sábado, 16 de fevereiro de 2013

Global Journal of Research on Medicinal Plants & Indigenous

GJRMI - Volume 2, Issue 2, February 2013 – Under process. . .

Medicinal plant Research

Natural Resource
Bounar Rabah, Takia Lograda, Messaoud Ramdani, Pierre Chalard and Gilles Feguiredo

Alirezaie Noghondar Morteza, Arouee Hossein, Shoor Mahmoud, and Rezazadeh Shamsali

Biological Science
BOUNAR Rabah, REBBAS Khellaf, GHARZOULI Rachid, DJELLOULI Yamna and ABBAD abdelaziz

Chethana G S, Reddy K Dayakar, Vijayalakshmi
Indigenous medicine

Jyothi T, Acharya Rabinanaryan, Shukla C P, Harisha CR

APPROACH Pampattiwar S P, Adwani N V, Sitaram Bulusu, Paramkusa Rao M


Traditional medicine and complementary/alternative medicine - free medical journals

Chinese Medicine (SCIRP) Free site English
Chinese Medicine Times Free site English
Chiropractic & Osteopathy Free site English
Dominguezia Free site Español
Dynamic Chiropractic Free site English
Journal of Chiropractic Humanities After 6 months English
Journal of Chiropractic Medicine After 1 year English
Journal of Natural Products Some free papers English
Journal of Pharmacognosy Free site English
Kinesiology Free site Croatian/English
Marine Drugs Free site English
Medicinal & Aromatic Plants Free site English
Molecules Free site English
Pharmacognosy Magazine Free site English
Pharmacognosy Research Free site English
Pharmacognosy Reviews Free site English
Phytopharmacology Free site English
Records of Natural Products Free site English
Revista Brasileira de Farmacognosia Free site Português/English


Cultivation of medicinal plants and its contribution to livelihood enhancement in the Indian Central Himalayan Region

Vishwambhar Prasad Sati

Advancement in Medicinal Plant Research
Published: February 15 2013
Volume 1, Issue 2
Pages 17-23


This article examines the potentials of cultivating medicinal plants and its contribution to livelihood enhancement in the Indian Central Himalayan Region. Here, medicinal plants have been growing traditionally and have been used through local health care system for the centuries. Until now, the production from the traditionally grown medicinal plants is considerably low. Meanwhile, the agro-ecological conditions in this region are very conducive for growing large-scale medicinal plants. Recently, the Government started cultivating medicinal plants in the mid-altitudes and the highlands through establishing poly-houses and providing them to the native farmers of the region. As a result of this, the farmers of the mid-altitudes and the highlands villages followed Government initiatives quite enthusiastically. However, lack of transportation facilities and unavailability of market still remains a major hurdle for the producers of medicinal plants. They do not get the actual returns from the products timely and adequately. Therefore, the pace of cultivating medicinal plants is slow. As medicinal plants require about two years to grow and turn into a complete product, it needs smooth market functioning and other infrastructural facilities, in spatial and temporal perspectives. This study was based upon the collection of primary data, which were gathered through participatory observation method and interview of the farmers and extension workers, involved in the cultivation of medicinal plants, after rapid field visit.

Keywords:Conservation, medicinal plants, livelihood, agro-climate, Indian Central Himalayan Region.Full Text PDF

Determination of crude saponin and total flavonoids content in guar meal
S. M. Hassan, A. A. Al Aqil and M. AttimaradPage Numbers: 24-28
Date Published: February 15 2013
Abstract | Full Text PDF

Minerals: infográfico (ver no link original)

Fruit for health

The best nutrients for your skin

Infográfico sobre chia

Herbal Bingo Game

A guide to herbal medicine

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Infográfico: plantas aromáticas e fragrâncias


New low-cost combined therapy shows promise against malaria

Malaria brings misery and death to millions in the developing world each year, and fighting it keeps medical researchers up at night because the mosquito-borne parasite Plasmodium falciparum, which causes the deadliest form of the disease, has developed resistance to every drug thrown at it. Resistance has cut short the useful life of nearly every therapy tried so far, experts say.

But now molecular parasitologist Stephen Rich at the University of Massachusetts Amherst has led a research team who report a promising new low-cost combined therapy with a much higher chance of outwitting P. falciparum than current modes. He and plant biochemist Pamela Weathers at the Worcester Polytechnic Institute (WPI), with research physician Doug Golenbock at the UMass Medical School, also in Worcester, have designed an approach for treating malaria based on a new use of Artemisia annua, a plant employed for thousands of years in Asia to treat fever.

Findings appear in the current issue of the journal PLOS ONE.

"The emergence of resistant parasites has repeatedly curtailed the lifespan of each drug that is developed and deployed," says UMass Amherst graduate student and lead author Mostafa Elfawal. Rich, an expert in the malaria parasite and how it evolves, adds, "We no sooner get the upper hand than the parasite mutates to become drug resistant again. This cycle of resistance to anti-malarial drugs is one of the great health problems facing the world today. We're hoping that our approach may provide an inexpensive, locally grown and processed option for fighting malaria in the developing world."

Currently the most effective malaria treatment uses purified extracts from the Artemisia plant as part of an Artemisinin Combined Therapy (ACT) regime with other drugs such as doxycycline and/or chloroquine, a prescription far too costly for wide use in the developing world. Also, because Artemisia yields low levels of pure artemisinin, there is a persistent worldwide shortage, they add.

The teams's thesis, first proposed by Weathers of WPI, is that locally grown and dried leaves of the whole plant, rich in hundreds of phytochemicals not contained in the purified drug, might be effective against disease at the same time limiting post-production steps, perhaps substantially reducing treatment cost. She says, "Whole-plant Artemisia has hundreds of compounds, some of them not even known yet. These may outsmart the parasites by delivering a more complex drug than the purified form."

Rich adds, "The plant may be its own complex combination therapy. Because of the combination of parasite-killing substances normally present in the plant (artemisinin and flavonoids), a synergism among these constituent compounds might render whole plant consumption as a form of artemisinin-based combination therapy, or what we're calling a 'pACT,' for plant Artemisinin Combination Therapy."

Rich's group conducted experiments in rodents to explore whether feeding them the whole plant was effective. They found that animals treated with low-dose whole-plant Artemisia showed significantly lower parasite loads than those treated with much higher doses of the purified artemisinin drug or placebo.

Further, in their most recent experiments in a rodent malaria model, Elfawal and colleagues confirmed Weathers' earlier results showing that animals fed dry, whole-plant Artemisia had about 40 times more of the effective compound in their bloodstream than mice fed a corresponding amount of the purified drug. This is eight times the minimum concentration required to kill P. falciparum. In dose-response experiments, treatment with whole-plant Artemisia was just as effective at reducing parasitemia as the purified form for the first 72 hours, and faster reduction of symptoms thereafter compared to other groups.

These results, if they translate to humans with further research, could solve two problems with the current drug strategy, Rich says. First, parasites may be less able to evolve resistance to the whole plant because the makeup is far more complex. Second, it could drastically reduce the high cost associated with malaria treatment by allowing for low cost, locally sustainable production of whole plant therapy.

"It's a local agriculture solution to a global health problem," says Rich. Preliminary findings from dose-response experiments suggest that whole plant therapy would require a far smaller dose of dried plant than the corresponding amount of purified artemisinin, perhaps as much as a five-fold increased potency for the whole plant.

Source: PLOS ONE

December 21, 2012

Caminho para economizar com a cultura da acerola

(Agência Prodetec) - Mudas mais vigorosas para plantio e uma grande economia de adubos fosfatados no cultivo, eis o resultado da pesquisa sobre acerola realizada em Sergipe por técnicos da Embrapa, mobilizando recursos do Fundo de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Banco do Nordeste (Fundeci).

O objetivo do trabalho, conduzido no campo da Embrapa Tabuleiros, a 6 km do centro de Aracaju, foi avaliar o efeito da adição de solo rizosfórico de coberturas vegetais como inóculo de fungos micorrízios arbusculares (FMA) sobre o crescimento de aceroleiras em fase de produção de mudas, sob diferentes condições de fornecimento de fósforo (P).

No estudo foram usadas coberturas de feijão de corda, feijão de porco, gliricídia, mandioca e pousio, além de um controle não-inoculado.
Menos adubo e mais crescimento

Conforme os pesquisadores, a adição do solo rizosfórico pré-cultivado com feijão de corda, feijão de porco e gliricidia ao substrato de produção de mudas de acerola, resultou aumento da absorção de fósforo e crescimento das mudas.Esse tipo de prática implicaria menores custos na cultura da acerola, na medida em que reduz o uso de adubos fosfatados.

Eles admitem, ainda, que a utilização destas três culturas em consórcio com a aceroleira também poderá ser muito benéfica, através de estímulo às populações de fungos micorrízicos nativas do solo.

Originária da região do Caribe, onde é conhecida como cereja das Antilhas e chegou a ser e chegou a ser tida como segredo de Estado, a acerola é riquíssima em vitamina C, dando até quatro safras por ano. De Pernambuco, onde foi cultivada, inicialmente, na década de cinqüenta, espalhou-se por outros estados da Região e do País.

Data: 15.02.2013

A extração do jaborandi por camponeses e as plantações organizadas pela indústria farmacêutica

O trabalho analisa a atividade extrativista do jaborandi (uma planta medicinal) conduzida por camponeses e indígenas há mais de meio século no Maranhão, e a forma de organização da produção feita pela indústria farmacêutica.'Mostra a importância que tem (teve) a produção familiar na oferta do produto é os problemas que surgem com a devastação do meio ambiente.-e da entrada de uma grande empresa na produção. A açao governamental (entre 70/80) direcionada a atividades predatórias do habitat do jaborandi (pecuária de corte, extraçao de madeira e produção de carvão) qualifica-se como maior responsável, pela desarticulaçao da atividade no Estado. Somado a uma inexistência de uma política pública para estes camponeses torna sua situação hoje ainda mais dramática.

O Jaborandi é uma planta medicinal há muito conhecida do indígena pelo nome de Ka e pelos seus efeitos sudoríferos naqueles que a utilizam como remédio. Ela é originária da América do Sul sendo que no Maranhão ela se reproduz com facilidade em quase todas regiões do estado. Pesquisas realizadas por cientista da multinacional de medicamentos - Merck, identificaram 7 (sete) espécies e 66 (sessenta e seis) variedades dessa planta. E a espécie "pilocarpus pínnaíifolíus", conhecida por jaborandi do norte que se caracteriza por ter folhas estreitas e alongadas, o tipo ideal para o cultivo em larga escala que essa empresa farmacêutica escolheu para implementar seu projeto no município maranhense de Barra do Corda no inicio dos anos de 1990.
¹Economista. Professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).
²"• - O tupy Yaborandi é que origina o nome em português jaborandi. Nome comum a numerosas plantas reunidas nas famílias das rutáceas e das peperáceas, sobresaindo a "
Rutácea Pílocarpus pinnaüfolius". O principio atívo pilocarpina é um líquido oleoso do qual se pode obter cristais salinos. Enciclopédia Mirador, Vol. 12, p.6396.

Das folhas dessa planta medicinal são extraídas importantes drogas farmacêuticas sendo a mais cobiçada os sais de pilocarpina, principal componente para o tratamento do glaucoma. Os produtos considerados nobre do mesmo são os colírios oftamológicos. A industria de cosméticos, entretanto, cada dia mais se interessa também pela planta.

O interesse económico pelo jaborandi no Maranhão só se manifestou rio inicio dos anos 50 (cinquenta), A partir daí esse produto ganhou importância principalmente na área Norte/Leste do Estado, que passa a ofertar significativas quantidades aos inúmeros compradores do produto que vinham de Parnaíba/PI, Neste período toda extração da folha era realizada pêlos pequenos produtores extrativistas. Isso perdurara até os anos oitenta quando outras áreas de produção se incorporam ao processo (Centro/Oeste) e outros agentes sociais como os guajajaras, indígenas dos vales do Mearim e Pindare. passam a ser também fornecedores do produto. Mas é nos anos 90 (noventa) que este quadro da atividade extraíivista se transformará radicalmente como a entrada na produção da folha em larga escala da empresa capitalista Merck.

Durante um longo período os grandes compradores de Alto Munim e Baixo Pamaíba e agentes das empresas exportadoras em particular das de Pamaíba- Estado do Piauí, não tiveram problemas de oferta em quantidade e qualidade, dado a existência de imensas áreas intocadas onde o jaborandi é coletado e repassado a estes intermediários dos exportadores. Em Parnaíba os principais eram; Pedro Machado, Roland e Marc Jaboc. e a empresa Vegetex entre outros. Em São LUÍS se encontrava o mais importante de toda a Merck, que enviava a produção comprada à Parnaiba, para dai ser exportada para a Alemanha via o porto de Tutóia no Maranhão.

Já na década de oitenta essa competição entre as empresas exportadoras (PI/MA/PA) quase desaparece e a oferta do produto também sofre queda por conta do processo de devastação executado ao longo das décadas passadas nas principais áreas de jaborandi. A principal causa da redução da oferta foi a destruição de matas onde havia reserva de produto para fins diversos e sobretudo pelo corte das plantas mães realizado por produtores extrativistas na época de safra, já que não recebiam nenhuma orientação dos setores, que deveriam orientá-los: governo e empresas. Nesta década de 80 outras regiões do estado do Maranhão (Centro/Oeste) e outros Estados (Pará) passam também ser importante fortes fornecedores dessa matéria-prima.

Durante quarenta anos aproximadamente (1950-90) toda a oferta deste produto nativo Jaborandi, provinha única e exclusivamente de áreas de agricultura camponesa. Os pequenos produtores familiares executavam esta atividade associada a outras, quais sejam: (produção de alimentos básicos e a cólera do babaçu), a sua principal fonte de renda e portanto de reprodução de sua força de trabalho A industria farmacêutica só consegue produzir e em escala comerciai nos inicio dos anos noventa. Os experimentos no sentido de dominar toda a tecnologia do processo de reprodução em grande escala, já vinham ocorrendo desde os anos 70. Primeiro no sitio Aguahin, na Ilha de São Luis, depois em 1981 em Santa Luzia na fazenda Faisa. (ANDRADE, 1994, 192) Essa guinada do capital industriai rumo ao campo, aliada a um quadro de destruição do habitat natural do Jaborandi aumenta a situação de precariedade dos trabalhadores do agroextrativismo do jaborandi e das dificuldades hoje enfrentadas pêlos segmentos do capita! comercial antes hegemónico nessa região.

Conforme ver-se-à posteriormente o novo cenário se mostra bem diferenciado daquele prevalecente no inicio deste processo. Na década de 50 os camponeses desempenhavam um papel fundamental na oferta do produto. Com a entrada do capita! industrial na área de produção, assiste-se a uma transformação radica! no setor extrativista do Maranhão. Parte da oferta de matéria prima vem atualmente da própria industria que a produz em moldes capitalista e em grande escala, embora ainda insuficiente para seu auto-abastecimento. Neste sentido a empresa continua demandando uma grande parcela importante do produto dos Camponeses, principalmente porque a qualidade dojaborandi coletado por eles é superior à daquele produzido pela empresa.

Clique aqui para fazer o download da materia completa.


Universidade alemã vai estudar potencial da macaúba

A Leuphana University, localizada na cidade alemã de Lüneburg, aprovou projeto sobre o potencial da macaúba, palmeira muito comum no Nordeste e em parte de Minas Gerais.
O estudo, a ser realizado em Minas, vai analisar aspectos como a viabilidade econômica, colheita, processamento e venda da macaúba no Brasil. Nesse sentido, está buscando suporte entre profissionais com domínio da língua inglesa, experiência na área e conhecimento comprovado sobre a cadeia produtiva da macaúba.
Quem se encaixar no perfil exigido pode enviar propostas e curriculum vitae, em inglês, para o endereço averdunk@inkubator.leuphana.de.

Data: 15.02.2013

Jacareí: encontro para estudo da calêndula

14 de fevereiro de 2013

O Núcleo de Educação Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente de Jacareí irá promover no dia 20 de fevereiro, às 14h, um encontro para estudo da calêndula (Calendula officinalis). Os encontros esclarecem a população promovendo a conscientização e a preservação das espécies nativas com valor medicinal. Estudantes e profissionais da saúde recebem certificados de participação.

Foto: Divulgação

Calêndula é uma planta que pode ser usada medicinalmente para tratamento de lesões na pele, acne, irregularidade menstrual e problemas digestivos, entre outros. Da planta são utilizadas as folhas e flores. O objetivo do estudo é a troca de saberes científico e popular, além de divulgar a ação da planta no organismo e sua interação medicamentosa, utilização, o cultivo e introdução à alimentação saudável.

O estudo é coordenado pelo grupo PAS (Plantas Medicinais, Meio Ambiente e Saúde) e destinado aos usuários do SUS (Sistema Único de Saúde), profissionais da saúde, agentes e lideranças comunitárias, agentes de pastorais, comunidades organizadas, educadores e interessados em geral.

Neste ano também serão estudadas espécies como carqueja, alho, bálsamo, camomila, maracujá, erva baleeira, espinheira santa, arnica e pata de vaca. O Núcleo de Educação Ambiental fica no Viveiro de Jacareí, na Rua Theófilo Teodoro Rezende, 39, Campo Grande. Mais informações pelo telefone 3953-6822. Não é necessário fazer inscrição prévia.

A utilização medicinal das plantas é prática antiga da sabedoria popular

Unha-de-gato para dores nas articulações, alcachofra para ajudar na digestão e aroeira-da-praia para inflamação vaginal são algumas soluções populares para males que acometem a saúde humana. Explorar o poder medicinal das plantas é prática antiga da sabedoria popular e, há alguns anos, começou a ter sua eficácia comprovada cientificamente em tratamentos fitoterápicos – aqueles que funcionam por meio exclusivo de matérias-primas vegetais.

“Os constituintes das plantas utilizadas para fins medicinais possuem substâncias químicas farmacologicamente ativas, que agem regulando, corrigindo ou alterando alguma função fisiológica, visando sua normalização”, explica Said Fonseca, professor de Farmacotécnica do Curso de Farmácia da Universidade Federal do Ceará (UFC).

De acordo com Lara Soares, farmacêutica especialista em Saúde Pública, o tratamento pode ser realizado de forma mais simples, com chás e tinturas, e a partir de medicamentos tecnicamente elaborados pelas indústrias, com cápsulas, comprimidos e pomadas. “O tratamento fitoterápico é capaz de prevenir e curar enfermidades de forma tão eficiente quanto os medicamentos de uso convencional”, afirma.

Assim como outros tratamentos, a eficiência dos fitoterápicos depende de um bom diagnóstico, prescrição adequada e obediência às instruções do médico. “A fitoterapia, ainda deve receber outros fatores: a origem da planta, a forma de processamento até sua transformação em fitoterápico. Dependendo do caso, a fitoterapia sozinha pode ser responsável pela cura do paciente.”, afirma Said.

Fitoterápicos no SUS

Os estudos fitoterápicos se intensificaram depois que a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 1978, durante a Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde, constatou que, na maioria dos países em desenvolvimento, as populações utilizavam conhecimentos populares sobre plantas medicinais nos cuidados primários. Assim, a pesquisa ganhou investimentos para fomentar práticas realmente eficazes e corrigir aquelas que traziam algum tipo de risco para a população.

Em 2008, o Governo Federal instituiu o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, que visa inserir de forma qualificada esse tipo de medicamento no Sistema Único de Saúde (SUS). O programa estabelece as ações para as diretrizes da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, que tem o objetivo de “garantir à população brasileira o acesso seguro e o uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos, promovendo o uso sustentável da biodiversidade, o desenvolvimento da cadeia produtiva e da indústria nacional”, segundo consta no site do Ministério da Saúde. 

No ano seguinte, em 2009, o Ministério da Saúde divulgou a Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (Renisus), que contém 71 plantas que podem gerar produtos para serem utilizados pelo SUS. São oferecidos, por exemplo, medicamentos derivados de espinheira santa, para gastrites e úlceras, e de guaco, para tosses e gripes. Os fitoterápicos utilizados pelo SUS são aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e considerados seguros e eficazes para a população.

Farmácia Viva

Outra iniciativa que oxigenou a prática fitoterápica foi o projeto Farmácia Viva, criado em 1984 pelo professor Abreu Matos, tendo como base o Horto de Plantas Medicinais da UFC, agregado ao Laboratório de Produtos Naturais. Nos moldes de um programa de medicina social, o projeto recolheu entre a população a indicação de plantas usadas popularmente para alguns desequilíbrios da saúde, e as estudaram para comprovar cientificamente os seus efeitos.

O projeto objetiva: oferecer assistência científica às entidades públicas e privadas e comunidades interessadas no emprego terapêutico de plantas; estudar cientificamente as plantas medicinais, desde a fase de cultivo das espécies até a produção; e distribuir medicamentos fabricados a partir das espécies.

A Farmácia Viva não é uma farmácia no sentido comercial/tradicional da palavra. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza (SMS), na capital cearense, funcionam dois hortos de plantas medicinais, um na Empresa Municipal de Limpeza e Urbanização (Emlurb) e outro no Centro de Desenvolvimento Familiar (Cedefam), da UFC. Nesses hortos, há também a distribuição para a população de mudas das plantas cultivadas. A produção dessas plantas fitoterápicas é validada pela UFC e enviada para a Oficina Farmacêutica Maria Lúcia Gurgel, num convênio da Prefeitura de Fortaleza com a Universidade de Fortaleza (Unifor). A produção dos medicamentos fitoterápicos é destinada aos postos de saúde da cidade.


Mas há o que se ponderar. Apesar da origem natural, um medicamento fitoterápico não está isento de oferecer riscos, como se tende a pensar. “Existem plantas tóxicas e existem pessoas sensíveis a constituintes que podem estar presentes numa determinada planta. Conheço pessoas que são alérgicas a mentol, que está presente nas pastas de dente, por exemplo.

Essa substância está presente em várias espécies de plantas e pode ser a causa de reação alérgica em pessoas sensíveis”, diz o professor Said. “A identificação correta da planta, sua forma de preparo e uso são fatores muito importantes a serem considerados”, acrescenta a farmacêutica Lara.

Se comparada aos tratamentos “convencionais”, a fitoterapia pode oferecer alguns benefícios aos seus adeptos. “A fitoterapia, na sua essência, tanto oferece menos efeitos colaterais como menor custo. Torna-se uma importante terapêutica para as pessoas que não podem ter acesso aos medicamentos convencionais”, defende Lara. Pode-se somar às vantagens: o resgate das práticas tradicionais e o conhecimento e valorização dos recursos naturais regionais.


Como em quaisquer procedimentos que fujam da cultura dos “industrializados”, a fitoterapia também enfrenta percalços. Há quem apóie, mas também há quem repudie. “Existe uma clara resistência ao uso de fitoterápicos, principalmente pelos médicos que, em sua grande maioria, foram influenciados por uma formação tecnicista, sem o conhecimento da fitoterapia e ainda foram impulsionados pelo poder da indústria de medicamentos sintéticos”, diz Lara, que ao mesmo tempo acredita na mudança desse pensamento com a inclusão da fitoterapia nas grades curriculares dos cursos superiores.

Já Said afirma que existe, sim, resistência, mas já houve mais. Ele acredita na boa convivência entre os diferentes tipos de tratamento: “quem pratica a fitoterapia corretamente não vai se aventurar a utilizar esse recurso onde só a alopatia ou procedimentos ainda mais sofisticados devam ser empregados”, diz.
O professor aponta ainda alguns desafios que a fitoterapia tem de encarar: maior integração entre os diversos profissionais envolvidos na área (como farmacêuticos, médicos, nutricionistas e agrônomos); mais aplicação da pesquisa para não limitá-la ao mérito acadêmico; e maior apoio do poder público, que define a continuidade, ou não continuidade, dos trabalhos e estudos. (Com informações da jornalista Cinara Sá - matéria veiculada no caderno VIVER do jornal O Estado, em 6 de dezembro de 2011).

Data: 14.02.2013 

Acção dos Antioxidantes no nosso Organismo

Infográfico: 10 health benefits of broccoli

Soil biodiversity

Orgânicos na alimentação escolar

Adubos Verdes: cartilha para agricultores

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Infográfico: natural healthy kids


Infográficos sobre kiwi

Mais um infográfico sobre Magnésio na nutrição humana

Magnesium Infographic - Optimum Integrative

Estilo de vida: meditar é mais simples do que se imagina

Meditar pode se tornar um dos hábitos mais simples
Foto: sxc.hu

Tudo o que você precisa são de dois minutos e um impulso diário. Assim como tomar café da manhã, escovar os dentes, lanchar ou tomar aquele banho no final da tarde, a meditação pode se tornar um hábito e trazer benefícios à saúde. Para isso, a prática não precisa ainda daquela perfeição, que só é possível após muitos cursos e anos de experiência. Mas meditar é bem mais simples do que se imagina!

Segundo um estudo feito pela Universidade da Califórnia, a meditação ajuda no tratamento da depressão de forma tão eficiente quanto os antidepressivos. Além disso, o EcoD mostrou que cientistas norte-americanos concluíram que a prática aumenta os níveis da enzima telomerase, amenizando o envelhecimento precoce e reforçando o sistema imunológico.

Então, que tal um passo a passo para dar início a meditação?
Reserve dois minutos do seu dia. Embora pareça estranho, o tempo é suficiente para a meditação diária;

Escolha um impulso, assim terá uma referência para tornar a prática diária;

Procure um local calmo, pode ser em áreas externas, como praias e parques, ou internas, dentro de casa mesmo. A verdade é que o lugar não é o mais importante, o que interessa é você não seja interrompido;

Sente-se confortavelmente. Não se apegue a posição conhecida como a correta para a meditação. Concentre-se exclusivamente no conforto, pode ser sobre uma almofada no chão com as costas encostadas à parede, de pernas cruzadas no sofá ou em um tapete;

Concentre-se em sua respiração. Aí está o ponto crucial! À medida que inspirar, siga o percurso da respiração através do nariz, garganta, pulmões e barriga. Os olhos podem permanecer abertos ou fechados, o importante é manter a concentração. À medida que expirar, volte a seguir o percurso da respiração. Se ajudar, pode contar um fôlego para dentro, dois fôlegos para fora, três fôlegos para dentro, quatro fôlegos para fora e quando chegar ao décimo, recomece. Se os seus pensamentos começarem a passear (e o mais natural é que isso aconteça), volte lentamente a concentração na sua respiração. Com a rotina a prática se tornará natural.

Com informações do portal Estado Zen.

Como envenenar crianças

Nossas crianças estão sendo silenciosamente envenenadas por ingerirem bebidas e comidas nocivas. Todas amplamente anunciadas na TV e na internet, de modo a criar hábitos perenes de consumo


Frei Betto

Muito além do peso, documentário de Estela Renner e produção de Marcos Nisti, é obrigatório ser visto em escolas e famílias. Jamais tive conhecimento de um filme tão pedagógico quanto à alimentação infantil.

Nossas crianças estão sendo silenciosamente envenenadas por ingerirem bebidas e comidas nocivas. Todas amplamente anunciadas na TV e na internet, de modo a criar hábitos perenes de consumo.

Embora a legislação de muitos países já proíba publicidade de alimentos prejudiciais à saúde das crianças, como são os casos do Chile, da França e do Reino Unido, o governo brasileiro teima em ficar submisso à pressão das empresas produtoras. Reluta em assegurar qualidade de vida à nossa população. Enquanto a Vigilância Sanitária libera, o Ministério da Saúde arca com os bilhões de reais gastos em doenças evitáveis.

Pesquisas indicam que os produtos expostos à publicidade chegam a ter suas vendas aumentadas em 134%.

No Brasil, 30% das crianças apresentam sobrepeso e 15% delas já são obesas. Cresce de modo alarmante a incidência de obesidade infantil, colesterol alto, distúrbios glandulares, diabetes tipo 2, cânceres, sem que se consiga dar um basta à indústria do envenenamento saboroso.

Há escolas que, inclusive, abrem suas portas aos atrativos de redes de lanchonetes, sem consciência de que a qualidade do alimento oferecido equivale a deixar entrar um assassino portando armas. A diferença é que o alimento nocivo mata lentamente e causa maior e mais longo sofrimento.

Estes dados falam por si: uma embalagem de 300g de sucrilhos contém 120g de açúcar. Ou seja, 40% do produto é puro açúcar. Uma garrafa de 1 litro de bebida láctea contém 165g de açúcar. É como ingerir um copo americano repleto de açúcar.

Uma lata de 350ml de refrigerante cor da roupa do Papai Noel contém 37g de açúcar, o que equivale a 7 saquinhos de açúcar, desses oferecidos nos bares para adoçar o cafezinho. Se a criança toma uma lata por dia, em uma semana serão 259g de açúcar. Em um mês, pouco mais de 1kg de açúcar.

O brasileiro consome 51kg de açúcar por ano. São mais de 4kg por pessoa a cada mês. No mundo, 35 milhões de pessoas morrem por ano devido ao consumo excessivo de açúcar.

Uma caixa de 355ml de suco de uva contém 48g de açúcar, o que equivale a 9 saquinhos de açúcar.

Um pacote de 200g de batatas fritas contém 77g de gordura. Ou seja, 38,5% do produto são pura gordura. É como ingerir meio copo americano de óleo para frituras.

Um pacote de 154g de bolachas contém 30g de gordura e 50g de açúcar. Ou seja, 50% do produto são de substâncias prejudiciais à saúde.

Um tubo de biscoito recheado contém 30g de gordura e 50g de açúcar, o que equivale ao consumo de 8 pãezinhos franceses.

Uma caixa de 200ml de achocolatado e um pacote de 400g de vitamina instantânea contêm, cada um, 29g de açúcar. O que equivale a 6 saquinhos de açúcar.

Um pote de 400g de farinha láctea contém 146g de açúcar. Ou seja, 36,5% são puro açúcar. Uma garrafa de 2 litros de suco de uva contém 270g de açúcar (equivalente a ingerir 1 copo e ½ de açúcar) e apenas 10% de sumo de uva. A caixa de 1 litro do mesmo suco contém 145g de açúcar, equivalente a um copo repleto de açúcar.

Um pacote de 35g de suco em pó contém 28g de açúcar e 1% de fruta. Ou seja, 80% do produto são puro açúcar.

Nas embalagens quase nunca aparece a palavra “açúcar”. É substituída por carboidrato.

Há crianças que consomem, por dia, 250 calorias em produtos açucarados. Basta ingerir 100 calorias para engordar 4 quilos por ano. E é bom lembrar que, hoje em dia, as crianças são mais sedentárias, pulam e brincam menos, o que favorece a engorda.

Nossas escolas ensinam quase tudo, menos educação nutricional. Ninguém recorre todos os dias a seus conhecimentos de história ou química, faz operações algébricas ou fala em idioma estrangeiro. No entanto, todos nós comemos várias vezes ao dia. E, em geral, o fazemos sem critério e noção de como o organismo reage aos alimentos, e em que medida são benéficos ou prejudiciais à nossa saúde.

Em 18 de dezembro, a Assembleia Legislativa de SP aprovou dois importantes projetos de lei: proibir a venda de lanches associados a oferta de brindes ou brinquedos, e a publicidade de alimentos e bebidas não saudáveis (pobres em nutrientes e com alto teor de açúcar, gorduras saturadas ou sódio) em TVs e rádios das 6h às 21h, e em qualquer horário nas escolas públicas e particulares. Espera-se que o governador Geraldo Alckmin sancione os dois projetos pioneiros para o combate à obesidade infantil no Brasil***.

Frei Betto é escritor, autor, em parceria com Maria Stella Libanio Christo, de “Saborosa viagem pelo Brasil” (Mercuryo Jovem), entre outros livros.http://www.freibetto.org/> twitter:@freibetto.


Conhecer fontes saudáveis de gordura ajuda a manter boa forma e a controlar colesterol

Foto: David Papazian / Corbis

As gorduras geralmente possuem fama de vilãs quando o assunto é saúde e boa forma. Mas nem todas podem ser totalmente eliminadas da dieta. Entre as funções mais conhecidas da gordura, estão a manutenção da temperatura corporal, formação de hormônios, reserva de energia, proteção dos órgãos internos contra acidentes mecânicos e absorção das vitaminas A, D, E e K que são lipossolúveis, isto é, precisam da gordura para serem absorvidas. Além disso, o equilíbrio das taxas de colesterol depende da escolha e da quantidade de gordura consumida.

As gorduras insaturadas são consideradas boas para o consumo, sendo divididas entre os ácidos graxos poliinsaturados, o ômega 3 e o ômega 6 e os monoinsaturados, o ômega 9. “A gordura poliinsaturada auxilia na redução do colesterol total e do LDL, o colesterol ruim. Porém, se consumida em grande quantidade poderá reduzir também o HDL, colesterol bom. A ingestão dos poliinsaturados deve representar até 10% das calorias totais da dieta e os monoinsaturados até 20%”, afirmam Raquel Franz e Nádia Amore, nutricionistas da Coordenação de Atenção à Saúde do Servidor (CAS/CGESP/SAA/SE/MS).

Já a gordura saturada merece sinal amarelo: deve ser consumida com cuidado. Isso porque quando em excesso, aumenta o colesterol sanguíneo, sendo recomendado a ingestão de menos de 7% das calorias totais. “Outro fator que eleva o colesterol é o consumo em excesso de colesterol de origem alimentar que é encontrado especialmente nas vísceras, leite integral e derivados, embutidos, pele de aves, frutos do mar e outros alimentos de origem animal. A recomendação para o consumo de colesterol é menor que 200mg por dia”, releva as nutricionistas.

A verdadeira vilã para a saúde é a gordura trans. Esse tipo de gordura é formada por um processo de industrialização dos óleos vegetais, que de forma natural são bons, transformando-os em gordura vegetal hidrogenada, perigosa à saúde. “A gordura trans além de aumentar o colesterol ruim e os triglicerídeos, ela reduz o colesterol bom. A ingestão deve ser menor que 1% das calorias totais”, alerta Raquel.

Controlando o colesterol – A escolha dos alimentos, segundo Raquel, é essencial no controle das taxas de colesterol. “Quem precisa reduzir ou controlar o colesterol deve dar preferência às carnes magras assadas, cozidas ou grelhadas, leite desnatado, queijo branco e margarina light. Outra dica é retirar a pele do frango e a gordura aparente das carnes antes de consumi-los”. Já pessoas que possuem triglicerídeos elevados devem reduzir a ingestão de doces, açúcar, pães, massas e biscoitos feitos com farinha branca, alimentos gordurosos, frituras e álcool.

As fibras também desempenham um papel importante. “As solúveis, encontradas em alimentos como aveia, farelo de aveia, frutas em geral e leguminosas como feijão, grão de bico, soja, ervilha, lentilha são capazes de reduzir a absorção do colesterol. Já as fibras insolúveis, presentes em cereais integrais e nas hortaliças, não atuam no colesterol sanguíneo, mas promovem a sensação de saciedade, o que auxilia no emagrecimento ou controle do peso corporal”, completa Nádia.

Confira, abaixo, algumas fontes de gorduras e veja quais alimentos você deve evitar ou consumir com moderação.

Gorduras boas:
Poliinsaturadas – óleos vegetais como o óleo de soja, milho e girassol possuem ômega 6; soja, óleo de canola, linhaça e peixes de águas frias, como cavala, sardinha, salmão e arenque são ricos em ômega 3.
Monoinsaturadas – azeite de oliva, azeitona, óleo de canola, abacate e nas oleaginosas (castanhas, nozes, amêndoas, amendoim).

Gorduras ruins:
Saturada – carnes gordurosas, leite integral e derivados, polpa e leite de coco e óleo de dendê.
Trans – sorvetes cremosos, chocolates, pães recheados, molhos para salada, sobremesas cremosas, biscoitos recheados, alimentos com consistência crocante (nuggets, croissants, tortas), bolos industrializados, e alguns alimentos produzidos em redes de “fast-foods”.

Fonte: Fabiana Conte / Comunicação Interna do Ministério da Saúde


Especialistas alertam sobre risco do uso de analgésicos para aliviar dor nas costas

02/02/2013 - 14h55
Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

Brasília - Usar relaxantes musculares ou analgésicos para aliviar aquela dorzinha que de vez em quando aparece nas costas é uma estratégia desaconselhável e pode resultar em dano maior à coluna vertebral. Para informar as pessoas sobre as principais medidas de prevenção e os riscos que algumas atividades podem trazer à coluna, diversos fisioterapeutas, especialistas em tratamentos para a coluna, lançaram hoje (2), de forma simultânea, em 30 cidades, a Campanha Nacional Alerta para Prevenção de Dores nas Costas.

Em Brasília, fisioterapeutas foram ao Parque da Cidade para alertar os frequentadores do local. “Nosso foco é a prevenção desses problemas e chamar a atenção para a necessidade de um diagnóstico precoce, além de contribuir para que as pessoas tomem a decisão de melhorar a postura para proteger a coluna”, disse à Agência Brasil a diretora do Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral (ITC), Ângela Lepesqueur.

Segundo a fisioterapeuta, as pessoas precisam ficar atentas a quaisquer dores irradiadas (aquelas que percorrem um caminho ao longo do corpo, em geral associadas aos nervos comprometidos), formigamentos e dormência em membros, falta de força, dores espontâneas que surgem sem motivo aparente, além de contraturas musculares nas regiões lombar e cervical e dores locais ou decorrentes de posturas mantidas.

“O maior problema é quando a pessoa resolve o incômodo tomando analgésicos, porque deixa de investigar a causa e, com isso, o problema fica maior”, ressalta Ângela.

Foi o que aconteceu com o lanterneiro (funileiro) Revanildo Rodrigues, 38, morador da Estrutural. “Eles me alertaram que é importante eu estar sempre atento à minha postura e que tenho de reeducar meu corpo”, disse. O trabalho de Revanildo requer muito esforço físico, e a dor o acompanha há mais de oito anos.

“Minha região lombar dói a toda hora, todo dia e a todo minuto, mas nunca fiz nenhum tipo de tratamento. Soube que ia ter essa campanha aqui no parque e resolvi vir. Eu não associava essas dores à minha postura. Tomava então relaxantes musculares e achava que estava pronto para o dia seguinte”, disse o lanterneiro.

O problema de saúde então começou a se transformar em problema financeiro. “Era comum eu ficar dois ou três dias sem trabalhar. Como sou autônomo, ganho pelo serviço. As repetições [das crises de dor] acabaram comprometendo entre 30% e 40% dos meus ganhos mensais”.

A conversa com os fisioterapeutas ajudou Revanildo a se convencer de que precisa consultar especialistas no problema. “Na segunda-feira vou ao fisioterapeuta ver qual é o exercício ideal para ajudar a reeducar minha postura. Do jeito que está, não tem como. E a tendência é piorar”, concluiu.
Outras pessoas precisam de tratamento para lidar com problemas congênitos. “Nasci com uma vértebra a mais do que o normal”, explica a farmacêutica Débora Souza, 46, moradora do bairro Sudoeste. “Isso resulta em uma compressão da vértebra sobre as outras, o que me causa dores desde os 30 anos”, acrescentou.

Por causa do problema, Débora teve de abandonar diversas atividades físicas que tinha como hobby. “Eu gostava detrekking [caminhada em trilhas], bicicleta, vôlei. Tive de abandonar tudo por causa da dor. Para piorar, fiquei traumatizada com o ortopedista que me orientou a fazer musculação e pilates. Como a orientação da academia não era específica para o meu problema, acabei forçando [de forma inadequada] a minha coluna. O resultado foi que as dores aumentaram ainda mais”, disse a farmacêutica.

“Um médico chegou ao cúmulo de recomendar que eu fosse a um psiquiatra por achar que a origem do problema era de fundo psicológico”, acrescentou. A solução foi apresentada por um fisioterapeuta: duas sessões semanais de fisioterapia e pilates leve e direcionado ao problema. Com o tempo, a musculatura fortaleceu e hoje a farmacêutica já pode fazer exercícios de maior intensidade.

Depois de descobrir que tinha três hérnias de disco na coluna lombar e de sentir muita dor, a engenheira mecânica Juliana Mol, 35, moradora do Sudoeste, ouviu de seu médico a recomendação de que fizesse hidroterapia. Infelizmente, as dores continuaram. O médico sugeriu, então, que ela fizesse uma cirurgia.

“O problema é que ele não garantiu que a cirurgia aliviaria minha dor. Em meio a essa incerteza, optei por um tratamento conservador. Foram cinco meses de fisioterapia para introduzir os exercícios ideais. Sentia que a dor ia e voltava, e, gradativamente, a dor virou desconforto para, depois, desaparecer”, disse a engenheira, que faz fisioterapia há dois anos.

Professor de educação física, Andrett adverte: exercícios sem orientação profissional podem resultar em danos à saúde. Nesse sentido, o acesso a equipamentos públicos de musculação representa um risco maior aos praticantes. “A gente sabe que muitos não têm acesso a profissionais para orientar as atividades físicas. O que indicamos para esses casos é que eles pratiquem a atividade de forma mais moderada e com maior amplitude [maior número de repetições do exercício, mas com uma carga mais leve], sempre lembrando que a dor é o limite de qualquer movimento”.

Edição: Graça Adjuto

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil


O papel do microbioma na desnutrição

As bactérias intestinais erradas podem causar desnutrição
Às vezes o que parece extremamente óbvio não procede. A desnutrição, por exemplo, é sabidamente causada por escassez alimentar. Ainda assim, como aponta um estudo publicado no periódico Science da semana passada por Jeffrey Gordon e sua equipe da Universidade Washington, em St Louis, esta nem sempre é uma explicação completa.

O time de Gordon vem observando gêmeos no Malaui. Há dois anos o grupo anunciou que apesar de ambos os membros de tais pares se alimentarem com a mesma dieta, um dos gêmeos frequentemente permanece saudável enquanto o outro sofre de desnutrição. Tal discordância é associada a diferenças nas bactérias intestinais de cada indivíduo. O estudo mais recente da equipe explora a natureza dessa descoberta.

As bactérias erradas

A resposta parece se encontrar parcialmente no papel que as bactérias desempenham no fornecimento de nutrientes ao corpo e parcialmente na inibição da rota bioquímica conhecida como ciclo de Krebs, que se encontra no centro do metabolismo de todos os organismos. O ciclo de Krebs transfere a energia do açúcar para uma molécula chamada ATP, a moeda de troca de energia do corpo. Interferências nessas moléculas fazem com que todo o metabolismo desacelere. E, quando uma criança tem as bactérias erradas em seu intestino, é isso que parece acontecer.

Gordon e sua equipe acompanharam 317 pares de gêmeos do Malaui pelos três primeiros anos de suas vidas. Na metade desses pares, ambos os gêmeos sobreviveram. Em 7%, ambos ficaram desnutridos. No restante, no entanto, um gêmeo parecia estar bem nutrido enquanto o outro tinha sintomas de desnutrição.

O estudo acrescenta uma peça à nascente ciência da medicina microbiômica, em que a vida dos passageiros bacteriais portados pelas pessoas são tratadas com a devida consideração para evitar que eles se virem contra seus hospedeiros e os prejudiquem.

Data: 14.02.2013

Escassez pauta nova geopolítica dos alimentos

por Lester R. Brown*

Ruínas de Tikla, na Guatemala: o declínio da civilização maia, aparentemente, se deveu à incursão em uma agricultura ambientalmente insustentável. Foto: cc by 3.0

Washington, Estados Unidos, 13/2/2013 – O mundo transita de uma era de abundância de alimentos para uma de escassez. Na última década, as reservas mundiais de grãos diminuíram um terço. Os preços internacionais dos alimentos cresceram mais que o dobro, disparando uma febre pela terra e dando lugar a uma nova geopolítica alimentar. Os alimentos são o novo petróleo. A terra é o novo ouro.

Esta nova era se caracteriza pela carestia dos alimentos e pela propagação da fome. Do lado da demanda, o aumento demográfico, uma crescente prosperidade e a conversão de alimentos em combustível para automóveis se combinam para elevar o consumo a um grau sem precedentes.

Do lado da oferta, a extrema erosão do solo, o aumento da escassez hídrica e temperaturas cada vez mais altas fazem com que seja mais difícil expandir a produção. A menos que se possa reverter essas tendências, os preços dos alimentos continuarão subindo e a fome continuará se espalhando, derrubando o atual sistema social.

É possível reverter essas tendências a tempo? Ou os alimentos são o elo frágil da civilização do começo do século 21, em boa parte como o foi em civilizações anteriores, cujos vestígios arqueológicos agora são estudados?

Essa redução no fornecimento de alimentos no mundo contrasta drasticamente com a segunda metade do século 20, quando os problemas dominantes na agricultura eram a superprodução, os enormes excedentes de grãos e o acesso aos mercados por parte dos exportadores desses produtos.

Nesse tempo, o mundo tinha duas reservas estratégicas: grandes sobras de grãos (com uma quantidade no lixo ao começar a nova colheita) e ampla superfície de terras de cultivo não utilizadas, no contexto de programas agrícolas norte-americanos para evitar superprodução. Quando as colheitas mundiais eram boas, os Estados Unidos faziam com que mais terras estivessem ociosas. Quando eram inferiores ao esperado, voltava a colocar as terras para produzirem.

A capacidade de produção excessiva foi usada para manter a estabilidade nos mercados mundiais de grãos. As grandes reservas de grãos amortizavam a escassez de cultivos no planeta. Quando a monção não chegou à Índia em 1965, por exemplo, os Estados Unidos enviaram um quinto de sua colheita de trigo para esse país, para evitar uma fome de potencial catastrófico. E graças às abundantes reservas, isto teve pouco impacto sobre o preço mundial dos grãos.

Ao começar este período de abundância alimentar, o mundo tinha 2,5 bilhões de pessoas. Atualmente tem sete bilhões.

Entre 1950 e 2000, houve ocasionais altas no preço dos grãos, devido a eventos como uma seca severa na Rússia ou uma intensa onda de calor no Meio-Oeste norte-americano. Mas seus efeitos sobre o preço tiveram vida curta. No prazo de um ano as coisas voltaram à normalidade. A combinação de reservas abundantes e terras de cultivo ociosas converteu esse período em um dos quais houve maior segurança alimentar na história.

Contudo, isso não duraria. Em 1986, o constante aumento da demanda mundial de grãos e o custo orçamentário inaceitavelmente alto levaram à eliminação do programa norte-americano de reservas de terras agrícolas.

Atualmente, os Estados Unidos têm algumas terras ociosas no contexto de seu Programa de Reserva para a Conservação, mas são solos muito suscetíveis à erosão. Acabaram-se os dias em que havia terras com potencial produtivo prontas para serem cultivadas rapidamente em caso de necessidade.

Agora o mundo vive com o olhar voltado apenas para o ano seguinte, sempre esperando produzir o suficiente para cobrir o aumento da demanda. Os agricultores de todas as partes realizam enormes esforços para acompanhar esse acelerado crescimento da demanda, mas têm dificuldades para consegui-lo.

A escassez de alimentos conspirou contra civilizações anteriores. As dos sumérios e maias foram apenas duas das muitas cujo declínio, aparentemente, se deveu à incursão por um caminho agrícola que era ambientalmente insustentável.

No caso dos sumérios, o aumento da salinidade do solo em consequência de um defeito em seu sistema de irrigação, que a não ser por isso estava bem planejado, acabou devastando seu sistema alimentar e, por fim, sua civilização. Quanto aos maias, a erosão do solo foi uma das chaves de seu desmoronamento, como o foi para tantas outras civilizações antigas.

A nossa também está nesse caminho. Mas, ao contrário dos sumérios, o que a agricultura moderna sofre é o aumento dos níveis de dióxido de carbono na atmosfera. E, como os maias, também está manejando mal a terra e gerando perdas sem precedentes de solo a partir da erosão.

Atualmente, também enfrentamos tendências mais novas, como o esgotamento dos aquíferos, a paralisação dos rendimentos dos grãos nos países mais avançados do ponto de vista agrícola e o aumento da temperatura. Neste contexto, não surpreende que a Organização das Nações Unidas (ONU) informe que agora os preços dos alimentos duplicaram em relação ao período 2002-2004.

Para a maioria dos cidadãos dos Estados Unidos, que gasta, em média, 9% de sua renda em alimentos, este não é o maior problema. Mas, para os consumidores que gastam entre 50% e 70% de sua renda com comida, duplicar os preços é um assunto muito sério.

Estreitamente ligada à redução das reservas de grãos e ao aumento do preço dos alimentos está a propagação da fome. Nas últimas décadas do século passado, o número de famintos no mundo caiu, chegando a 792 milhões em 1997. Depois começou a aumentar, chegando a um bilhão. Lamentavelmente, se as coisas continuam sendo feitas como de costume, as filas dos famintos continuarão crescendo.

O resultado é que para os agricultores do mundo está ficando cada vez mais difícil ajustar a produção à crescente demanda por grãos. As existências mundiais de grãos diminuíram há uma década e não foi possível recompô-las. Se isso não for feito, a previsão é que, com a próxima má colheita, os alimentos encareçam, a fome se intensifique e se propaguem os distúrbios vinculados à alimentação.

O mundo está entrando em uma era de escassez alimentar crônica, que leva a uma intensa competição pelo controle da terra e dos recursos hídricos. Em outras palavras, está começando uma nova geopolítica dos alimentos. Envolverde/IPS

* Lester Brown preside o Earth Policy Institute e é autor de Full Planet, Empty Plates: The New Geopolitics of Food Scarcity (Planeta Cheio, Pratos Vazios: a Nova Geopolítica da Escassez Alimentar), W.W. Norton: Outubro de 2012.(IPS)

Data: 13.02.2012

Skipping breakfast hurts your child's IQ

February 14, 2013 by: David Gutierrez

(NaturalNews) Children who regularly skip breakfast have lower verbal, performance and full-scale IQs than other children, according to a study conducted by researchers from the University of Pennsylvania School of Nursing.

"Childhood is a critical period in which dietary and lifestyle patterns are initiated, and these habits can have important immediate and long-term implications," lead researcher Jianghong Liu said. "Breakfast habits appear to be no exception, and irregular breakfast eating has already been associated with a number of unhealthy behaviors, such as smoking, frequent alcohol use, and infrequent exercise."

Although the nutritional, cognitive and performance benefits of breakfast have been well established, the study is actually one of the first to look at the connection between breakfast and IQ. The researchers analyzed data from 1,269 six-year-olds taking part in the ongoing China Jintan Child Cohort Study, which is designed to uncover the early risk factors for later childhood neurobehavioral health.

Breakfast is highly valued in China, so skipping it is less common than in the United States.

The researchers found that even after adjusting for seven sociodemographic risk factors for low IQ, children who regularly skipped breakfast had lower overall IQ scores (by 4.6 points) than children who always or nearly always ate breakfast. The performance IQ scores among children who skipped breakfast were 2.50 points lower, and their verbal IQ scores were 5.58 points lower.

The study was funded by the National Institute of Environmental Health Sciences.

Lifelong consequences

The researchers believe that breakfast is especially important for young children, whose brains are still going through rapid cognitive development. After an entire night of fasting, the brain is starved for energy, and breakfast supplies it with the fuel it needs for a new day. In addition, the researchers suggested that the social interaction that children receive from eating breakfast with their families also promotes brain development. Observing and taking part in regular group conversation helps young children expand their vocabularies, learn general knowledge, and gain practice at understanding and synthesizing stories.

"Because adequate nutrition in early childhood has been linked to increased IQ through childhood, which is related to decreased childhood behavioral disorders, better career satisfaction, and socioeconomic success in adults, breakfast consumption could ultimately benefit long-term physical and mental health outcomes as well a quality of life," Liu said.

"These findings ... hold important public health implications regarding regular breakfast consumption in early young children."

One way to increase breakfast consumption among children would be to make the school day start later, the researchers suggested. Alternately (or in addition), schools could provide breakfast for students.

Other studies have shown that about 18 percent of U.S. residents over the age of two skip breakfast regularly. They have also shown that it is not just children who suffer from skipping this important meal. A 2012 study found that people who skip breakfast tend to weigh more than average, and also are more likely to consume too many high-calorie foods and sugary soft drinks, and to eat fewer fruits and vegetables.


Learn more: