sábado, 22 de dezembro de 2012

Natal e Garfield

Natal e a turma do Charlie Brown

Regulação para medicamentos fitoterápicos foi discutida em reunião internacional

Representantes de 24 autoridades reguladoras mundiais se reuniram neste mês, em Curitiba (PR), para discutir ações, soluções e estratégias que garantam a qualidade, a segurança e a eficácia dos medicamentos fitoterápicos no mundo. Os debates fizeram parte da 6ª Reunião Anual da Cooperação Regulatória Internacional para Medicamentos Fitoterápicos (IRCH).

Na abertura, o diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Barbano, destacou o papel do encontro na construção de alianças entre as agências reguladoras ao redor do mundo. “O Brasil tem trabalhado pelo intercâmbio e cooperação em regulação sanitária com diversos países. Esse encontro vem fortalecer as iniciativas na área de fitoterápicos.”

Para Barbano, a grande biodiversidade brasileira é matéria fértil para o desenvolvimento de fitoterápicos. “O uso das plantas medicinais significa, além do aproveitamento da biodiversidade do Brasil, a possibilidade de geração de renda para a agricultura familiar, fortalecendo o Programa Brasil sem Miséria”, pontuou.


Esse ano, no intuito de envolver especialistas de países das Américas, o encontro foi organizado no Brasil, na cidade de Curitiba, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e conta com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Participam, como membros, representantes das autoridades regulatórias do Brasil, China, Índia, Indonésia, México, Omã, Arábia Saudita, Singapura, Reino Unido, Tanzânia, EMA (European Medicines Agency) e Asean (Association of Southeast Asian Nations). Como observadores, participam representantes da Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Cuba, Itália, Moçambique, Peru, Portugal, Uruguai e Zâmbia.

Com um total de 70 participantes, a 6ª Reunião Anual da Cooperação Regulatória Internacional para Medicamentos Fitoterápicos busca contribuir com o aperfeiçoamento das capacidades institucionais das autoridades das Américas, além de fortalecer ações de cooperação e troca de informações em saúde.


Criada em 2006, a IRCH é um grupo técnico, voluntário, formado por autoridades sanitárias de 24 países. O Brasil participa do grupo desde sua criação. A IRCH incentiva os países a trabalharem na formulação de suas próprias políticas e regulamentações. Esses encontros anuais promovem os alinhamentos das práticas nacionais com as recomendações e diretrizes internacionais sugeridas pelo grupo.

A primeira reunião da IRCH foi realizada em Beijing, China, em 2006. Kuala Lumpur foi a sede da segunda, em 2007. O terceiro encontro, em 2009, foi realizado em Montreal, Canadá. A Cidade de Dubai, Emirados Árabes, sediou a quarta reunião do grupo em 2010. E, finalmente, o quinto encontro foi novamente na China, na cidade de Guangzhou, em 2011.

Fonte: Anvisa

Programa Cifras & Safras - Entrevista Dr. Sérgio Tinoco Panizza - Parte 2

Programa Cifras & Safras - Entrevista Dr. Sérgio Tinoco Panizza - Parte 1

Leitura online: Herbal medicines for human use - European Medicines Agency


Leitura online: List of German Commission E Monographs (Phytotherapy)


Sociedades e instituições internacionais de plantas medicinais

Uruguai - http://sociedaduruguayadefitoterapia.blogspot.com.br/

Argentina - http://www.plantasmedicinales.org/

Espanha - http://www.fitoterapia.net/portada/portada_editor.php

Ítalo - latinoamericana - http://www.silae.it/por/index

Sociedade Americana de Farmacognosia - http://www.pharmacognosy.us/

Europa - http://www.escop.com/

Diana Pequeno - Blowin'in The Wind

Banish insomnia for good with acupuncture

December 21, 2012 by: J. D. Heyes

(NaturalNews) Having trouble sleeping? Don't resort to a prescription solution; try a little acupuncture, the Chinese-developed treatment for a host of health-related issues.

First things first, however. In order to best treat your insomnia, you need to figure out why you're experiencing it.

"Although insomnia is the most common sleep complaint, it is not a single sleep disorder. It's more accurate to think of insomnia as a symptom of another problem. The problem causing the insomnia differs from person to person," says HelpGuide.org.

What kind of stressors do you have in your life? Can you manage them better? What about your eating habits - do you like to eat heavy meals late, like within an hour of going to bed? Do you drink too much caffeine throughout the day? Each of these can cause you to lose sleep. "The good news is that most cases of insomnia can be cured with changes you can make on your own - without relying on sleep specialists or turning to prescription or over-the-counter sleeping pills," HelpGuide.org advises.

Enter acupuncture.

Studies have shown effectiveness

"Insomnia is commonly encountered in clinical practice, reportedly, with a prevalence of nearly 40 percent in certain populations," says the journal Medical Acupuncture. "Although not commonly used for this condition, acupuncture may be helpful in the treatment of insomnia and has an excellent tolerability and safety profile."

The concept of acupuncture focuses on the so-called yin and yang energy within your body. From CenterAccupuncture.com:

The Yang energy circulates through the Yang areas of your body during the day keeping your mind active. At night, this Yang energy should return to the Yin areas of your body, deeper and lower in your body. If the Yang energy stays in the Yang areas of your brain and eyes, these parts will continue to be energized and prevent you from falling asleep leading to insomnia.

A 2007-2008 study in Taiwan involving 33 patients with primary insomnia found that acupuncture was as effective as the drug zolpidem (sold under the brand names of Ambien, tilnox, and Sublinox). In that study, participants were either given one acupuncture treatment per week or 10 mg of zolpidem per night.

"Researchers found both groups improved over time at a similar rate," said s summary of the study. "Results suggest that acupuncture may be an effective therapy for insomnia."

The most common "treatment" for insomnia in the U.S. is, unfortunately, medication - not just sleep aids but also benzodiazepines and tricyclic antidepressants. Sedatives and oral hypnotics are also utilized heavily, but they "have high abuse potential and can be addicting," Medical Acupuncture says.

The tricyclic antidepressants can have debilitating and undesirable effects too, such as dry mouth, orthostatic hypotension (dramatically decreased blood pressure upon standing or standing too quickly), urinary retention or heart arrhythmias.

Repeated treatments may be necessary

While drugs can have blanket effects on patients, acupuncturists take a much more individualized approach.

"Acupuncturists take a detailed history, which includes questioning, pulse analysis and tongue diagnosis, to give a complete picture of the patient as a whole. Even if it is determined that two different patients have insomnia as a result of yin deficiency, their treatments may still be different, depending on each person's constitution (strength and type of overall body and health) and other factors," writes Melissa Sokulski, an acupuncturist, herbalist, and founder of the website Food Under Foot.

According to experts, you're most likely to get your best night's sleep right after your acupuncture treatment, but several days later, your insomnia could return.

"This is in indication that you should receive your acupuncture treatment for insomnia more frequently. It usually takes several acupuncture treatments per week, for several weeks to fully resolve chronic insomnia," CenterAccupuncture.com advises.


Coffee reduces risk of death from cancer

December 22, 2012 by: David Gutierrez

(NaturalNews) People who drink four or more cups of caffeinated coffee each day have only half the risk of dying from oral or pharyngeal cancer when compared to those who drink less, according to a new American Cancer Society study published in the American Journal of Epidemiology.

Prior studies have found that higher levels of coffee consumption are correlated with a lower risk of contracting oral and pharyngeal cancer. For example, a study published in the journal Cancer Epidemiology Biomarkers and Prevention in November found that coffee drinkers (as long as they had fewer than five cups a day) were 39 percent less likely to develop cancer of the mouth or throat than non-coffee drinkers - although the effect was weaker in those who regularly smoked or drank liquor. The researchers noted that scientists have identified more than a thousand natural coffee chemicals that may have cancer-fighting properties.

In the American Cancer Society study, researchers looked for a connection between rates of death from oral or pharyngeal cancer and consumption of tea, caffeinated coffee and decaffeinated coffee. The researchers used data from the Cancer Prevention Study II, a long-term study launched by the society in 1982.

"Coffee is one of the most widely consumed beverages in the world, and contains a variety of antioxidants, polyphenols, and other biologically active compounds that may help to protect against development or progression of cancers," lead author Janet Hildebrand said.

Four cups a day, half the risk

The researchers examined 968,432 adults who were cancer-free as of 1982. In the intervening 26 years, 868 of the study's participants died of mouth or throat cancer. Using this data, the researchers found that people who drank four cups or more of caffeinated coffee each day were 49 percent less likely to die from throat or mouth cancer than people who never drank coffee or only occasionally. In fact, every cup per day that a person consumed significantly decreased the risk of death, even after the researchers corrected for sex, alcohol use or smoking.

The researchers also found evidence that consuming two or more cups of decaffeinated coffee per day might similarly reduce the risk of death from cancer, but the findings were not statistically significant enough for the researchers to declare confidence in them. No connection was found between tea consumption and cancer death.

Because the study only looked at correlation, it could not determine whether coffee consumption directly causes the observed reduction in risk of death. Even if coffee does directly reduce a person's risk of dying from these cancers, it remains to be seen whether it does so by reducing the risk of contracting the cancer, improving the prognosis or both.

"Although it is less common in the United States, oral/pharyngeal cancer is among the ten most common cancers in the world," Hildebrand said. "Our finding strengthens the evidence of a possible protective effect of caffeinated coffee in the etiology and/or progression of cancers of the mouth and pharynx."


sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Playing For Change Day 2012 - conheçam o movimento


"What A Wonderful World" Louis Armstrong

Ceará: O Semiárido das mulheres - remédio para aumentar a renda das famílias

Quarta, 12 de Dezembro de 2012 

Projeto tem por finalidade aumentar renda familiar com a fabricação artesanal de xaropes, lambedores, sachês e inclusão de gênero no trabalho

Por Hugo Renan do Nascimento

Galeno diz que a Ematerce trabalha para conseguir um farmacêutico que ajude na manipulação dos produtos. Depois da fabricação, os produtos poderão ser vendidos em farmácias, supermercados e feiras locais. “A gente está tentando conseguir mercado para eles, que também tenham mais qualidade nos produtos e possam ter um selo para vender no comércio”, completa Galeno. A expectativa do assessor é que as mulheres produzam com selo da agricultura familiar.

Segundo Galeno, antes, a atividade predominante na comunidade era a agricultura de sequeiro. Com a chegada da horta medicinal, as mulheres começaram a exercer outro trabalho. São 22 empregos diretos e 15 famílias beneficiadas. Hoje 10 mulheres tomam de conta dos 24 canteiros. “As mulheres têm o seu lugar na mão de obra local, agora elas têm uma função diária”, completa o assessor técnico. Com os produtos, a partir das plantas medicinais, parte do dinheiro fica com elas e a outra parte vai para a associação de moradores. 

Galeno diz que no começo do projeto as mulheres eram mais tímidas, mal falavam, tinham vergonha de se comunicar. Agora, elas participam abertamente de todo o processo do trabalho produtivo, interferem, dão sugestões e participam dos acompanhamentos. “Antes as mulheres eram caladas, tinham vontade de realizar uma atividade, mas eram desunidas”, completa a assessora técnica da Ematerce, Suelem Medeiros. 

Medeiros é outra técnica que acompanha o projeto das plantas medicinais em Barroquinha. Junto do marido, Davi Galeno, os dois trabalham na Ematerce e orientam as mulheres da Lagoa do Barro. Segundo ela, a expectativa é levar o trabalho adiante e em breve expandir a área de cultivo. 

A expectativa dos dois é levar o projeto para outras áreas do Ceará, mas, como Galeno afirma, a grande dificuldade é convencer os agricultores do retorno financeiro. “Eu também espero que este trabalho sirva de exemplo para outras comunidades porque é difícil a gente colocar esta cultura no agricultor do Ceará. Eles ainda têm pouco conhecimento sobre isso”, reforça o assessor técnico.

De acordo com ele, um projeto como este precisa ser atendido por um conjunto de fatores. “Organização, comprometimento dos agricultores e dedicação para cuidar das plantas”, completa Galeno.

Suelem Medeiros também tem a mesma posição. A esperança da assessora técnica é encontrar um grupo que queira levar o projeto adiante. “Há outros assentamentos que tem área para o cultivo, mas é difícil a gente achar interesse neles. É difícil encontrar um grupo que queira se organizar para fazer isso”, reitera.
Resultados x paciência

Um ponto que Medeiros enfatiza é a expectativa das mulheres em relação ao retorno, não apenas financeiro, mas de resultados palpáveis. “A gente vê nas mulheres uma ansiedade em relação ao retorno do trabalho que estão fazendo”. A assessora diz que as mulheres querem obter resultados positivos o quanto antes, mas reforça que isso somente será obtido com o tempo e com o amadurecimento do projeto.

A horta tem área de 400 m2 irrigados, onde foram construídos 24 canteiros alternativos de garrafas PET, pneus e estacas, incentivando assim a reciclagem desses materiais na comunidade. Os materiais foram conseguidos por meio de uma parceria com a prefeitura de Barroquinha, que estimulou alunos das escolas públicas do município a doarem o material.

As mudas da horta foram doadas pela UFC e todas são certificadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A Ematerce entra com o apoio técnico e a comunidade com a mão de obra feminina. Além de Barroquinha, o projeto também está presente no município de Chaval. Entretanto, lá as hortas são individuais. Ao todo são três famílias atendidas.

O engajamento das pessoas não foi um problema no assentamento Lagoa do Barro. As pessoas receberam bem a ideia e o projeto está sendo tocado para frente pelas mulheres da comunidade. Entretanto, a maior dificuldade enfrentada por todos é ainda o acesso à água. 

A meta de expandir a área de cultivo esbarra exatamente na questão da água. Atualmente o assentamento é atendido por apenas um poço profundo que leva água paras as 15 famílias. “A gente está tentando arranjar outro poço, mas antes disso estamos organizando a parte de comercialização do produto”, afirma Davi Galeno, assessor técnico da Ematerce.

Segundo Galeno, a maior dificuldade é realmente a água, que é usada de forma racional. “A nossa recomendação é regar as plantas de manhã cedo e de tardezinha por conta da diminuição da evaporação”, comenta o assessor da Ematerce. Outra dificuldade, que será resolvida em breve, antecipa o técnico, é a certificação do produto. “Estamos trabalhando para resolver isso”, frisa.

As dificuldades são muitas, mas a vontade de superá-las é maior, como diz Dona Josefa Justino. “Força de vontade existe”. E esta força se torna maior quando estão todos unidos”, reforça, esperançosa. “O sonho da gente nunca termina. É a gente sonhando e sonhando mais", completa Seu Manoel Rodrigues, numa alusão ao desenvolvimento de sua comunidade.


Ceará: Projeto leva horta de plantas medicinais para Barroquinha

Quarta, 12 de Dezembro de 2012 

Projeto trouxe à comunidade muitas oportunidades, principalmente para as mulheres
Por Hugo Renan do Nascimento

As mulheres vão chegando aos poucos à horta medicinal. Timidamente se organizam para falar do projeto das plantas que viram remédio, implementado pela Empresa de Assistência Técnica de Extensão Rural do Ceará (Ematerce), em parceria com a Universidade Federal do Ceará (UFC), no assentamento Lagoa do Barro, em Barroquinha, a 420 quilômetros de Fortaleza, capital do Ceará. Precisam estar arrumadas, segundo elas. São as mulheres do assentamento que cuidam dos canteiros e da produção de lambedores e tinturas feitos com as folhas das plantas.

Dona Josefa Justino, de 56 anos, é uma das mulheres mais animadas com o projeto. É a primeira a chegar à horta e a mostrar o canteiro do qual ela cuida. A agricultora mora na região há mais de 30 anos e no assentamento há 13 anos, desde a sua fundação. “Nós temos muita coisa boa aqui e depois que viemos morar no assentamento nossa vida mudou bastante”, diz. As dificuldades sempre existiram, segundo ela, mas agora está tudo mais fácil, inclusive trabalho. Dona Josefa tem seis filhos e a maioria deles mora fora do assentamento. 

O projeto trouxe à comunidade muitas oportunidades, principalmente às mulheres. Dona Josefa se diz feliz porque agora ela tem uma função diária e que a partir desta atividade pode conseguir algum dinheiro com a venda dos produtos. A questão da mão de obra no assentamento é importante uma vez que as mulheres normalmente ficam em casa cuidando do lar. Hoje elas têm orgulho do trabalho.
Incentivo do marido

O marido de Dona Josefa e vice-presidente da associação de moradores, Seu Manoel Rodrigues da Silva, 60 anos, é um grande incentivador dos projetos que trazem benefícios ao povo da Lagoa do Barro. Sentado em um pneu velho improvisado na horta medicinal, ele se emociona com os rumos que o assentamento tem tomado nos últimos meses. 

O cansaço do trabalho no campo não o impediu de continuar todas as atividades que exerce, entre elas, o trabalho nos carnaubais. Nem a dor nas costas o fez parar. Por isso, segue tirando as folhas da planta para produzir a cera da carnaúba. A época exige muito trabalho e as mulheres da comunidade são responsáveis por fazer a comida e levá-la aos maridos, nos campos onde tiram as folhas. 

E Dona Josefa reclama do trabalho do marido. Ele já passou da idade, afirma preocupada. O marido, um tipo que não se rende, faz o serviço todos os anos. E como ele mesmo diz: “Minha vida é essa, no campo, trabalhando com minha esposa e com meus amigos”. Animado, o homem diz que o projeto das plantas medicinais é um exemplo a ser seguido por outras comunidades. “Nunca deixei de pensar em crescer, a expectativa é evoluir e ver a comunidade crescendo”, completa Seu Manoel.

Empolgado com o trabalho das mulheres, o agricultor se pergunta o que de bom o projeto traz à comunidade. E resume: “Quando se fala em plantas medicinais se fala em saúde. Além disso, trouxe trabalho e renda para a comunidade”. E nada melhor do que crescer. Seu Manoel é otimista: “Futuramente eu espero que a plantação cresça mais. A gente tem terreno e trator”.

Otimismo contagiante
O otimismo da comunidade é geral. Um projeto que só tem a crescer, segundo as mulheres. Nicilda Araújo do Nascimento, 36 anos, e Adelaide Araújo do Nascimento, 45 anos, são duas irmãs que ajudam na horta. Chegam juntas ao terreno e fazem questão de dar algum depoimento. Estão felizes, é o que se ouve. “Para mim não tem nada difícil não. Eu enfrento tudo e estamos com fé que vai pra frente. Eu estou animada com a produção”, afirma Dona Adelaide. A mulher se diz experiente com hortas e para ela este trabalho é valoroso. “Eu já sabia muito sobre canteiro porque fazia muito em casa. Gosto de ver tudo verde e bonito”, reforça.

Francisca das Chagas Aguiar, 37 anos, é outra trabalhadora da horta. As poucas palavras ditas são suficientes para entender que o serviço na plantação é uma preciosidade. As plantas são tratadas com carinho, de acordo com ela. E a vida foi mudando aos poucos depois do projeto. “Antes de a gente vir para cá [para o assentamento] a nossa terra era dividida, assim como a produção. Parte de tudo era dividido com o dono da terra. Agora é tudo da gente”, diz. 

As melhorias são sentidas quando se pergunta que trabalhos a mulher faz. E a resposta na ponta da língua revela os diversos afazeres. “Estamos unidas no projeto. Cada uma cuida do seu canteiro. E eu ainda cuido da casa e trabalho vendendo roupa”, completa Francisca.

O trabalho na horta, feito em conjunto, proporciona ainda vários momentos de lazer entre amigas. Laís Teodora dos Santos, 53 anos, é dessas que realiza o serviço pensando na companhia das mulheres. “A gente trabalha com as amigas e isso é muito bom e divertido”, diz. Sua expectativa é a melhoria das condições, com a venda dos produtos e com o acesso à água.


Cartilha Educativa da Assistência Farmacêutica - Secretaria de Saúde - Santos, SP


Ciência une-se ao conhecimento popular

por Pedro Fernandes / Novembro e Dezembro 2012
foto Alexandre Moraes

A malária, doença causada por protozoários do gênero Plasmodium, é um sério problema de saúde pública em vários países, principalmente, nos de clima tropical ou subtropical e em desenvolvimento. No mundo, cerca de 500 milhões de novos casos são registrados por ano. A mortalidade é estimada entre dois e três milhões de pessoas. O maior número de fatalidades ocorre na África e as principais vítimas são crianças menores de cinco anos. No Brasil, a maior parte dos casos de malária ocorre na Amazônia.

A cloroquina (CQ) ainda é o principal medicamento disponível no mercado para tratamento contra a malária. Entretanto os parasitas do gênero Plasmodium (agentes causadores) e os mosquitos do gênero Anopheles (agentes transmissores) estão mais resistentes aos fármacos e aos inseticidas, respectivamente. Como consequência, tem-se observado um aumento de casos e de mortes provocadas pela malária.

Por isso, a necessidade de novos medicamentos para combater a malária. Partindo dessa demanda, o Projeto de Pesquisa “Rede de Produtos Naturais para a Quimioterapia Antimalárica”, coordenado pela professora Alaíde Braga de Oliveira, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), avalia a atividade antimalárica (potencial antiplasmódico) de plantas medicinais utilizadas pelo conhecimento popular para tratamento contra a malária a fim de desenvolver, a partir destas espécies vegetais, medicamentos com um grau de qualidade, eficiência e segurança elevados.

Trata-se de um projeto multidisciplinar e interinstitucional que compreende estudos fitoquímicos, toxicológicos, farmacológicos, farmacotécnicos, testes laboratoriais, ensaios com animais infectados, humanos sadios (voluntários) e acometidos pela doença. O projeto é financiado pelo Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
Testes visam à obtenção de extrato único

A integração das instituições visa a identificação das substâncias ativas (antiplasmódicas) nas plantas medicinais usadas pela fitoterapia popular no tratamento contra a malária e a produção, a partir destas espécies vegetais, de medicamentos padronizados. “O extrato ativo precisa ser padronizado, conforme pede a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC-14/2010) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Somente um extrato uniformizado, tecnologicamente desenvolvido, pode dar origem a um medicamento (fitoterápico). É este medicamento que poderá ser registrado na Anvisa”, explica o professor Wagner Luiz Ramos Barbosa, da Faculdade de Farmácia da UFPA, um dos responsáveis pelos estudos fitoquímicos no Projeto.

Os estudos fitoquímicos têm funções específicas. Preparar os extratos, investigar a composição química, avaliar se possuem substâncias ativas e padronizá-los. Constatado o potencial antiplasmódico dos extratos, estão aptos a ser padronizados ou fracionados. No primeiro caso, obtém-se diretamente um fitoterápico (ou fitomedicamento), que é uma forma alternativa de tratamento. No segundo, obtém-se uma fração a partir da qual se poderá produzir um fitoterápico.

Além disso, a fração obtida do extrato pode conter uma substância ativa, a partir da qual poderá ser desenvolvido um alopático, medicamento que trata a doença de forma convencional. E, ainda, esta substância ativa pode ser sintetizada e produzir outra substância, a partir da qual se poderá desenvolver também um alopático, um medicamento sintético. Há, também, outro procedimento: a semissíntese. Por meio desse processo, uma substância não ativa, pertencente àquela fração, pode ser transformada em uma substância ativa. E esta, por sua vez, em um alopático.

Após a validação e a padronização fitoquímica, o passo seguinte é analisar, do ponto de vista farmacológico, a viabilidade de esses remédios tornarem-se recursos terapêuticos fitoterápicos. Para isso, os possíveis medicamentos são submetidos a ensaios em laboratório e a testes em animais infectados com a doença (estudos pré-clínicos).

Caso os testes com animais funcionem, a etapa seguinte é a fase clínica 1, com humanos, voluntários sadios. Nesta fase de testes, será utilizada uma formulação farmacêutica simples, ainda não industrializada, produzida em laboratório. O objetivo da fase clínica 1 é avaliar o nível de segurança do fitoterápico.

“Vamos considerar um voluntário sadio que está tomando o medicamento. Se ele começar a apresentar algum tipo de transtorno, nas funções orgânicas, na digestão, na pressão, ou qualquer outro sinal ou sintoma, a formulação não é segura. Mas, se ele não apresentar problema algum, se o produto não mostrar qualquer efeito toxicológico, pode-se passar à fase 2”, esclarece Wagner Barbosa.
Possíveis danos serão monitorados

Na fase clínica 2, o fitomedicamento será avaliado quanto à sua eficiência. Para isso, serão realizados testes com humanos acometidos pela doença. A fase clínica 3 é a comparação do medicamento produzido em laboratório (fitoterápico), com um modelo terapêutico de uso consagrado no mercado. Após isso, o medicamento está apto ao consumo. Depois que o medicamento é liberado ao mercado, iniciam-se os estudos de utilização. O objetivo é verificar se, no uso cotidiano, o medicamento pode acarretar prejuízos à saúde dos usuários. A esses estudos, dá-se o nome de farmacoepidemiologia.

O acompanhamento de possíveis danos causados pelo fitomedicamento cabe à Vigilância Sanitária. Caso seja verificado algum problema, o órgão pode intervir e exigir que o fabricante reveja a fórmula do fitomedicamento. “Às vezes, num estudo de utilização, pode-se constatar que um medicamento apresenta efeitos colaterais e reações adversas. Isso pode ocorrer porque o extrato ativo tem um conjunto de substâncias responsáveis pela atividade antimalárica e outras que podem produzir efeitos colaterais. Para contornar a situação, pode-se, por exemplo, fracionar o extrato ativo, ou seja, separam-se as substâncias que têm relação com a atividade desejada das outras presentes no extrato. A partir da fração padronizada, pode-se desenvolver um novo produto, com maior grau de eficiência, segurança e qualidade”, explica Wagner Barbosa.

A fitoterapia, hoje, é uma terapia oficial. Há uma regulamentação que orienta o sistema de saúde a usar as plantas medicinais como recurso para recuperar e manter a saúde. Nesse sentido, a pesquisa é uma estratégia importante e promissora. Além de fornecer substâncias ativas, potenciais fármacos e modelos para novos antimaláricos, contribui para a validação do uso tradicional de plantas medicinais para o tratamento contra malária.

“O Projeto tem duas vertentes. Primeiro, estudar a utilização das plantas medicinais pelas populações. Segundo, transformar esse uso ‘empírico’ num processo de aproveitamento para desenvolver fitoterápicos que possam ser colocados à disposição da população, por meio dos serviços do sistema de saúde”, afirma o professor. Desse modo, o estudo visa desenvolver medicamentos em menor tempo, com menor custo e mais acessíveis à população, a qual encontra dificuldade para arcar com os altos preços dos medicamentos produzidos a partir de fármacos sintéticos.

Beira do Rio - Jornal da Universidade Federal do Pará. Ano XXVII Nº 109, Nov. e Dez. de 2012.


Esperança contra tumores

Proteína de planta nativa possui atividade antitumoral, revela pesquisa do Instituto de Física de São Carlos

Agência USP de Notícias

Pesquisadores do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) estão desenvolvendo estudos com a pulchellina, uma proteína extraída das sementes da Abrus pulchellus, espécie de trepadeira nativa no País, encontrada no Nordeste brasileiro e também na África. Os estudos in vitro mostraram que a pulchellina apresenta uma atividade tóxica celular, interferindo na síntese de proteínas. Outra particularidade é que ela leva à apoptose, que é a morte celular programada.

Essas características fazem dela uma candidata ao desenvolvimento, no futuro, de fármacos dirigidos ao tratamento de tumores, principalmente os superficiais (de pele). Os estudos estão sendo conduzidos pelo Grupo de Biofísica Molecular Sérgio Mascarenhas do IFSC, sob a coordenação da professora Ana Paula Ulian de Araújo, com participação da professora Leila Maria Beltramini, do IFSC, além de outros três pesquisadores, técnicos e alunos de pós-graduação.

A pulchellina é considerada uma proteína inativadora de ribossomos (locais de síntese de proteínas dentro das células) do tipo 2 (RIP tipo 2). “A ricina, encontrada na mamona, e a abrina, encontrada na Abrus precatorius, pertencem à mesma família e podem ser consideradas como outros exemplos mais conhecidos dessa família de RIPs tipo 2”, conta a professora Ana Paula.

A pesquisadora explica que os primeiros estudos começaram a ser realizados há cerca de dez anos, quando o pesquisador Renato de Azevedo Moreira, da Universidade Federal do Ceará, forneceu algumas sementes da planta para pesquisa.

Ao longo desse tempo, foi possível realizar alguns estudos básicos sobre a pulchellina, como os de caracterização da citotoxicidade da proteína, bem como o isolamento e a identificação de isoformas. “Identificamos quatro isoformas mais viáveis para aplicação em pesquisas, sendo que algumas são mais tóxicas que outras”, diz a professora.
Bactérias – A molécula da pulchellina apresenta duas partes. Uma é responsável pelas atividades de toxicidade. A outra responde pelo mecanismo que permite a sua entrada dentro das células. “Estamos trabalhando tanto com a proteína nativa, extraída e purificada diretamente da planta, como também com as duas partes isoladamente, obtidas por meio de engenharia genética”, explica. “Nesse processo, o gene da planta foi isolado e introduzido em uma bactéria para essa célula produzir as partes da proteína em um meio de cultura apropriado. Essas novas moléculas são chamadas de recombinantes”, conta.

Atualmente, os pesquisadores contam com a parceria de uma empresa de biotecnologia de Campinas, onde estão sendo realizados estudos in vitro e em animais com o objetivo de desenvolver uma formulação que permita a entrada da cadeia tóxica da pulchellina dentro da célula tumoral sem afetar as demais. “A ideia é que, uma vez desenvolvida a nanoestrutura e a formulação, a toxina poderá ser utilizada sobre tumores localizados superficialmente”, diz a professora.

O projeto para aplicação biotecnológica da pulchellina está em andamento e se encontra em fase de avaliação da eficácia do sistema tanto in vitro como in vivo. A pesquisa tem apoio do Programa de Formação de Recursos Humanos em Áreas Estratégicas (RHAE) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Data: 12.12..2012

Aparelho obtém extrato de plantas

Edição de Imagens: Everaldo Luís Silva

Um dos destaques da tese de doutorado do engenheiro químico Diego Tresinari dos Santos foi a construção de um equipamento multipropósito que funciona com fluidos pressurizados para a obtenção de extratos de plantas e para a formação de micro e nanopartículas. O seu valor ecológico e social esteve em usar como solvente um gás causador do efeito estufa que de outro modo seria considerado maléfico ao ambiente e ao organismo humano, mas que no estudo mostrou-se uma experiência positiva. A pesquisa mereceu o Prêmio Capes de Tese deste ano. 

O pesquisador conta que ficou “passado” com a notícia e feliz por darem valor a este trabalho totalmente nacional. “Com isso, terei três anos de bolsa e vou permanecer no meu grupo no pós-doutorado, para complementar minha formação num ambiente que gosto e fazendo pesquisa. A tese também concorre ao Prêmio Vale-Capes de Ciência e Sustentabilidade – Edição 2012”, comenta.

Maria Ângela, também honrada com o sucesso da pesquisa, realça que essa é a primeira vez que um pós-graduando que orienta é laureado com o Prêmio Capes. No ano passado, uma de suas orientandas recebeu menção honrosa. “Batemos na trave e vimos que os nossos estudos estavam no caminho certo. Fomos distinguidos e agora trouxemos inovação ao laboratório.”

O equipamento foi batizado como Aradime, reunindo trechos dos nomes do técnico de Laboratório que montou o equipamento, Ariovaldo Astini (Ara); de Diego (Di), o autor do invento, e da professora Maria Ângela A. Meireles (Me), sobrenome da orientadora da tese. Foram gastos nesse projeto, financiado pelo CNPq, R$ R$ 65 mil. O estudo foi feito na Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) entre 2008 e 2011.

Geralmente, para fazer a extração e a formação de partículas cada equipamento do mercado, de fluidos supercríticos, é dedicado a um processo – ou só produz extratos ou só forma partículas – e é comercializado por várias empresas que trabalham com fluidos à alta pressão. “Fizemos dois equipamentos em um”, comemora Diego.

Sobre esse invento, a professora explica primeiramente o que é fluido pressurizado. “É um gás do efeito estufa – o dióxido de carbono (o CO2) – com altíssimas pressões: 100 ou 150 vezes a pressão atmosférica, o qual comporta-se semelhantemente a um líquido e que tem o poder de dissolver substâncias”.

A pesquisa de Diego sugeriu que é factível a construção de um equipamento versátil relativamente econômico (mais que qualquer equipamento do mercado) e de fácil operação. Foi idealizado a fim de obter o extrato de plantas brasileiras e de formar partículas bem pequenas, até a escala “nano”.

“O fato de ser nano”, explica a docente, “permite uma melhor interação com o organismo bem como com o meio ambiente. E também o fato de usar esse fluido pressurizado, que parte de um gás do efeito estufa, mostrou-se imprescindível porque se trata de um processo verde”.

Esse incremento, produzido 100% no país, inexistia na Unicamp. Foi executado no Laboratório de Tecnologia Supercrítica: Extração, Fracionamento e Identifi cação de Extratos Vegetais (Lasefi ), dirigido pela professora Maria Ângela desde 1984. Diego fez ainda um estágio na Universidad de Valladolid, na Espanha, de três meses, onde trabalhou em um equipamento similar, mas que só fazia processos de formação de partículas.

Ariovaldo Astini já vinha construindo outras unidades conforme necessidade do Lasefi. Esta é a oitava geração desse recurso. A primeira data de 1985. “A ideia de levar o equipamento ao mercado dependerá do interesse”, diz a docente.

Diego expõe que também elaborou um manual de uso, hoje disponível em sua tese digitalizada, contendo informações para a sua reprodução. É política do Lasefi que o conhecimento seja compartilhado entre os demais grupos de pesquisa, esclarece.

O seu trabalho transcendeu o projeto, pois inicialmente pensava-se num equipamento que se prestasse apenas à formação de partículas. O diferencial foi que ele também possibilitou obter extratos de plantas, diferentemente dos equipamentos comercializados no momento.

Maria Ângela comenta que, quando se pede para comprar uma unidade do equipamento, ela sai mais barata, porém, é preciso dimensionar o vaso de pressão, que designa todos os recipientes capazes de conter um fluido pressurizado – de uma panela de pressão de cozinha até os mais sofisticados reatores nucleares.

O pedido é feito para uma empresa metalúrgica, que acaba tendo que parar o processo em escala comercial no qual estava envolvida para atuar no projeto de escala laboratorial. “Obviamente esse custo torna-se então mais elevado”, relata ela.

A intenção é que o Aradime entre em escala industrial e aumente a versatilidade dos fluidos pressurizados, muito conhecidos hoje pela parte de extração. Começando a parte de formação de partículas, isso iria beneficiar a etapa de estabilização dos extratos vegetais, visto que o Brasil tem uma rica flora e dela podem ser obtidos muitos compostos bioativos.

Basicamente o trabalho consistiu em colocar o extrato dentro de um “recheio” (encapsulamento) para estabilizá-lo, para manter as suas propriedades bioativas. O grande problema é a estabilidade da mistura dos compostos que formam os extratos. “Logo, a produção de partículas viria ao encontro desse propósito até o momento do uso”, esclarece Diego.

O pesquisador e a sua orientadora trabalharam com o extrato da casca de jabuticaba (Myrciaria cauliflora), planta nativa do Estado de São Paulo. Maria Ângela esmiúça que não se trata propriamente de uma biomassa, porque adotaram a casca de jabuticaba produzida em laboratório.

Posteriormente, esse trabalho deu origem a outros nos quais foram usados resíduos de fabricação de geleia e de licor de jabuticaba. “Então era uma biomassa só para compostagem. Retiramos compostos importantes para a saúde e os estabilizamos”, conta a professora.

Ainda como consequência desse projeto, o grupo de pesquisa alcançou um novo financiamento do CNPq, de maior vulto, com vistas a produzir um equipamento para a formação tanto de partículas secas (sólidas) quanto de partículas em suspensão (ainda na fase líquida), para diferentes aplicações nas áreas de alimentos, fármacos e cosméticos. 

A casca de jabuticaba possui muitas antocianinas (pigmentos pertencentes aos flavonoides que dão uma ampla variedade de cores vindas das frutas, flores e folhas, indo do vermelho-alaranjado ao vermelho intenso, roxo e azul) para serem aproveitadas como antioxidantes ou promotoras de crescimento, evitando a morte de bactérias tidas como proativas no organismo.

Isso já foi devidamente testado, abrindo portas para a extração a partir da casca de jabuticaba e de produtos com uma dupla função: conferir aroma e produzir cor. Maria Ângela ressalva que ainda não se fala de uma empresa interessada no extrato em si. Só no estudo da formação das nanopartículas. 

“Estamos investindo em um ingrediente da flora nacional para desenvolver uma gama de produtos com aplicação futura em diversas áreas, desde alimentos funcionais até dietas especiais e para atletas”, salienta a orientadora.

O CO2 produzido pelo setor industrial está sendo utilizado-reutilizado e não libera este composto químico para a atmosfera. Deste modo, do ponto de vista do meio ambiente, trata-se de uma tecnologia limpa.

Na indústria de fármacos, a produção de nanopartículas será relevante porque poderá reduzir em muito a dosagem dos medicamentos, já que as cápsulas depositam os fármacos no lugar onde as drogas precisam agir. Com isso, há ganhos em relação a custo e em termos de efeitos colaterais ao paciente.

Por outro lado, para a indústria de cosméticos, a sua atuação se traduz em um efeito potencial como corante natural, na forma de um extrato liquefeito ou de uma partícula sólida, para compor cremes, exemplifica Diego.

A sua investigação sinalizou que um único equipamento é capaz de fazer os dois processos. “Pensamos em uni-los continuamente: fazer a extração e alimentar o extrato para formar partículas, ao que chamamos processos em linha, partindo da matéria-prima e saindo com o produto encapsulado, em sua forma estável.”

Os resultados preliminares já demonstraram que é possível, da matéria-prima, obter um produto final com um valor agregado muito maior do que simplesmente o extrato.

A tese de Diego redundou num doutorado direto com três anos de duração e com pelo menos 12 publicações em revistas de alto impacto científico. “Esses achados já descortinam horizontes para outros estudos no laboratório ligados à linha de tecnologia supercrítica e de solventes ambientalmente corretos, de qualidade Gras (Generally Recognized as Safe), reconhecidos como seguros à saúde humana e ao meio ambiente”, garante a orientadora.

Trata-se de um processo limpo no qual se coloca uma matriz vegetal sob alta pressão, usando como solvente dióxido de carbono, no caso de alimentos. Esse processo não deixa resíduos de substâncias tóxicas, nem nos produtos, nem na matriz vegetal original.

Após serem extraídos os princípios de interesse, a matriz ganha várias alternativas como alimentação, por não possuir tais resíduos, e produtos como extrato, óleo essencial, além de produtos químicos.

O futuro, ressalta a docente, é o desenvolvimento de processos integrados para uso total da matéria-prima. “Vão sendo usados processos em série, entre eles extração e particulação. Se sobram resíduos no processo, eles podem ser empregados para produzir novos compostos.”

É possível ainda da biomassa produzir novos compostos por hidrólise, também com fluidos em condições de alta pressão e alta temperatura. 

Na extração e hidrólise, explica Diego, em geral são utilizados no Lasefi três fluidos que podem ser mesclados em diferentes proporções e/ou usados de maneira sequencial: o dióxido de carbono, o etanol e a água. Todos os três são ambientalmente corretos. Já, no caso da formação de partículas, apenas trabalha-se com o dióxido de carbono.

Enquanto a indústria de extratos vegetais obtém o extrato e faz muitas vezes a compostagem ou o descarte, os pesquisadores do Lasefi estão investindo em diferentes compostos valiosos a partir do resíduo da etapa de extração mediante a sua re-extração ou hidrólise com outros fluidos pressurizados. Assim, busca-se demonstrar a viabilidade de uma futura “biorrefinaria” baseada no uso de fluidos pressurizados em todas as etapas para o aproveitamento integral de materiais vegetais.


- SANTOS, D.T.; MEIRELES, M.A.A. Optimization of bioactive compounds extraction from jabuticaba (Myrciaria cauliflora) skins assisted by high pressure CO2. Innovative Food Science & Emerging Technologies, v. 12, p. 398-406, 2011. 
- SANTOS, D.T.; VEGGI, P.C.; MEIRELES, M.A.A. Optimization and economic evaluation of pressurized liquid extraction of phenolic compounds from jabuticaba skins. Journal of Food Engineering, v. 108, p. 444-452, 2012.
- SANTOS, D.T.; VEGGI, P.C.; MEIRELES, M.A.A. Extraction of Antioxidant Compounds from Jabuticaba (Myrciaria cauliflora) Skins: Yield, Composition and Economical Evaluation. Journal of Food Engineering, v. 101, p. 23-31, 2010.
Tese: “Extração, micronização e estabilização de pigmentos funcionais: Construção de uma unidade multipropósito para o desenvolvimento de processos com fl uidos pressurizados”
Autor: Diego Tresinari dos Santos
Orientadora: Maria Ângela A. Meireles
Unidade: Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA)
Financiamento: CNPq

Jornal da UNICAMP
Campinas, 17 de dezembro de 2012 a 31 de dezembro de 2012 – ANO 2012 – Nº 550

Índia: Arunachal conserving medicinal plants

The Arunachal Pradesh government is conserving on a priority basis the state's treasure of a wide variety of medicinal plants. The Himalayan state hosts an estimated 1,500 species of medicinal flora which have wide application in Indian systems of medicine, specially in Ayurveda.

The Arunachal Pradesh State Medicinal Plant Board (APSMPB) has already started the process in collaboration with the Bangalore-based Foundation for Revitalisation of Local Health Traditions.

The conservation of medicinal plants was undertaken under the aegis of the UNDP-Centre-GEF (Global Environment Facility) project.

Dr Mao of the Botanical Survey of India, Itanagar said that the figure 1,500 (species of medicinal plants) found in Arunachal Pradesh had been arrived at under a conservative estimation. "The number of actual species available may be more as we are still to publish a comprehensive list of flora for the state, which the BSI is working on," he said.

He stresses on collaboration with other institutes in Itanagar like the State Forest Research Institute that are engaged in the research on medicinal plants. "The regional Ayurveda research institute in Itanagar has been endeavouring to utilise the valuable medicinal plants available for the treatment of patients," Ramashakar said.

Data: 20.12.2012

Pintores e o verão

Verão (1568) - Pieter Bruegel, O Velho (1525/30-1569)
Haystack. Manhã de fim de Verão (1891) - Claude Monet (1840-1926).
Vétheuil no Verão (1880) - Claude Monet (1840-1926)
Passeio Campestre no Verão (c.1874) - Pierre-Auguste Renoir (1841-1919).

Mais quadros e informações retiradas do link:

Mafalda e o Ano Novo - II

Mafalda e o Ano Novo - I

Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte

Para o ano que vem, vamos encher nossos quintais de saúde, cultura e lazer, fazendo nossas hortas, mesmo que seja um simples vasinho com condimento.

Para ajudar, uma cartilha sobre como fazer horta em casa.

Turma da Mafalda e um Feliz ano novo

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Remédio para emagrecer pode intoxicar e alterar efeitos de outros medicamentos

Intoxicação do fígado e rins

Recentemente, pesquisadores da Unicamp descobriram que um remédio para emagrecer pode provocar síndrome.

Agora se descobriu que o mesmo medicamento pode levar à "toxicidade severa dos órgãos internos, como fígado e rins".

Além disso, o problema é irreversível e pode ser causado por baixas concentrações da droga.

O medicamento em questão, indicado para portadores de obesidade, é o orlistat, presentes em marcas comerciais como Xenical™, Exenical™ e Alli™.

Os resultados, obtidos por cientistas da Universidade de Rhode Island (EUA), estão no último exemplar da revista médica Biochemical Pharmacology.

Alerta às autoridades de saúde

O professor Bingfang Yan, coordenador do estudo, afirma ter alertado a FDA, o órgão norte-americano responsável pela aprovação de medicamentos, sobre os resultados que ele considera alarmantes.

"Como [o medicamento] tem estado disponível sem contraindicações, tem havido um aumento drástico na toxicidade entre os pacientes que usam a droga," disse Yan. "Ela tem sido associada com falha severa do fígado, falha pancreática aguda e falha renal aguda."

Yan explica que o orlistat opera no trato intestinal, evitando que a gordura seja absorvida pelo corpo.

Tem sido geralmente aceito que o orlistat permanece no intestino e que o corpo não poderia absorvê-lo.

"Mas, de acordo com as informações disponíveis, o orlistat é absorvido e, certamente, os órgãos internos tais como o fígado e os rins estão expostos a essa droga depois da absorção," contrapôs Yan.

Efeitos sobre outros medicamentos

O estudo mostrou que o medicamento é um inibidor potente da carboxilesterase-2, uma enzima importante na desintoxicação normal do fígado, rim e do aparelho gastrointestinal.

"Quando a atividade desta enzima diminui nesses órgãos, ou a toxicidade aumenta, a eficácia de algumas drogas é alterada," disse Yan.

Essa enzima é conhecida por metabolizar uma grande variedade de medicamentos, incluindo aspirina e os medicamentos contra o câncer irinotecano e pentilo carbamato de p-aminobenzil carbamato de doxazolidina.

"Este estudo mostra que o orlistat altera profundamente o potencial terapêutico das drogas anticâncer. No caso das drogas anticancerígenas, ele diminui sua eficácia," concluiu Yan.

Data: 13.12.2012

Cuidados com alimentação podem ajudar a evitar câncer gastrointestinal

Câncer e carne

A dieta dos prazeres à mesa pode ser uma ameaça à saúde se a escolha do cardápio não for bem diversificada.

Embora não se possa fazer uma associação direta de casos de câncer de intestino com o hábito alimentar, existem indícios de que os riscos de se contrair a doença aumentam nos grupos populacionais onde é exagerado o consumo de carnes, principalmente das processadas, enquanto se deixam de lado as fibras vegetais, as frutas e as verduras.

Segundo o oncologista Samuel Aguiar Júnior, Hospital A.C. Camargo, hospital referência no tratamento de câncer, os experimentos com animais ainda não puderam esclarecer de maneira convincente qual o real impacto sobre a saúde a que estão sujeitas as pessoas que não abrem mão da carne em suas refeições.

"[No entanto], existe evidência científica de que padrões em que há excesso de consumo de carne vermelha e excesso contrário de não consumir frutas e verduras aumentam o risco," disse ele.

Balanço energético

Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) mostram que os casos de câncer colorretal (tumores encontrados no intestino grosso e no reto) têm, na maioria das vezes, tratamento e cura quando detectados no início.

A doença aparece quase sempre em pólipos - lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso. A retirada desses pólipos é o procedimento correto para evitar que se transformem em tumores malignos.

"A gente fala muito hoje de balanço energético. Mas há uma diferença entre o que você ingere e o que você gasta. Então você pode até ter uma dieta calórica, mas se você gastar muito, você, teoricamente, está compensado. Você pode ter uma dieta pouco calórica, mas se for sedentário, então, você não está protegido. São muitos fatores associados. Quando você associa a fumo, aí você tem uma bomba relógio maior. É muito difícil você identificar um fator único e isolado para câncer de intestino," explicou.


O médico salienta que alimentos inadequados, sedentarismo, excesso de álcool e tabagismo por um período prolongado contribuem para a pessoa vir a desenvolver a doença.

A grande maioria dos casos de câncer colorretal surge em pessoas acima dos 50 anos. Apesar de mais raros, observa Samuel, há registro também entre os jovens e, sempre que isto ocorre, desconfia-se da possibilidade de ser um problema hereditário.

Contudo, a incidência de fatores genéticos, herdados de pai para filho, responde por apenas 10% dos casos.

Até "o velho e bom chimarrão", muito apreciado pelos habitantes do Sul do país, principalmente, entre os gaúchos, moradores de algumas regiões do Paraná e pelas populações da Argentina e do Uruguai, aparece como um fator de risco, mas para o câncer de esôfago.

No entanto, são só evidências que não estão relacionadas à erva e sim ao costume de se tomar a bebida muito quente. "Essa evidência, porém, não é tão forte assim", diz o médico.

Data: 13.12.2012

Café reduz risco de câncer oral

Saúde quente

Um novo estudo de longo prazo, realizado pela Sociedade Americana de Câncer, encontrou uma forte associação inversa entre o consumo de café com cafeína e a mortalidade por câncer oral - de boca ou faringe.

Os autores afirmam que pessoas que bebem quatro ou mais xícaras de café por dia têm cerca de metade do risco de morte desses tipos de câncer - que são frequentemente fatais - em comparação com aqueles que nunca ou só ocasionalmente bebem café.

Os autores dizem que serão necessárias mais pesquisas para elucidar os mecanismos biológicos que atuam para gerar esse efeito.

Com cafeína, sem cafeína ou chá

Estudos epidemiológicos já indicaram que a ingestão de café está associada com a redução do risco de uma série de doenças, incluindo diabetes tipo 2, depressão entre mulheres, problemas cardíacos, câncer de próstata, Mal de Alzheimer e câncer oral/faríngeo.

Para explorar melhor este último caso, os pesquisadores examinaram mais detalhadamente associações da doença com a ingestão de café com cafeína, café descafeinado e chá.

O estudo incluiu 968.432 homens e mulheres que estavam livres do câncer no momento do monitoramento, que durou 26 anos.

Quatro é o número

Ocorreram 26 mortes por câncer oral durante o período de acompanhamento.

A incidência da doença entre os que tomavam café normal, com cafeína, foi 49% menor para aqueles que tomavam pelo menos quatro xícaras por dia.

O risco aumentou conforme diminuía a quantidade de café ingerido - isto é, aqueles que tomavam três, duas ou uma xícara de café por dia apresentaram riscos crescentes.

A associação com o café descafeinado foi muito pequena, descartada pelos pesquisadores como estatisticamente insignificante. Não foi encontrada associação da doença com o consumo de chá, nem positiva e nem negativa.

Data: 19.12.2012

Sementes de uva aumentam 10 vezes antioxidantes em biscoitos

Biscoito com antioxidante

É possível criar biscoitos e bolos enriquecidos com antioxidantes que tenham sabor agradável.

Para isso, basta usar um ingrediente inusitado: sementes de uva.

O resultado são biscoitos com um nível de antioxidantes cerca de 10 vezes maior do que um biscoito comum.

A descoberta, feita por cientistas do Instituto de Tecnologistas em Alimentos (EUA) foi publicada na edição desta semana da revista científica Journal of Food Science.

Sementes de uva na receita

Extratos de semente de uva são ricos em antioxidantes.

Estes, por sua vez, têm sido associados com efeitos benéficos sobre a saúde humana, tais como prevenção de doenças cardiovasculares e diminuição do risco de câncer.

No entanto, eles têm duas desvantagens quando são usados como ingredientes alimentares ou na preparação de receitas: um sabor amargo e adstringente e instabilidade ao calor.

Para superar os dois inconvenientes, os cientistas usaram a microencapsulação, uma técnica que já está sendo usada para conservar as propriedades da romã, própolis e de fitoterápicos, como a fava de sucupira.


Na microencapsulação, o ingrediente a ser conservado - neste caso, os antioxidantes da semente de uva - são cobertos por uma mistura de compostos em escala microscópica.

O revestimento protege os antioxidantes das alterações causadas pelo calor do forno, e podem mascarar o seu sabor adstringente.

Desta forma, preserva-se o sabor do biscoito ou bolo conforme a receita original e a integridade dos antioxidantes.

Os pesquisadores afirmam que a descoberta abre a oportunidade para incorporar microcápsulas antioxidantes tanto em produtos assados quanto cozidos, sem afetar o sabor.

A microencapsulação está sendo desenvolvida em várias partes do mundo, inclusive no Brasil, estando aos poucos caminhando para se tornar um processo comercial.

Data: 20.12.2012

Grapefruit and prescription drugs make a deadly equation

(NaturalNews) For many people, a glass of grapefruit juice at breakfast is as cemented into their daily routine as the steaming mug of morning coffee. Unfortunately; however, research from a Canadian institute has been recently released, and for some grapefruit lovers, the new information could cause a change in their fruit choices.

The Lawson Health Research Institute in London, Canada has studied the effects of mixing grapefruit juice with prescription drugs for decades. As recently as 2008, they had a list totaling 17 medications that shouldn't be taken with the juice. Their current findings have now upped that number to 44 drugs.

Experts explain that certain medications react adversely to grapefruit juice by processing in your body at a faster rate. While this may sound harmless, researchers say it actually creates a significant increase in the drug's potency. In some cases, the strength of certain medicines can be raised to a point equivalent to the patient getting double the dose with each pill.

Furthermore, the researchers noted that the effects of the juice and particular drugs vary in severity from patient to patient. Some drugs increased in potency, as expected, but other drugs were actually weakened - a response that could possibly render the medication useless to the person. Other symptoms found in study participants were skin rashes, dizziness, headaches, breathing troubles, and other symptoms as extreme as death.

One of the most alarming things is that a lot of the drugs on the "danger" list are common prescriptions, such as everyday cholesterol medicines like lovastatin and beta blockers like amlodipine (a heart medication). And, despite these warnings from Lawson, the general health community still hasn't given the matter due concern, thus leaving many patients in the dark about the possible dangers.

Grapefruits aren't the only citric fruit with these dangerous possibilities. Limes, Seville oranges, Minneolas, pummels, and sweeties are also chalked up to the list because they contain the natural chemical called furanocoumarins. As long as the juice is still in your stomach, the chemical stays alive in your body, making it possible to mix your prescriptions with it for a while after consuming the juice.

The research team plans to continue researching this topic, especially given the striking increase of drugs that are developed and have these serious side effects. Scarier still is that of the 27 drugs added to their list since 2008, 13 of them can potentially cause sudden death.

For a full list of the drugs found to be a dangerous mix with grapefruit, see:

Sources for this article include:




About the author:
Ben enjoys writing about the benefits of green tea at Tendig.com, a revenue sharing site that publishes unique and interesting articles.

Learn more:

Natural compound in broccoli, cruciferous vegetables can treat leukemia

(NaturalNews) Hidden inside every stalk of broccoli and every floret of cauliflower is a substance so powerful at preventing and treating cancer that not even the drug industry is capable of matching its efficacy, both in terms of safety and potency. And researchers are still continuing to uncover the amazing medicinal power of sulforaphane, a therapeutic compound found in cruciferous vegetables that most recently was discovered to prevent and treat leukemia.

Researchers from the Baylor College of Medicine in Texas recently tested the effects of an isolated and highly concentrated form of sulforaphane on both mouse and human cell lines affected by acute lymphoblastic leukemia, a type of cancer that afflicts white blood cells, and most commonly in children. Led by Dr. Koramit Suppipat, the study involved applying sulforaphane to leukemic cell lines and primary lymphoblasts obtained from pediatric patients for the purpose of assessing its effects.

Upon observation, it was learned that sulforaphane effectively eradicates cancer cells by entering them and reacting with certain internal proteins to induce apoptosis, or cell death. At the same time, researchers observed that sulforaphane did not harm healthy cells when applied to cell lines obtained from healthy, cancer-free patients, a phenomenon unique to natural, therapeutic compounds that have not been artificially manipulated for the purpose of trying to patent a specific medicinal compound.

"There is about an 80 percent cure rate (for acute lymphoblastic leukemia), but some children don't respond to treatment. For those cases, we are in need of alternative treatments," explained Dr. Daniel Lacorazza, an assistant professor of pathology and immunology at Baylor, and one of the study's contributors. "Sulforaphane is a natural product. However, what we used in this study is a concentrated purified form."

Eat plenty of cruciferous vegetables to protect yourself against cancers of all typesUp until this point, there have been few, if any, reliable studies demonstrating the power of sulforaphane in specifically treating blood cancers like leukemia. Previous studies have identified many of the general cancer-fighting properties of sulforaphane, including a 2011 study published in the journal Molecular Nutrition & Food Research that linked sulforaphane to eradicating prostate cancer (http://www.naturalnews.com/032988_sulforaphane_cancer_cells.html). But the new study out of Baylor identifies specific aspects of the nutrient's hematologic cancer-fighting profile that further reinforces its viability as a safe and natural medicine for cleansing the blood.

"Broccoli, which is loaded with sulforaphane, antioxidants, and carotenoids, has been shown to protect against cancers of the esophagus, stomach, colon, lung, larynx, prostate, mouth, pharynx, ovaries, breast, and cervix," writes Stephanie Beling in her book PowerFoods: Good Food, Good Health with Phytochemicals, Nature's Own Energy Booster about the health benefits of eating broccoli in whole form.

However, to obtain the maximum health benefits of broccoli, be sure to eat it raw or very gently steamed. According to a study published in the Journal of Agricultural and Food Chemistry back in 2009, cooking broccoli can destroy up to 90 percent of its natural sulforaphane content, rendering it far less medicinally potent. (http://www.naturalnews.com/025893_broccoli_sulforaphane_research.html).

Sources for this article include:

Learn more: