sexta-feira, 13 de março de 2015

Mês do/a Consumidor/a - "A influência da mídia e da publicidade nas esco...

Honeys of Ethiopia

Tóquio tem hortas urbanas nas estações de metrô

Postado por Redação CicloVivo - Sexta-feira, 13 de Março de 2015 

Fonte: http://ciclovivo.com.br/noticia/toquio-tem-hortas-urbanas-nas-estacoes-de-metro 

As hortas urbanas estão cada vez mais populares em todo o mundo. No Japão, o projeto Soradofarm, incentiva a criação de jardins e hortas nos telhados das estações de trem e metrô. A alternativa também funciona como uma válvula de escape para a correria do dia-a-dia.

O aproveitamento de espaços públicos ou telhados para o plantio é uma das poucas alternativas que os moradores de grandes cidades têm para driblar a falta de espaço livre. Tóquio está entre as cidades que sofrem com este problema, por isso a ideia de aproveitar as estações se torna tão importante e genial.
O projeto conta com o apoio da companhia local de metrô e da Ekipara, uma companhia responsável pelo entretenimento e comércio dentro das estações. O funcionamento é simples, mas ao contrário das hortas comunitárias em que tudo é de todos, no Japão os usuários de tornam “proprietários” de um pedaço específico de terra.

Cada um dos participantes detém três metros de área verde onde podem ser plantados vegetais ou outras culturas, de acordo com sua própria vontade. Por terem que pagar uma tarifa simbólica anual, os “fazendeiros urbanos” contam com o apoio de especialistas e de todas as ferramentas necessárias para o manuseio da terra.
Para participar não é necessário ter conhecimento em jardinagem ou agricultura. Além de contar com vegetais frescos, esta também é uma possibilidade de interação entre a comunidade.

O Soradofarm já possui cinco hortas e jardins em Tóquio, mas a intenção é expandir para que ela esteja presente em todas as estações da cidade.

Link:

Inventario Español de los Conocimientos Tradicionales - Capítulo III: Fichas (www.magrama.gob.es)

Ceterach officinarum Ver ficha 

Quecus suber Ver ficha

Equisetum Ver ficha 

Arundo donax Ver ficha

Pteridium aquilinum Ver ficha 

Macrochloa tenacissima Ver ficha

Osmunda regalis Ver ficha 

Mentha pulegium Ver ficha

Juniperus thurifera Ver ficha 

Origanum vulgare Ver ficha

Abies alba Ver ficha 

Rosmarinus officinalis Ver ficha

Pinus pinea Ver ficha 

Thymus mastichina Ver ficha

Taxus baccata Ver ficha 

Thymus moroderi Ver ficha

Dracaena draco Ver ficha 

Glycyrrhiza glabra Ver ficha

Narcissus pseudonarcissus Ver ficha 

Urginea maritima Ver ficha

Buxus balearica Ver ficha 

Malva sylvestris Ver ficha

Sambucus nigra Ver ficha 

Papaver rhoeas Ver ficha

Silene vulgaris Ver ficha 

Rumex pulcher Ver ficha

Arnica montana Ver ficha 

Crataegus monogyna Ver ficha

Artemisia absinthium Ver ficha 

Rubus ulmifolius Ver ficha

Artemisia granatensis Ver ficha 

Digitalis obscura Ver ficha

Chiliadenus glutinosus Ver ficha 

Celtis australis Ver ficha

Chondrilla juncea Ver ficha 

Urtica dioica Ver ficha

Cynara cardunculus Ver ficha 

Lactarius deliciosus Ver ficha

Mantisalca salmantica Ver ficha 

Terfezia arenaria Ver ficha

Scolymus hispanicus Ver ficha 

Pseudovernia furfuracea Ver ficha

Silybum marianum Ver ficha 

Buthus Ver ficha

Taraxacum officinale Ver ficha 

Lacerta lepida Ver ficha

Arbutus unedo Ver ficha 

Dehesa de Tentudía Ver ficha

Arctostaphylos uva-ursi Ver ficha 

Marisma de Doñana Ver ficha

Euphorbia canariensis Ver ficha 

Caliza Ver ficha

Fagus sylvatica Ver ficha 

Quecus ilex Ver ficha


Plantas para combatir el envejecimiento de la piel (www.udea.edu.co)

10.03.2015
En el proceso natural del envejecimiento, que comienza en la adolescencia, nuestras células son continuamente agredidas por la radiación ultravioleta, UV, y por las toxinas de los alimentos y el aire. 

Afortunadamente, las plantas, esas magníficas fábricas de compuestos, “nos ofrecen agentes para detener un poco esos daños que envejecen la piel, y que pueden ser aprovechados por la industria cosmética”, como explica el profesor Edison Javier Osorio, coordinador del Grupo de Investigación en Sustancias Bioactivas, GISB, de la Universidad de Antioquia.

El GISB, junto con el grupo de Investigaciones Agroindustriales la Universidad Pontificia Bolivariana y con el Centro de Investigación Farmacéutica, CECIF, explora estas posibilidades en un proyecto financiado por el fondo de CT&I del Sistema General de Regalías y operado por la gobernación de Antioquia. El objetivo, desarrollar productos cosméticos a partir de plantas medicinales, aromáticas condimentares y afines —PAMCyA—.

Romero, tomillo, yacón, estragón, caléndula, manzanilla… uno pensaría primero en una saludable infusión, más que en cosméticos. Pero es que las plantas aromáticas tienen un riqueza tal en sustancias bioactivas que pueden apoyar en muchas otras áreas. Solo hay que encontrar la planta apropiada y explorar con rigor sus beneficios y usos.

Diecinueve plantas habían sido determinadas por la Gobernación como “plantas de interés prioritario para el departamento”, partiendo de un trabajo de la cadena productiva de PAMCyA. Varias de estas fueron seleccionadas tras revisar la información científica sobre su composición y bioactividad, por ser prometedoras para el cuidado de la piel.

Propiedades de las plantas

Las especies elegidas pasaron a segunda ronda, en las que sus extractos son sometidos a múltiples análisis químicos y biológicos para saber cuáles de estas son potenciales para elaborar cosméticos. 

“Si bien las propiedades de varias de estas plantas han sido estudiadas previamente por investigadores internacionales, no conocemos la variabilidad química o biológica que pueden ofrecer estas especies al crecer en nuestras condiciones ambientales”, explica Osorio Durango.

Se contactaron cultivadores de varios municipios del Oriente antioqueño que producen incluso para mercados internacionales. Un material que, como indica el profesor Osorio, “es de muy buena calidad, pero sin ningún valor agregado; asi no se mira como materia prima para desarrollo de productos”.

En el proyecto se buscaron extractos con propiedades antioxidantes y que controlen ciertas enzimas que degradan las proteínas de la piel. “Como esta actividad es un indicador claro para el desarrollo de productos cosméticos, el criterio sirve para seleccionar las plantas que serán sometidas a pruebas más estrictas”, indica el investigador.

Los antioxidantes son ciertos compuestos que logran hacer algo muy importante: capturar y anular los radicales libres, esos trozos de molécula, de corta vida, que para completarse se enganchan a moléculas orgánicas como las de los tejidos animales, a menudo destruyéndolas y causando así degradación de tejidos y el consiguiente envejecimiento. 

Otro frente de batalla contra el envejecimiento tiene que ver con las enzimas y su labor de acelerar procesos químicos. A veces esta labor no es tan benéfica. “La piel tiene una serie de proteínas, por ejemplo el colágeno, y hay una serie de enzimas que degradan esas proteínas, como las colagenasas”, explica el investigador. “Nos interesaba mirar el efecto de los extractos sobre la actividad de estas enzimas”. 

Las tres finalistas

Tras las pruebas químicas, tres plantas han sido seleccionadas por sus propiedades que las hacen prometedoras para la cosmética. A estas todavía les faltaba una fase más: probar su actividad sobre células vivas cultivadas en laboratorio. “En cultivos in vitro miramos cómo actúa un extracto sobre células concretas de la piel, por ejemplo los fibroblastos, y si tiene efecto en ciertos procesos relacionados con la producción de metaloproteinasas”. 

Los investigadores someten las células a diferentes niveles de radiación UV (diferentes longitudes de ondas) lo que causa una degradación celular. Luego se aplican los extractos de las plantas y se evalúa si ayudan a revertir ese efecto dañino de la radiación UV.

Encontrar este efecto protector sería fundamental, pues los fibroblastos son las células que generan buena parte de las proteínas que dan la elasticidad y resistencia a la piel, como el colágeno. “Conociendo la composición química de los extractos y su modo de acción, podríamos dirigir la atención en la elaboración de extractos enriquecidos en las sustancias bioactivas, que puedan servir como materia prima para la industria cosmética”. 

En ese momento, entran en acción los grupos aliados. En la UPB se encargarán de determinar el mejor método y condiciones de secado para las plantas seleccionadas y el mejor método de extracción. “Esto con el fin de obtener los extractos que presenten la mayor actividad biológica buscada”, señala Carlos Augusto Hincapié Llanos, del Grupo de Investigaciones Agroindustriales de dicha institución.

“El equipo de UPB espera entregar al proyecto tres procesos de extracción optimizados (uno para cada planta) que permitan obtener extractos con la mayor actividad biológica posible”, complementa el profesor Hincapié.

El CECIF, por su parte, hará los estudios de preformulación, es decir, la composición experimental con la que se generarán dos prototipos de cosméticos.

Este proyecto genera conocimiento de primera mano sobre las propiedades de la PAMCyA que se cultivan en Antioquia, abriendo así nuevas líneas de investigación en el campo y la demostración de que se puede añadir valor a los productos de nuestra región.

Link:

Documentário Sementes Urbanas

RJ recebe o primeiro ônibus movido a biometano gerado a partir de lixo

RJ recebe o primeiro ônibus movido a biometano gerado a partir de lixo

Foto: Scania

Veículo da Scania foi abastecido pela Usina Dois Arcos, emitindo 70% menos poluentes em relação ao diesel

Um ônibus movido a biometano circulou ontem pela primeira vez no Estado do Rio. Fabricado na Suécia, pela Scania, o veículo – considerado um dos mais modernos do transporte público do mundo – foi abastecido pela usina Dois Arcos, localizada em São Pedro da Aldeia (RJ), junto ao aterro sanitário de mesmo nome.

O empreendimento é resultado de um investimento de R$ 20 milhões da EcoMetano, em parceria com a Osafi, proprietária do aterro. O local recebe aproximadamente 700 toneladas/dia de resíduos sólidos urbanos, oriundos também de municípios de Cabo Frio, Arraial do Cabo, Iguaba Grande, Armação dos Búzios, Silva Jardim, Araruama e Casemiro de Abreu. Os resíduos são decompostos, gerando o biogás, que depois de purificado se transforma em biometano.

O ônibus

O ônibus da Scania é o primeiro movido a biometano da história da indústria de veículos comerciais no Brasil. O modelo está equipado com motor que atende à norma europeia de emissões Euro 6, mais avançada que a atual geração Euro 5 vigente no Brasil. Utiliza, como combustível, tanto o Gás Natural Veicular (GNV) quanto o biometano (gerado a partir de resíduos sólidos urbanos ou de resíduos do agronegócio), ou combinação de ambos.

Na Europa a Scania é líder em transporte sustentável. O ônibus Scania Citywide Euro 6 veio da Suécia em 2014 para um período de demonstrações na América do Sul e, antes de chegar ao Estado do Rio, passou pelo México, Colômbia, Foz do Iguaçu (PR), Rio Grande do Sul e Sorocaba (SP). Na primeira demonstração no Brasil nos meses de outubro e novembro de 2014, em parceria com a Itaipu Binacional, o Centro Internacional de Energias Renováveis-Biogás (CIBiogás-ER), a Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI) e outros parceiros, ficou comprovado que, em relação ao custo por quilômetro, o do biometano é menor em quase 60% ante um veículo similar a diesel.

Na segunda demonstração, em janeiro de 2015, em parceria com a Braskem, Companhia de Gás do Estado (Sulgás) e outras empresas, os resultados de desempenho foram todos positivos, de acordo com a universidade Univates (RS). Os níveis de poluição ficaram bem abaixo dos determinados pelo Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente), e as emissões de ruído também foram menores que os padrões determinados pelas autoridades. A média de consumo foi de 2,13 km/metro cúbico.

“Estamos obtendo ótimos resultados nas demonstrações. O ônibus a biometano está comprovando o quanto é uma solução de transporte sustentável ecológica, social e economicamente viável para a mobilidade urbana”, afirma Silvio Munhoz, diretor de Vendas de Ônibus da Scania no Brasil. “Em termos de produto ele tem provado sua fama de confiável, já amplamente reconhecida na Europa. Sua tecnologia inovadora gera uma autonomia diária que pode chegar a 400 quilômetros e emite 70% menos poluentes que os veículos similares a diesel.”

A usina Dois Arcos

A estimativa de produção da usina Dois Arcos é de aproximadamente 8 mil m3 de biogás purificado/dia, chegando a 15 mil m3/dia em 2020. Inicialmente, o produto será destinado ao consumo industrial, fornecido em cilindros. Mas o projeto contempla, no futuro, a ligação da usina ao gasoduto da CEG-Rio, para atender também ao consumidor residencial e comercial, além de atender ao uso veicular, beneficiando uma população de 400 mil pessoas na Região dos Lagos.

“A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) regulamentou, recentemente, a utilização do biogás obtido a partir de resíduos agrossilvopastoris e comerciais para o uso residencial, comercial e veicular. Foi uma iniciativa da maior importância. Agora esperamos que nos próximos meses seja publicada a regulação também do uso do biogás de resíduos sólidos urbanos e esgotamento sanitário como já é tão comum nos Estados Unidos e na Europa. O chamado Gás Natural Renovável (GNR) representa enormes benefícios econômicos, sociais e ambientais”, explica Márcio Schittini, gerente de Novos Negócios da EcoMetano.

O planejamento da companhia contempla quatros outros empreendimentos de geração de biogás, sendo dois junto a aterros sanitários (no Nordeste e Sudeste) e dois utilizando resíduos do agronegócio, com uso de biodigestores (ambos no interior do Rio Grande do Sul). A previsão é de que, com os cinco projetos em operação, em 2016, após um investimento de R$ 220 milhões, a EcoMetano seja a maior empresa brasileira produtora de biogás, gerando até 1,2 milhão de m3/dia.

“O biogás é uma fonte de energia renovável, mais econômica, que gera mais benefícios ao meio ambiente e que pode incrementar a matriz energética nacional. Acreditamos que o Brasil será, em um futuro próximo, o maior produtor mundial de biogás”, completa Schittini.

A EcoMetano

A EcoMetano, que iniciou suas atividades em 2010, é uma empresa especializada em captar e tratar o biogás produzido a partir de fontes renováveis como aterros sanitários, biodigestão de resíduos oriundos da atividade agrícola e vinhaça resultante da produção de etanol. Integra o grupo MDCPar, empresa de participações em investimento de infraestrutura na área de gás natural.

Publicado no Portal EcoDebate, 13/03/2015

Aquaponia: Produção caseira de peixes e hortaliças se desenvolve na Europa

Por Lúcia Müzell, da RFI

Já imaginou se, no aquário que decora a sua casa, crescesse o peixe que você vai saborear no jantar, e a água ainda irrigasse as alfaces que servirão de acompanhamento? A aquaponia está em franco desenvolvimento na Europa e é vista como uma alternativa sustentável de agricultura urbana.
Florian Mary e Jessica Jamon mostram o funcionamento do projeto Osmose, que tem o objetivo de levar a aquaponia à escala comercial na França. Foto: D.Parat/ Projet Osmose

A demanda crescente por produtos orgânicos está fazendo os europeus resgatarem essa que é uma técnica milenar de produção de peixes e hortaliças. O sistema é composto por um recipiente onde vivem peixes de água doce, como trutas ou carpas. A água, rica em nutrientes, passa por uma purificação natural, realizada por bactérias.

Os dejetos então se transformam em nitrato, usado como adubo para as plantas – que também germinam na água, e não no solo. As raízes voltam a purificar a água, que retorna ao ambiente onde vivem os peixes. Os sistemas mais avançados chegam a dispensar a utilização de produtos químicos. A economia de água é de até 80%, em relação à agricultura tradicional.

Jéssica Jamon é uma das coordenadoras de um projeto-piloto, o Osmose, que visa aplicar a técnica em escala comercial, na região de Auvergne, na França. Por enquanto, a produção é de 50 alfaces por semana, um número que deve chegar a 5 mil, se a viabilidade do sistema se concretizar. Já a produção de peixes pode ser de até 200 filés de truta semanais.

“Ao se desenvolverem, as trutas geram detrimentos na água. Na piscicultura clássica, os produtores desviam um rio, a água passa pela piscicultura e os efluentes saem diretamente no rio”, explica. “Esses nutrientes, em grandes quantidades, podem poluir as águas, além de serem desperdiçados para o uso na agricultura convencional, que acaba usando nutrientes químicos para produzir as hortaliças. Com a aquaponia, é possível reutilizar tudo, fazer uma simbiose.”

Pioneiros

Os Estados Unidos, o Canadá e a Austrália são os países onde a técnica está mais avançada. Na Europa, Berlim acaba de lançar uma produção que ocupa 1,8 mil metros quadrados no sul da capital alemã.

Já no Brasil, a aquaponia começou a se desenvolver há cerca de dois anos, capitaneada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). O pesquisador Paulo Carneiro apresenta o sistema a pequenos produtores de Sergipe. Ele garante que o potencial de crescimento no Brasil é “enorme”.

“Já podemos pensar em sistemas para pequenos produtores. A produção de alimentos pela agricultura urbana também é muito factível já neste momento. São projetos para a subsistência e para atender os anseios daqueles que têm vontade de produzir o seu próprio alimento. Elas têm um controle maior do que estão consumindo e um envolvimento com uma produção sustentável e com a natureza”, destaca. “Essa é uma demanda grande que nós já podemos atender no Brasil.”

Fácil instalação

Os especialistas garantem: qualquer um pode se lançar na aquaponia, até mesmo moradores das grandes cidades.

“O manejo tanto dos peixes quanto das plantas é fácil. Você tem pouca coisa para monitorar. Buscando informações, que hoje são abundantes na internet, e com materiais dos mais diversos, a pessoa consegue montar um sistema pequeno ou médio”, observa o especialista. “Em pouco tempo, ela se motiva ainda mais, porque vê os primeiros resultados muito rapidamente. Hortaliças de ciclo curto, como alface, já podem ser colhidas após um ou dois meses.”

Paulo Carneiro destaca que aqueles que têm resistência em abater e comer os peixes podem escolher espécies que não costumam ser usadas para o consumo, mais bonitos e coloridos. Neste caso, o sistema pode dar ênfase à decoração, ao mesmo tempo em que resulta na produção própria da salada – uma versão modernizada e mais ecológica da velha horta do fundo do quintal.

Matéria da RFI, reproduzida no Portal EcoDebate, 13/03/2015

quinta-feira, 12 de março de 2015

Secret of how plants regulate their vitamin C production revealed

Date: March 12, 2015

Source: Queensland University of Technology

Summary:
In the regulation of vitamin C, it is the level of vitamin C itself in each plant cell that decides whether RNA turns into the protein which makes vitamin C, researchers have found. "Understanding these mechanisms may help in plant breeding programs to produce hardier plant crops and improve human health because iron deficiency anemia is the most common form of malnutrition worldwide," explains one expert.

A QUT scientist has helped unravel the way in which plants regulate their levels of vitamin C, the vitamin essential for preventing iron deficiency anemia and conditions such as scurvy.

Professor Roger Hellens, working with Dr William Laing from New Zealand's Plant and Food Research, has discovered the mechanism plants use to regulate the levels of Vitamin C in each of their cells in response to the environment.

"Understanding these mechanisms may help in plant breeding programs to produce hardier plant crops and improve human health because iron deficiency anemia is the most common form of malnutrition worldwide," Professor Hellens, from QUT's Institute of Future Environments.

"This discovery will also help us to understand why some plants such as the Kakadu plum are able to accumulate super-high levels of vitamin C.

"Vitamin C is important in our diet because it enables more iron, which carries oxygen to our cells, to be taken up and absorbed.

"We humans gradually lost the ability to produce our own vitamin C thousands of years ago because it was so abundant in our hominid ancestors' largely fruit diet.

"As we know, fruit can be higher in vitamin C than leafy vegetables so we can now study why fruit is so high and why some fruits make huge amounts."

Professor Hellens said plants responded to factors in the environment like extreme light or drought by producing vitamin C, a powerful antioxidant, to protect themselves from damage.

"Each cell assesses whether it should produce more of the antioxidant which would absorb the energy from the high levels of light or stop the damaging oxidative process in amount the a dehydrated plant.

"In vitamin C regulation it is the ascorbate molecules which interact with a critical enzyme in the biochemical pathways to make vitamin C. Plants can move the level of ascorbic acid between cells as needed."

Professor Hellens said plants had two ways to regulate cell processes.

"One way is during transcription when DNA is turned into the messenger molecule RNA, the molecule that distinguishes cells into different types of tissue. The second way is to regulate while turning RNA into an enzyme that makes vitamin C.

"So if a cell wants to increase its level of vitamin C it's generally got two ways to do it -- and we've discovered vitamins C uses the second method, and in an unexpected way.

"We discovered it's not whether the cell is making the RNA but whether the RNA is converted into a protein that is the deciding mechanism.

"It's very interesting because we found it was the level of vitamin C itself in each cell that decides whether RNA turns into the protein which makes vitamin C."

Story Source:

The above story is based on materials provided by Queensland University of Technology. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Roger P. Hellensa et al. An Upstream Open Reading Frame Is Essential for Feedback Regulation of Ascorbate Biosynthesis in Arabidopsis. The Plant Cell, March 2015 DOI: 10.%u200B1105/%u200Btpc.%u200B114

Cite This Page:

Queensland University of Technology. "Secret of how plants regulate their vitamin C production revealed." ScienceDaily. ScienceDaily, 12 March 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/03/150312100730.htm>.

Fiocruz reúne todas suas publicações científicas em novo Portal de Periódicos

Publicada em 10/03/2015

A Fiocruz lançou, no dia 10/3, mais um espaço para a divulgação da Ciência: o Portal de Periódicos. No mesmo ambiente web, o público terá acesso aberto e gratuito aos artigos de todas as publicações científicas editadas na Fiocruz. Com a busca integrada em sete revistas, os leitores poderão ter uma visão ampliada do conhecimento em saúde, a partir de diferentes abordagens.
A vice-presidente de Ensino, Informação e Comunicação, Nísia Trindade Lima, ressalta a relação entre a Política de Pesquisa, Política de Pós-graduação e Política de Informação. Segundo ela, o novo canal traz visibilidade a questões como a internacionalização, avaliação da produção científica e inovação em periódicos. “Há mais de um ano, o Fórum dos Editores Científicos da Fiocruz vem debatendo estes temas que envolvem o fazer e o divulgar a ciência de uma forma sustentável. O Portal de Periódicos nasce no cerne desta discussão, integrando as revistas e promovendo este diálogo”, afirma.

A Fiocruz, em 2014 implantou sua Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, na qual reafirma seu compromisso com a democratização do conhecimento e do acesso à informação científica. O Portal de Periódicos vem reforçar a importância da popularização da ciência, aproximando a sociedade dos temas científicos.

Para o editor da Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, Rodrigo Murtinho, “o Portal de Periódicos da Fiocruz chega em boa hora e será um instrumento importante para ampliar o acesso à produção científica na área da saúde, e consequentemente dar maior visibilidade às revistas científicas editadas pela Fiocruz em diferentes áreas”.

Essa diversidade nas revistas científicas da Fiocruz retrata as diferentes áreas do conhecimento e atuação a que se dedica a instituição, com temas importantes para a sociedade, dialogando tanto com o Sistema Único de Saúde como com o Sistema de C&T do país.

A editora Marília Sá Carvalho, dos Cadernos de Saúde Pública, reflete sobre a pauta de discussões que envolve as publicações científicas: "Nesse cenário em que se observa a proliferação de revistas pagas – cujos critérios se revelam bastante duvidosos – o Portal de Periódicos cumpre o papel essencial de assegurar o acesso aberto e preservar a qualidade da ciência publicada pela Fiocruz”.

Democratização da Ciência

As transformações no mundo contemporâneo e a popularização da Ciência são aspectos importantes para a editora das Memórias do Instituto Oswaldo Cruz – o periódico mais antigo da Fundação. “Por muitos séculos o acesso à Ciência esteve restrito aos cientistas. No novo milênio, além de um diferencial econômico, a Ciência e o acesso à sua produção fazem parte da cultura humana e do exercício de cidadania”, lembra Claude Pirmez. O Portal de Periódicos da Fiocruz articula a multidisciplinaridade da produção científica no país, facilita o compartilhamento de informações e contribui para a inclusão do cidadão na ciência brasileira”, completa.

O compromisso ético-político da instituição com a apropriação e democratização do conhecimento pela sociedade é enfatizado pela editora da revista Trabalho, Educação e Saúde. “Integrar o portal é contribuir com os demais periódicos para pensar a saúde de modo amplo, sob diferentes perspectivas editoriais e objetos de pesquisa. Os estudos críticos sobre o trabalho dialogam diretamente com uma dimensão da realidade do sistema de saúde que precisa ser constantemente refletida e transformada”, afirma Angélica Fonseca.

Comunicação: “cardápio variado de conteúdos”

Além de artigos, o novo canal traz informações em diversos formatos: notícias, entrevistas, vídeos e infográficos. Para João Canossa, à frente da Editora Fiocruz, este “cardápio variado de conteúdos”, permite que a sociedade se aproprie do vasto conhecimento gerado na instituição. “Assim, esta produção pode ser utilizada pelas pessoas de outros centros de pesquisa, universidades, no trabalho, em casa, neste ou em outros países. O Portal de Periódicos tem tudo para se tornar mais uma poderosa ferramenta nesse sentido”.

Editora da revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Roberta Cardoso também comemora o potencial de comunicação e interação do novo veículo com o público: “A iniciativa é ótima e tornará a divulgação das edições mais dinâmica. Também facilitará a pesquisa dos leitores interessados nos temas que publicamos”, diz.

Este benefício também é apontado pelas editoras das revistas Fitos e Visa em Debate, respectivamente. “O Portal de Periódicos será um espaço importante para dar maior visibilidade, acesso e uso aos trabalhos publicados pela Revista Fitos, o que permitirá um aumento nos fatores de impacto do conteúdo intelectual produzido na área de pesquisa, desenvolvimento e inovação em fitoterápicos, com a citação de estudos ou pesquisas em trabalhos de cientistas de outras instituições”, diz Rosane Abreu. “Nós, da Visa em Debate, acreditamos na concretização e sustentabilidade do acesso aberto às revistas científicas, ampliando visibilidade e impacto das publicações. Esta é uma importante contribuição do Portal de Periódicos da Fiocruz na democratização do conhecimento”, afirma Daniella Guimarães.

* Por Flávia Lobato e Fernanda Marque


Link:

Descubra se você é tetracromata

Promising 'natural' Alzheimer's treatment moves toward clinical trials

Date: March 11, 2015

Source: Michigan State University

Summary:
A promising new natural treatment for Alzheimer's disease is moving toward clinical trials. This will be a major step forward as there is nothing on the market that slows the progression of Alzheimer's; natural products chemist has patented a botanical compound, withanamides.
A promising new natural treatment for Alzheimer’s disease is moving toward clinical trials. This will be a major step forward as there is nothing on the market that slows the progression of Alzheimer’s.
Credit: Courtesy of MSU

A promising new natural treatment for Alzheimer's disease is moving toward clinical trials. This will be a major step forward as there is nothing on the market that slows the progression of Alzheimer's.

Muraleedharan Nair, Michigan State University natural products chemist, has patented a botanical compound, withanamides. His spinoff company, Natural Therapeutics, will begin the trials as soon as funding is in place.

To date, none of the major pharmaceutical companies -- Merck, Eli Lilly, Bristol-Myers Squibb -- have been able to produce an effective treatment that passed human clinical trials, Nair said.

"This particular research has focused on Ashwagandha, an herbal remedy that's been used in Eastern medicines for centuries," he said. "Our compound withanamides may work to prevent Alzheimer's disease at the onset, and it also could prevent its progression."

While plants cannot be patented, compounds from it can. MSU holds the patent for withanamides, and earlier research revealed that the compound, found in the plants' seeds, proved to be a powerful anti-oxidant -- double the strength of what's on today's market. The potent compound has shown that it can protect cells against damaging attacks by a rogue protein ¬- the earliest stage of Alzheimer's.

Alzheimer's begins when a specific protein starts breaking, or cleaving, at the wrong place to produce an unwanted fragment. This bad fragment, called BAP, stresses cells' membranes, sparks plaque formation and eventually kills the cells. This attack begins in the frontal lobe, erasing memories and continuing its unrelenting assault deeper into the brain.

A complicating factor is that the majority of protein cleaving is a natural, healthy process. Pharmaceutical companies, however, have focused their efforts on blocking the tiny faction of bad cleaving of the protein producing BAP.

"Rather than trying to stop only the malevolent cleaving, our compound keeps the bad protein from entering the cell where it does its damage," he said. "Our studies have shown that withanamides effectively protect the brain cells by neutralizing the effect of BAP."

Nair, who holds nearly 90 U.S. and international patents, is using withanamides to interrupt the action of BAP, hence preventing Alzheimer's at an early stage.

Nair and his collaborators published in Phytotherapy Research that withanamides protected mouse brain cells from BAP damage. A recent study, also published inPhytotherapy Research and using mouse models, showed that withanamides passed the blood brain barrier, the filter that controls what chemicals reach the brain. The results showed that the compound reached its intended target, passing the last test before advancing to human testing.

After the clinical trials, which could be conducted as quick as six to twelve months, Nair and Natural Therapeutics will pursue FDA approval.

"Dr. Nair discovered his molecule in a food-safe plant," said Jim Richter, Natural Therapeutics President. "It's also classified as GRAS -- generally regarded as safe -- by the FDA. This means that we can bypass many of the hurdles that slow synthetic molecules that need testing. By compressing the timeline dramatically, we'll be able to save tens of millions of dollars, and if successful, bring an effective treatment to Alzheimer's patients."

Story Source:

The above story is based on materials provided by Michigan State University. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Shaiju K. Vareed, Alison K. Bauer, Kavitha M. Nair, Yunbao Liu, Bolleddula Jayaprakasam, Muraleedharan G. Nair. Blood-Brain Barrier Permeability of Bioactive Withanamides Present in Withania somnifera Fruit Extract.Phytotherapy Research, 2014; 28 (8): 1260 DOI: 10.1002/ptr.5118

Cite This Page:

Michigan State University. "Promising 'natural' Alzheimer's treatment moves toward clinical trials." ScienceDaily. ScienceDaily, 11 March 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/03/150311124643.htm>.

Salt affects organs, even in absence of high blood pressure

Date: March 10, 2015

Source: University of Delaware

Summary:
Physicians have provided evidence that even in the absence of an increase in blood pressure, excess dietary sodium can adversely affect target organs, including the blood vessels, heart, kidneys and brain.
A review paper co-authored by a team from the University of Delaware and Christiana Care indicates that even in the absence of an increase in blood pressure, excess dietary sodium can adversely affect target organs, including the blood vessels, heart, kidneys and brain.
Credit: University of Delaware

You may think you're one of the lucky ones who can eat all the salty snacks and convenience foods you want and still register low numbers on the blood pressure cuff. But, new research suggests you may not be so lucky after all.

A review paper co-authored by two faculty members in the University of Delaware College of Health Sciences and two physicians at Christiana Care Health System provides evidence that even in the absence of an increase in blood pressure, excess dietary sodium can adversely affect target organs, including the blood vessels, heart, kidneys and brain.

Authors of the paper, "Dietary Sodium and Health: More Than Just Blood Pressure," include William Farquhar and David Edwards in UD's Department of Kinesiology and Applied Physiology; William Weintraub, chief of cardiology at Christiana Care; and Claudine Jurkovitz, a nephrologist epidemiologist and senior scientist in the Value Institute Center for Outcomes Research at Christiana Care.

The paper was published in the March 17 issue of the Journal of the American College of Cardiology.

"Blood pressure responses to alterations in dietary sodium vary widely, which has led to the concept of 'salt-sensitive' blood pressure," says Farquhar. "There are no standardized guidelines for classifying individuals as having salt-sensitive blood pressure, but if blood pressure increases during a period of high dietary sodium or decreases during a low-sodium period, the person is considered salt sensitive. If there's no change in blood pressure with sodium restriction, an individual is considered salt resistant."

However, the research cited in the paper points to evidence of adverse effects on multiple target organs and tissues, even for people who are salt resistant.

Bad news for the body

Potential effects on the arteries include reduced function of the endothelium, which is the inner lining of blood vessels. Endothelial cells mediate a number of processes, including coagulation, platelet adhesion and immune function. Elevated dietary sodium can also increase arterial stiffness.

Farquhar and Edwards have done previous work in this area, with one study showing that excess salt intake in humans impairs endothelium-dependent dilation and another demonstrating that dietary sodium loading impairs microvascular function. In both cases, the effects are independent of changes in blood pressure.

They review their work and the growing body of evidence to support a deleterious effect of dietary salt on vascular function independent of blood pressure in a recent invited paper in Current Opinion in Nephrology and Hypertension.

"High dietary sodium can also lead to left ventricular hypertrophy, or enlargement of the muscle tissue that makes up the wall of the heart's main pumping chamber," Edwards says. "As the walls of the chamber grow thicker, they become less compliant and eventually are unable to pump as forcefully as a healthy heart."

Regarding the kidneys, evidence suggests that high sodium is associated with reduced renal function, a decline observed with only a minimal increase in blood pressure.

Finally, sodium may also affect the sympathetic nervous system, which activates what is often termed the fight-or-flight response.

"Chronically elevated dietary sodium may 'sensitize' sympathetic neurons in the brain, causing a greater response to a variety of stimuli, including skeletal muscle contraction," Farquhar says. "Again, even if blood pressure isn't increased, chronically increased sympathetic outflow may have harmful effects on target organs."

Difficult detective work

Jurkovitz points out that studying the effects of salt restriction on clinical outcomes is not easy. Challenges include accurate assessment of intake, long-term maintenance on a defined salt regimen, and the need for large numbers of patients and extended follow-up to obtain enough outcomes for meaningful analysis.

However, she says, "A large body of evidence confirms the biological plausibility of the association between high sodium intake and increases in blood pressure and cardiovascular events."

This evidence has resulted in the American Heart Association's recommendation that we consume less than 1,500 mg of sodium a day.

Shaking the salt habit

Taking the salt shaker off the table is a good way to start, but it's probably not enough, says Weintraub, whose work focuses on cardiology outcomes.

"Approximately 70 percent of the sodium in our diets comes from processed foods, including items that we don't typically think of as salty such as breads and cereals," he says. "Also, restaurant food typically contains more salt than dishes prepared at home, so eating out less can help reduce salt intake, especially if herbs and spices -- instead of salt -- are used to add flavor to home-cooked meals."

But the authors acknowledge that shaking the salt habit won't be easy, and it won't happen overnight.

"Reducing sodium will take a coordinated effort involving organizations like the AHA, food producers and processors, restaurants, and public policy aimed at education," Weintraub says.

Story Source:

The above story is based on materials provided by University of Delaware. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
William B. Farquhar, David G. Edwards, Claudine T. Jurkovitz, William S. Weintraub. Dietary Sodium and Health. Journal of the American College of Cardiology, 2015; 65 (10): 1042 DOI: 10.1016/j.jacc.2014.12.039

Cite This Page:

University of Delaware. "Salt affects organs, even in absence of high blood pressure." ScienceDaily. ScienceDaily, 10 March 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/03/150310160033.htm>.

Revista Agriculturas, v.11, n.4, 2014 - Alimentação Adequada e Saudável

Projeto Carroceiro Solidário - UNIGUAÇU 2015

O projeto Carroceiros Solidários visa levar atendimento aos animais de tração dos municípios de União da Vitória e de Porto União. 

O atendimento está sendo realizado às segundas-feiras, no horário das 8 às 11 horas da manhã no estacionamento do Hospital Veterinário Uniguaçu. Os animais são atendidos pelos alunos do nono período de Medicina Veterinária, com a supervisão da professora Claudia Rocha. 

O objetivo do projeto é dar assistência às famílias carentes que fazem uso de animais para trabalho, oferecendo tratamento clínico aos animais, orientando quanto à nutrição, prevenção de doenças e horas de trabalho do animal. 

As famílias que possuem cães, ovelhas, cabras e vacas, também podem levá-los no mesmo horário e local para atendimento. Ainda receberão orientações para melhor qualidade de vida de seus animais. 

Os tratamentos são feitos com base na Medicina Complementar (fitoterapia, acupuntura, cromoterapia, moxabustão, fisioterapia, dentre outros). Quando necessitam de uma assistência maior, recebem tratamento mais especializado. 

O projeto visa, além de tratar os animais, educar e orientar os proprietários para que seus animais tenham uma vida digna, sem necessidade de sofrerem privações de qualquer natureza. Todos os carroceiros são bem vindos com seus animais, para que ambos possam ter mais qualidade de vida. 

Prof MV Claudia Rocha 
Coordenadora do projeto 

Fabiana Forte e Zé do Rodeio 
Colaboradores 

Huertas verticales

Biopirataria

BITS 28 - Fitoterapia - Pet Farmácia Viva

NOTÍCIAS DE JACAREÍ - O uso das plantas medicinais

Refrigerantes podem causar puberdade precoce nas meninas....

11.03.2015
Meninas que tomam muitas bebidas açucaradas - tipicamente refrigerantes - começam a menstruar mais cedo do que as meninas que consomem menos dessas bebidas.

Essa é a conclusão de um novo estudo feito por pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard (EUA) e publicado na revista Human Reproduction.

A equipe concluiu que o consumo de refrigerantes está de alguma forma ligado ao início da puberdade, embora os mecanismos de atuação ainda não estejam bem definidos - o dedo da suspeita aponta para a sacarose.

A associação entre grande ingestão de refrigerantes e menarca se manteve mesmo depois que os resultados levaram em conta o peso e a altura das meninas.

Puberdade precoce

As meninas geralmente entram na puberdade entre os 8 e 14 anos, embora algumas comecem mais cedo. Um estudo de 2010 mostrou que 10% das crianças brancas de 7 anos apresentaram o desenvolvimento das mamas consistente com o início da puberdade; o dobro do que em 1997.

A puberdade precoce pode ser psicologicamente traumática para as meninas se elas estiverem se desenvolvendo mais rápido do que suas colegas.

Há também alguns indícios preliminares associando a puberdade precoce com o aumento do risco de câncer de mama. No entanto, não há atualmente nenhuma evidência ligando o consumo de bebidas açucaradas na infância ao câncer de mama na vida adulta.

Refrigerantes e puberdade precoce

O que está levando ao início mais precoce da puberdade nas meninas ainda não é claro. Muitas das mudanças que as meninas experimentam na puberdade são impulsionadas pelo hormônio estrogênio. A exposição a xampus contendo estrogênio e outros produtos químicos que imitam os efeitos do hormônio - incluindo aqueles encontrados em alguns plásticos - têm sido responsabilizados.

Outros estudos suspeitam que o aumento das taxas de obesidade infantil seja o culpado, porque a gordura corporal pode produzir estrogênio.

O novo estudo constatou que meninas que bebem mais de 1,5 copo de bebida adocicada industrializada por dia começaram seus períodos 2,7 meses mais cedo, em média, do que as meninas que consumiram essas quantidades duas vezes por semana ou menos.

O resultado não se aplicou ao suco de frutas, que contém um açúcar chamado frutose, mantendo-se válido apenas para bebidas adoçadas com sacarose.

Fonte: Diário da Saúde
Link:

Resíduos do tratamento de esgotos: rejeitos orgânicos, óleos, graxas podem ser aproveitados na geração de energia

Pesquisa da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP demonstra o potencial de reúso e de aproveitamento de resíduos gerados nas estações de tratamento de esgoto (ETEs) como fonte de energia. Durante o trabalho foram avaliados os aproveitamentos de três diferentes tipos de resíduos removidos no tratamento preliminar dos esgotos: óleos e graxas, rejeitos removidos no gradeamento e areia. Além da geração de energia pela queima de rejeitos orgânicos e produção de biogás, resíduos de areia podem ser usados na construção civil. Os resultados do trabalho são apresentados na tese de doutorado de Nayara Batista Borges do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Hidráulica e Saneamento do Departamento de Hidráulica e Saneamento (SHS) da EESC.
Bol_3891B

Atualmente, a disposição final dos detritos é feita em aterros sanitários, o que gera um alto custo que atinge até 50% do gasto operacional de uma ETE. Como referência para a pesquisa, foi escolhida a ETE Monjolinho em São Carlos (interior de São Paulo), que tem capacidade de atender 258 mil habitantes e possui sistema preliminar destinado à remoção de rejeitos pelas etapas de gradeamento (fino e grosseiro) e desarenador —equipamento que tem a função de realizar a separação física, por diferença de gravidade, e ao mesmo tempo decantar os sólidos de maior tamanho.

Os detritos removidos nas unidades de gradeamento grosseiro e fino foram separados e agrupados de acordo com a tipologia de matéria orgânica sujeita à decomposição — como restos de alimentos, animais, fios de cabelo, galhos e folhas — além de plásticos, papéis, tecidos, pedras e outros. Posteriormente, avaliou-se o potencial energético desses resíduos mediante realização da análise do poder calorífico, que é a quantidade de energia por unidade de massa (ou de volume, no caso dos gases) liberada na oxidação de um determinado combustível.

No total, após o processo de secagem em uma estufa do tipo agrícola, a queima dos rejeitos captados nas duas unidades de gradeamento geraram 1.094 KWh de energia, o que corresponde à economia de R$ 437,70, e considerando os R$ 18,70 de despesa com o transporte e disposição das cinzas, obteve-se o lucro de R$ 419,00.

Geração de energia 

Ressalta-se que esses custos referem-se apenas aos gastos operacionais, pois não foi realizada a análise envolvendo os cálculos de implantação e manutenção do incinerador. A pesquisadora destacou que a geração de energia utilizando os restos removidos nos gradeamentos de apenas uma estação de tratamento de esgoto não seria rentável, tendo em vista sua baixa produção e o elevado custo de implantação de equipamentos para esse fim. Uma possível solução para viabilizar a queima dos detritos seria enviá-los às centrais de geração de energia de resíduos sólidos urbanos.

Verificou-se também o elevado potencial de aproveitamento da sobra de areia, removida dos desarenadores, como agregado miúdo na incorporação de argamassas para revestimento e preparação de concreto não estrutural, desde que seja submetida ao procedimento de limpeza e secagem. “Ao aproveitar a areia removida, além de diminuir danos ambientais por sua disposição inadequada, pode-se reduzir impactos decorrentes da extração desse material em rios a ser destinado para a construção civil”, explicou Nayara.

Nessas condições, comprovou-se a viabilidade técnica e econômica de utilização da areia residual, pois ela apresentou menores custos: um total de R$ 3.530,43 em comparação à disposição em aterro sanitário, que gera o custo de R$ 4 mil. “Essa diferença pode ser ainda mais significativa para ETEs de grande porte. Portanto, sob o ponto de vista econômico, é mais vantajoso aproveitar a areia do que dispô-la em aterros sanitários”, afirmou.

Nayara ainda obteve resultados a partir da gordura removida dos desarenadores. O trabalho demonstrou que a degradação do material reduz cargas orgânicas, além de gerar biogás durante o processo anaeróbio (na ausência de oxigênio), que pode ser consumido na própria estação. Avaliou-se também a potencialidade de produzir biocombustível, porém os resultados dessa avaliação demonstraram que há dificuldades técnicas e baixa potencialidade de retorno econômico.

Por fim, cabe ressaltar que a pesquisa resultou em um dos objetivos previstos da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010), que visa incentivar o desenvolvimento de sistemas de gestão ambiental e empresarial voltados para a melhoria dos processos produtivos e ao reaproveitamento dos resíduos sólidos, incluindo a recuperação e o aproveitamento energético. Além disso, atendeu o artigo 9 da referida lei, que estabelece que todos os resíduos sejam reaproveitados e tratados, e somente os rejeitos desses processos sejam dispostos em aterros sanitários. A pesquisa foi orientada pelo professor José Roberto Campos, da EESC, e teve a colaboração do professor Javier Mazariegos Pablos e dos técnicos do Laboratório de Construção Civil do Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU) da USP, em São Carlos.

Foto: Nayara Batista Borges/ EESC

Fonte: EESC / Agência USP de Notícias.

Publicado no Portal EcoDebate, 12/03/2015

Adaptação às mudanças climáticas pode ser feita com base no equilíbrio dos ecossistemas, afirma estudo

Estudo inédito no Brasil reúne diretrizes para que os efeitos dos eventos extremos do clima sejam minimizados, com economia para o poder público e maior qualidade de vida para as populações.
De um lado tempestades nos centros urbanos, de outro secas prolongadas nas regiões dos reservatórios de água. Alguns dos principais efeitos das mudanças climáticas estão sendo cada vez mais sentidos pelas populações do mundo inteiro, inclusive no Brasil, da mesma forma que esses eventos extremos do clima têm causado enormes estragos e perdas. E preparar a sociedade para esses efeitos exige grandes investimentos.

Diante dessa situação, governos e entidades da sociedade civil têm se mobilizado para colocar em prática estratégias de adaptação a essa realidade, garantindo maior resiliência da sociedade aos seus impactos e redução de custos. Uma dessas estratégias é a Adaptação com Base em Ecossistemas (AbE), que embora já esteja melhor consolidada na Europa, ainda precisa ser mais desenvolvida no Brasil, país que concentra condições ideais para sua implantação em virtude de sua biodiversidade. A indicação é apontada no estudo da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza ‘Adaptação Baseada em Ecossistemas: oportunidades para políticas públicas em mudanças climáticas’, elaborado pelo ICLEI Brasil, com o apoio do Observatório do Clima, rede de organizações da sociedade civil que trabalha na agenda climática brasileira.

O estudo leva em consideração o conceito de AbE apresentado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) da ONU. O modelo prevê o aproveitamento dos serviços ambientais providos pelos ecossistemas conservados, bem como da sua biodiversidade, como parte de uma estratégia de adaptação mais ampla para auxiliar as pessoas e as comunidades a se adaptarem aos efeitos negativos dasmudanças climáticas (como secas e enchentes) em níveis local, nacional, regional e global. Alguns desses serviços prestados pelos ecossistemas bem conservados são: regulação da quantidade e qualidade da água, permeabilidade dos solos, permitindo a recarga do lençol freático, evitando enchentes, sequestro de carbono, purificação do ar, conservação do solo e dos recursos hídricos, proteção contra desastres naturais, regulação do microclima, entre outros. “Isso significa que ecossistemas equilibrados podem contribuir mais para a qualidade de vida das populações, no que se refere aos impactos das alterações do clima, do que ações que visam apenas à melhoria da infraestrutura física, tais como túneis para desvio de água, grandes obras de captação de água à distância e diques de contenção contra inundações”, afirma André Ferretti, gerente de estratégias de conservação da Fundação Grupo Boticário.

Pioneiro no Brasil, o principal objetivo do estudo é oferecer subsídios e recomendações práticas aos tomadores de decisão para a inserção de estratégias de AbE em políticas públicas pertinentes, como o Plano Nacional de Adaptação às Mudanças do Clima (PNA), em elaboração pelo Ministério do Meio Ambiente. Esse plano, que deve ficar pronto neste ano, reunirá diretrizes para promover medidas de adaptação às mudançasclimáticas no Brasil, abordando custos, efetividade e benefícios das medidas sugeridas. ”Conseguimos abrir um canal de discussão muito bom com o governo, o que fez com que pudéssemos apresentar os excelentes resultados da AbE na Europa e outros continentes, além de apresentar as oportunidades de aplicação aqui no Brasil”, destaca Malu Nunes, diretora executiva da Fundação Grupo Boticário.

Segundo a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), ecossistemas bem manejados têm potencial maior de adaptação, resistindo e se recuperando mais facilmente dos impactos de eventos climáticos extremos, além de gerarem maior gama de benefícios (serviços ambientais), dos quais as pessoas dependem. Além dessas vantagens, as experiências mostraram que a AbE também é mais barata do que a chamada ‘infraestrutura cinza’, isto é, as construções convencionais, como muros ou diques de contenção, que são utilizados para barrar enchentes e sedimentos, impedindo que a água avance para as cidades.

Da natureza, tudo se copia

Há vários exemplos de aplicações bem sucedidas de AbE. No Vietnã, investiu-se na plantação e a manutenção adequada de manguezais. O objetivo era beneficiar de uma função natural desses ambientes, que agem como quebra-mares e protegem a zona costeira. Os custos da ‘opção natural’ foram muito mais baixos do que a reparação mecânica com diques da erosão que havia na área.

Outro caso é o tratamento de esgoto em áreas alagadas no Vale Hidden, na Califórnia (EUA). Uma normativa da região definiu que seria necessário retirar o nitrogênio do esgoto, e o custo do tratamento convencional era estimado em US$ 20 milhões. Após buscarem alternativas, o governo da cidade de Riverside decidiu implantar um projeto de AbE, no qual foi feito um sistema de tratamento por zona de raízes, conhecido porwetlands e inspirado no modo natural como o meio ambiente depura matérias orgânicas. Nele, foram utilizadas algumas plantas que têm a capacidade de filtrar resíduos e matéria orgânica, deixando a água limpa para retornar aos rios e córregos. A implantação do projeto de AbE custou US$ 2 milhões, proporcionando economia de 90%.

Na Europa, a restauração de zonas úmidas reduziu os problemas enfrentados pela Bulgária com as enchentes frequentes do Baixo Rio Danúbio. Os custos dos danos chegavam a US$ 396 milhões ao ano.

Com tantos exemplos práticos bem sucedidos, Malu Nunes relembra os benefícios globais das estratégias de adaptação com base em ecossistemas. “A curto, médio e longo prazos as estratégias de AbE beneficiam as comunidades, tornando-as mais resilientes e menos suscetíveis aos efeitos das mudanças climáticas; aos governos, pois economizam nos investimentos; e ao meio ambiente que é melhor conservado e oferecerá mais e melhores serviços ecossistêmicos. É um ciclo que beneficia a todos”, destaca Malu Nunes.

Pioneirismo na Europa

O estudo contabilizou experiências de Abe em todo o mundo e foram identificados 132 estudos de caso. Desses, 68 (44%) ocorrem na Europa desde 2009, sendo que o Brasil possui apenas 10 casos documentados. Alguns projetos encontrados até trazem características de AbE, porém, não mencionam exatamente com esta denominação, devido à falta de conhecimento e divulgação das práticas desse tipo de adaptação no país. “Acreditamos que esse documento orientador nacional que estamos lançando terá papel fundamental no apoio e divulgação das práticas de AbE no Brasil, ampliando aspossibilidades de financiamentos dessas iniciativas e incluindo essas práticas nas políticas públicas. O estudo completo está disponível para consulta nesse link.

Sobre a Fundação Grupo Boticário: a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é promover e realizar ações de conservação da natureza. Criada em 1990 por iniciativa do fundador de O Boticário, Miguel Krigsner, a atuação da Fundação Grupo Boticário é nacional e suas ações incluem proteção de áreas naturais, apoio a projetos de outras instituições e disseminação de conhecimento. Desde a sua criação, a Fundação Grupo Boticário já apoiou 1.417 projetos de 481 instituições em todo o Brasil. A instituição mantém duas reservas naturais, a Reserva Natural Salto Morato, na Mata Atlântica; e a Reserva Natural Serra do Tombador, no Cerrado, os dois biomas mais ameaçados do país. Outra iniciativa é um projeto pioneiro de pagamento por serviços ambientais em regiões de manancial, o Oásis. Na internet: www.fundacaogrupoboticario.org.br

Publicado no Portal EcoDebate, 12/03/2015

Compras públicas em África beneficiam agricultores familiares e escolas

Parceria inovadora operacional em cinco países

10 de março de 2015, Roma – Uma parceria inovadora que abarca cinco países africanos está a oferecer uma importante lição sobre como os governos podem adquirir alimentos para instituições públicas, como as escolas, diretamente dos pequenos agricultores familiares. Inspirado nas conquistas do Brasil no combate à fome e à pobreza, o Programa Comprar aos africanos para África (PAA África) ajuda a promover a produção agrícola local enquanto melhora os meios de vida e a nutrição.

O PAA África, está a ser implementado pela Etiópia, Malawi, Moçambique, Níger e Senegal, com a liderança técnica e a experiência da FAO e do Programa Alimentar Mundial (PAM). Já no terceiro ano, o programa está a conseguir resultados promissores, detalhados no relatório recentemente divulgado.

Como mostra o PAA África, nos países em desenvolvimento a compra de produtos aos agricultores familiares – muitas vezes são dos grupos mais marginalizados – pode contribuir para os esforços do governo no combate à pobreza rural.

“As compras pública aos produtores locais acrescenta valor aos mercados locais ao integrar os pequeno agricultores familiares e ao canalizar a procura – neste caso, pelas escolas – para a sua produção, contribuindo para a segurança alimentar e a diversidade alimentar” disse Florance Tartanac, da Divisão de infraestrutura rural e agro-indústria da FAO.

A FAO disponibiliza assistência técnica para as questões de planeamento e políticas dos governos, enquanto os seus peritos trabalham com os agricultores familiares para os ajudar a atingir ganhos sustentáveis na produção agrícola, bem como a melhorar as suas técnicas de plantação e colheita – incluindo a construção de silos – obtendo produtos de melhor qualidade e menos perdas e desperdícios.

O governo brasileiro e o Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Reino Unido (DFID) fornecem apoio financeiro.

Promover políticas inclusivas

"A compras públicas feitas aos agricultores locais podem promover a produção e cadeias de valor locais e diversificadas, garantir que os estudantes têm acesso regular a alimentos e, a longo prazo, promover o capital humano através de uma maior frequência e aprendizagem nas escolas, consequências de uma melhor alimentação das crianças", disse Tartanac.

Por exemplo, no Níger, o governo decidiu focar-se nos agricultores familiares para aumentar a reserva nacional de cereais, criando uma quota de 10 por cento para as compras locais a organizações de pequenos agricultores.

Da mesma forma, o governo pode focar-se nos agricultores familiares locais para abastecer parte da procura alimentar de outras instituições públicas, como escolas e hospitais.

Resultados notáveis

Os cerca de 5.500 agricultores familiares de pequena escala que participaram no programa PAA África foram capazes, até agora, de aumentar a sua produtividade em 115 por cento. Isto deveu-se em grande parte ao melhor acesso aos insumos agrícolas, incluindo sementes e fertilizantes, e ao uso de novas técnicas agrícolas adquiridas nas formações do programa PAA África, como a combinação de leguminosa e cereais na mesma parcela de terreno.

Apesar de serem responsáveis pela produção de 80 por cento dos alimentos na África Subsaariana, os pequenos agricultores - especialmente as mulheres - muitas vezes enfrentam ineficiências dos sistemas alimentares locais e falta de acesso a mercados inclusivos. 

Ao mesmo tempo, o programa foi capaz de garantir mercado a uma média de 37 por cento dos alimentos produzidos, ajudando os agricultores a gerar rendimentos superiores às suas próprias necessidades alimentares.

Parte da produção dos agricultores é usada para fornecer alimentos de alta qualidade para programas de alimentação escolar. Durante os dois primeiros anos do programa, cerca de 1.000 toneladas de alimentos adquiridos localmente foram usados para fornecer refeições escolares regulares a cerca de 128.000 estudantes em 420 escolas. E através da PAA África, a iniciativa do PAM, Compras para o Progresso (P4P) testou vários modelos de aquisição direta a organizações de agricultores familiares.

Combinando a protecção social e a agricultura

À semelhança da iniciativa brasileira “Fome Zero”, que o inspirou, o programa PAA África mostra como a integração de intervenções agrícolas com transferências sociais (redes de segurança social) para a redução da pobreza pode ajudar a promover a inclusão produtiva dos agricultores de subsistência no mercado, que tenham já algum potencial social e agrícola. 

Para o PAA África, este tipo de integração pode também aumentar o impacto das compras locais de alimentos nos meios de vida dos participantes e ajudar a construir modelos de desenvolvimento rural sustentáveis, combinado de forma coerente as intervenções agrícolas, das compras locais de alimentos e a proteção social.

No Senegal, por exemplo, o programa foi dirigido às comunidades mais vulneráveis numa região com défice alimentar e cujos agricultores tinham fortemente afetados pelas recentes secas. Estes agricultores receberam não só insumos, como sementes de arroz e formação, mas também encontraram na PAA África um mercado previsível e que garantia parte da sua produção. 

O PAA África é também um exemplo de cooperação Sul-Sul, uma abordagem para o desenvolvimento baseado na partilha de conhecimentos, experiências e tecnologia entre os países do Sul. A FAO está a explorar as múltiplas abordagens dos programas de compras públicas, através de uma série de casos de estudo, incluindo “o caso do Brasil”.
Hora do almoço numa escolar da Etiópia.
Formando agricultores familiares no Senegal.


Link: