sábado, 7 de dezembro de 2013

São Paulo: oficina de culinária viva

Telefone para maiores informações: 11 - 51035062

Anti-aging nutrition - infographic

Anti-Aging Nutrition � What You Need to Know
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

Frequent Cell Phone Use Linked to Anxiety, Lower Grade, Reduced Happiness in Students

Dec. 6, 2013 — Today, smartphones are central to college students' lives, keeping them constantly connected with friends, family and the Internet. Students' cell phones are rarely out of reach whether the setting is a college classroom, library, recreational center, cafeteria or dorm room. As cell phone use continues to increase, it is worth considering whether use of the device is related to measurable outcomes important for student success, such as academic performance, anxiety and happiness.

Kent State University researchers Andrew Lepp, Ph.D., Jacob Barkley, Ph.D., and Aryn Karpinski, Ph.D., all faculty members in the university's College of Education, Health and Human Services, surveyed more than 500 university students. Daily cell phone use was recorded along with a clinical measure of anxiety and each student's level of satisfaction with their own life, or in other words happiness. Finally, all participants allowed the researchers to access their official university records in order to retrieve their actual, cumulative college grade point average (GPA). All students surveyed were undergraduate students and were equally distributed by class (freshman, sophomore, junior and senior). In addition, 82 different, self-reported majors were represented.

Results of the analysis showed that cell phone use was negatively related to GPA and positively related to anxiety. Following this, GPA was positively related to happiness while anxiety was negatively related to happiness. Thus, for the population studied, high frequency cell phone users tended to have lower GPA, higher anxiety, and lower satisfaction with life (happiness) relative to their peers who used the cell phone less often. The statistical model illustrating these relationships was highly significant.

Earlier this year, a team led by Lepp and Barkley also identified a negative relationship between cell phone use and cardiorespiratory fitness. Taken as a whole, these results suggest that students should be encouraged to monitor their cell phone use and reflect upon it critically so that it is not detrimental to their academic performance, mental and physical health, and overall well-being or happiness.

Journal Reference:
Andrew Lepp, Jacob E. Barkley, Aryn C. Karpinski. The relationship between cell phone use, academic performance, anxiety, and Satisfaction with Life in college students. Computers in Human Behavior, 2014; 31: 343 DOI: 10.1016/j.chb.2013.10.049


The most popular books of all time

The Most Popular Books of All Time
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

Crop-Infecting Virus Forces Aphids to Spread Disease

Dec. 5, 2013 — University of Cambridge researchers have shown that viruses use aphids as pawns, discouraging the insects from permanently settling on already-infected crops and using this forced migration to spread infection to healthy vegetation.
Aphids are sap-sucking insects that attack many different types of plants and are major transmitters of crop-infecting viruses. By altering plant biochemistry, crop-infecting viruses cause vegetation to smell and taste unpleasant to visiting aphids. This repels the insects, causing them to move swiftly away to healthier plants, unwittingly transporting and spreading the virus.

This BBSRC-funded research could have significant impact on African agriculture. Working with various agencies, Dr John Carr and colleagues aim to help resource-poor farmers by deploying plants to act as aphid-decoys, drawing the insects away from crucial crops and halting the spread of infection through these farmers' livelihoods.

About this research, Dr Carr said: "The work started almost accidentally when about five years ago a student and I noticed that aphids became sick or died when confined on a virus-infected plant. It's an illustration of how research driven by curiosity can lead to findings that could have a positive impact in the real world -- in this case in combating crop-damaging insects and the viruses they transmit."

The Cambridge team collaborated with researchers at Imperial College, London, using Arabidopsis plants as hosts and monitoring the effect that the crop-infecting cucumber mosaic virus had. It was observed that the virus launched a concerted attack on the plant's immune system whilst concurrently altering its biochemistry; in this way, the weakened Arabidopsis plant was unable to fight off either its attacker or visiting aphids. The aphids, instantly repelled by the smell and taste of the plant, left for healthier plants, but not before landing on the plant and contracting the virus. In this way, the mosaic virus ensured that the spread of the infection would be self-sustaining and highly efficient.

This research focuses on an example of what evolutionary biologist Richard Dawkins has called the 'extended phenotype'. For Dawkins, the word 'phenotype' (the traits of an organism) should not be limited solely to biological processes, but should also be used to describe all effects that a gene has on the organism or environment in which it exists, or other organisms nearby. In this case, it was discovered that a virus influences the infected host, the Arabidopsis plant, and forces the host to change in a way that is beneficial to the parasite.

This revolutionary research has been done as part of a £16-million initiative to use bioscience in the improvement of food security in developing countries. Bioscience is playing an increasingly crucial part in meeting the challenges of feeding an ever-expanding population, projected to increase to 9 billion people by 2050. By developing ways to mitigate pest impact and reduce the spread of parasites, scientists are working to ensure successful harvests, now and in the future.

Journal Reference:
John Carr et al. A trio of viral proteins tunes aphid-plant interactions in Arabidopsis thaliana. PLOS ONE, 2013 DOI: 10.1371/journal.pone.0083066


Stomach 'Clock' Tells Us How Much to Eat

Dec. 4, 2013 — University of Adelaide researchers have discovered the first evidence that the nerves in the stomach act as a circadian clock, limiting food intake to specific times of the day.
"What we've found is that the nerves in the gut are at their least sensitive at time periods associated with being awake. This means more food can be consumed before we feel full at times of high activity, when more energy is required," researchers state. (Credit: © cook_inspire / Fotolia)

The discovery, published today in The Journal of Neuroscience, could lead to new information about how the gut signals to our brains about when we're full, and when to keep eating.

In the University's Nerve-Gut Research Laboratory, Dr Stephen Kentish investigated how the nerves in the stomach respond to stretch, which occurs as a consequence of food intake, at three-hourly intervals across one day.

"These nerves are responsible for letting the brain know how much food we have eaten and when to stop eating," says Dr Kentish, who is the lead author of the paper.

"What we've found is that the nerves in the gut are at their least sensitive at time periods associated with being awake. This means more food can be consumed before we feel full at times of high activity, when more energy is required.

"However, with a change in the day-night cycle to a period associated with sleeping, the nerves in the stomach become more sensitive to stretch, signaling fullness to the brain quicker and thus limiting food intake. This variation repeats every 24 hours in a circadian manner, with the nerves acting as a clock to coordinate food intake with energy requirements," he says.

So far this discovery has been made in laboratory studies, not in humans.

"Our theory is that the same variations in nerve responses exist in human stomachs, with the gut nerves being less sensitive to fullness during the day and more sensitive at night," Dr Kentish says.

Study leader Associate Professor Amanda Page says this research could lead to further discoveries about how changes in people's circadian clocks affect their eating habits.

"We know that shift workers, for example, are more prone to disruptions in sleep and eating behavior, leading to obesity and other health problems. We are now conducting further research to see what kind of impact such changes to the circadian rhythm will have on eating behavior, and how the nerves in the stomach react to those changes," Associate Professor Page says.

Journal Reference:
Stephen J. Kentish, Claudine L. Frisby, David J. Kennaway, Gary A. Wittert, And Amanda J. Page. Circadian Variation in Gastric Vagal Afferent Mechanosensitivity. The Journal of Neuroscience, December 2013


Active Component of Grape Seed Extract Effective Against Cancer Cells

Dec. 4, 2013 — A University of Colorado Cancer Center study published online ahead of print in the journal Nutrition and Cancer describes the laboratory synthesis of the most active component of grape seed extract, B2G2, and shows this synthesized compound induces the cell death known as apoptosis in prostate cancer cells while leaving healthy cells unharmed.

"We've shown similar anti-cancer activity in the past with grape seed extract (GSE), but now we know B2G2 is its most biologically active ingredient which can be synthesized in quantities that will allow us to study the detailed death mechanism in cancer cells," says Alpna Tyagi, PhD, of the University of Colorado Skaggs School of Pharmacy and Pharmaceutical Sciences. Tyagi works in the lab of CU Cancer Center investigator and Skaggs School of Pharmacy faculty member, Chapla Agarwal, PhD.

The group has spent more than a decade demonstrating the anti-cancer activity of GSE in controlled, laboratory conditions. For example, previous studies have shown the GSE effectiveness against cancer cells and have also shown its mechanism of action. "But until recently, we didn't know which constituent of GSE created this effect. This naturally occurring compound, GSE, is a complex mixture of polyphenols and also so far it has been unclear about the biologically active constituents of GSE against cancer cells," Tyagi says.

Eventually the group pinpointed B2G2 as the most active compound, but, "it's expensive and it takes a long time to isolate B2G2 from grape seed extract," Tyagi says.

This expense related to the isolation of B2G2 has limited the group's further exploration. So instead of purifying B2G2 from GSE, the group decided to synthesize it in the lab. The current study reports the success of this effort, including the ability to synthesize gram-quantity of B2G2 reasonably quickly and inexpensively.

In the paper's second half, the group shows anti-cancer activity of synthesized B2G2 similar in mechanism and degree to overall GSE effectiveness.

"Our goal all along has been a clinical trial of the biologically active compounds from GSE against human cancer. But it's difficult to earn FDA approval for a trial in which we don't know the mechanisms and possible effects of all active components. Therefore, isolating and synthesizing B2G2 is an important step because now we have the ability to conduct more experiments with the pure compound. Ongoing work in the lab further increases our understanding of B2G2′s mechanism of action that will help for the preclinical and clinical studies in the future," Tyagi says.

Journal Reference:
Alpna Tyagi, Komal Raina, Suraj Prakash Shrestha, Bettina Miller, John A. Thompson, Michael F. Wempe, Rajesh Agarwal, Chapla Agarwal. Procyanidin B2 3,3″-di-O-gallate, a Biologically Active Constituent of Grape Seed Extract, Induces Apoptosis in Human Prostate Cancer Cells Via Targeting NF-κB, Stat3, and AP1 Transcription Factors. Nutrition and Cancer, 2013; : 131105125434005 DOI: 10.1080/01635581.2013.783602


Preference for Oranges Protects Fruit Flies from Parasites

Dec. 5, 2013 — The fruit fly Drosophila melanogasteris pickier than previously thought when it comes to choosing the best site for egg-laying. Using behavioural assays, researchers at the Max Planck Institute for Chemical Ecology in Jena, Germany, and their colleagues in Nigeria discovered that the insects prefer the smell of citrus. This preference is controlled by one single odorant receptor.

In nature, laying eggs on oranges is advantageous, because parasitoid wasps feeding on the larvae of Drosophila avoid citrus fruits. The same smell that is attractive to the flies also repels the wasps. The scientists used imaging techniques to visualize the activity in certain areas of the flies’ brains while these were stimulated with different odours, and they were able to localize and identify the receptor for citrus. Flies in which this receptor was silenced were no longer able to distinguish oranges from other fruits.

For egg-laying insects, selecting the best site to lay eggs is crucial for the survival of the eggs and larvae. Once the eggs have been deposited, the maternal care of the female flies ends: eggs and larvae are henceforth at the mercy of their environment; their range is usually limited. Suitable and sufficient food sources for the hungry larvae and protection against predators and parasites are important selection criteria for the best oviposition substrates.

First, Marcus Stensmyr, Bill Hansson and their colleagues in the Department of Evolutionary Neuroethology tested the preferred egg-laying substrates of fruit flies by letting insects select among different ripe fruits. They excluded damaged fruits to make sure that the smell of yeast would not influence the flies’ choices (yeast is the flies’ main food source). An analysis of the behavioural assays showed that female flies preferred to lay their eggs on oranges. Further selection experiments helped to identify the odour that was the crucial factor for the flies’ choice: the terpene limonene. Flies were not attracted to limonene-deficient oranges. On the other hand, they were immediately drawn to fruits that had been spiked with synthetic limonene. Although citrus is not an attractant for the flies, it elicits egg laying. Interestingly, evolution has split the perception of odours into two channels: those that guide flies to their food source and those that elicit the oviposition behaviour.

By performing electrophysiological measurements, the scientists were able to quantify the flies' responses to limonene and to localize and identify the olfactory sensory neurons responsible for detecting citrus. Subsequently, they tested the flies’ responses to 450 different odours. Apart from limonene, valencene, another component of citrus fruit, also triggered a strong response. Valencene distinguishes the scent of oranges from that of lemons; lemons are less favoured by flies because of their acidity. Compounds that activated these particular sensory neurons induced oviposition. In vivo calcium imaging of the flies’ brains stimulated with citrus enabled the researchers to identify the corresponding odorant receptor.

"It is fascinating that a complex behaviour, such as choosing an egg-laying site, can be broken down into multiple sub-routines that have such a simple genetic basis," says Marcus Stensmyr. “We were quite surprised that by silencing just this single odorant receptor, flies could no longer localize their preferred egg-laying substrate.”

In nature, a considerable proportion of Drosophila larvae are killed by enemies, mainly parasitoid wasps that lay their eggs inside the larvae. It is astonishing that these wasps are repelled by citrus odours, although citrus should guide them to their food source: Drosophila larvae. The parasitoid wasp Leptopilina boulardii, which specializes in Drosophila melanogaster, is repelled by valencene. In a further choice experiment, the wasps had to choose larvae from two substrates − one with valencene and one without − and they clearly preferred the larvae on the valencene-free substrate. It is still unknown why the wasps avoid citrus. However, it is certain that female fruit flies have learned to let their offspring grow on citrus fruits, because there the larvae are better protected against parasites.

These research results provide important information about the criteria that insects use to select an oviposition site that guarantees the improved development of their offspring. Marcus Stensmyr is convinced that “there are similar processes in other insects and ways to manipulate them.” These insights may lead to new ways to control insects, especially those that destroy crops or transfer diseases.

Journal Reference:
Hany K.M. Dweck, Shimaa A.M. Ebrahim, Sophie Kromann, Deni Bown, Ylva Hillbur, Silke Sachse, Bill S. Hansson, Marcus C. Stensmyr. Olfactory Preference for Egg Laying on Citrus Substrates in Drosophila. Current Biology, 2013; DOI: 10.1016/j.cub.2013.10.047


Medicina alternativa | Práticas integrativas trazem benefícios à saúde

Instituto Oswaldo Cruz oferece Cursos de Férias para estudantes de graduação

O Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) convida estudantes de graduação de todo o país interessados em expandir conhecimentos e ter acesso às tecnologias de ponta dos laboratórios da Instituição para participar dos Cursos de Férias do IOC, edição Verão 2014. As inscrições acontecerão somente no dia 9 de dezembro, das 9h às 17h. O objetivo da iniciativa é apresentar aos alunos metodologias relevantes no contexto da pesquisa em saúde no Brasil, além de introduzir noções básicas de laboratório referentes aos temas que serão abordados. As aulas acontecerão entre os dias 3 e 14 de fevereiro, dependendo do curso escolhido.

De acordo com o coordenador dos cursos e pesquisador do Laboratório de Biologia Celular do IOC, Rubem Menna-Barreto, a edição de férias terá novidades. “Desta vez contaremos com a participação massiva de todos os programas de Pós-graduação na organização dos cursos, o que vai contribuir para uma maior variedade de temas. Além disso, teremos também uma palestra de abertura a respeito dos avanços das pesquisas no IOC e no Brasil”, disse. Ainda segundo o especialista, esta será a edição com o maior número de cursos até hoje. “Esperamos que a variedade de temas proporcionada por esse aumento traga ao Instituto uma gama maior de estudantes dos mais diversos cursos de graduação espalhados pelo país”, concluiu.

Inscrição e Seleção – Os interessados em se candidatar a uma vaga deverão preencher todos os campos do formulário eletrônico, que estará disponível no dia da inscrição, e enviar uma carta de interesse e o currículo nos respectivos campos no formulário. Entre os dias 9 e 12 de dezembro, será realizada a análise das cartas e dos currículos. O resultado final com a colocação dos candidatos será divulgado no dia 13 de dezembro.

Após a divulgação do resultado final, os selecionados receberão, através de mensagem eletrônica, a confirmação de inscrição e um link do boleto para pagamento da taxa no valor de R$ 50, e terão o prazo de quatro dias para envio, por email, da documentação solicitada. Mais informações no site do Instituto Oswaldo Cruz. Confira o edital e os cursos disponíveis.

Fonte: Paula Netto / Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz

:: Cursos

- Bioinformática estrutural (edital)
- Biologia e controle de mosquitos vetores - com ênfase em Aedes e Anopheles (edital)
- Citometria de fluxo: imunofenotipagem e avaliação de células citotóxicas na resposta a patógenos(edital)
- Diagnóstico de parasitos intestinais de importância em saúde pública (edital)
- Edição de genomas e sua aplicação na imunologia celular (edital)
- Entomologia forense (edital)
- HIV: aspectos virológicos e genética do hospedeiro (edital)
- Métodos moleculares aplicados ao diagnóstico de doenças infecciosas (edital)
- Pesquisa em ensino formal e não formal: novas práticas e formas de produção do conhecimento em saúde (edital)
- Quimioterapia & terapia celular: mecanismos de ação e novas perspectivas (edital)
- Sepse: foco sobre a resposta anti-inflamatória compensatória e o dano cognitivo associado (edital)


Consumo sustentável


Coffee or Beer? The Choice Could Affect Your Genome

Dec. 5, 2013 — Coffee and beer are polar opposites in the beverage world. Coffee picks you up, and beer winds you down.
Coffee and beer are polar opposites in the beverage world. Coffee picks you up, and beer winds you down. Now scientists have discovered that the beverages may also have opposite effects on your genome. (Credit: Copyright Michele Hogan)

Now Prof. Martin Kupiec and his team at Tel Aviv University's Department of Molecular Microbiology and Biotechnology have discovered that the beverages may also have opposite effects on your genome. Working with a kind of yeast that shares many important genetic similarities with humans, the researchers found that caffeine shortens and alcohol lengthens telomeres -- the end points of chromosomal DNA, implicated in aging and cancer.

"For the first time we've identified a few environmental factors that alter telomere length, and we've shown how they do it," said Prof. Kupiec. "What we learned may one day contribute to the prevention and treatment of human diseases."

Researchers from TAU's Blavatnik School of Computer Science and Columbia University's Department of Biological Sciences collaborated on the research, published in PLOS Genetics.

Between death and immortality

Telomeres, made of DNA and proteins, mark the ends of the strands of DNA in our chromosomes. They are essential to ensuring that the DNA strands are repaired and copied correctly. Every time a cell duplicates, the chromosomes are copied into the new cell with slightly shorter telomeres. Eventually, the telomeres become too short, and the cell dies. Only fetal and cancer cells have mechanisms to avoid this fate; they go on reproducing forever.

The researchers set out to expand on a 2004 study by Nobel Prize-winning molecular biologist Prof. Elizabeth Blackburn, which suggested that emotional stress causes the shortening of the telomeres characteristic of aging, presumably by generating free radicals in the cells. The researchers grew yeast cells in conditions that generate free radicals to test the effect on telomere length. They were surprised to find that the length did not change.

They went on to expose the yeast cells to 12 other environmental stressors. Most of the stressors -- from temperature and pH changes to various drugs and chemicals -- had no effect on telomere length. But a low concentration of caffeine, similar to the amount found in a shot of espresso, shortened telomeres, and exposure to a 5-to-7 percent ethanol solution lengthened telomeres.

From yeasts to you

To understand these changes, the TAU researchers scanned 6,000 strains of the yeast, each with a different gene deactivated. They then conducted genetic tests on the strains with the longest and shortest telomeres, revealing that two genes, Rap1 and Rif1, are the main players mediating environmental stressors and telomere length. In total, some 400 genes interact to maintain telomere length, the TAU researchers note, underscoring the importance of this gene network in maintaining the stability of the genome. Strikingly, most of these yeast genes are also present in the human genome.

"This is the first time anyone has analyzed a complex system in which all of the genes affecting it are known," said Prof. Kupiec. "It turns out that telomere length is something that's very exact, which suggests that precision is critical and should be protected from environmental effects."

More laboratory work is needed to prove a causal relationship, not a mere correlation, between telomere length and aging or cancer, the researchers say. Only then will they know whether human telomeres respond to the same signals as yeast, potentially leading to medical treatments and dietary guidelines. For now, Prof. Kupiec suggests, "Try to relax and drink a little coffee and a little beer."

Journal Reference:
Gal Hagit Romano, Yaniv Harari, Tal Yehuda, Ariel Podhorzer, Linda Rubinstein, Ron Shamir, Assaf Gottlieb, Yael Silberberg, Dana Pe'er, Eytan Ruppin, Roded Sharan, Martin Kupiec. Environmental Stresses Disrupt Telomere Length Homeostasis. PLoS Genetics, 2013; 9 (9): e1003721 DOI:10.1371/journal.pgen.1003721


Himatanthus sucuuba (Spruce) Woodson

Você conhece essa planta? Trata-se da Himatanthus sucuuba (Spruce) Woodson – Apocynaceae, popularmente conhecida na região norte do Brasil como sucuúba. Ela é constituída principalmente por iridóides (plumeridóide C, plumericina, plumieridina, alfa-mandicina), flavonóides (biochanina A, dihidro-biochanina A, dalbergioidina, naringenina, ferreirina, dihidrocajanina), lignanas (pinoresinol), ésteres triterpênicos pentacíclicos (derivados do lupeol). Tradicionalmente ela é utilizada como anti-úlcera, cicatrizante, anti-inflamatória, anti-anêmica, antiparasitária, antitumoral, laxativa e citotóxica. Foi publicado um artigo científico pela Universidade Federal do Rio de Janeiro onde ficou demonstrado que o látex coletado do caule dessa espécie vegetal (rico em iridóides) é um potente antiprotozoário com atividade leishmanicida com atividade intracelular contra a espécie Leishmania amazonensis, agente causador da leishmaniose cutânea apresentando-se como pouco tóxico aos hospedeiros tratados (camundongos) no uso agudo (Parasitology International 59 (2010) 173–177). Foi publicado no “ Guia de Produtos Fitoterápicos e Fitocosméticos “ pelo IEPA (Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá) a utilização de cápsulas da casca do caule em pó como auxiliar no tratamento de gastrite e outras afecções do estômago. Essa espécie vegetal deverá ser utilizada por períodos não superiores a 30 dias de maneira contínua. Não utilizar na gravidez e na lactância.

Site sobre cuidados com a saúde antes das férias ou das viagens


Incentivar imaginário da criança é saudável

Papai Noel é um senhor gordinho, bonachão, que tem a barba comprida e bem branca. Ele usa gorro e roupa vermelhas e vive no Polo Norte junto com a Mamãe Noel, duendes e renas voadoras. Toda noite de 24 de dezembro, ele voa com um saco bem grande repleto de presentes e os distribui para todas as crianças do mundo que foram boazinhas durante o ano. Difícil de acreditar? Não para a maioria dos pequenos, que esperam ansiosos pela visita do bom velhinho.

De acordo com Sérgio Dório de Carvalho, psicopedagogo e responsável pela Recreação Terapêutica do Hospital Criança Conceição (HCC), incentivar as crianças a crerem em figuras imaginárias, como a do Papai Noel, enriquece o imaginário e favorece a exploração do pensamento infantil. “Ele é norteado pelo mágico e fantasioso. É a forma que a criança tem de vivenciar aquele mundo novo que aparece para ela. É altamente saudável para o desenvolvimento cognitivo da criança, para que ela possa compreender a realidade”, explica o pedagogo. E acrescenta: “A fantasia, a brincadeira e a imaginação ajudam os pequenos a lidarem com os sentimentos. Ela naturalmente tem que passar por esta fase do pensamento mágico e, com os anos, ela vai tirar conclusões sobre a veracidade ou não daquilo”.

Brincadeira em família - “Escrevi cartinha para o Papai Noel junto com meus dois filhos, Artur e Elisa (4 e 2 anos). Envelopamos e adesivamos a carta e coloquei dentro da minha própria caixa do correio para eu poder guardar. Minha mãe conserva até hoje uma cartinha que eu escrevi quando criança, pedindo uma boneca do meu tamanho e uma vassoura. É muito bom relembrar este período tão cheio de fantasia. É fundamental este lado imaginário, é o período para cultivar a inocência. Eles contam histórias, esperam o Papai Noel. Acho esta imaginação importante para a criança ser criança ”, conta a analista administrativa da Secretaria de Atenção à Saúde Indígena (Sesai), Cidália Sant´Ana. “Como supostamente o Papai Noel só presenteia quem foi uma pessoa boa durante o ano, estimulei que cada um falasse o que fez de bom e de ruim. Acredito que é importante ensinar valores por meio do lúdico, ensinar limites e disciplina de maneira leve”, completa.

“Não há desvantagem alguma os pais estimularem a crença em figuras imaginárias. É importante entender que o Papai Noel é um arquétipo, que simboliza a Boa Nova. Remete a questões ligadas à solidariedade. Com o passar do tempo, a figura deixa de existir mas o conceito moral persiste”, observa Sérgio Dório.

Ajuda na recuperação - O psicopedagogo do HCC ressalta que entre as crianças internadas nos hospitais, a importância do Papai Noel é ainda mais forte. “Além de esperança, são traços muito fortes da figura do Papai Noel a caridade, solidariedade e união, pois a família se reúne durante o Natal”, destaca. “O Papai Noel é importante para o processo de recuperação, pois este vai muito além da medicação. A criança está afastada do convívio social e, mesmo assim, o Natal não deixou de fazer parte da vida dela. Ela acaba levando uma lembrança boa do período que ficou no hospital”, acrescenta.

E a boa vontade e alegria contagia até os adultos. Muitos profissionais da saúde e voluntários do hospital ajudam os pequenos pacientes a escrever cartinha para o Papai Noel. “Parcerias são criadas para realizar estes desejos. Uma vez uma das crianças queria conhecer um jogador de futebol que ele admirava. A movimentação do voluntariado foi tão grande que conseguiu levar o ídolo até ao hospital”, recorda Sérgio Dório.

Fonte: Ana Paula Ferraz / Comunicação Interna / Agência Saúde

Data 29.11.2013

Experiência do Ministério da Saúde com APL de Fitoterápicos é destaque em conferência

O Ministério da Saúde participou no último dia (03) da 6ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais (APLs) realizada em Brasília e que reúne gestores de arranjos produtivos locais, autoridades governamentais, empresários, sindicatos, acadêmicos, instituições financeiras e diversos outros parceiros para aperfeiçoar as políticas de apoio aos arranjos pelo país. A analista técnica de políticas sociais da Coordenação Geral de Assistência Farmacêutica Básica do Ministério da Saúde, Letícia Mendes Ricardo, participou de um dos encontros para apresentar a experiência do Ministério da Saúde na estruturação, consolidação e fortalecimento de APLs específicos na área de fitoterápicos, uma ação do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF).

Desde 2012 o Ministério da Saúde abre seleção pública para que estados, Distrito Federal e municípios de todo País apresentem projetos de estruturação de APLs de Fitoterapia. A iniciativa tem o propósito de ampliar as opções terapêuticas ao garantir à população o acesso a essa modalidade de medicamentos, fortalecendo o complexo produtivo e o uso sustentável da biodiversidade. Em 2013 nove projetos foram selecionados totalizando mais de R$ 6 milhões em investimentos para compra de equipamentos, materiais permanentes e de consumo e, ainda, contratação de pessoal e serviços.

Durante a apresentação, Letícia destacou que 12 fitoterápicos já fazem parte da Relação Nacional de Medicamentos (Rename), a lista de medicamentos do Sistema Único de Saúde (SUS) com financiamento das três esferas de governo. Ela ressaltou ainda a importância da fitoterapia como uma opção clínica com eficácia e segurança comprovadas. “Existe uma cadeia complexa que vai desde o cultivo, beneficiamento, até que o fitoterápico chegue na mão do usuário; os elementos desta cadeia podem ser determinantes na qualidade final do produto. O modelo de APL de fitoterápicos atua em toda essa cadeia, deve respeitar o conhecimento tradicional e popular e articulá-los com o científico. Trabalhar o APL como tecnologia social permite estabelecer novas relações entre saúde e desenvolvimento“, explicou.

Também participaram da mesa durante o evento representantes do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Ministério da Integração Nacional (MI), Ministério da Cultura (MinC) e Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

O que são APLs?

Arranjos Produtivos Locais são aglomerações de empreendimentos de uma mesma atividade produtiva localizados em determinada região. As empresas que formam esses agrupamentos geralmente apresentam vínculos de articulação, cooperação e aprendizagem entre si.

A interação também é realizada com organizações locais, como governo, movimentos sociais, empresas, instituições de crédito, ensino e pesquisa, com o objetivo de buscar o desenvolvimento do setor naquela região.


HeartFire Veterinary Acupuncture Case Studies

Desenvolvimento traz saúde?

Raquel Rigotto, do GT Saúde e Ambiente da Abrasco, escreveu artigo para o jornal O Dia. 'Se a ideia de desenvolvimento é comumente associada a algo positivo e desejável, as diferentes dimensões da crise ambiental estão cada vez mais explicitadas e colocam em xeque o modelo e o próprio cerne do desenvolvimento', diz a pesquisadora. Confira o artigo na íntegra.

Se a ideia de desenvolvimento é comumente associada a algo positivo e desejável, as diferentes dimensões da crise ambiental — energética, alimentar, climática, entre outras — estão cada vez mais explicitadas e colocam em xeque o modelo e o próprio cerne do desenvolvimento.

À parte soluções simplificadoras e reducionistas, como a Economia Verde, estamos, como humanidade, desafiados a nos colocar diante de questões fundantes da vida social: como temos nos relacionado com a natureza e seus “recursos”? O que precisamos realmente produzir? Para que, para quem, quanto e onde? A que custo para o ambiente, os trabalhadores, as comunidades humanas, as gerações futuras?

Sim. Porque o avanço das tecnologias médicas de diagnóstico e tratamento não tem dado conta dos impactos sobre a saúde deste modelo de desenvolvimento, agora centrado na produção de commodities como o ferro, aço, alumínio, celulose, carnes, soja, etanol, frutas e camarões, além da energia e outras infraestruturas.

A degradação ambiental — desmatamento, perda de biodiversidade, erosão dos solos, consumo excessivo de água — afeta o modo de vida e a segurança alimentar dos povos, gera migração e desnutrição, entre outros. A contaminação ambiental vem sendo cada vez mais relacionada a doenças respiratórias, endócrinas, imunológicas, neurológicas e cânceres. E geram também injustiças, na medida em que estes impactos são distribuídos desigualmente entre as classes sociais, os grupos étnicos, gerações e gêneros.

Um exemplo claro disto é a expansão do agronegócio sobre ecossistemas como a Amazônia, o Cerrado e o Semiárido. Se centrarmos o olhar apenas em um dos problemas gerados, os agrotóxicos, vamos poder entender por que o Brasil é, desde 2008, o país que mais consome agrotóxico no mundo: são mais de 1 bilhão de litros por ano. Este veneno vai contaminando os trabalhadores, os moradores no entorno das empresas, as águas, o ar, o solo e os alimentos.

De acordo com a Anvisa, 63% das amostras de frutas, verduras e legumes examinadas anualmente mostram a presença de agrotóxicos: o veneno está na mesa também. Em pesquisas conduzidas na Universidade Federal do Ceará, cerca de 30% dos trabalhadores examinados apresentam quadro compatível com intoxicação aguda, entre 5% e 19% tinham alterações da função hepática, alem de um caso de óbito por hepatopatia tóxica; em mais de um quarto de um grupo de trabalhadores de banana foram encontradas alterações na medula óssea que são pré-neoplásicas, entre outros dados.

O que compete à academia, às políticas públicas e à sociedade neste contexto? É o que debatemos no VI Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Humanas em Saúde, na Uerj, organizado pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva.

Data: 23.11.2013

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

A embriaguez na conquista da América

Por Karina Toledo

Agência FAPESP – Mais do que mera diversão ou escapismo, o consumo de álcool, tabaco e alucinógenos entre os incas e os astecas tinha caráter ritualístico, religioso e até curativo. Já para os colonizadores europeus – embora também acreditassem no poder medicinal de certas substâncias psicoativas – a prática representava a adoração ao demônio e, portanto, deveria ser combatida.

Essa ambiguidade do discurso espanhol sobre o consumo de drogas entre os índios, no período da colonização, é tema do livro A embriaguez na conquista da América. Medicina, idolatria e vício no México e Peru, séculos XVI e XVII, lançado recentemente pela editora Alameda.

Publicada com apoio da FAPESP, a obra é fruto do trabalho de mestrado de Alexandre Camera Varella, realizado na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP) sob a orientação do professor Henrique Soares Carneiro.

Com base em uma compilação de fontes da época, que inclui obras de religiosos, tratados médicos e de história natural, além de um cronista indígena cristão, Varella analisa as representações hispano-americanas sobre o consumo das bebidas fermentadas nativas, como é o caso da chicha (feita de milho), no Peru, e do pulque (feito de agave), no México.

Também são incorporados o tabaco – uma versão mais rústica e forte, usada pelos índios para induzir um estado de transe – e as bebidas derivadas do cacau e denominadas chocolate, muitas vezes preparadas com flores aromáticas ou plantas alucinógenas.

“Qualquer substância capaz de alterar o estado de consciência ou, como diziam na época, ‘tirar do juízo’, era considerada causadora de embriaguez. E a embriaguez indígena estava sempre relacionada aos rituais, seja de adivinhação ou de celebração dos deuses. Para os espanhóis isso representava idolatria. Houve, portanto, bastante resistência aos costumes indígenas, principalmente por parte dos clérigos”, contou Varella.

Curiosamente, acrescentou o historiador, tanto colonizados como colonizadores acreditavam no poder medicinal do tabaco. O espanhóis chamavam a planta de erva santa. Os indígenas a consideravam uma entidade divina.

"Os colonizadores diziam que o tabaco ajudava a eliminar substâncias ruins, quando soltava o catarro, e que aliviava a digestão e as dores de cabeça. Também as bebidas alcoólicas e o chocolate eram vistos como medicinais. Existiam várias receitas. Podiam colocar uma determinada flor de qualidade ‘quente’ para combater calafrios, ou algo considerado ‘frio’ para baixar a febre”, disse o historiador – que atualmente é professor da Universidade Federal de Integração Latino-Americana, em Foz do Iguaçu.

Durante os rituais de celebração dos deuses, contou Varella, os indígenas tinham o costume de beber até perder a consciência. Em certas ocasiões, quatro dias consecutivos de festas eram realizados e o consumo de álcool era permitido até mesmo por jovens e crianças.

“Nesses momentos, era tolerada uma certa algazarra, ocorriam brigas e havia maior liberdade sexual. A ideia do vício trazida pelos religiosos, portanto, não apenas estava relacionada à idolatria como também à luxúria e à violência que poderia haver nesses momentos de bebedeira. Não se pensava na questão da dependência física ou psicológica da bebida”, contou Varella.

Fora do contexto ritualístico, porém, as sociedades indígenas eram extremamente conservadoras, disse o historiador. Não era permitido beber dentro de casa ou na rua. Na época de Moctezuma, imperador asteca do início do século 16, um nobre indígena flagrado bêbado poderia ser punido com a morte.

“Até mesmo o uso da folha de coca era bem restrito entre os andinos na era pré-hispânica. Mas, com a chegada dos espanhóis e a desestruturação dos governos indígenas, houve uma popularização do uso – tanto da bebida, quanto da coca e de outras plantas como o peiote [cacto com propriedades alucinógenas]. Isso criou uma preocupação grande entre os colonizadores e clérigos, que queriam preservar a mão de obra indígena, relacionando a mortandade não às doenças trazidas por eles, mas sim à demasiada embriaguez”, afirmou Varella.

Nesse contexto, diversas leis foram criadas – tanto em âmbito eclesiástico quanto civil – para tentar reprimir o consumo de álcool e de outras drogas entre os índios. Principalmente por razões morais, também legislavam para evitar o mau costume entre os mestiços, os negros e os espanhóis pobres que habitavam o Novo Mundo.

Com base em relatos de religiosos, tratados médicos e de história natural, o historiador Alexandre Varella analisa o discurso dos colonizadores espanhóis sobre o consumo de drogas entre os incas e os astecas nos séculos 16 e 17 (reprodução)

“As práticas sociais, porém, foram muito mais amplas do que as tentativas de repressão, que muitas vezes ficaram apenas no nível do discurso e das leis. Podemos dizer que foi a embriaguez que conquistou a América”, disse Varella.

A embriaguez na conquista da América. Medicina, idolatria e vício no México e Peru, séculos XVI e XVII 
Autor: Alexandre Camera Varella 
Lançamento: 2013 
Preço: R$ 68,00 
Páginas: 460


Índios Pataxós restauram floresta degradada na Bahia

dezembro 05, 2013

O dia era 22 de abril de 1500 quando Pedro Álvares Cabral e suas caravelas desembarcaram no que seria mais tarde o Brasil. De longe, os navegadores portugueses avistaram uma porção de terra encravada numa densa mata verde: era o Monte Pascoal, com seus mais de 500 metros de altura. Hoje, ele está dentro de um Parque Nacional que leva seu nome, no sul da Bahia, cuja área verde é uma fração da original, em decorrência de intensa degradação.

Considerada uma área prioritária para a conservação (hotspot) dentro da Mata Atlântica, esta Unidade de Conservação é rodeada de terras improdutivas, mas prospera graças à restauração florestal realizada por indígenas, apoiados por organizações ambientais.

“Entre os que ocupam a terra, os indígenas são os maiores cuidadores de florestas que nós temos”, afirmou a ((o))eco Paulo Dimas Menezes, integrante do grupo ambiental Natureza Bela, associação fundada em 2001 com sede no município baiano de Itabela, a cerca de 50 km de Porto Seguro, no sul do estado.

A região foi ocupada inicialmente pelos tupinambás e, a partir do século XVI, pelos pataxós. O Parque Nacional Monte Pascoal, criado em 1961, está em boa parte rodeado por aldeias pataxós que ficam nas Terras Indígenas Barra Velha e Águas Belas.
Alguns índios tem no reflorestamento uma fonte de renda.

Pioneiros na restauração

Na década de 80, ao perceberem que a caça e a pesca escasseava, sob a liderança do pajé Manoel Santana, hoje com 90 anos, os Pataxós decidiram se dedicar à atividade de restaurar a paisagem florestal.

Antes mesmo de saber exatamente o que isso significava, os pataxós estiveram entre os pioneiros na iniciativa de restauração de áreas degradadas no país, pois perceberam a crescente escassez de recursos dos quais dependiam.

“Essa região é importante para nós. A gente briga contra o desmatamento e contra quem caça. Estamos reflorestando. Desde os anos 80, meu pai já vem trabalhando e, antes, era sem apoio nenhum”, disse Alfredo Santana Pataxó, 46 anos de idade, e há 26 cacique da aldeia Boca da Mata, onde vivem 175 famílias.

Alfredo é filho de Manoel Santana e desde pequeno viu o exemplo de seu pai na iniciativa que cresceu e conquistou mais adeptos pataxós. Hoje, ele preside o conselho de caciques da região de Barra Velha.

O líder conversou com ((o))eco quando esteve pela primeira vez no Rio de Janeiro. Ele e um colega pataxó acompanharam Paulo Menezes no encontro promovido pelo BNDES que reuniu projetos apoiados pela iniciativa Mata Atlântica e pela Linha Florestal Mata Atlântica, nos últimos dias 21 e 22 de novembro.

Antes acusados de retirar madeira da floresta para fazer artesanato, os indígenas vivem um processo de transição em que abandonam a extração de madeira nativa e passam a ser os restauradores oficiais de floresta.

“Enquanto os proprietários rurais em volta desmataram tudo e, em 45 anos, retiraram 90% da floresta, os índios são os povos da floresta. Hoje só há fragmento florestal onde tem aldeia indígena perto”, disse Menezes.

A TI dos Pataxós tem como vizinhos uma grande empresa de celulose, fazendeiros de gado, proprietários de extensas áreas de cultivo de mamão e cafeicultores.

“A gente planta árvores nativas da floresta para conservar. A gente vive no entorno do restinho de floresta que existe, lutando para sobreviver e cuidando. Se não fossemos nós, o resto de floresta já teria ido embora. A gente está brigando com unhas e dentes para não deixar acabar”, lamenta Alvair Silva Pataxó, 38 anos, e cacique da aldeia Cassiana, onde vivem 50 famílias, vizinha à Boca da Mata na TI Barra Velha. “Devido à devastação da floresta, a tendência é acabar a caça, os peixes e as águas. Já não tem mais aquela convivência com a natureza como há 30 anos”, relembra Alvair.

Parceria para o corredor 

Até bem pouco tempo, os pataxós acharam que eram os únicos preocupados com o bioma. Há cerca de três anos eles se juntaram à Natureza Bela para um ambicioso projeto de corredor florestal.

A meta é restaurar 800 hectares nos 40 km que dividem os Parques Nacionais Monte Pascoal e o Pau-Brasil, o último criado em 1999, e que concentra um dos maiores reservatórios desta árvore. Os dois parques são patrimônio nacional, tombados pela UNESCO como Sítio do Patrimônio Mundial e fazem parte da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. A região é tida ainda como Patrimônio Mundial Natural do Descobrimento.

Um corredor florestal não é apenas floresta, envolve um conceito de mosaico do uso do solo, afirmou Paulo Menezes. “A restauração entre os dois parques permite que espécies que vivem isoladas em um parque possam cruzar para o outro, o que aumenta a chance de preservação dessas espécies. Os parques estão na área de maior concentração de espécies endêmicas ameaçadas da Mata Atlântica. É um hotspot mundial”.

A meta do grupo ambiental é concluir o corredor florestal em dois anos. Muitas das áreas estão improdutivas e abandonadas, explica Menezes. Cada processo de restauração tem características locais diferenciadas. “Lá tem alta regeneração. Apesar de estar degradada por incêndios, a área tem alta resiliência”, disse.

Os custos da regeneração não são baixos, entres eles o custo intensivo de mão de obra. Estima-se que sejam necessários cerca de R$ 20 milhões para todo o corredor. O BNDES financiou R$ 3,1 milhões para a restauração de 220 hectares.

“Com exceção dos povos indígenas, parece que a sociedade brasileira ainda não colocou as florestas como prioridade. Eles são os únicos que falam de florestas e nós, os ambientalistas, somos minoria”, disse Menezes. Na sua opinião, falta uma política de Estado e uma estratégia nacional com diretrizes claras para a restauração. “Mas na ausência dela, vamos fazer de qualquer jeito. Se o Estado não fizer, nós vamos fazer”.
Viveiro florestal com capacidade atual de 200 mil mudas/ano.

Fonte de renda

Antes, o trabalho era voluntário, hoje já existem 55 famílias pataxós que vivem da restauração florestal e retiram dela seu sustento. Este projeto do corredor florestal facilitou a criação da cooperativa indígena COOPLANJE, que participa ativamente no plantio.

No último plano de gestão territorial, elaborado em 2012, os pataxós estabeleceram metas e tarefas, entre as quais reflorestar as áreas degradadas, criar mudas nativas através de viveiros, formar mais agentes e fiscais indígenas. Outros objetivos incluem preservar as nascentes, recuperá-las com mudas nativas, ajudar o trabalho da Funai e do ICMBio na fiscalização contra o desmatamento e promover a educação ambiental.

Os indígenas querem dar atenção especial aos mangues e estabelecer uma vigilância que iniba que visitantes joguem lixo nessas áreas. Também querem proibir a retirada de fêmeas de caranguejo e guaiamum na época da desova.

Para a produção de artesanato, os pataxós se comprometeram a não extrair madeira nativa e usar outras matérias-primas como fibra de piaçava, de coco, sementes e madeira morta.


São Paulo: Hospital das Clínicas oferece tratamento gratuito para a intolerância à lactose

O Hospital das Clínicas em São Paulo oferece gratuitamente tratamento para a intolerância ou alergia à lactose, o único centro de tratamento gratuito em todo o Brasil.

Para conseguir o tratamento, o paciente precisa ter um encaminhamento médico com a confirmação do diagnóstico. Após apresentar o documento, uma triagem é agendada para saber se a intolerância possui tratamento já que existem diversos tipos e nem todos são tratáveis.

Para agendar a triagem, o interessado deve ligar ao ambulatório do Hospital das Clínicas em São Paulo, às terças-feiras, das 08h às 16h. O telefone para contato é (11) 2661-6098.

A intolerância ou alergia à lactose

Impedida de tomar ou comer qualquer derivado do leite, como sorvete, iogurte, bolo e chocolate, a pessoa com intolerância ou alergia à lactose possui a falta da enzima “lactase”, responsável pela digestão do açúcar do leite.

O problema, quase sempre hereditário, possui como sintomas mais comuns dores abdominais, gases (flatulência), sensação de inchaço, cólicas e diarreia. As reações podem ocorrer imediatamente após a ingestão do agente alérgeno ou podem ser retardadas e levar dias para aparecer, o que em geral dificulta a identificação do agente agressor.

A deficiência primária em lactase é um problema que dura a vida toda, sendo necessária a substituição do leite e seus derivados, entretanto existe a intolerância chamada vulgarmente de “temporária”, que tende a desaparecer com a idade.
Data: 29.11.2013

Revista Agroindústria Tropical, n. 147

Direitos Humanos e Direitos da Natureza, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

[EcoDebate] O dia 10 de dezembro é a data de aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em 10 de dezembro de 1948. Este documento tem uma importância histórica incomensurável e se constitui em uma das páginas mais belas já escritas na trajetória humana sobre a Terra.

A Revolução Francesa pode ser considerada a “mãe” que deu origem ao rebento mais significativo dessa história. De fato, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, aprovada pela Assembleia Nacional, no dia 26 de agosto de 1789, representou, em termos sociais, uma revolução copernicana. Segundo Norberto Bobbio, com a Revolução Francesa houve uma “inversão histórica”, em que “passou-se da prioridade dos deveres do súdito à prioridade dos direitos dos cidadãos”.

Desde as ideias iluministas do século XXVIII, mas, especialmente, nos últimos 65 anos da Declaração Universal (1948-2013) houve um grande avanço dos direitos humanos no mundo, embora a situação das desigualdades sociais e políticas esteja longe de ser a mais justa e ideal.

Porém, se existem muitas injustiças entre os seres humanos, as injustiças são muito maiores em relação aos direitos dos ecossistemas e aos direitos das demais espécies vivas da Terra. Como já escrevi em outro artigo, os Direitos Humanos não podem estar em contradição e em conflito com os direitos da Terra e os direitos da biodiversidade. Sem a biodiversidade não existiria vida humana. A humanidade não tem como viver em uma terra arrasada. Portanto, não é justo e nem viável o ser humano pensar em termos egoísticos e ignorar que a vida na Terra é uma aventura coletiva que envolve a diversidade da flora, da fauna e a geologia do planeta. É preciso ter uma atitude ética em relação aos demais seres vivos. Como afirma a Carta da Terra:

“A humanidade é parte de um vasto universo em evolução. A Terra, nosso lar, é viva como uma comunidade de vida incomparável. As forças da natureza fazem da existência uma aventura exigente e incerta, mas a Terra providenciou as condições essenciais para a evolução da vida. A capacidade de recuperação da comunidade de vida e o bem-estar da humanidade dependem da preservação de uma biosfera saudável com todos seus sistemas ecológicos, uma rica variedade de plantas e animais, solos férteis, águas puras e ar limpo. O meio ambiente global com seus recursos finitos é uma preocupação comum de todos os povos. A proteção da vitalidade, diversidade e beleza da Terra é um dever sagrado”.

Portanto, a dignidade e os direitos não são exclusividades dos seres humanos. É preciso romper com a ideologia antropocêntrica que considera os humanos donos da Terra e do sistema solar. Como mostrou o escritor Leonardo Boff:

“A Terra é um superorganismo vivo, Gaia, que se autorregula para ser sempre apta para manter a vida no planeta. A própria biosfera é um produto biológico, pois se origina da sinergia dos organismos vivos com todos os demais elementos da Terra e do cosmos. Criaram o habitat adequado para a vida, a biosfera. Portanto, não há apenas vida sobre a Terra. A Terra mesma é viva e como tal possui um valor intrínseco e deve ser respeitada e cuidada como todo ser vivo. Este é um dos títulos de sua dignidade e a base real de seu direito de existir e de ser respeitada como os demais seres”.

Respeitar os direitos intrínsecos das demais espécies significa colocar limites à presença humana na Terra. A ideia de limitar os direitos humanos pode parecer esdrúxula, mas deve ser pensada em termos de direitos mais amplos, direitos que envolvem a vida do Planeta e os direitos das demais espécies vivas da Terra. Assim, seria preciso aumentar os direitos entre os humanos e reduzir os direitos humanos em relação ao predomínio que esta espécie possui sobre o ambiente e as demais espécies.

Os Direitos humanos só serão efetivos quando se respeitar os direitos da nossa casa (Direitos da Terra) e dos nossos vizinhos (Direitos da biodiversidade). Como animais racionais e inteligentes, os seres humanos precisam reconhecer os danos que tem provocado à vida terrestre e reconhecer a natureza como sujeito de direito. A vida selvagem não pode ser eliminada pela civilização e a degradação dos territórios precisa ser revertida pela reselvageriação da vida animal e a expansão das áreas florestais.

Portanto, é preciso garantir os direitos humanos entre os humanos, mas, por questão ética e moral, esta espécie que domina o planeta, não deve desrespeitar os direitos da Terra e da rica vida da biosfera.


ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948

Leonardo Boff. A Terra sujeito de dignidade e de direitos. 22/04/2010. 

ALVES, JED. Demografia, Democracia e Direitos Humanos, Texto para Discussão n. 18, ENCE/IBGE, Rio de Janeiro, 2005http://www.ence.ibge.gov.br/c/document_library/get_file?uuid=73ab957f-f21c-4d75-a00a-916a6fbdbaaf&groupId=37690208

ALVES, JED. Direito Reprodutivo: o filho caçula dos Direitos Humanos , APARTE – Inclusão Social em Debate, IE/UFRJ, Rio de Janeiro, 0612/2004

ALVES, JED. Direitos Humanos, Direitos da Terra e Direitos da Biodiversidade, Ecodebate, RJ, 12/01/2011

ALVES, JED e CAVENAGHI, S. Direitos sexuais e reprodutivos e a equidade de gênero: a Rio + 20 e a CIPD além de 2014. Ecodebate, Rio de Janeiro, 10/12/2012

Alberto ACOSTA y Esperanza MARTÍNEZ (Compiladores). La Naturaleza con derechos: filosofía y política. Ediciones Abya-Yala, Quito-Ecuador, Auspiciado por la Fundación Rosa Luxemburg, mayo de 2011

Declaración Universal de los Derechos de la Naturaleza

ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais. http://www.anda.jor.br/

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

EcoDebate, 06/12/2013


Nelson Mandela

Nelson Mandela, 1918 - 2013

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

A árvore milenar

Do site:
Existe na SP 330, no município de Santa Rita do Passa Quatro - SP, o Parque Estadual de Vassununga. Nele está abrigado um Jequitibá-rosa (Cariniana legalis), com idade estimada de 3.000 anos.

Para os mais sensíveis, descobri-lo e estar próximo a ele chega a ser uma experiência mística. Impossível não sentir o coração emocionado e a mente girando ante o esforço de imaginar tudo que esse Jequitibá já presenciou nesta incrível jornada de séculos e milênios. Herói, sobrevivente de uma colonização desmatadora e devastadora, de ciclos e ciclos de culturas agrícolas, de incêndios florestais...
Impossível não reverenciá-lo. Um respeito quase filial aliado a um sentimento de profunda admiração somam-se à súbita noção da efemeridade de uma existência humana.

Impossível não sentir a dimensão sagrada que há neste incrível ser vivo de 3.000 anos.

Existe lá uma visitação pública bem expressiva, o que tem levado aos técnicos responsáveis pela manutenção do parque um receio muito grande quanto à continuidade dessa existência milenar do Jequitibá-rosa. De fato, é possível verificar nele sinais perturbadores dessa visitação, como por exemplo, pedações de seu majestoso tronco feridos porque alguém quis levar pra casa uma lembrança sua, retirando um pedaço da casca. Existe também um intenso pisoteio ao seu redor, o que expõe suas raízes ao perigo da compactação do solo.
Será que a noção do "sagrado" que há nessa árvore chega a alcançar muitos dos corações e mentes que o visitam? Será que essa forte ligação com o passado que ele nos traz é percebida ou sentida pela maioria, mesmo que de modo fugaz?

Se a resposta for sim, talvez seja possível acreditar que o ser humano ainda não esteja totalmente escravo da frieza e da insensibilidade que lhe parecem ser tão característicos neste início de século XXI. Creio que as raízes de todo o mal que há na terra estão fincadas nestes dois tipos de sentimentos, que paradoxalmente poderiam ser descritos como "ausência de sentimentos".
Talvez fosse possível modificar hábitos e atitudes profundamente enraizados em nosso cotidiano através do resgate dessa sensibilidade latente, que precisa de alguma forma aflorar e tornar mais emocionante nossa relação com nossos irmãos da Natureza e também com nossos irmãos de espécie.

Se o "emocionar-se" diante de uma árvore é possível para grande parte de nós homens e mulheres deste terceiro milênio, então pode-se sonhar com dias melhores, onde se pensará muitas vezes antes de se sacrificar uma árvore de rua por futilidades como a quebra de uma calçada de cimento, por sujar as ruas com suas lindas e coloridas flores e folhas, esconder fachadas comerciais, ou por quaisquer outros motivos que nosso vão egoísmo pode produzir.

O respeito para com a árvore da rua será então, apenas um dos sinais de uma mudança maior, de valores e atitudes, de respeito e reverência pela vida em si.

Fotos: panoramio, trilhasdesaopaulo.sp.gov.br
Dissertação de mestrado Ilza Monico. Link para baixar: 


A árvore que deu o nome à nossa terra

Do site:

O pau-brasil era usado na Europa, desde o século IX. A indústria de tecidos entrava em expansão e havia a necessidade de corantes, que eram então trazidos do Oriente. Eram quase todos de origem vegetal e chegavam à Europa através de mercadores árabes, que atravessavam o Mar Vermelho, o Egito e o Mar Mediterrâneo.

Naquela época, a moda era tingir-se os tecidos com cores fortes, principalmente o vermelho. Uma lei inglesa limitava o uso da cor púrpura somente à família real e os corantes eram obtidos da matéria-prima brasilina, que é o princípio ativo retirado do cerne da madeira pau-brasil.

Quando o pau-brasil foi encontrado nas matas do Novo Mundo, essa nova fonte de corantes foi considerada muito mais viável que a anterior, que dependia em grande parte do transporte terrestre. Em 1514, nosso país ainda se chamava Terra de Santa Cruz, mas, na Europa todos o chamavam de Terra do Brasil, pois esse era o seu único produto de exportação. O nome original foi esquecido e substituído.

O pau-brasil foi assim o produto que marcou o primeiro ciclo econômico brasileiro. O pau-brasil foi monopólio da coroa portuguesa e depois da brasileira, desde 1503 até 1859, apesar de toda a pirataria dos espanhóis, franceses e holandeses, que nunca levara a sério o Tratado de Tordesilhas.

Todas as medidas tomadas pelos governos tinham a ver apenas com os direitos de exploração e comercialização. Ninguém se preocupava com a possibilidade da extinção da espécie. Por volta de 1826, começaram a aparecer no mundo as anilinas sintéticas, inventadas pelos alemães, e assim, a partir de 1859, a importância comercial do pau-brasil começou a declinar, assim como a própria planta, que praticamente desapareceu de nossas florestas.

O desprezo

Em 1902, a Avenida Rio Branco na cidade do Rio de Janeiro chegou a ser totalmente arborizada com pau-brasil, por iniciativa do Ministro Lauro Müller. Mas a imprensa carioca ridicularizou a campanha, utilizando-se de charges depreciativas, a ponto de obrigar a administração pública a destruí-las, substituindo-as por outras árvores, de origem estrangeira. Se isso não houvesse acontecido, teríamos no Rio hoje alamedas de pau-brasil com mais de 100 anos de idade.

A restauração - árvore nacional, por lei

Em 1970, o Professor Roldão de Siqueira Fontes iniciou em Pernambuco o Movimento em Defesa do Pau-Brasil, que foi posteriormente apoiado e ampliado pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), quando foi lançada uma campanha de âmbito nacional. Foram então plantadas pelo Prof. Roldão 50.000 árvores no perímetro da margem de segurança da barragem do rio Tapacurá. O Prof. Roldão conseguiu também sensibilizar o Congresso Nacional, para que fosse promulgada a Lei Federal 6.607, de 7 de dezembro de 1978, que instituiu o pau-brasil como Árvore Nacional e determina o dia 3 de Maio como o Dia do Pau-Brasil.

O pau-brasil

O nome científico do pau-brasil é Caesalpinia echinata (Lamarck). É da família Leguminosae.
É uma árvore de grande porte, podendo alcançar mais de 20 metros de altura.

O pau-brasil presta-se a todo tipo de construção, por sua dureza e flexibilidade, que o tornam inigualável no fabrico de arcos e violinos. Sua resistência é comprovada por séculos de utilização. É também muito decorativo, pelo seu tronco altivo, flores lindas e sombras frescas.

O tronco

O pau-brasil tem tronco linheiro, com fibras grandes e retas, com diâmetro que chega até um metro, na fase adulta. Uma de suas características principais são os acúleos, que aparecem durante o estágio de crescimento. Com o passar do tempo, a casca torna-se cinzenta e escura e os acúleos desaparecem, mantendo-se apenas nos galhos mais jovens. O alburno é de cor branco amarelado, sendo espesso enquanto a planta é nova, diminuindo com a idade, cedendo lugar ao miolo e ao cerne, que é de cor vermelha intensa, mais resistente à umidade. Quando a árvore é nova, o cerne é mínimo, mas chega a constituir praticamente todo o miolo da árvore, quando passa dos 10 anos. Esse cerne é a parte valiosa que no passado era tão importante como fonte de corante vermelho para os europeus.

Raiz, folhas, flores

As raízes do pau-brasil forma um sistema rico e vigoroso. As folhas são compostas, divididas com 8 a 18 folíolos de cor verde brilhante, em forma de losangos de cantos arredondados, e podem se armar, com o tempo, em copas fechadas, que produzem sombras agradáveis. As flores são muito bonitas, amarelas com cinco pétalas, sendo uma com base vermelha. Exalam perfume agradável e duram cerca de dois dias, sendo motivo de atração para abelhas que, nesses bosques, produzem mel de excelente sabor. a floração, no Nordeste do Brasil, ocorre principalmente entre dezembro e maio.

Frutos e sementes

Os frutos do pau-brasil têm o formato de vagens, de cor marrom, cobertos de pequenos espinhos. Quando secam, abrem-se e contorcem-se com um estalo, atirando para longe até quatro sementes. As sementes são chatas e de cor marrom com pontuações de diferentes tonalidades e podem germinar com facilidade enquanto estejam novas, até menos de 30 dias de idade, mas não devem ser armazenadas por mais de um mês.

Fonte: A árvore que deu o nome à nossa terra. História do Pau-Brasil. Amway do Brasil. Fundação Nacional do Pau-Brasil.Link:

Data: nov.2013