sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Oregano oil: Could pizza herb prevent winter vomiting disease?

Date: February 11, 2014
Source: Wiley
Scientists have found that carvacrol -- the substance in oregano oil that gives the pizza herb its distinctive warm, aromatic smell and flavor -- is effective against norovirus, causing the breakdown of the virus' tough outer coat.

Oregano oil appears to be effective against norovirus. Norovirus, also known as the winter vomiting disease, is the leading cause of vomiting and diarrhea around the world. It is particularly problematic in nursing homes, hospitals, cruise ships, and schools, and is a very common cause of foodborne-disease outbreaks.
Credit: © Tim UR / Fotolia

Scientists have found that carvacrol -- the substance in oregano oil that gives the pizza herb its distinctive warm, aromatic smell and flavour -- is effective against norovirus, causing the breakdown of the virus' tough outer coat. The research is published today (12 February) in the Society for Applied Microbiology's Journal of Applied Microbiology. 

Norovirus, also known as the winter vomiting disease, is the leading cause of vomiting and diarrhea around the world. It is particularly problematic in nursing homes, hospitals, cruise ships, and schools, and is a very common cause of foodborne-disease outbreaks. Although the disease is unpleasant, most people recover fully within a few days. But for people with an existing serious medical problem, this highly infectious virus can be dangerous.

Dr Kelly Bright, who led the research at the University of Arizona said "Carvacrol could potentially be used as a food sanitizer and possibly as a surface sanitizer, particularly in conjunction with other antimicrobials. We have some work to do to assess its potential but carvacrol has a unique way of attacking the virus, which makes it an interesting prospect."

Unfortunately the human form of norovirus is nearly impossible to work on in the laboratory so the research has been carried out using the mouse form of the virus, which is considered the most similar in its resistance to antimicrobials and disinfectants.

In the experiments, carvacrol appeared to act directly on the virus capsid -- a tough layer of proteins that surrounds the virus -- causing it to break down. This would give another antimicrobial the opportunity to enter the internal part of the virus and kill it. So if carvacrol is used as a sanitizer in the future, it's likely to be in conjunction with another antimicrobial. And because it is slower acting than many disinfectants, such as bleach, it would be best used as part of a routine cleaning regimen to provide long-lasting antimicrobial residue on surfaces.

The good news is that because carvacrol acts on the external proteins of the virus, it is unlikely that norovirus would ever develop resistance. It would also be safe, non-corrosive and it won't produce any noxious fumes or harmful by-products. This makes it particularly attractive for use in settings where people are likely to be vulnerable to traditional bleach or alcohol based cleaners, such as schools, hospitals, long-term care facilities, child day-care centres, and drug and alcohol rehabilitation facilities.

The bad news: no amount of pizza could prevent norovirus, and quite apart from other negative health effects of a mainly pizza diet, concentrated carvacrol, although non-toxic, would be quite unpalatable, causing a burning sensation and then numbness of the tongue! 

Story Source:
The above story is based on materials provided by Wiley. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
D.H. Gilling, M. Kitajima, J.R. Torrey, K.R. Bright. Antiviral efficacy and mechanisms of action of oregano essential oil and its primary component carvacrol against murine norovirus. Journal of Applied Microbiology, 2014; DOI: 10.1111/jam.12453

Cite This Page:
Wiley. "Oregano oil: Could pizza herb prevent winter vomiting disease?." ScienceDaily. ScienceDaily, 11 February 2014. <>. 


Traditional medicine: Environment change threatens indigenous know-how

Date: February 13, 2014
Source: Australian National University
Traditional medicine provides health care for more than half the world's population, but no one has really looked at how the environment affects traditional medicine. Studying 12 ethnic groups from Nepal biologists found that plant availability in the local environment has a stronger influence on the make-up of a culture's medicinal floras. This means that the environment plays a huge role in shaping traditional knowledge. This is very important, especially when you think of the risks that these cultures are already facing.
Nepalese Sherpa guide in the Manaslu region of central Nepal proudly holding Meconopsis manasluensis P.A.Egan. Several species of Meconopsis have medicinal properties, especially in reducing fevers and treating bile diseases.
Credit: Mark Watson, Royal Botanic Garden Edinburgh

The way indigenous cultures around the globe use traditional medicines and pass on knowledge developed over centuries is directly linked to the natural environment, new research has found.

This makes indigenous cultures susceptible to environmental change, a threat that comes on top of the challenges posed by globalisation.

"Traditional medicine provides health care for more than half the world's population, with 80 per cent of people in developing countries relying on these practices to maintain their livelihood. It is a very important part of traditional knowledge," says Dr Haris Saslis-Lagoudakis, from The Australian National University's (ANU) Research School of Biology.

"This knowledge is typically passed down from generation to generation, or it is 'borrowed' from neighbours. Because of this borrowing, globalisation can homogenise medicinal practices of different communities, leading to loss of medicinal remedies."

But this is not the only challenge that indigenous cultures face.

"Imminent changes in the environment also pose a threat to traditional knowledge," explains Dr Saslis-Lagoudakis.

"Traditional medicine utilises plants and animals to make natural remedies. Despite a lot of these species being under threat due to ongoing climatic changes and other human effects on the environment, the effect that these changes can have on traditional medicine is not thoroughly understood."

Dr Saslis-Lagoudakis and a team of international researchers led by the University of Reading (UK) investigated how the environment shapes medicinal plant use in indigenous cultures, specifically Nepal, a country in the Himalayans that has outstanding cultural, environmental and biological diversity.

"By understanding the relationship between environment and traditional knowledge, we can then understand how cultures have responded to changes in the environment in the past," he says.

The team studied 12 ethnic groups from Nepal and recorded what plants different cultures use in traditional medicine. They calculated similarities in their medicinal floras and also calculated similarities in the floras these cultures are exposed to, how closely related they are, and their geographic separation.

"We found that Nepalese cultures that are exposed to similar floras use similar plant medicines.

"Although shared cultural history and borrowing of traditional knowledge among neighbouring cultures can lead to similarities in the plants used medicinally, we found that plant availability in the local environment has a stronger influence on the make-up of a culture's medicinal floras.

"Essentially, this means that the environment plays a huge role in shaping traditional knowledge. This is very important, especially when you think of the risks that these cultures are already facing.

"Due to ongoing environmental changes we are observing across the globe, we might lose certain plant species which will lead to changed ecosystems, and an overall poorer natural environment. This will then affect what plants people can use around them.

"We should be concerned about the fate of the traditional knowledge of these cultures. However, understanding the factors that shape traditional knowledge can provide the underpinnings to preserve this body of knowledge and predict its future."

Story Source:
The above story is based on materials provided by Australian National University. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
C. H. Saslis-Lagoudakis, J. A. Hawkins, S. J. Greenhill, C. A. Pendry, M. F. Watson, W. Tuladhar-Douglas, S. R. Baral, V. Savolainen. The evolution of traditional knowledge: environment shapes medicinal plant use in Nepal. Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences, 2014; 281 (1780): 20132768 DOI: 10.1098/rspb.2013.2768

Cite This Page:
Australian National University. "Traditional medicine: Environment change threatens indigenous know-how." ScienceDaily. ScienceDaily, 13 February 2014. <>.


Vitamin B12 accelerates worm development: New model for isolating the effects of nutrients on gene expression and physiology

Date: February 13, 2014
Source: University of Massachusetts Medical School
Every day our cells take in nutrients from food and convert them into the building blocks that make life possible. However, it has been challenging to pinpoint exactly how a single nutrient or vitamin changes gene expression and physiology. Scientists have now developed a novel interspecies model system that allows these questions to be answered.

Everyday our cells take in nutrients from food and convert them into the building blocks that make life possible. However, it has been challenging to pinpoint exactly how a single nutrient or vitamin changes gene expression and physiology. Scientists at the University of Massachusetts Medical School have developed a novel interspecies model system that allows these questions to be answered. In a study appearing in the journal Cell, UMMS researchers use this new approach to show how bacterially supplied vitamin B12 changes gene expression, development and fertility in the model organism C. elegans.
"In mammals, micronutrients are provided by a combination of diet and gut flora," said A.J. Marian Walhout, PhD, co-director of the Program in Systems Biology and professor of molecular medicine at UMMS and senior author of the study. "We've developed a powerful approach that can be used to unravel the complex interaction between nutrients, gene expression and physiology by systematically studying both the predator (worm) and the prey (bacteria). With it we can begin to answer important questions about how what we eat affects how we function."

The key to the study was a set of complimentary genetic screens performed on the transparent roundworm C. elegans and two kinds of bacteria that comprised the worm's diet -- Comamonas and E. coli. In a pair of papers published last year, Walhout and colleagues described dramatic changes in gene expression between worms fed only Comamonas and those fed only E. coli bacteria. Linked to these genetic changes were profound physiological differences between the worms. Comamonas-fed worms developed faster and were less fertile than their E. coli-fed counterparts.

By genetically dissecting the two bacteria and using a special C. elegans strain developed to sense changes to diet-related gene expression, Walhout and colleagues were able to zero in on a set of genes present in Comamonas but absent from E. coli. Further testing confirmed that these genes were responsible for producing vitamin B12 in Comamonas and it was the presence of the micronutrient that accounted for the genetic and physiological differences seen between the worms on different diets.

Importantly, Walhout found that vitamin B12 fulfills two important functions in C. elegans: It helps regulate development through the methionine/SAM cycle, which is needed for the production of cell membranes in new cells. It also alleviates potentially toxic buildups of the short-chain fatty acid propionic acid, which can alter gene expression or harm cells.

"C. elegans fed E. coli are actually vitamin B12 deficient and this reflects only one natural state of the animal," said Walhout. "Because E. coli has been the standard laboratory diet for decades it would be interesting to study other characteristics of the worm, such as behavior, mating and movement, on a vitamin B12 rich diet."

Walhout and colleagues say that this system can also be adapted to identify genetic and physiological changes caused by other micronutrients in C. elegans. With the proper human analogs, it's possible that we could one day predict the precise interaction between diet, gene expression and physiology that occurs when we eat a carrot, hamburger, steak or any other food. Doing so might someday lead to new insights into a variety of conditions or diseases such as high cholesterol, heart disease, diabetes and obesity. It can also be used to explore the precise benefits of bacteria found in gut flora.

"It turns out a single transgenic worm is a powerful tool for exploring the complex interaction between macro and micronutrients, gene expression and physiology," said Emma Watson, a doctoral student in the Walhout Lab and first author on the Cell study.

Story Source:

The above story is based on materials provided by University of Massachusetts Medical School. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Emma Watson, Lesley T. MacNeil, Ashlyn D. Ritter, L. Safak Yilmaz, Adam P. Rosebrock, Amy A. Caudy, Albertha J.M. Walhout. Interspecies Systems Biology Uncovers Metabolites Affecting C. elegans Gene Expression and Life History Traits. Cell, 2014; 156 (4): 759 DOI: 10.1016/j.cell.2014.01.047

Cite This Page:
University of Massachusetts Medical School. "Vitamin B12 accelerates worm development: New model for isolating the effects of nutrients on gene expression and physiology." ScienceDaily. ScienceDaily, 13 February 2014. <>. 

3 dicas para aprender idiomas com o Google Tradutor

Conheçam o 

Texto do site

Com tantos recursos educativos online disponíveis atualmente, aprender algo novo não é mais uma tarefa complicada. Na facilidade de um clique é possível ter conhecimento sobre os mais diversos assuntos, inclusive idiomas.

O Google Tradutor é um serviço gratuito e online de tradução de idiomas da Google traduz instantaneamente texto e páginas Web. Aprenda como usar a ferramenta corretamente, e verá como ela poderá ser eficiente.

Entenda como você pode aprender idiomas com o Google Tradutor:

1. Escrever e corrigir

Escreva pequenos textos no idioma que você deseja aprender e então utilize o Google Tradutor para traduzi-lo para o português. Isso ajudará a encontrar erros gramaticais e até de concordância se você perceber que a tradução não possui o significado que você queria ao escrever o texto.

2. Pronúncia

Uma das maiores dificuldades com o aprendizado de um idioma é a pronúncia. O Google Tradutor possui um recurso que transforma os textos em áudio, podendo solucionar as suas dúvidas sobre como determinadas palavras devem ser faladas.

3. Dicionário

O Google Tradutor também pode funcionar como um dicionário. Escreva uma palavra no idioma que você quer aprender, clique em traduzir e veja sua classificação gramatical, os diversos significados e sinônimos que ela possui.

Biologia - Princípio de Hardy Weinberg (Khan Academy)

Site com histórias em quadrinhos


Cogumelos de verão: mata-de-galeria

Dacryopinax elegans. Comestível (edible)

Favolus sp.

Favolus sp.

Geastrum sp.

Physarum polycephalum

Favolus cf philippinensis. Comestível (edible).

Favolus cf philippinensi. Comestível (edible).

Favolus tenuicolu. Comestível (edible).

Russula sp.

Russula sp.

Por Francisco de Miranda Santos

Estas são algumas das fotos tiradas por mim em Dezembro de 2013 numa visita ao Parque Olhos D'água, em Brasília (Distrito Federal, Brasil), durante uma semana chuvosa, própria para achar cogumelos brotando em meio à serrapilheira e troncos caídos. Nem todos os cogumelos mostrados aqui neste post são garantidos como comestíveis e serão sempre informados quando sim. Destacam-se um lindo Geastrum roxo e uma Russula do tipo "camarão", assim chamada pois o cheiro é praticamente idêntico ao cheiro de camarão fresco, porém não sei se comestível. Qualquer identificação mais específica ao nível de espécie é bem vinda ao blog, nos comentários. A Russula não oxida, não foi feito nessa o teste de óxido de ferro.

These are some of the photos taken by me in December 2013 on a visit to Parque Olhos D'Agua in Brasilia (Federal District, Brazil), during a rainy week, with ideal conditions to find sprouting mushrooms amid the litter and fallen logs. Not all mushrooms in thisn post are guaranteed as edibles, it will always be informed when so.The highlights here are a gorgeous purple Geastrum and a shrimp Russula, so called because the smell is almost identical to the smell of fresh shrimp, but i do not know if this one is edible. Any more specific identification to species level is welcome to the blog, in the comments section. The Russula did not oxidize, the iron oxide test was also not carried through.

Acercamiento al mundo sagrado de los mayas

Publicado el 13 de febrero de 2014 por BoCES
Acercamiento al mundo sagrado de los mayas
Por Laura Romero en la Gaceta de la UNAM Núm. 4, 579

En un intento de acercamiento al pensamiento sagrado de los mayas, Martha Ilia Nájera Co­ronado, del Centro de Estudios Mayas del Instituto de Investigaciones Fi­lológicas, propuso la existencia de un mito en torno al origen del cacao, la semilla de gran relevancia en el mundo prehispánico, sólo después del maíz.

Con base en el análisis de los relieves del Grupo de la Serie Inicial, ubicado en Chichén Itzá, la universitaria planteó que, como ocurre con el maíz, para el cacao hubo una leyenda y que parte de su na­rrativa debió quedar impresa en algunas imágenes de esa zona arqueológica, por ejemplo, algunos frisos de la construcción conocida como la Casa de los Monos.

Y es que, de manera inexplicable, en el área maya no se encuentran datos sobre esa semilla que fue tan fundamental; incluso en la actualidad los pueblos no conservan alguna tradición o leyenda. “Revisé las etnografías y no hay nada, quizá en otras zonas, entre los popolucas, por ejemplo, pueda hallarse algo”, precisó la experta.

Según la idea de la académica, posi­blemente los mayas creían que un pájaro carpintero encontró el cacao en la panza de un primate, que a su vez había robado y comido la semilla que el dios K’awiil llevó desde el inframundo a la superficie terrestre, como regalo a una antigua huma­nidad; luego de picarle el vientre, gracias al ave, por fin llegó a los humanos. “Es una interpretación, porque además puede haber varios mitos”.

Bebida sagrada y moneda de cambio

Martha Ilia Nájera explicó que esta conclu­sión es resultado de la unión y comparación de una serie de elementos (el cacao, el mono, la Serie Inicial y el maíz, entre otros) que apenas permiten bosquejar la historia sagrada de los antiguos mayas, “aunque la naturaleza fragmentaria de nuestras fuentes sólo facilita una reconstrucción hipotética y provisional”.

En el mundo prehispánico, señaló, el cacao fue muy importante en diferentes niveles. Era una bebida sagrada, normal­mente para los nobles; se usaba (y se usa) en ceremonias e, incluso, había mezclas con algún tipo de alucinógeno para lograr un estado alterado de la conciencia. También se utilizó como moneda de cambio. Sin embargo, sólo se cultivaba en ciertas zonas de Mesoamérica, como el Soconusco, desde donde se exportaba a otros sitios. En espe­cífico, Chichén Itzá no fue un lugar rico en el producto, sólo se obtenía en las hoyadas de los cenotes, por la humedad. “Los mayas presumen en sus construcciones lo que no tienen; sí existía, pero no en la abundancia que trataban de demostrar”.

El Grupo de la Serie Inicial se confor­ma por construcciones situadas al sur de Chichén Itzá, ubicación relevante si se considera que los mayas creían que esta región cósmica estuvo vinculada con la inframundana. Estuvo habitado durante varios siglos por un grupo poderoso, pro­bablemente comerciantes o cultivadores del cacao, que intentaron dar una visión paradisiaca del lugar, como si se tratara de una gran bodega mítica.

Para ellos, aclaró la experta, el inframundo no era como en el concepto cristiano, sino un lugar lleno de riquezas, de flores y semillas, el sitio donde estaba lo que los hombres podían necesitar.

En el mito del maíz se dice que hay una gran montaña de los mantenimientos y que un gran pájaro carpintero trata de romperla para extraer los bienes que con­tiene; en ocasiones puede lograrlo, otras no. Entonces lo ayudan los tlaloques y así se obtiene el preciado grano. En otra versión, son monos los encargados de resguardarla.

El maíz y el cacao se encuentran relacio­nados. “Tenemos, por ejemplo, imágenes del dios del maíz, de cuyos brazos salen grandes mazorcas de cacao, o una deidad descendente que ofrece el grano”. Por eso no es raro pensar que hay un vínculo de modelos míticos entre ambos.

Por otro lado, el mono estaba muy cer­cano al cacao porque no sólo era su gran depredador, sino también el gran dispersor de las semillas al defecar, y gracias a esto había la posibilidad de obtener nuevas plantas. En ese sentido, se trata de una figura ambivalente.

Serie Inicial

De manera especial, en la Serie Inicial –una zona cerrada al público y el único lugar donde hay tal cantidad de representaciones del cacao– hay referencias al inframundo, la mayoría, imágenes de riqueza vinculada con el cacao, puntualizó.

La historia sagrada podría iniciarse con los relieves de una deidad celeste, quizá el Sol nocturno, ubicado sobre una banda celeste (como se ve en la Casa de los Falos), que en el tiempo de los orí­genes se perfila como el dador de todos los alimentos.

El personaje deja caer las mazorcas de cacao en medio de un gran bullicio que rompe el silencio de la creación, alboroto generado por otros individuos con más­caras de ave y que tañen instrumentos musicales al mismo tiempo que danzan para festejar la llegada de tan preciado alimento y propiciar su reproducción. Este cielo nocturno es una expresión simbólica del principio generador, revelado también como el interior de la gran montaña de los mantenimientos.

Éste era un espacio repleto de abun­dancia, protegido por un personaje que renacía de una gran semilla-bodega, la montaña que se resquebraja (Casa de los Falos superior y Casa de los Caracoles). En este ámbito no podían faltar los grandes árboles de cacao del tiempo de los orí­genes, que se erguían cargados con sus mazorcas y a su vez sostenían el cosmos (Casa de los Búhos).

Es de estos árboles que el dios K’awiil (Tapa de Bóveda de la Casa de los Búhos) ob­tiene grandes riquezas, entre ellas el cacao, procedente de un espacio inframundano.

El mono, que tiene como alimento pre­dilecto al cacao, lo roba de un árbol y lo ingiere; a través de sus desperdicios se dan a conocer las semillas ya fertilizadas. Así, este animal se muestra como un interme­diario entre el mundo divino y el humano. Luego, se envió al pájaro carpintero a que le abriera el vientre para obtener el grano, relató la historiadora.

Propiedades psicoactivas

Finalmente, para explicar la inexisten­cia del mito relativo al origen del cacao, Martha Ilia Nájera sugirió que debió des-aparecer junto con la élite y los grupos de poder indígenas. A ello debieron sumarse las controversias que el cacao suscitó en el periodo virreinal, considerado una bebida afrodisiaca que promovía la pasión.

Con la pulpa se obtenía una bebida que, al fermentarse, embriagaba e intoxicaba. “Durante el siglo XVI las propiedades psi­coactivas del chocolate lo convierten en una sustancia misteriosa o incluso relega­da a la palabra del diablo”.

Además, las connotaciones simbóli­cas del simio durante esa época fueron peyorativas: representó las bajas pasiones humanas y los pecados. Todo ello debió contribuir a la pérdida de las historias sagradas de la semilla, finalizó.


Caça predatória e tráfico ameaçam mais de 11 mil espécies animais, diz UICN

Tigres siberianos estão ameaçados de extinção. Segundo especialistas, existem apenas 250 animais da espécie. Foto: Wikipédia 

Mais de 11 mil espécies animais estão ameaças em todo o mundo, segundo a “lista vermelha” elaborada pela União Mundial pela Natureza (UICN, na sigla em inglês). O documento, considerado o principal instrumento de medida da biodiversidade, também alerta para os perigos que representam o crescimento da caça ilegal e o tráfico para as espécies animais. 

Das 53.267 espécies de animais vertebrados e invertebrados identificadas pela UICN, 11.212 estão ameaçadas atualmente. A União Mundial pela Natureza, mais antiga e maior rede ecológica do mundo, foi criada em 1948 em Fontainebleau, na França, e tem sua sede atual em Gland, na Suíça.

Segundo a UICN, uma em cada quatro espécies de mamíferos, um em cada oito pássaros e mais de um em cada três anfíbios estão ameaçados de extinção. O tráfico aumenta drasticamente os riscos para algumas espécies recenseadas como os elefantes procurados pelo marfim, os rinocerontes pelos seus chifres, os tubarões pelas suas barbatanas e também o pangolim da China, caçado para fins medicinais.

A Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção (Cites) proíbe o comércio de mais de 600 espécies de animais, entre elas, macacos, felinos, elefantes, rinocerontes, tartarugas marinhas assim como uma grande variedade de crocodilos e serpentes.

Adotada no dia 3 de março de 1973 em Washington, e em vigor desde 1975, a Convenção reúne 178 países e impõe um controle rigoroso sobre o comércio de cerca de 4.500 espécies animais.

Caça ilegal bate recordes

A UICN denuncia que a caça ilegal vem batendo recordes. Ela aumentou em 43% em relação aos rinocerontes na África entre 2011 e 2012, segundo a ONG. No entanto, o comércio deste animal está proibido deste1977. Mais de mil rinocerontes foram mortos no ano passado na África do Sul, país que abriga 80% das espécies. A estatística é 77 vezes maior do que em 2007.

Os elefantes, estimados em menos de 500 mil na África atualmente, contra os milhões que existiam na metade do século 20, estão ameaçados duplamente: pela destruição de seu habitat e também pela explosão da caça ilegal, estimulada principalmente pela forte demanda dos países da Ásia e do Oriente Médio.

O comércio mundial de marfim foi proibido em 1989, mas o tráfico dobrou a partir de 2007 e mais que triplicou em 1998, segundo um relatório publicado à margem da Conferência da Cites, em março de 2013.

A Cites decidiu no ano passado regular estritamente o comércio mundial de cinco espécies de tubarões. A ONG Traffic estima o comércio de barbatana em mais de 480 milhões de dólares por ano. A Ásia é o principal acusado pela pesca predatória de tubarões. Cerca de 100 milhões de tubarões são mortos todo ano segundo a FAO. A Organização da ONU para alimentação e agricultura estima que 90% da população de tubarões desapareceu em um século.

Matéria da RFI, reproduzida pelo EcoDebate, 14/02/2014


A naturalização da obsolescência, artigo de Fabián Echegaray

[Ideia Sustentável] Você se lembra de quantos celulares já teve? Por que motivos trocou sua última geladeira? Por quanto tempo espera usar seu novo computador? E por quanto tempo usou o anterior? Quanto se fala em produtos eletroeletrônicos as questões relativas ao tempo de vida útil dificilmente são associadas à questão da sustentabilidade. Não é só falha dos consumidores. A própria regulação estatal (demarcada pela Lei Nacional de Resíduos Sólidos) omite falar no problema da obsolescência dos produtos.

Na mídia de negócios de abrangência nacional e até especializada o tema é virtualmente ignorado.[1] Nenhuma empresa do setor reconhece sua responsabilidade diante do acelerado encurtamento da funcionalidade dos aparelhos ou do estímulo publicitário aos consumidores para concretizarem uma troca antecipada. Se, por um lado, as consequências adversas da obsolescência programada na forma de lixões lotados de aparelhos descartados e ansiedade generalizada entre os compradores costumam receber a atenção do governo e da grande mídia, por outro lado, esses efeitos são raramente conectados com as políticas corporativas de vida útil reduzida para os bens eletroeletrônicos. Como entender essa omissão?

Pesquisa do instituto Market Analysis em parceria com o Instituto de Defesa do Consumidor revela que ao mesmo tempo que existe um disseminado senso comum entre os brasileiros de que os produtos eletroeletrônicos apresentam um tempo de vida útil cada vez menor e que a indústria estimula ativamente a substituição antecipada dos aparelhos, isso não gera insatisfação entre os consumidores, sugerindo que a troca de aparelhos é dada como algo natural. Na cabeça da maioria da população, a substituição parece regida pelos imperativos da moda e da expansão de novas funções. Resultado: apesar dos efeitos negativos para o bolso, o meio ambiente e a estabilidade emocional de quem se depara com a obsolescência de desempenho ou simbólica dos seus aparelhos raras vezes essa troca é problematizada. A regra assimilada é que a atualização funcional e o upgrade imaginário do status de quem possui tais aparelhos são benefícios mais palpáveis para o consumidor que os custos de ser indiretamente forçado a descartar aparelhos ainda em funcionamento ou que poderiam ser consertados.

Da amostra de 806 brasileiros residentes nas 9 principais capitais do país que responderam a pesquisa,[2] 93% concorda com que “hoje em dia os aparelhos eletrônicos duram bem menos do que no passado”, 90% que “algumas empresas, quando lançam um produto novo não colocam todas as inovações que poderiam nele, já prevendo o lançamento de uma nova versão”, e 84% que “alguns eletrônicos são projetados para que durem menos tempo do que seria possível para incentivar que um novo produto seja comprado mais cedo”. Contudo, é um grupo mais reduzido de 67% que admite que “sinto que termino substituindo os aparelhos eletrônicos com maior frequência do que eu gostaria”.

A diferença entre percepção da existência da obsolescência planejada e a interpretação da mesma como algo imposto é um primeiro indicador objetivo do grau no qual tal obsolescência vem sendo internalizada como natural pelos consumidores. Um segundo indicador é dado pela brecha entre a vida útil real e a percepção de vida útil ideal atribuída a estes aparelhos (que não ultrapassa os 2,5 anos em média para bens de uso corriqueiro como celular, computador, impressora ou TV)[3] e sua relação com essa sensação de substituição forçada desde o mercado. Um terceiro indicador é obtido quando se avalia que o tempo esperado de duração dos aparelhos entre consumidoresque se percebem forçados a trocar e aqueles que não se percebem dessa forma é praticamente o mesmo, apresentando uma diferença inferior a 2 meses.Em síntese: a obsolescência não é somente aceita pelos consumidores, como também é abertamente bem-vinda.

A ampla aceitação da obsolescência programada pelos consumidores é suportada também pela elevada predisposição à substituição dos aparelhos, a qual muitas vezes não está vinculada a razões funcionais. Por um lado, embora o consumidor entenda que os aparelhos devessem durar mais, sua expectativa de trocar os atuais aparelhos é elevadíssima: cerca de 4 em cada 10 consumidores afirma que é provável que substituam o celular ao longo de 1 ano. Para outros aparelhos, as chances são de que 2 em cada 10 façam a troca no mesmo período. Por outro lado, ao explorar os motivos de troca do último aparelho entre a população pesquisada, a opção de maior repercussão é “porque o novo era mais atual, moderno, melhor ou com mais funções”. Quase metade deles (47%) admite razões de modernização tecnológica e simbólica antes de justificar a troca por defeitos de funcionamento ou quebra total. No caso das impressoras e dos computadores esse percentual supera com folga os 50%.

O que esses dados nos sugerem? Que existe uma assimilação conformada do consumidor frente às estratégias da indústria e da propaganda, já que ele percebe “em abstrato” que os aparelhos deveriam durar mais, mas está satisfeito com a durabilidade e desempenho de seu aparelho. De igual forma, o consumidor não deixa que a suspeita que ele tem de que existem ações corporativas impulsionando a obsolescência dos produtos contamine negativamente outras percepções sobre estes aparelhos ou seu comportamento diante das marcas e dos aparelhos. Em definitiva, os consumidores acabam conciliando suas aspirações porum aparelho menos descartável com sua realidade de troca do mesmo, ajustando suas expectativas de durabilidade e expressando uma satisfação com o aparelho que a troca parece desmentir. É a naturalização da obsolescência, não com base aos argumentos convencionais de geração de riqueza e empregos ou avanços tecnológicos, mas sim com base em uma projeção simbólica modernizada da própria identidade nos aparelhos utilizados. Assim, para uma grande parte dos brasileiros, a troca antecipada de aparelhos eletroeletrônicos não depende do bom ou mau funcionamento dos mesmos, mas sim do projeto individual de construção e atualização contínua da sua identidade. Para alguns pode ser o trunfo da “destruição criativa” atribuída ao capitalismo; para outros, a evidência da perversa construção artificial de necessidades por parte da indústria e seu braço publicitário. Trate-se de obsolescência tecnicamente programada ou psicologicamente motivada, as consequências sociais e ambientais dela não podem ser ignoradas por aqueles agentes genuinamente comprometidos com um modelo de sustentabilidade. Uma sociedade com clientes vorazmente abraçando o descarte de produtos quando ainda estão funcionando, fabricantes que programam vida útil encurtada nos aparelhos que produzem, agências de publicidade faturando com o pavor à obsolescência psicológica dos consumidores e governos omissos aos efeitos de semelhantes práticas só podem nos colocar na contramão da sustentabilidade.

Fabián Echegaray é Ph.D em Ciência Política pela Universidade de Connecticut (EUA) e diretor-geral da Market Analysis, instituto de pesquisas especializado em sustentabilidade e responsabilidade social.

[1] Com honrosas exceções, vide Página 22. BARRETO, N. Marcados para morrer. Página 22, 56.

[2] O estudo foi realizado a partir de entrevistas telefônicas domiciliares a uma amostra representativa de adultos residentes nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Salvador, Porto Alegre, Curitiba, Brasília e Goiânia. Os casos foram distribuídos proporcionalmente ao tamanho da população das capitais. Cotas por sexo, idade e classe social foram seguidas na seleção dos entrevistados de forma a representar integralmente a população adulta. Período de coleta: 30/08/2013 a 07/10/2013

[3] Essa distância não é muito diferente do que se verificou na Inglaterra no único outro estudo divulgado sobre o tema, vide COOPER, T., 2004. “Inadequate life?Evidence of consumer attitudes to product obsolescence”.Journal of Consumer Policy, 27, pp. 421-449.

Artigo enviado por Manoela Wagner, do Market Analysis e originalmente publicado no Ideia Sustentável.
EcoDebate, 14/02/2014


Bacuri magu, crônica de Mayron Régis

Bacuri, Platonia insignis. Foto de Hellen Perrone / Wikipédia

[Territórios Livres do Baixo Parnaíba] O assentamento recebeu o nome de Bacuri/Magu. A maior parte das pessoas se surpreendeu com a sua criação. O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva assinou o decreto de desapropriação em 2010. Neste ano, além da fazenda Bacuri/Magu, localizada nos municípios de São Bernardo e Araioses, desapropriou-se a fazenda Veredão, em Chapadinha.

As duas desapropriações quase não arranharam o quadro de paralisia geral que se instalara nas ações do governo federal referentes a reforma agrária no Cerrado leste maranhense. Os pedidos de vistoria excediam a capacidade técnica-administrativa do Incra no Maranhão. A inexistência de e a pouca eficiência das políticas publicas caracterizavam a relação entre o Estado e a sociedade na região do Baixo Parnaíba maranhense. O Estado abandonou a região a sua própria sorte. Nada a estranhar. O Estado nunca entendeu o Baixo Parnaíba maranhense, assim como nunca entendeu outras regiões pobres do Maranhão e do Brasil.

O desentendimento começa ao se interpretar o Baixo Parnaíba como uma região só e como uma região desprovida de vida produtiva em seu interior. A vida produtiva de parte do interior do Brasil desinteressa ao Estado brasileiro e a interpretação do Estado quanto a esse mesmo interior se limita ao que as oligarquias regionais lhe repassam de informação.

O Cerrado não serve para promover a reforma agrária. Disseminou-se essa afirmação por muito tempo. Domingos, ex-presidente da associação do povoado São Raimundo, município de Urbano Santos, no ano de 2005, contestou o laudo do Incra em audiência publica, realizada no município de Brejo, em que estava presente o então superintendente Raimundo Monteiro. Ele desafiou o superintendente do Incra a explicar-se quanto aos motivos que levaram o Incra a considerar a fazenda São Raimundo inapropriada para a reforma agrária. Segundo Domingos, 50 famílias viviam dos recursos naturais e da agricultura numa área de 1600 hectares, um dado que se confrontava com as conclusões do laudo agronômico do Incra.

O Incra obedece a critérios que parecem inexpugnáveis para os agricultores familiares e esses critérios favorecem o latifúndio. A comunidade de São Raimundo se rebelou contra as conclusões do Incra e o órgão refez o laudo o que possibilitou o avanço do processo de desapropriação. O processo de desapropriação da fazenda “Bacuri/Magu” foi menos traumático. Não houve contestações. A área era acompanhada pela Diocese de Brejo.

No caminho que se percorre, passa-se antes por Cana Brava para, logo em seguida, deparar-se com as Araras e com o Buriti Redondo, povoados que fazem parte do assentamento. O que os antigos proprietários projetavam para essa área de 3.600 hectares? Experimentou-se a soja na região e ela não tem dado muito retorno. Com o desacerto da soja, o eucalipto aparece como possibilidade econômica e social, na qual grupos políticos financiariam seus projetos particulares.

* Mayron Régis, Colaborador do EcoDebate, é Jornalista e Assessor do Fórum Carajás e atua no Programa Territórios Livres do Baixo Parnaíba (Fórum Carajás, SMDH, CCN e FDBPM).

** Crônica enviada pelo Autor e originalmente publicada no blogue Territórios Livres do Baixo Parnaíba.
EcoDebate, 14/02/2014

Infusion De Ajo Contra El Pulgon || Remedios Organicos || La Huertina De...

Como Conseguir Semilla De : Calabacin || Semillas Organicas || La Huerti...

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Minuto Prático: Reaproveitando óleo de frituras

Guia de Boas Práticas Ambientais para os Municípios do Rio Grande do Sul está disponível em versão virtual

13 de Fevereiro de 2014 16:16
A versão virtual do Guia de Boas Práticas Ambientais para os Municípios do Rio Grande do Sul está disponível à sociedade no site da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) - clique aqui para acessar o documento. A edição impressa do livro está em distribuição a todos os municípios do Estado, com prioridade aos gestores públicos. 

A publicação já foi entregue a mais de 200 prefeituras durante a Assembleia Geral de Verão da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), realizada na semana passada em Tramandaí. Uma nova distribuição coletiva aos gestores municipais gaúchos será feita em 27 de fevereiro, na oficina do processo de elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (Pers), no teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa, em Porto Alegre. 

"Esse guia é uma importante documentação com indicadores concretos que orientam a atuação das cidades na gestão integrada das questões sobre o ar, clima e energia, definindo o grau de ação e de responsabilidade dos diferentes atores e responsáveis políticos (União, Estados e municípios)", explica o secretário do Meio Ambiente, Neio Lúcio Fraga Pereira. 

A publicação integra o Plano Clima, Ar e Energia (Pace), fruto de convênio de cooperação entre a Agência Francesa do Meio Ambiente e da Gestão da Energia da França (Ademe) e a Secretaria do Meio Ambiente (Sema), com a parceria da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam). O guia é ilustrado por um dos principais artistas do país nesse segmento, o gaúcho Edgar Vasques. 

Fonte: Secom


Residência Terapêutica possibilita exercício da cidadania

Por Da Redação -
Publicado em 13/fevereiro/2014

Por Marcela Baggini e Tauana Boemer, do Serviço de Comunicação Social da Prefeitura do Campus de Ribeirão Preto

Estudo na Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP aponta que os Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT), além de reabilitar e inserir pessoas com transtornos mentais na sociedade, favorecem o exercício dos direitos humanos. As SRT são moradias na cidade que acolhem pessoas egressas de internações psiquiátricas de longa duração (dois anos ininterruptos ou mais), que possuem transtornos mentais e não têm familiares ou suporte social.
Para paciente/moradora, SRT representa "o direito de ser gente, ser humano"

A pesquisa revelou também que esses locais representam espaços de proteção para os seus moradores que estão sob a responsabilidade do Estado, assegurando direitos como moradia, lazer e educação. E isso pode ser observado em situações simples como, por exemplo, ao permitir que os moradores visitem seus amigos, participem da organização da casa e possam conversar com todas as pessoas, sentindo-se inseridos e participantes da rotina.

Segunda a autora, a enfermeira Marciana Fernandes Moll, a pesquisa mostrou que os hospitais/instituições onde essas pessoas estavam antes de morarem num SRT cerceavam o exercício dos direitos das pessoas. Em todos os relatos sobre o cotidiano hospitalar, os participantes do estudo enfatizaram a sua falta de liberdade considerando que eram obrigados a seguir as regras preestabelecidas, as quais visavam “manter a ordem” determinada pela instituição. “Esses espaços ofereciam apenas os serviços básicos de hotelaria e não havia uma preocupação em prestar cuidados em prol da recuperação da saúde mental destas pessoas, o que confirma que o objetivo não era prestar assistência, mas simplesmente excluir estas pessoas do convívio social para manter a ordem”.

Os STR se dividem em duas categorias, as que contemplam pessoas que buscam a desinstitucionalização e aquelas que precisam de cuidados constantes devido à perda da autonomia. “A primeira deve priorizar a reestruturação da rede social desses moradores por meio do trabalho, da educação, do lazer e de outras estratégias existentes na comunidade, que favoreçam a reabilitação psicossocial dos mesmos”, conta a pesquisadora. “Já as residências do segundo grupo acolhem pessoas com maior grau de dependência, resultante, sobretudo, de comprometimentos físicos.”

As residências terapêuticas estão sendo “lentamente implantadas no Brasil” com o objetivo de reconstruir a identidade social e os direitos humanos perdidos durante longos períodos de internação de pacientes com transtornos mentais. Conta a pesquisadora que, na década de 90, prioriza-se a criação de redes de serviços extra-hospitalares. Elas deveriam oferecer assistência em saúde mental aos pacientes que estavam em processo de desospitalização e também de desinstitucionalização. Já os STRs vão além e oferecem novas oportunidades àqueles que passaram desses estágios.

Histórias de vida

Durante nove meses, de dezembro de 2011 a setembro de 2012, as pesquisadoras entrevistaram quatro pacientes do SRT de Uberaba, Minas Gerais, três homens e uma mulher, com idade entre 39 e 56 anos. A seleção levou em conta suas condições psíquicas – aspecto fundamental para que pudessem expressar seus sentimentos e relatar lembranças da trajetória de vida. Cada um dos participantes contavam com experiência de cerca de 12 anos em internações psiquiátricas.

Eles relataram suas histórias de vida nos períodos em que viveram em instituições/hospitais psiquiátricos e nas residências terapêuticas. “Isso nos permitiu avaliar, em profundidade, a importância da dinâmica de serviço residencial terapêutico do ponto de vista dos direitos humanos de seus moradores”, afirma Carla Ventura, professora da EERP que orientou o estudo.

O estudo também alertou para a origem destas internações, que muitas vezes buscavam apenas retirar pessoas com “comportamentos considerados inadequados” da sociedade e não tratar pacientes com problemas mentais, conforme alegado na época.

A mudança para o SRT

No SRT, a realidade encontrada pelos moradores, segundo seus relatos, foi diferente: com acomodações necessárias para compor um lar aconchegante e acolhedor, as regras eram combinadas com os moradores em reuniões mensais com uma equipe de supervisão. “É nesse momento que estabeleciam estratégias de motivação para que eles [pacientes que, no SRT, são moradores] exercitassem a cidadania.”

O SRT possibilitou aos participantes do estudo constituir um vínculo de respeito mútuo, bem como vivenciar direitos individuais e sociais inerentes à existência humana. O que está em jogo, segundo uma das entrevistadas na pesquisa “é o direito de ser gente, ser humano”.

A pesquisa de doutorado Dos hospitais psiquiátricos aos serviços residenciais terapêuticos: Um olhar sobre os direitos humanos neste percurso, descreve o cotidiano e a vivência dos direitos humanos de moradores de um SRT da cidade de Uberaba, Minas Gerais, e foi defendida em outubro de 2013.

Foto: Divulgação / Ministério da Saúde OBRA DE ALEXANDRE RAJÃO

Mais informações: email


Levantamento mostra relação entre médicos e indústria

Júlio Bernardes -
Publicado em 13/fevereiro/2014

Pesquisa da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) com 300 médicos que assistem pacientes com o vírus HIV no Estado de São Paulo revela que 64% desses profissionais de saúde tiveram alguma relação com empresas farmacêuticas. O estudo do professor Mário Scheffer analisou a interação entre médicos e empresas produtoras de medicamentos antirretrovirais (ARVs) no contexto de uma política pública universal de tratamento do HIV e da aids. O pesquisador defende maior divulgação das diretrizes clínicas do Ministério da Saúde para orientar os médicos de forma mais adequada na escolha dos medicamentos.
No Brasil, é incipiente o debate sobre os valores éticos que permeiam o setor

O trabalho é descrito em artigo publicado na revista São Paulo Medical Journal, editada pela Associação Paulista de Medicina. Foram realizadas entrevistas estruturadas, por meio telefônico, em amostra probabilística de 300 médicos de uma população de 2.361 profissionais que assistem pacientes com HIV e aids no Estado de São Paulo. “Aproximadamente 218.000 pessoas estavam em tratamento com ARVs na rede pública de saúde no Brasil no final de 2013 e, em média, são identificados 38.000 novos casos de infecção pelo HIV por ano, o que gera aumento progressivo do número de pessoas que passarão a receber ARVs”, afirma o professor do Departamento de Medicina Preventiva. “Em 2013 foi lançada nova política que prevê a antecipação do tratamento. Calcula-se que pelo menos mais 100.000 pacientes iniciem tratamento.”

De acordo com Scheffer, o programa público brasileiro de tratamento da aids deve considerar o potencial de influência das empresas farmacêuticas na prescrição dos médicos. “Isto é ainda mais necessário em um momento de ampliação do uso de antirretrovirais, com a política de antecipação do tratamento para todos as pessoas diagnosticadas HIV-positivas e diante do potencial uso dos medicamentos na prevenção (profilaxia pré e pós exposição)”, ressalta.

O grande consumo de ARVs no Brasil , inserido em uma política pública de acesso universal, faz com as empresas farmacêuticas acionem as mais variadas estratégias de promoção, atividades informativas e de persuasão com o objetivo de induzir à prescrição, dispensação, aquisição pelo poder público e utilização de seus medicamentos. “Neste sentido, o médico prescritor de ARV, que conta com o auxílio de diretrizes clínicas produzidas pelo programa governamental, mas também goza de autonomia profissional no momento da prescrição, passa a ser alvo prioritário do marketing promocional das empresas”, afirma o professor da FMUSP.

Relação com empresas

Cerca de dois terços (64%) dos médicos que prescrevem ARVs declararam que tiveram alguma relação com empresas farmacêuticas, sendo mais frequentes o recebimento de publicações (54%), visita de propagandistas (51%) e de objetos de pequeno valor (47%). Com menor expressividade, declararam receber almoços ou jantares (27%), viagens para congressos nacionais (17%) e internacionais (7%), convites para participar ou conduzir pesquisa clínica (15%). “A oferta e o recebimento de benefícios são mais expressivos conforme aumenta o tempo de experiência do médico com o tratamento de HIV e aids, o volume de pacientes e a idade”, conta o pesquisador. “Também são mais significativos entre os médicos especialistas em infectologia.”

No Brasil os medicamentos ARVs não são comercializados no mercado, integram um programa público de distribuição gratuita no SUS e estão inseridos em diretrizes clínicas atualizadas periodicamente e aceitas pela comunidade médica. “Por outro lado, os ARVs dependem de prescrição médica, vários desses medicamentos concorrem na mesma indicação terapêutica e constantemente são lançados novos produtos de marca patenteados, fazendo com que as empresas produtoras lancem mão de todos os recursos disponíveis para a conquista do mercado”, diz Scheffer.

O professor ressalta que no Brasil é incipiente o debate sobre os valores éticos que permeiam a relação entre os médicos e as empresas que fabricam e comercializam medicamentos. “Também são tímidas as iniciativas na direção do aprimoramento da regulação da interação entre prescritores e indústria farmacêutica. O Código de Ética Médica, atualizado em 2010, as resoluções do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) são insuficientes”, alerta.

“A maior divulgação e implementação das diretrizes clínicas do Ministério da Saúde para prescrição de ARVs é um dos caminhos para a garantia de que os médicos tomarão decisões exclusivamente de acordo com as credenciais científicas dos medicamentos, as recomendações padronizadas por um programa de saúde pública e as necessidades de saúde do paciente”, conclui Scheffer. O trabalho foi realizado no Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) e contou com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), na modalidade Auxílio à Pesquisa.

Imagem: Marcos Santos / USP Imagens

Mais informações: email, com o professor Mário Scheffer


Dia de Campo na TV - Sistemas agroflorestais na Amazônia

Dia de Campo na TV - Espécies arbóreas nativas em sistema agrosilvipastoril

Saiba como evitar os desconfortos causados pelo calor

Data: 03.02.2014
Foto: Drew Myers/Corbis
As temperaturas elevadas têm incomodado muita gente em várias partes do Brasil. Em São Paulo e no Rio de Janeiro, por exemplo, os termômetros registraram calor recorde nos últimos dias. Nesta situação, não é raro encontrar alguém que reclame de cansaço, tontura e suor em excesso, principalmente quem precisa trabalhar com roupas mais formais. De acordo com Pablo Sturmer, médico de família e comunidade da Unidade de Saúde Jardim Itu, em Porto Alegre (RS), o ideal é dar preferência a roupas feitas com tecidos que não retenham o suor, como o algodão. “Como não permitem a troca com o ambiente, roupas sintéticas esquentam mais e aumentam o suor. Também é importante evitar o uso de cores escuras, que absorvem a luz solar, aumentando a temperatura corporal”, observa.

Sturmer alerta que neste período, o cuidado com os alimentos que são consumidos deve ser redobrado, pois um dos problemas de saúde mais comuns durante o verão são as infecções intestinais e diarreias. “O calor acelera a proliferação das bactérias que já estão presentes nos alimentos, mas em quantidade menor. É muito importante manter os alimentos refrigerados para evitar esta proliferação, por isto é indicado não consumir nada em lugares de origem duvidosa”, frisa o médico.

Hidratação - Beber de dois a três litros de água diariamente já é indicado durante o ano todo, mas no verão é preciso não se esquecer disso para não correr o risco de desidratar. O principal mecanismo de regulação da temperatura é o suor, e com ele há perda de água e sais minerais. É importante verificar se as crianças e os idosos estão tomando a quantidade de líquidos necessária para manter uma boa hidratação, pois nessas faixas etárias é mais comum perder água. “É recomendável um cuidado maior com exercícios físicos durante o calor, porque a desidratação é muito mais fácil, mas não há necessidade de evitá-los. Basta diminuir a intensidade, porque o calor exige mais do corpo”, acrescenta.

Durante o calor excessivo do verão, habitualmente há vasodilatação e a pressão sanguínea pode cair, o que causa sensações de cansaço e tontura. Confirmada a queda da pressão, a primeira providência a se tomar é deitar a pessoa que passa mal, inclinando ligeiramente as pernas para facilitar a ida do sangue até o cérebro.

No entanto, isto não é uma regra que possa representar alguma vantagem para o hipertenso. “Como a pessoa pode ficar muito irritada com a temperatura elevada, a pressão pode subir pelo estado de nervos”, observa o cardiologista Ivan Cordovil, coordenador do serviço de hipertensão arterial do Instituto Nacional de Cardiologia (INC), no Rio de Janeiro.

O calor também pode atrapalhar o descanso, causando desconforto. Na hora de dormir, Pablo Sturmer explica que o ideal é climatizar o quarto, deixando o ambiente ventilado e usar pijama curto, feito de algodão. “É importante observar as regras de higiene do sono que valem para todos os dias e também ir para a cama somente quando tiver sono, se hidratar adequadamente, evitar bebidas estimulantes como café, chás, chimarrão e não praticar exercícios muito vigorosos perto da hora de deitar”, finaliza.

Fonte: Ana Paula Ferraz / Comunicação Interna / Agência Saúde

The Sweet Dirty Truth: Stevia vs. Aspartame

The Sweet Dirty Truth: Stevia vs. Aspartame
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

Infographic: how to grow 100 pounds of potatoes in 4 square feet

Lepista nuda

Entoloma hochstetteri

Lactarius indigo (blue milk mushroom)

Frutíferas e Plantas Úteis na Vida Amazônica