onset of dementia.”

For the study, 648 people from India with an average age of 66 who were diagnosed with dementia were evaluated. Of those, 391 spoke two or more languages. A total of 240 had Alzheimer’s disease, 189 had vascular dementia and 116 had frontotemporal dementia, with the remainder having dementia with Lewy bodies and mixed dementia. Fourteen percent were illiterate.

People who spoke two languages had a later onset of Alzheimer’s disease, frontotemporal dementia and vascular dementia than people who spoke only one language. The difference was also found in those who could not read. There was no additional benefit in speaking more than two languages.

The two-language effect on age of dementia onset was shown separately of other factors such as education, gender, occupation and whether participants lived in the city or country.

“These results offer strong evidence for the protective effect of bilingualism against dementia in a population very different from those studied so far in terms of its ethnicity, culture and patterns of language use,” Alladi said.

Journal Reference:
Suvarna Alladi, DM, Thomas H. Bak, MD, Vasanta Duggirala, PhD, Bapiraju Surampudi, PhD, Mekala Shailaja, MA, Anuj Kumar Shukla, MPhil, Jaydip Ray Chaudhuri, DM and Subhash Kaul, DM. Bilingualism delays age at onset of dementia, independent of education and immigration status. Neurology, November 2013


Food Blogs Serve as Source of Nutritionally Balanced Recipes? Analysis of Six Popular Food Blogs

Nov. 7, 2013 — More people are cooking at home, and more people are finding their recipes online via food blogs. The photos of dishes posted on the blogs, however, may attract potential cooks more than the nutritional value of the recipes. In addition, many food companies sponsor these sites, so the recipes become advertisements for their products. This has the potential to change the healthfulness of the recipes.

Researchers in Massachusetts investigated whether food blogs provided nutritionally balanced recipes for the public or not. According to lead author Elizabeth Schneider, MS, RD, Nutrition Department, Simmons College, Boston, "We identified 6 food blogs that were very popular. It is really surprising that these blogs may have more than 2 million visits per month. This large reach makes the food blog an important component for nutrition education."

Their final sample included 96 recipes for entrees, which were then classified according to their main ingredient. Not surprisingly, the vegetarian entrees were lower in calories, saturated fat, and sodium. Overall, the sampled recipes were acceptable in calories but excessive in saturated fat and sodium. This creates an opportunity for nutrition educators and dietitians to educate clients, partner with bloggers, or begin their own food blogs that post healthier recipes.

The authors point out that multiple opportunities exist for a dietitian's presence online and that it is the responsibility of food and nutrition professionals to recognize these opportunities and continue to come up with ways to inform the public on the nutritional value of recipes as consumers use online search more than ever.

"It's exciting to live in an online generation and I believe there is a need for dietitians to have a spot in the food blogging culture," concludes Schneider. "Wouldn't it be great to find a 'dietitian approved' icon next to healthy online recipes, giving the public peace of mind knowing that the recipes are nutritious?"

Journal Reference:
Elizabeth P. Schneider, MS, RD; Emily E. McGovern, MS, RD; Colleen L. Lynch, MS, RD; Lisa S. Brown, PhD, RD. Do Food Blogs Serve as a Source of Nutritionally Balanced Recipes? An Analysis of 6 Popular Food Blogs. Journal of Nutrition Education and Behavior, November/December 2013


Torta de mamona é alternativa para alimentação animal

Por Fernando Pivetti - fernando.pivetti@usp.br Publicado em 5/novembro/2013

As sobras do processo de extração tinham altos teores de proteínas, fibras e minerais

A torta de mamona, subproduto do processo da extração de óleo da semente da mamona, possui alto teor proteico e aparece como alternativa para a alimentação animal e para a produção de materiais biodegradáveis. Pesquisa da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) da USP comprovou que o produto pode ser considerado uma matéria prima de boa qualidade, pois apresenta um alto teor de proteína e fibras.

Em sua pesquisa de doutorado, a bióloga Roseli Sengling Lacerda trabalhou com a extração de parte da proteína da torta de mamona, caracterizando quimicamente os resíduos da extração da proteína com a finalidade de verificar o potencial de uso na alimentação animal. “A outra proposta foi estudar a utilização da proteína na produção de material biodegradável, como por exemplo, a confecção de sacos plásticos para serem utilizados em mudas para a agricultura”.

A extração das proteínas foi realizada em laboratório empregando-se agentes alcalinos, como o hidróxido de sódio e hidróxido de potássio, em diferentes concentrações de pH. “Os pH variavam de 10 a 12, numa escala que vai de 1 a 14. Foram analisados a influência de vários fatores no processo de extração de proteínas, como a concentração da torta na solução de extração, a velocidade de agitação, a temperatura e o tempo de extração”. A solução sobrenadante da extração foi direcionada para as pesquisas relacionadas ao desenvolvimento de material biodegradável e o resíduo da extração, aos estudos referentes à alimentação animal.

Segundo a pesquisadora, as sobras do processo de extração apresentaram elevados teores de proteínas, fibras e minerais, o que caracteriza um grande potencial para serem utilizados na alimentação animal. “Os resíduos possuem boas características para substituir, em parte, o farelo de soja, uma das principais matérias primas utilizadas na formulação de ração para ruminantes”.

Roseli ressalta que o processo de extração das proteínas, em meio alcalino, se mostrou um bom tratamento contra a toxidez da torta da mamona. “À medida que se aumentou o pH, tanto com hidróxido de sódio quanto com hidróxido de potássio, houve o desaparecimento da banda de ricina nas análises”. A ricina é uma proteína responsável pela toxicidade do resíduo.

Potencial de mercado

A pesquisadora aponta que a possível utilização desses resíduos para emprego em nutrição animal e de produção de material biodegradável aparece como uma das grandes alternativas de mercado. Segundo ela, a vantagem está na grande quantidade de resíduo da mamona encontrado nas indústrias, seja para extração do óleo ou para produção do biodiesel.

“Atualmente, o resíduo desta extração é utilizado como adubo orgânico. Assim, com a extração das proteínas para ser utilizada na produção de material biodegradável e se eliminados os componentes tóxicos existentes na torta de mamona, podemos utilizá-lo também como parte da alimentação animal devido ao seu grande valor proteico”.

Para ela, o próximo passo a ser dado é a aplicação prática desse processo. “Até o momento foram realizados apenas ensaios em laboratório. Necessitamos agora de aplicação prática para que o produto possa ser testado e indicado para a alimentação animal”.

Quanto aos custos relacionados à nutrição animal para ruminantes, Roseli acredita que haveria uma diminuição se o mesmo fosse adicionado como um ingrediente rico em proteína, como a torta de mamona, que possui grande oferta no mercado.

Imagem: Marcos Santos / USP Imagens

Mais informações: email rslacerd@usp.br, com Roseli Lacerda


Natural Products Discovery Group Asks for Public's Help With Citizen Science Program

Nov. 7, 2013 — The University of Oklahoma Natural Products Discovery Group has taken an unconventional approach to finding new compounds with therapeutic relevance by launching a crowdsourcing initiative with citizen scientists from around the country. With this approach, OU researchers team with the public to sample soils from all across the United States for the purpose of identifying new microorganisms that produce drug-like compounds. This effort recently led to the discovery of maximiscin, a unique bioactive compound obtained from a soil sample submitted by an Alaskan citizen, which has shown early promising results by stopping the growth of melanoma cells in vivo.
OU researchers team with the public to sample soils from all across the United States for the purpose of identifying new microorganisms that produce drug-like compounds. (Credit: © WavebreakMediaMicro / Fotolia)

"The exciting part of this discovery is that a citizen scientist participated in our program and sent us this sample," says Robert H. Cichewicz, associate professor in the OU College of Arts and Sciences and director of the National Products Institute. "We probably would not have discovered this compound without the Citizen Science Program." Cichewicz is collaborating on the project with S.L. Mooberry, University of Texas Health Science Center at San Antonio; A.N. Miller, University of Illinois; and L. Du, J.B. King and E.R. Powell, OU Natural Products Discovery Group.

"In the next phase of this research, we need to learn more about the molecule to see how it functions and how we can make it better," Cichewicz explains. "We have to take this bioactive compound from a discovery to a lead compound and, fortunately, OU recently invested in expanding these efforts with the establishment of the new Institutes for Natural Products Applications and Research Technologies." This new center, housed in the Stephenson Life Sciences Research Center on the OU Research Campus, is bringing together researchers from several different disciplines to collaborate on drug target discovery from natural sources."

During the last several years, the OU Natural Products Group has collected several thousand fungi from soil samples primarily obtained from three environmentally disparate regions: Alaska (artic/sub-arctic); Hawaii (tropical); and Oklahoma (subtropical/semi-arid). Despite these efforts, the team can only access a relatively slim portion of the available microbial diversity. This group predicts that a significant number of compounds with therapeutic potential await discovery from the untapped majority of the soils' microbial inhabitants. For this reason, the Citizen Science Program is an important part of the discovery process. By teaming with citizen scientists, the public becomes an active participant in the search for new drugs.

"The public is very curious about science and many of the people I have spoken with are eager to join in the search for new bioactive compounds. With the public as part of the team, we are expanding the search for new medicinal agents to include many previously unexplored areas, as well as providing a means for informing people about how new drugs are discovered," Cichewicz notes. "So far, results have been encouraging with samples arriving from as far away as California, Hawaii and Alaska. We are thrilled with the early response we have seen to this program, and we look forward to continuing our efforts with our citizen science partners from across the country."


Calcium, Vitamin D Improve Bone Density in Patients Taking Antiepileptic Drugs

Nov. 7, 2013 — A recent prospective, randomized, placebo-controlled clinical trial reports that calcium and vitamin D supplementation improves bone density in a group of male veterans with epilepsy who were treated chronically with antiepileptic drugs (AEDs). The results published in Epilepsia, a journal of the International League Against Epilepsy (ILAE), suggest that risedronate, a bisphosphonate, may help to prevent new vertebral fractures when taken with calcium and vitamin D supplementation.

Full story: