sábado, 10 de agosto de 2013

History of Superfruits

History of Superfruits
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

The Various Varieties of Vegetables

The Various Varieties of Vegetables
by popchartlab.
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

Metabolism Map

Metabolism Map
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

Supplements Vs Food - A Visual Guide

Supplements Vs Food - A Visual Guide
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

A Guide to Summer Food

A Guide to Summer Food
by HealthCentral.
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

The Caffeine Poster, How Much Caffeine Are You Drinking?

The Caffeine Poster, How Much Caffeine Are You Drinking?
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

Best and Worst Foods for Sleeping - infographic

Best and Worst Foods for Sleeping
by angelvicky.
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

Ana Elisa Egreja

Poça, 2011
Penteadeira, 2011
Vitral, 2012
Artista plástica nascida em São Paulo em 1983.

15° Congresso Nacional de Medicina Natural - Camboriú - 26 e 27 de outubro de 2013

Link:

Projeto horta no Albergue Sítio das Alamedas - Programa de Manutenção de Próprios Municipais e Equipamentos - Prefeitura Municipal de São Paulo

Programa de Manutenção de Próprios Municipais e Equipamentos - Prefeitura Municipal de São Paulo


Albergue Sítio das Alamedas

Fundação Mary Speers
Faculdade Cantareira - curso de Agronomia

Professora coordenadora

Andréa Dantas de Souza

Professores colaboradores

Marcos Victorino
Marcos Roberto Furlan

Acadêmicos

  • Ana Karolina Gomes
  • Denise Pupo Martins
  • Erika Alves Martins
  • Janiele Sacramento Freitas Oliveira
  • Luan Nacarate Duque

 
 
 
 
 

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Infographic: Everything You Need To Know About Your Chakras

chakra_infographics_650
http://dangerouslee.biz/2013/02/28/infographic-everything-you-need-to-know-about-your-chakras/

La Vitamina D también regula la epigenética

29 mayo, 2012 | Escrita por: Jose Javier Mirt Rojas
Imagen: UAM

La Vitamina D, uno de los principales reguladores de la expresión génica en el organismo humano, es también un potente regulador epigenético. Así lo confirma el grupo de los Drs. Alberto Muñoz y María Jesús Larriba, del Instituto de Investigaciones Biomédicas “Alberto Sols”(centro mixto UAM-CSIC), en artículos publicados recientemente en las revistas Cell Cycle y Human Molecular Genetics.

La epigenética se refiere al control de la expresión de nuestros genes mediante la modificación química del ácido desoxirribonucleico (ADN) o de las proteínas que se unen a él (histonas) —el conjunto de ambas moléculas, ADN e histonas, componen la cromatina: el material que forma los cromosomas y que constituye los genes que determinan nuestra fisiología, nuestra susceptibilidad a enfermedades y, en definitiva, nuestra individualidad y nuestra vida—.

La principal novedad de los trabajos publicados, y cuyo primer firmante es el Dr. Fábio Pereira, radica en el descubrimiento de que el calcitriol (derivado activo de la Vitamina D) regula la expresión de varios genes que codifican unas enzimas denominadas histonas demetilasas, cuya función es modificar (eliminando residuos químicos llamados grupos metilo) aminoácidos específicos de ciertas histonas que juegan un papel clave en la regulación epigenética de la expresión de muchos genes.

De esta manera se comprueba que la Vitamina D ejerce una doble función en el control de la expresión del genoma: por una parte, regula directamente la velocidad con que se transcriben muchos genes a ácido ribonucleico (ARN) a través de la activación de su receptor VDR; y por otra —ahora descubierta—, regula diversas histonas demetilasas que ejercen un control epigenético sobre un elevado número de genes. La combinación de ambos efectos hace de la Vitamina D un potente y complejo regulador a distintos niveles de nuestro genoma.

Genes diana de la Vitamina D

La Vitamina D que ingerimos en la dieta, o que se sintetiza en nuestra piel por efecto de la radiación solar, es convertida por modificación química en nuestro hígado en calcidiol (o 25-hidroxivitamina D3). El calcidiol es transportado por la sangre y convertido en calcitriol (o 1alfa,25-dihidroxivitamina D3) en el riñón y diversos tipos de células epiteliales (mama, colon…) y del sistema inmune (linfocitos, macrófagos). El calcitriol es la forma o derivado activo de la vitamina D que llega a todas nuestras células y modula en ellas la velocidad con que se expresan un elevadísimo número de genes, actuando como una hormona de efectos muy amplios (pleiotrópicos, en la terminología científica). Esto lo hace uniéndose y activando a una proteína, el receptor de la Vitamina D o VDR, que a su vez se une a regiones específicas de la cromatina y mediante interacciones complejas con diversas proteínas favorece o reprime la expresión de los genes existentes en la cercanía de estos sitios de unión.

Numerosos estudios han permitido identificar muchos de estos genes diana de la Vitamina D, sin embargo se estima que son muchos los que aún se desconocen. Para los científicos resulta más importante la posibilidad de conocer los efectos que estos genes tienen sobre las células y la fisiología general de nuestro organismo; por ejemplo, sobre nuestra defensa contra infecciones o el riesgo de padecer cánceres.

En los estudios dirigidos desde el Instituto de Investigaciones Biomédicas “Alberto Sols” (IIB) también han contribuido los Drs. Antonio Barbáchano, del IIB; Prashant K. Singh y Moray J. Campbell, del Roswell Park Cancer Institute de Buffalo (EE.UU); así como Javier Silva y Félix Bonilla del Servicio de Oncología Médica, del Hospital Universitario Puerta de Hierro Majadahonda (España). El laboratorio de los Drs. Muñoz y Larriba recibe financiación del Plan Nacional de Biomedicina del Ministerio de Economía y Competitividad y de la Comunidad de Madrid (Consorcio Colomics2).

Fuente: UAM

Link:

Investigadores evalúan relaciones entre insectos y plantas hospederas para explicar biodiversidad

23 julio, 2013
Siproeta stelenes (Linnaeus, 1758) (Foto:barloventomagico)

(IBEROCIENCIA) Las plantas y los insectos herbívoros representan un porcentaje importante de la biodiversidad total presente en el planeta y se cree que esta relación no es casual, sino que los mecanismos evolutivos que generaron esta diversificación están relacionados, al menos parcialmente, con la estrecha relación entre los herbívoros y sus plantas huéspedes.

Desde la década del sesenta del siglo pasado se ha estudiado el fenómeno de coevolución o coespecialización entre plantas y algunos grupos de herbívoros. Esta hipótesis parte de la premisa que diferentes grupos de plantas lograron armar mecanismos de defensa que pueden disminuir la presión de la herbívoria y esta estrategia les permitió diversificarse. Los mecanismos de defensa pueden ser mecánicos (espinas, corazas, etc.), o compuestos químicos que alejan estos ataques y es común encontrar mecanismos similares en plantas relacionadas. Sin embargo, una vez que un linaje de insectos logra encontrar una estrategia para vencer una de estas defensas, se abre la posibilidad para colonizar plantas que son evitadas por otros grupos de insectos. Al hacer esto se dice que estos insectos entran en una nueva zona adaptativa y pueden diversificarse dentro de plantas relacionadas que poseen estrategias de defensa similares. El resultado de este proceso debería reflejarse en la congruencia de las historias del desarrollo evolutivo de las plantas (filogenias) y grupos de herbívoros.

Sin embargo esto no es siempre el caso y numerosos estudios posteriores al planteamiento inicial de la hipótesis de coevolución han encontrado que algunos grupos de herbívoros están asociados con una gran variedad de plantas poco relacionadas entre sí y muestran una mayor diversidad de especies que la de grupos muy especializados. Así una hipótesis alternativa, la deoscilación adaptativa plantea que la acumulación de cambios de huésped aleatorios a lo largo de la historia evolutiva promueven la diversificación de insectos herbívoros.

En general las evidencias para apoyar uno u otro de los mecanismos propuestos para explicar la evolución de la asociación insecto-planta hospedera están basadas en estudios sobre mariposas diurnas. Aunque las mariposas no son representativas de toda la diversidad de insectos herbívoros, ellas son prácticamente el único grupo de insectos comedores de plantas para los cuales existen datos representativos y confiables. Mundialmente se han descrito cerca de 18.000 especies de mariposas divididas en siete familias (Hesperiidae, Lycaenidae, Nymphalidae, Pieridae, Riodinidae, Papilionidae y Hedylidae), con mayor diversidad en los trópicos pero con diferente composición entre los continentes.

Para probar la validez de los mecanismos de diversificación propuestos para las mariposas se requiere de un conjunto de datos extensivo sobre asociaciones entre mariposa y planta hospedera, así como de relaciones filogenéticas completas para ambos grupos. Esto es, se requiere de la combinación de observaciones aisladas sobre historia natural de las especies, acumuladas a lo largo de decenas de años, con los más recientes avances en el estudio molecular y morfológico de la evolución de las especies. Afortunadamente el uso de herramientas y bases de datos con información biológica en línea permiten no sólo acceder a los registros de diferentes fuentes, sino también validarlos con respecto a la información taxonómica más actualizada y disminuir los errores y omisiones típicos para este tipo de compilaciones.

Ada Sanchez-Mercado, investigador del Instituto Venezolano de Investigaciones Científicas (IVIC), destacó “En nuestro caso, utilizamos estas herramientas para integrar de diferentes fuentes de información sobre taxonomía, filogenia, distribución de especies y asociaciones bióticas entre mariposas y plantas hospederas y utilizamos esta información para evaluar si las familias y subfamilias de mariposas con más especies, son aquellas que también utilizan una mayor variedad de plantas huéspedes y para medir la congruencia entre las filogenias de las mariposas y de las plantas que estas utilizan. En total compilamos 44148 registros de asociaciones con plantas huéspedes para 5152 especies de mariposas. Esta compilación incluye casi tres veces más registros que los trabajos previos y por ello representa el primer paso para una revisión completa y cuantitativa de la diversidad de mariposas y sus asociaciones con plantas huéspedes.”

La inmensa mayoría de las larvas de mariposas utilizan angiospermas como planta huésped, con un amplio predominio de las leguminosas y las gramíneas. Sin embargo las leguminosas son utilizadas por representantes de casi todas las subfamilias de mariposas, mientras que el uso de gramíneas está restringido a dos grupos muy diversos y de amplia distribución a nivel mundial. Efectivamente las Hesperiinae (56,5% de todos los Hesperiidae) y Satyrinae (42,6% de los Nymphalidae), son las únicas subfamilias que combinan una dieta restringida con una alta diversidad de especies.

Los resultados revelan ciertos indicios de congruencia entre ambas filogenias: los linajes o grupos de mariposas más antiguos o “primitivos” parecen estar asociados con grupos o linajes de plantas más antiguos, pero también se encontró que han ocurrido numerosos cambios al azar en el uso de plantas hospederas, siendo frecuente encontrar linajes de mariposas “recientes” que utilizan plantas más antiguas. Sin embargo, el grado de congruencia observada no puede interpretarse como que ha ocurrido una asociación continua entre plantas y mariposas, porque para ello es necesario que ambos filogenias tenga la misma edad evolutiva, tema aún en franca discusión ya que hasta la fecha no hay consenso sobre si las mariposas se diversificaron a la par, o en época posteriores a la diversificación de las plantas. Por otra parte, se puede afirmar con mayor propiedad que los numerosos cambios al azar detectados proveen apoyo a la hipótesis de oscilación como una explicación alternativa a la diversificación de mariposas.

La compilación descrita y utilizada en este artículo es un paso importante para ensamblar y estandarizar información sobre las asociaciones con plantas hospederas para este grupo tan importante de insectos y puede ser utilizado para evaluar otras hipótesis que tratan de explicar la diversidad en el planeta.

Link:

Estudian efectos de la rosa de montaña sobre el sistema hemostático

16 julio, 2013 | Escrita por: Administrador Iberociencia

Muestra de Rosa de Montaña/ Foto: IVIC

Aliviar el dolor de cabeza, estomacal y muscular; tratar infecciones respiratorias, renales e incluso enfermedades cardiovasculares; así como controlar el estrés, la ansiedad o la depresión, son algunas de las propiedades curativas atribuidas a numerosas plantas, las cuales hoy en día resultan una fuente inagotable de beneficios para la salud.

El uso de plantas medicinales es una práctica llevada a cabo durante toda la historia humana, cuyo conocimiento, adquirido a través de la experiencia de muchas generaciones, representa milenios de saber popular, cuando las únicas fuentes medicinales disponibles provenían del reino vegetal.

A partir de las bondades medicinales que especies como la hierbabuena, flor de Jamaica, salvia, jengibre, equinácea, manzanilla, tilo, diente de león y arándalo ofrecen para el tratamiento de enfermedades, el Instituto Venezolano de Investigaciones Científicas (IVIC), mediante un proyecto financiado por el Programa de Estímulo a la Innovación e Investigación (PEII), estudia el efecto del extracto acuoso de flores de Brownea macrophyla, conocida como rosa de montaña, sobre el sistema hemostático humano. Las flores de esta planta son usadas comúnmente para controlar hemorragias o detener el sangrado menstrual abundante (menorragias).

Josmary Brazón, coordinadora del proyecto e investigadora del Laboratorio de Neurofarmacología Celular del Centro de Biofísica y Bioquímica del IVIC, explicó que la rosa de montaña se distribuye principalmente en la región occidental de la Cordillera de la Costa, región andino-zuliana y suroeste del país, reconociéndose por su llamativo color rojo. Además, informó que debido a sus propiedades y a la ausencia de estudios científicos que avalen su uso clínico, están profundizando las investigaciones a fin de que la población emplee la planta bajo los principios éticos de identidad, pureza y calidad de la misma.

La especialista indicó que estudios in vitro han determinado que el extracto acuoso de la rosa de montaña contiene componentes proteicos que pueden tener actividad procoagulante, anticoagulante o antifibrinolítica. “La idea es aislar esos componentes de la flor, caracterizarlos y conocer sus estructuras en función de que en el futuro se desarrollen fármacos terapéuticos con sello venezolano que puedan ser utilizados sobre el sistema hemostático de seres humanos para controlar problemas trombóticos o hemorrágicos” dijo.

El sistema hemostático está conformado por las plaquetas, el mecanismo de la coagulación, el mecanismo fibrinolítico, y los inhibidores o reguladores de estos mecanismos como los elementos formadores de sangre. Existe un equilibrio entre la coagulación y la fibrinólisis que permite la fluidez de la sangre; cuando una persona sufre una herida, el sistema hemostático posibilita la formación de coágulos para detener la sangre y se encarga de su remoción, una vez que este ha cumplido su función.

Avances de la investigación

Brazón señaló que analizarán el efecto del extracto acuoso de la rosa de montaña sobre las plaquetas, con el fin de purificar y caracterizar componentes que promuevan o inhiban la agregación plaquetaria, los cuales podrían se utilizados en el futuro como herramienta para el entendimiento de los estados patológicos o fisiológicos del proceso hemostático o como agentes terapéuticos.

La planta es usadas comúnmente para controlar hemorragias

De igual manera, adelantó que ensayos en laboratorio durante dos años les han permitido sugerir que uno de los componentes involucrados en la detención del exceso de sangrando menstrual es un componente con actividad inhibitoria de la plasmina, enzima que en condiciones fisiológicas degrada el coágulo de fibrina. “Un componente inhibitorio de plasmina como el establecido en el extracto acuoso de flores de B. macrophylla podría ser muy útil para regular el sistema fibrinolítico, donde grandes cantidades de plasmina se han generado; tal es el caso de la menorragia” dijo.

Además de Brazón, participan en el proyecto los investigadores del CBB-IVIC Gina D’ Suze y Carlos Sevcik, el técnico de laboratorio Moisés Sandoval, el estudiante Hirán Hernández y la profesional asociada a la investigación Betzabeth Pereira, quien realizó su tesis de pregrado con esta planta. A juicio de Pereira, “estos hallazgos constituyen el inicio de una serie de investigaciones que permitirán aislar y caracterizar estos componentes terapéuticos, así como determinar si la infusión tiene actividad en otro nivel del sistema hemostático (por ejemplo, en las plaquetas), entre otros”.

Link:

Infográfico: cidades mais verdes do mundo


Chico Bento vai fazer agronomia

O Chico Bento deixa a Vila Abobrinha e se muda para a cidade grande para estudar agronomia. 

Cogumelo - Você precisa comer mais

Notícias - SaúdeSex, 09 de Agosto de 2013 14:15
Com o recente aumento da oferta em supermercados e a presença crescente em vários pratos, de massas a sanduíches e sopas, aqui eles ainda podem ter certo sabor de novidade. Mas a relação entre os homens e os cogumelos vem de longa data - no Egito antigo eles eram considerados presentes dos deuses. Só de uns tempos para cá, porém, os brasileiros passaram a investir no sabor marcante e na textura macia desses fungos - sim, são fungos! Segundo dados da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, hoje, o consumo anual por habitante é de 160 gramas. Pouco? Veja bem, em 1995 eram míseros 30 gramas. 

Apesar de o salto de 400% impressionar, a participação dos cogumelos na nossa dieta é tímida. Na Europa, cada pessoa come em torno de 2 quilos deles todo ano. "Trata-se de um alimento altamente nutritivo", enaltece Regina Furlani, pesquisadora do Instituto de Tecnologia de Alimentos, em Campinas, no interior paulista. "O brasileiro deveria consumir cerca de 100 gramas por dia", recomenda a bióloga Sandra Maria Gomes da Costa, professora da UEM - Universidade Estadual de Maringá, no Paraná. Para quem deseja emagrecer, é nessa quantidade que os cogumelos precisam ser convidados à mesa, de acordo com um novo estudo da Escola de Saúde Pública Bloomberg da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. 

Na pesquisa americana, 73 voluntários gordinhos foram incentivados a seguir uma dieta de emagrecimento, sendo que 36 se dispuseram a substituir a carne por 200 gramas dos fungos, o equivalente a um copo, em pelo menos três refeições semanais. A troca compensou. Ao final de um ano, esses participantes perderam, em média, 3 quilos, enquanto seus colegas eliminaram, no máximo, 1. Outro ponto para os adeptos dos cogumelos: eles conseguiram conservar a nova silhueta com facilidade. "Considero um achado promissor, visto que manter o peso é mais difícil do que emagrecer", analisa Lawrence Cheskin, autor da investigação. 

O efeito enxuga-barriga tem a ver com o fato de o alimento ser praticamente desprovido de gorduras. Para ter ideia, em 100 gramas não encontramos nem 1 grama de lipídios. Sem contar que o valor energético não passa de 50 calorias. Já na mesma quantidade de contrafilé grelhado há 15 gramas de gorduras e quase 300 calorias - uma bela diferença. Os cogumelos surpreendem até naquele aspecto em que a carne vermelha geralmente sai ganhando, ou seja, nos níveis de proteínas. Isso porque a porção de fungos pode alcançar o teor de 30% desse nutriente, valor semelhante ao de um bife de boi. 

Agora, tem uma característica do cogumelo que o diferencia de todos os outros alimentos: assim como nós, uma vez expostos ao sol, eles conseguem produzir a aclamada vitamina D, substância que protege os ossos e melhora a imunidade. Em análise da Escola de Medicina da Universidade de Boston, nos Estados Unidos, os estudiosos perceberam, inclusive, que dava na mesma tomar o extrato do alimento ou as cápsulas tradicionais da vitamina - nos dois casos, o organismo recebia doses iguais da substância. "Ela é produzida a partir do ergosterol, molécula abundante na parede celular dos fungos", explica o biólogo Edison de Souza, da Brasmicel, produtora de sementes de cogumelos, em Suzano, na região metropolitana de São Paulo. 

O mais interessante é que dá para estimular os cogumelos recém-chegados do mercado a produzirem vitamina D em casa.

Fonte: Planeta Sustentável

Link:

Curcuma longa na Medicina Tradicional Chinesa

Texto:Acupunturista Fabia Cilene Dellapiazza 

fabia.vida@uol.com.br Consultório : (19) 3406-7890

Família: Zingiberaceae

Parte utilizada na terapêutica ou como condimento: rizomas

Princípios ativos: ácidos graxos, óleos essenciais (cineol, eugenol), flavonoides, curcumina, resina, saponina.

Na Medicina Tradicional Chinesa (MTC) a curcuma (Curcuma longa) tem sido usada para ajudar na digestão e na função hepática, para aliviar dores da artrite e de úlceras estomacais, e regular a menstruação. 

A Curcuma previne a agregação de plaquetas sanguíneas pelos vasos sanguíneos, impede “estagnação de sangue” e ajuda a proteger o fígado de substâncias químicas tóxicas e estabilizar o microbiota do corpo, inibindo o desenvolvimento excessivo de bactérias no corpo. Também ajuda a melhorar os locais de recepção de cortisol no corpo e suas propriedades anti-inflamatórias são consideradas tão efetivas quanto as cortisonas. 

Todas essas funções são possíveis graças aos princípios ativos presentes neste “poderoso” tempero, originário da Ásia. 

Concluindo: 

Propriedades medicinais: analgésico, antibacteriano, anticoagulante, antifúngico, anti-inflamatório, antioxidante, anti-séptico, aromático, adstringente, colagogo, tônico estimulante, tônico digestivo e circulatório, emenagogo, hepato-tônica. 

Na MTC é de natureza morna e de sabor picante, geralmente indicado na Função Constitucional do indivíduo BP e F. 

Dose usual: até 300mg/dia – doseados ao longo do dia ou 30% extrato fluido da fórmula 

Em altas doses (superior 10g/dia) pode causar: sonolência e delírio. 

Lembrar que para ser utilizado como fitoterápico é bem diferente de seu uso condimentar. A indicação terapêutica, assim como a correta prescrição vem de um profissional qualificado da área, considerando quadro clínico do paciente e suas comorbidades, o manuseio e origem da matéria prima, sempre deverá ser feito em farmácia certificada. 

Eating a Big Breakfast Fights Obesity and Disease

Aug. 5, 2013 — A high-calorie breakfast protects against diabetes, hypertension, and cardiovascular problems, says TAU researcher.

Whether you hope to lose weight or just stay healthy, what you eat is a crucial factor. The right nutrients can not only trim your waistline, but also provide energy, improve your mood, and stave off disease. Now a Tel Aviv University researcher has found that it's not just what you eat -- but when.

Metabolism is impacted by the body's circadian rhythm -- the biological process that the body follows over a 24 hour cycle. So the time of day we eat can have a big impact on the way our bodies process food, says Prof. Daniela Jakubowicz of TAU's Sackler Faculty of Medicine and the Diabetes Unit at Wolfson Medical Center. In a recent study, she discovered that those who eat their largest daily meal at breakfast are far more likely to lose weight and waist line circumference than those who eat a large dinner.

And the benefits went far beyond pounds and inches. Participants who ate a larger breakfast -- which included a dessert item such as a piece of chocolate cake or a cookie -- also had significantly lower levels of insulin, glucose, and triglycerides throughout the day, translating into a lower risk of cardiovascular disease, diabetes, hypertension, and high cholesterol. These results, published recently in the journalObesity, indicate that proper meal timing can make an important contribution towards managing obesity and promoting an overall healthy lifestyle.

The study was done in collaboration with Dr. Julio Wainstein of TAU and the Wolfson Medical Center and Dr. Maayan Barnea and Prof. Oren Froy at the Hebrew University of Jerusalem.

A dramatic difference

To determine the impact of meal timing on weight loss and health, Prof. Jakubowicz and her fellow researchers conducted a study in which 93 obese women were randomly assigned to one of two isocaloric groups. Each consumed a moderate-carbohydrate, moderate-fat diet totalling 1,400 calories daily for a period of 12 weeks. The first group consumed 700 calories at breakfast, 500 at lunch, and 200 at dinner. The second group ate a 200 calorie breakfast, 500 calorie lunch, and 700 calorie dinner. The 700 calorie breakfast and dinner included the same foods.

By the end of the study, participants in the "big breakfast" group had lost an average of 17.8 pounds each and three inches off their waist line, compared to a 7.3 pound and 1.4 inch loss for participants in the "big dinner" group. According to Prof. Jakubowicz, those in the big breakfast group were found to have significantly lower levels of the hunger-regulating hormone ghrelin, an indication that they were more satiated and had less desire for snacking later in the day than their counterparts in the big dinner group.

The big breakfast group also showed a more significant decrease in insulin, glucose, and triglyceride levels than those in the big dinner group. More important, they did not experience the high spikes in blood glucose levels that typically occur after a meal. Peaks in blood sugar levels are considered even more harmful than sustained high blood glucose levels, leading to high blood pressure and greater strain on the heart.

Eliminating late night snacking

These findings suggest that people should adopt a well thought-out meal schedule, in addition to proper nutrition and exercise, to optimize weight loss and general health. Eating the right foods at the wrong times can not only slow down weight loss, it can also be harmful. In their study, the researchers found that those in the big dinner group actually increased their levels of triglycerides -- a type of fat found in the body -- despite their weight loss, reports Prof. Jakubowicz.

Prof. Jakubowicz suggests an end to late night snacking. Mindless eating in front of the computer or television, especially in the late evening hours, is a huge contributor to the obesity epidemic, she believes. It increases not only poundage, but the risk of cardiovascular disease -- making that midnight sugar rush more costly than it appears.

Journal Reference:
Daniela Jakubowicz, Maayan Barnea, Julio Wainstein, Oren Froy. High Caloric intake at breakfast vs. dinner differentially influences weight loss of overweight and obese women. Obesity, 2013; DOI: 10.1002/oby.20460

Link:

Great-Grandmother's Cigarette Habit Could Be the Cause of Child's Asthma

Aug. 5, 2013 — With some 300 million people around the world living with asthma, a study by Los Angeles Biomedical Research Institute at Harbor-UCLA Medical Center (LA BioMed) researchers that was released ahead-of- print found for the first time that maternal smoking can cause the third generation of offspring to suffer from the chronic lung disease.

The study, published online by the American Journal of Physiology -- Lung Cellular and Molecular Physiology, reported that maternal nicotine exposure during pregnancy is linked to asthma in the third generation in disease models. This is known as a "transgenerational" linkage because the third generation was never directly exposed to nicotine or smoking. Previous research had found nicotine exposure was linked to asthma in the second generation, or was a "multigenerational" cause of asthma.

"Even though there are multiple causes for childhood asthma, research linking this serious chronic condition to maternal nicotine exposure during pregnancy for up to three generations should give mothers-to-be even more reasons to reconsider smoking," said Virender K. Rehan, MD, an LA BioMed lead researcher and the corresponding author of the study. "Eliminating the use of tobacco during pregnancy could help halt the rise in childhood asthma and ensure healthier children for generations to come."

Sleep Deprivation Linked to Junk Food Cravings

Aug. 6, 2013 — A sleepless night makes us more likely to reach for doughnuts or pizza than for whole grains and leafy green vegetables, suggests a new study from UC Berkeley that examines the brain regions that control food choices. The findings shed new light on the link between poor sleep and obesity.
A sleepless night makes us more likely to reach for doughnuts or pizza than for whole grains and leafy green vegetables, suggests a new study from UC Berkeley that examines the brain regions that control food choices. (Credit: © Gennadiy Poznyakov / Fotolia)

Using functional magnetic resonance imaging (fMRI), UC Berkeley researchers scanned the brains of 23 healthy young adults, first after a normal night's sleep and next, after a sleepless night. They found impaired activity in the sleep-deprived brain's frontal lobe, which governs complex decision-making, but increased activity in deeper brain centers that respond to rewards. Moreover, the participants favored unhealthy snack and junk foods when they were sleep deprived.

"What we have discovered is that high-level brain regions required for complex judgments and decisions become blunted by a lack of sleep, while more primal brain structures that control motivation and desire are amplified," said Matthew Walker, a UC Berkeley professor of psychology and neuroscience and senior author of the study published Aug. 6 in the journal Nature Communications.

Moreover, he added, "high-calorie foods also became significantly more desirable when participants were sleep-deprived. This combination of altered brain activity and decision-making may help explain why people who sleep less also tend to be overweight or obese."

Previous studies have linked poor sleep to greater appetites, particularly for sweet and salty foods, but the latest findings provide a specific brain mechanism explaining why food choices change for the worse following a sleepless night, Walker said.

"These results shed light on how the brain becomes impaired by sleep deprivation, leading to the selection of more unhealthy foods and, ultimately, higher rates of obesity," said Stephanie Greer, a doctoral student in Walker's Sleep and Neuroimaging Laboratory and lead author of the paper. Another co-author of the study is Andrea Goldstein, also a doctoral student in Walker's lab.

In this newest study, researchers measured brain activity as participants viewed a series of 80 food images that ranged from high-to low-calorie and healthy and unhealthy, and rated their desire for each of the items. As an incentive, they were given the food they most craved after the MRI scan.

Food choices presented in the experiment ranged from fruits and vegetables, such as strawberries, apples and carrots, to high-calorie burgers, pizza and doughnuts. The latter are examples of the more popular choices following a sleepless night.

On a positive note, Walker said, the findings indicate that "getting enough sleep is one factor that can help promote weight control by priming the brain mechanisms governing appropriate food choices."

Journal Reference:
Stephanie M. Greer, Andrea N. Goldstein, Matthew P. Walker. The impact of sleep deprivation on food desire in the human brain. Nature Communications, 2013; 4 DOI:10.1038/ncomms3259

Link:

“Jardineiros da floresta” polinizam plantas que dependem desse trabalho para se reproduzir

Jornal da UNICAMP
Campinas, 23 de junho de 2013 a 29 de junho de 2013 – ANO 2013 – Nº 566


Mariposa ajuda a preservar espécies da Serra do Mar

Texto: ALESSANDRO SILVA Fotos: Antoninho Perri Divulgação Edição de Imagens: Diana Melo

Seu nome comum é mariposa. Também a chamam de “bruxa”. Crianças, com medo, fogem dela. Existem muitos tipos desse inseto, pequenos e grandes, mas apenas sua estranha aparência costuma ser observada. Poucos sabem que a mariposa é uma das “engrenagens” de uma complexa “máquina” da natureza capaz de produzir a vida ou a extinção nas florestas. De flor em flor para consumir o néctar que as atrai, elas levam grãos minúsculos de um pó chamado “pólen”, onde estão as células sexuais masculinas, para o órgão feminino das flores que visitam. Do sucesso dessa polinização, quando ocorre a fecundação, nascem os frutos e as sementes, o que assegura o futuro da espécie. Mas elas próprias, as mariposas, dependem de outras plantas, cujas folhas alimentam suas lagartas até a fase adulta, quando então passam a dedicar-se à tarefa de espalhar a vida pela floresta. Tire uma peça dessa “máquina” e comprometerá um ciclo de vida.
Esse é o cenário do estudo de doutorado do biólogo Felipe Amorim, realizado no Instituto de Biologia (IB) da Unicamp, sob a orientação da professora Marlies Sazima, e que chegou a uma constatação inédita sobre polinização por mariposas na Serra do Mar: elas se deslocam pelas distintas áreas de vegetação da Mata Atlântica, saindo de áreas de restinga e de floresta de terras baixas (próximas do nível do mar) para o alto da serra na floresta montana (acima de 800 metros de altitude), onde existem espécies de plantas que dependem exclusivamente do serviço desses insetos para a reprodução. “Ou seja, é necessário que haja conectividade entre as diferentes fisionomias florestais que formam a Mata Atlântica para possibilitar o deslocamento de polinizadores, e consequentemente, a reprodução de espécies de plantas altamente especializadas. Nesse sentido, a fragmentação florestal ocasiona, não apenas a perda de espécies de maneira isolada, mas a perda de interações ecológicas importantes”, explica.

É uma constatação importante no atual contexto da Serra do Mar e da vegetação de Mata Atlântica, que já cobriu, no passado, toda a costa brasileira e parte do interior do país. Hoje, restam menos de 8% desse tipo de vegetação em “fragmentos” que, em sua maioria, não são superiores a 100 hectares – imagine um quadrado com 1 km em cada lado –, distribuídos com pouca ou nenhuma conexão entre eles pelo Brasil. “Esses animais dependem de áreas contínuas de floresta para a manutenção de interações biológicas importantes”, explica o biólogo.

O trabalho foi desenvolvido na maior área contínua de Mata Atlântica ainda preservada no Brasil, o Parque Estadual de Serra do Mar (SP), que tem 315 mil hectares e se estende desde a divisa do Estado de São Paulo com o Rio de Janeiro até Itariri, perto do Paraná.

A mesma constatação obtida com os estudos sobre as mariposas, segundo o pesquisador, possivelmente pode ser ampliada para outros grupos de polinizadores da natureza, como beija-flores, morcegos e abelhas, por exemplo.

PESQUISA

O objetivo do trabalho era entender como as plantas se reproduzem na região mais elevada da Serra do Mar, particularmente as plantas que dependem da ação de mariposas no processo de polinização, ou seja, que abrem suas flores, em geral à noite, exalam um odor adocicado e produzem um líquido, o néctar, para despertar a atenção desse tipo de visitante floral. De fato, os insetos atraídos colaboram porque, ao visitarem as flores para se alimentarem do néctar, tocam os órgãos reprodutores e, consequentemente, transportam pólen dos órgãos masculinos para os femininos das plantas, o que dará origem ao fruto. Mas por que isso é importante? De forma resumida, outro animal – geralmente espécies de aves ou de mamíferos – come o fruto e carrega as sementes para outros cantos da floresta, permitindo que as sementes caiam cheguem ao solo e que nasça uma nova planta.

O estudo para a tese de doutorado apresentada na Unicamp foi realizado em um dos projetos temáticos (Gradiente Funcional) do Programa Biota/Fapesp, coordenado pelos professores Carlos Joly (Unicamp) e Luiz Martinelli (Universidade de São Paulo) e que articula diversos tipos de trabalhos em diferentes universidades, como a Unicamp. “A Mata Atlântica é um dos biomas mais ricos, diversos e ameaçados do planeta”, escreveu o pesquisador.
De 2008 a 2012, o biólogo Felipe Amorim percorreu uma área de cerca de 60 km de floresta (montana) no Núcleo Santa Virgínia do Parque Estadual da Serra do Mar, localizado entre as cidades de São Luiz do Paraitinga e Ubatuba, no litoral de São Paulo, onde identificou 24 espécies de plantas associadas à polinização por mariposas, especialmente pela dimensão alongada do tubo floral (veja foto nesta página), e estudou cerca de 50 espécies de uma família de mariposas chamada “Sphingidae”, um grupo de invertebrados que no mundo reúne cerca de 1.400 espécies diferentes. Essas mariposas, também chamadas de “esfingídeos”, possuem aparelhos bucais longos, conhecidas como “língua” ou “probóscide”, que servem para buscar o néctar dos tubos florais.

Quase 600 mariposas foram capturadas para análise em um trabalho que tinha que ser realizado particularmente à noite, com o apoio de lanternas especialmente preparadas para não afastar os polinizadores e até com o emprego de óculos de visão noturna. Para se ter uma ideia das dificuldades, determinada espécie de orquídea foi observada por 110 horas durante a noite (o equivalente a quatro dias e meio) para que fossem registrados apenas três contatos com os insetos polinizadores estudados.

A confirmação de que as mariposas migram entre os diferentes tipos de vegetações da Serra do Mar aconteceu a partir de pistas deixadas pelas flores. Ao se alimentarem do néctar, passando de flor em flor, elas vão se “sujando” com o pólen de várias espécies de plantas. Segundo o biólogo, foram encontrados polinizadores na parte mais elevada da Mata Atlântica (floresta montana) carregando pólen de uma planta que somente existe na vegetação de restinga, localizada próxima ao nível do mar, distante dali.

Para o biólogo, as mariposas migram dentro da floresta principalmente para se reproduzirem e, como precisam recuperar a energia gasta com esse deslocamento, dependem do alimento, no caso o néctar, fornecido pelas flores. Enquanto se alimentam, realizam serviços de polinização, que são de grande importância para a reprodução das plantas nesse ambiente. Para saber mais sobre o Biota/Fapesp, veja: www.biota.org.br .

Forma de orquídea levou Darwin a predizer espécie

Na segunda metade do século XIX, o naturalista britânico Charles Darwin (1809-1882), ao observar o tubo floral extremamente longo (cerca de 30 centímetros) de uma espécie de orquídea de Madagascar, predisse a existência de uma mariposa com uma “língua” (probóscide) longa o suficiente para alcançar o néctar escondido na flor dessa planta. O próprio Darwin escreveu em seus relatos que teria sido ridicularizado pela previsão.

De fato, a “Mariposa de Darwin” só foi descoberta 41 anos mais tarde, no começo do século XX, e a nova espécie de mariposa de “língua longa” recebeu o nome de “Xanthopan morgani praedicta”, exatamente por sua existência ter sido predita.

Pelo mesmo princípio, já era esperada a ocorrência de mariposas com línguas muito longas na Serra do Mar de São Paulo, encontradas em uma proporção muito reduzida na pesquisa de Felipe Amorim, capazes de polinizar a “Orquídea Paulistana” (Habenaria paulistana) – presente apenas nessa região do país e que depende de polinizadores especiais em razão do tamanho de seu tubo floral (podendo alcançar até 16 centímetros).

Segundo Amorim, menos de 10% das espécies de esfingídeos coletas em sua área de estudos na Serra do Mar tinham probóscide (“língua”) com medidas superiores a 5 centímetros, insuficientes para alcançar o néctar desse tipo de orquídea.

Publicação
Tese: “A flora esfingófila de uma floresta ombrófila densa montana no sudeste brasileiro e relações mutualísticas com a fauna de Sphingidae”
Autor: Felipe Wanderley Amorim
Orientadora: Marlies Sazima
Unidade: Instituto de Biologia (IB)
Financiamento: Fapesp

Link:

Técnica transforma pequi e leite de babaçu em pó

Jornal da UNICAMP
Campinas, 29 de julho de 2013 a 04 de agosto de 2013 – ANO 2013 – Nº 568

Processo preserva 80% das propriedades nutricionais dos frutos, ricos em antioxidantes

Texto: SILVIO ANUNCIAÇÃO Fotos: Antoninho Perri Edição de Imagens: Diana Melo
A engenheira de alimentos Audirene Amorim Santana, maranhense da região dos Cocais, incomodava-se sempre que via o desperdício de dois frutos típicos da sua terra. Ricos em propriedades nutricionais e com potencial para a prevenção de diversas doenças, o pequi e o babaçu estão incorporados na alimentação cotidiana da população do cerrado brasileiro. Mas, devido à sazonalidade, são consumidos apenas no período de suas frutificações, que variam, em média, de 4 a 5 meses ao ano.

Na Unicamp, Audirene Santana decidiu, então, estudar uma tecnologia para o aproveitamento posterior destes frutos, sem perda relevante de suas propriedades nutricionais. Resultado: ela obteve, em pó, a polpa do pequi e o leite do babaçu com uma média de 80% de suas propriedades nutricionais preservadas. Mantidos em recipientes fechados e em local seco e arejado, os produtos em pó podem ser consumidos por um período de até quatro meses.

“O meu foco é voltar para a minha região e implementar algum mecanismo para que a população local possa utilizar estes produtos o ano inteiro, além de poder desenvolver outros a partir do pequi e do leite do babaçu. Acredito que, se houver uma união da comunidade, governos, entidades e universidades, isso será possível”, planeja a pesquisadora da Unicamp.

Após a realização do processamento, a composição físico-química para a polpa de pequi apresentou valores de 53,33% de umidade, 5,08% de proteínas, 30,66% de lipídeos e 18,37% de fibras, resultados semelhantes aos encontrados na literatura, conforme Audirene Santana. Em relação ao leite do babaçu também houve semelhança com os dados checados na literatura. Os valores são: 78,31% de umidade, 2% de proteínas, 18,97% de lipídeos, 2,61% para açúcares redutores e 3,65% para açúcares totais.

Os resultados obtidos por ela integram tese de doutorado defendida recentemente junto ao Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Engenharia Agrícola (Feagri) da Unicamp. O trabalho foi orientado pelo docente Kil Jin Park, do Departamento de Pré-Processamento de Produtos Agropecuários da Feagri.
A ex-pesquisadora da Unicamp Louise Emy Kurozawa, atualmente professora da Universidade Estadual de Londrina (UEL), coorientou a tese. Houve financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e colaboração de pesquisadores e técnicos das faculdades de Engenharia Química (FEQ) e de Alimentos (FEA) da Unicamp, e do Instituto de Tecnologia de Alimentos de Campinas (Ital).

A engenheira de alimentos informa que o pequi e o babaçu possuem ação antioxidante natural, benéfica para a saúde. A partir dos seus frutos podem ser produzidos alimentos capazes de retardar a formação de radicais livres no organismo, responsáveis pelo envelhecimento precoce e doenças degenerativas.

Pequi

Porte médio, casca verde, poupa amarelada e caroço com espinhos, o pequi é rico em óleos, proteínas, fibras, minerais (zinco, cobre e fósforo) e carotenoides. O fruto é também considerado fonte potencial de vitamina A, essencial para a garantia de funções básicas ao organismo, como visão, desenvolvimento ósseo e do tecido epitelial, além de benefícios aos processos imunológicos e reprodutivos.

“Na região do cerrado, a poupa do fruto do pequizeiro é muito empregada na elaboração de diferentes pratos, como arroz, feijão, frango e cuscuz. A amêndoa é utilizada como ingrediente de farofas, doces, paçocas e também consumida salgada como petisco. Aqui em São Paulo, por exemplo, o pequi pode substituir o uso do açafrão”, exemplifica a engenheira de alimentos, que é graduada pela Universidade Federal do Tocantins (UFT).

O óleo é considerado de excelente qualidade, pois sua maior parte é constituída por ácidos graxos insaturados. “Por se tratar de um fruto de fácil produção e com características desejáveis em relação ao sabor e valor nutritivo, o pequi pode representar uma fonte potencial na alimentação e sobrevivência de uma parcela significativa da população”, calcula.

Babaçu

Já o leite de babaçu, descreve Audirene Santana, é muito parecido com o leite de coco produzido industrialmente em todo o país. O leite do fruto, também conhecido como coco de macaco, é feito de forma artesanal, principalmente no Nordeste. É usado na culinária como aromatizante em bebidas e sorvetes. “O fruto possui, no entanto, um grande potencial inexplorado na alimentação devido ao seu sabor agradável e valor nutricional”, considera.

O fruto babaçu é produzido por palmeiras em cachos pêndulos. Possui formato oval e também pode ser empregado na produção de biodiesel. É rico em óleo e fibras. Seu principal nutriente é o ácido láurico, substância com propriedades antimicrobianas e anti-inflamatórias. A amêndoa é muito cultivada no Maranhão, Piauí e Tocantins. De acordo com levantamentos citados na tese, a região do Nordeste possui uma área de cerca de 18 milhões de hectares plantados com babaçu. Mensalmente, são extraídas em torno de 140 mil toneladas de amêndoas destes babaçuais, atividade que gera mais de 300 mil empregos.

Secagem por aspersão

A polpa do pequi e o leite do babaçu em pó foram obtidos por meio do processo de secagem por aspersão. Este tipo de processo, também conhecido como fluidização, nebulização ou spray drying, transforma um determinado produto em estado fluido para estado sólido, em forma de pó.

O uso industrial desta tecnologia disseminou-se a partir do século 20, principalmente na área alimentícia, farmacêutica e química para a produção de leite em pó, ovos, sucos, sopas, café instantâneo, medicamentos e sabão. “As vantagens deste tipo de secagem são o baixo custo operacional, facilidade no manuseio, preservação das propriedades e qualidade naturais, e a conservação dos produtos por longos períodos”, elenca a engenheira de alimentos.

Microencapsulantes

Para manter o máximo das qualidades nutricionais presentes nos dois frutos, a pesquisadora da Unicamp utilizou carboidratos como microencapsulantes. O objetivo foi fixar a molécula dos frutos no pó. Audirene Santana explica que foram usados três agentes encapsulantes: goma arábica, maltodextrina e dextrina.

“Os encapsulantes, no caso a goma arábica, a maltodextrina e o amido dextrina, vão ajudar a manter as moléculas do pequi e do leite do babaçu, garantindo, assim, as características nutricionais. Após a secagem por aspersão, nós fazemos este processo de microencapsulação, resultando no pó, tanto do pequi como do leite do babaçu”, salienta.

Publicações

SANTANA, A. A., FUGITA, G. K., KUROZAWA, L. E., OLIVEIRA, R. A., PARK, K. J. Babassu coconut milk microencapsulated by spray drying In: International conference of Agricultural Engineering, 2012, Valencia-Espanha. CIGR-Ageng 2012.

SANTANA, A. A., FUGITA, G. K., KUROZAWA, L. E., OLIVEIRA, R. A., PARK, K. J. Microencapsulation of pequi pulp by spray drying In: 18 th International Drying Symposium, 2012, Xiamen, China. IDS 2012.

SANTANA, A. A., KUROZAWA, L. E., OLIVEIRA, R. A., PARK, K. J. Development of babassu coconut milk powder using dextrin as microencapsulating agent In: 16 th World Congress of Food Science and Technology, 2012, Foz do Iguaçu - PR. IUFOST 2012.

SANTANA, A. A., OLIVEIRA, D. C. R., KUROZAWA, L. E., OLIVEIRA, R. A., PARK, K. J. Influência das variáveis do secador e da concentração de goma arábica sobre as propriedades físico-químicas do pó de leite de coco babaçu In: XXIII Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, 2012, Campinas-SP. CBCTA 2012.


SANTANA, A. A., CHU, P. P. L., KUROZAWA, L. E., OLIVEIRA, R. A., PARK, K. J.Secagem por atomização de polpa de pequi: Influência das variáveis do secador sobre o produto em pó In: XXIII Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, 2012, Campinas-SP. CBCTA 2012.

SANTANA, A. A., KUROZAWA, L. E., OLIVEIRA, R. A., PARK, K. J. Influence of process conditions on the physicochemical properties of pequi powder produced by spray drying. Drying Technology, v. 31, p. 825-836, 2013.

Tese: “Obtenção da polpa de pequi e do leite de coco babaçu microencapsulados através de secagem por aspersão”
Autora: Audirene Amorim Santana
Orientador: Kil Jin Park
Coorientadora: Louise Emy Kurozawa
Unidade: Faculdade de Engenharia Agrícola (Feagri)
Financiamento: Fapesp

Link:

As potencialidades do ginseng brasileiro

Jornal da UNICAMP
Campinas, 04 de agosto de 2013 a 10 de agosto de 2013 – ANO 2013 – Nº 569

Pesquisa da FEA investiga o uso de compostos da planta pelas indústrias alimentícia,
farmacêutica, cosmética e petroquímica

Texto: MANUEL ALVES FILHO Fotos:  Antoninho Perri Edição de Imagens: Diana Melo
Pesquisa desenvolvida para a dissertação de mestrado da engenheira de alimentos Renata Vardanega resultou no depósito de pedido de patente de um processo de obtenção de um extrato a partir de raízes de ginseng brasileiro (Pfaffia glomerata). O extrato contém saponinas, compostos que são do interesse das indústrias alimentícia, farmacêutica, cosmética e petroquímica, visto que apresentam atividades surfactantes e medicinais. O trabalho foi defendido recentemente na Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) da Unicamp, sob a orientação da professora Maria Angela Almeida Meireles.

O método empregado para a obtenção do extrato, explica a autora do estudo, é mais simples e rápido que os processos convencionais, além de apresentar rendimentos muito superiores aos destes. “Nós utilizamos solventes considerados seguros e em menor quantidade. Além disso, obtivemos rendimentos bem superiores aos dos métodos já conhecidos. Conseguimos extrair cerca de 60% de extrato bruto em relação à matéria-prima. Outros processos alcançam um rendimento que varia de 2% a 40%”, compara Renata.

Em relação ao composto de interesse medicinal, a beta-ecdisona, a engenheira de alimentos conseguiu recuperar até 14%, enquanto outros processos de extração atingem um percentual de no máximo 5%. “Já quanto à atividade surfactante, chegamos a um índice de emulsificação de até 58%, cujo valor é similar ao surfactante sintético Dodecil sulfato de sódio (SDS), um dos mais utilizados atualmente, contra os 20% obtidos para extratos contendo saponinas provenientes de outras plantas”, confronta. Uma das novidades da técnica empregada foi o uso do ultrassom, que contribuiu para ampliar as taxas de recuperação dos compostos.

A utilização do ultrassom para essa finalidade, conforme a autora da dissertação, já era conhecida, mas o equipamento ainda não tinha sido aplicado para obtenção de extratos de ginseng brasileiro, somente para outras plantas. “Ou seja, nós tivemos que começar do zero, pois não sabíamos se a técnica poderia nos proporcionar bons resultados”, comenta Renata. Ela conta que decidiu pesquisar as propriedades do ginseng porque na literatura já havia a descrição de que a planta, que é nativa do país, contém saponinas.

O primeiro interesse da pesquisadora foi explorar as atividades surfactantes desses compostos para possível aplicação na indústria alimentícia. Dito de modo simplificado, o surfactante é uma substância que possibilita a interação entre compostos imiscíveis para a formação de emulsões, como a mistura entre água e óleo. “Nosso grupo da FEA é o primeiro no país a desenvolver esse tipo de estudo com o ginseng brasileiro. Nesse caso, nós extraímos o extrato da raiz da planta. Entretanto, pretendemos desenvolver novas pesquisas para explorar a planta integralmente, das raízes às partes aéreas”, adianta Renata. “As partes aéreas geralmente são abandonadas no campo quando a colheita é feita, porém poderiam ser utilizadas para algum fim”, acrescenta Diego Tresinari dos Santos, coinventor e coorientador da dissertação de mestrado.

O extrato obtido, reforça Renata, possui tanto saponinas que apresentam atividades surfactantes quanto medicinais. Entre as próximas providências a serem tomadas, segundo ela, estão a separação e a consequente caracterização desses compostos. “Precisamos conhecer melhor as propriedades destes compostos para saber a quais necessidades dos segmentos alimentício, farmacêutico, cosmético e petroquímico eles se adaptam melhor”, esclarece.

Parte dessas tarefas já está sendo cumprida pela própria engenheira de alimentos, que agora cursa o doutorado na FEA. Outras questões, como a viabilidade econômica do processo, o aproveitamento dos resíduos gerados pela extração dos compostos para diferentes fins e a avaliação do potencial de aplicação dos extratos obtidos, estão sendo alvo de estudos de outros pesquisadores que integram o Laboratório de Tecnologia Supercrítica: Extração, Fracionamento e Identificação de Extratos Vegetais (LASEFI), coordenado pela professora Maria Angela Almeida Meireles. O objetivo é o aproveitamento integral do ginseng, utilizando processos sustentáveis, de modo a fechar uma cadeia.

No caso dos resíduos das extrações, os pesquisadores pretendem utilizá-los como fontes de energia. “Nós fizemos testes preliminares e constatamos que isso é viável energeticamente devido ao seu alto poder calorífico. Adicionalmente, também foi avaliado um cenário em que segmentos das partes aéreas eram utilizados para o mesmo fim, similarmente ao que algumas usinas de açúcar e álcool começam a fazer, no Brasil, com a palha da cana-de-açúcar deixada no campo. Em ambas as situações, toda a quantidade necessária de eletricidade e vapor para a produção dos extratos, via métodos desenvolvidos no LASEFI, seria suprida pela combustão de tais biomassas”, detalha Diego.

“No entanto, precisamos avançar mais nos estudos para verificar a viabilidade econômica dessa rota. O que se vislumbra no momento é submeter os resíduos a altas temperaturas, de forma a quebrar as moléculas e obter açúcares que podem ser destinados à fermentação do etanol, por exemplo. Esta rota resultaria em produtos de valor agregado maior que a anterior, tendo-se coprodução de extrato com propriedades medicinais e surfactantes e etanol, criando-se, assim, a biorrefinaria do ginseng Brasileiro”, diz Renata. “Com o resíduo sólido da etapa de hidrólise ainda poderiam ser produzidos nanocristais de celulose, que podem ser utilizados como material de reforço em matrizes poliméricas, e por fim energia a partir do resíduo sólido gerado a partir deste último processamento”, complementa Diego.

Na opinião da autora da dissertação, embora o processo de extração desenvolvido experimentalmente ainda dependa de alguns aperfeiçoamentos, ele tem condições de ganhar escala e ser transferido para a iniciativa privada. “O método é relativamente simples. Isso sem falar que ele apresenta rendimentos significativamente maiores que as técnicas convencionais. Nossa expectativa é de que, em breve, ele possa fazer parte das etapas de produção da indústria”, antevê Renata, que destacou a importância do trabalho realizado pela Agência de Inovação Inova Unicamp no esforço para a proteção intelectual do trabalho.

“A Inova tem uma atuação muito importante, pois ela contribui para que nossas pesquisas sejam transformadas em processos e produtos de importância para o país e a sua população”, considera a autora do trabalho, que contou com bolsa concedida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Já o projeto no qual o trabalho dela está inserido tem financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).
Publicações

Patente: Processo de Obtenção de um Extrato a Partir de Pfaffia glomerata. 2013, Brasil. Patente: Privilégio de Inovação. Número do registro: BR1020130128961, data de depósito: 24/05/2013, título: “Processo de Obtenção de um Extrato a Partir de Pfaffia glomerata”, Instituição de registro: INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial.

Tese: “Obtenção de saponinas de raízes de ginseng brasileiro (Pfaffia glomerata) por extração dinâmica a baixa pressão assistida por ultrassom”
Autora: Renata Vardanega
Orientadora: Maria Angela de Almeida Meireles
Coorientador: Diego Tresinari dos Santos
Unidade: Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA)
Financiamento: Capes e Fapesp

Link:

Chocolate May Help Keep Brain Healthy

Aug. 7, 2013 — Drinking two cups of hot chocolate a day may help older people keep their brains healthy and their thinking skills sharp, according to a study published in the August 7, 2013, online issue of Neurology®, the medical journal of the American Academy of Neurology.

The study involved 60 people with an average age of 73 who did not have dementia. The participants drank two cups of hot cocoa per day for 30 days and did not consume any other chocolate during the study. They were given tests of memory and thinking skills. They also had ultrasounds tests to measure the amount of blood flow to the brain during the tests.

"We're learning more about blood flow in the brain and its effect on thinking skills," said study author Farzaneh A. Sorond, MD, PhD, of Harvard Medical School in Boston and a member of the American Academy of Neurology. "As different areas of the brain need more energy to complete their tasks, they also need greater blood flow. This relationship, called neurovascular coupling, may play an important role in diseases such as Alzheimer's."

Of the 60 participants, 18 had impaired blood flow at the start of the study. Those people had an 8.3-percent improvement in the blood flow to the working areas of the brain by the end of the study, while there was no improvement for those who started out with regular blood flow.

The people with impaired blood flow also improved their times on a test of working memory, with scores dropping from 167 seconds at the beginning of the study to 116 seconds at the end. There was no change in times for people with regular blood flow. A total of 24 of the participants also had MRI scans of the brain to look for tiny areas of brain damage. The scans found that people with impaired blood flow were also more likely to have these areas of brain damage.

Half of the study participants received hot cocoa that was rich in the antioxidant flavanol, while the other half received flavanol-poor hot cocoa. There were no differences between the two groups in the results.

"More work is needed to prove a link between cocoa, blood flow problems and cognitive decline," said Paul B. Rosenberg, MD, of Johns Hopkins School of Medicine in Baltimore, who wrote an editorial accompanying the study. "But this is an important first step that could guide future studies."

The study was supported by the National Institute on Aging and the National Heart, Lung, and Blood Institute. The cocoa was provided by Mars Inc.

Journal Reference:
F. A. Sorond, S. Hurwitz, D. H. Salat, D. N. Greve, N. D. L. Fisher. Neurovascular coupling, cerebral white matter integrity, and response to cocoa in older people.Neurology, 2013; DOI: 10.1212/WNL.0b013e3182a351aa

Link:

Cesareans Weaken Gut Microbiota and Increase Risk of Allergies

Aug. 8, 2013 — Children who came into the world by Caesarean section are more often affected by allergies than those born in the natural way. The reason for this may be that they have a less diverse gut microbiota, according to a study by universities in Sweden and Scotland.

The researchers have followed gut macrobiota development in 24 children up to the age of two in the Swedish provinces of Östergötland and Småland, nine delivered through Caesarean and 15 delivered naturally, through vaginal birth. They used a type of molecular biology analysis, which gives a broad overview of the varieties of bacteria present in the intestines.

The results are presented in the scientific journal Gut, with Anders Andersson of the KTH Royal Institute of Technology and Science for Life Laboratory as the senior author. Other researchers in the study come from Linköping University, Karolinska Institutet (KI), Örebro University and the University of Glasgow, Scotland.

Full story:

HSCI researchers extend human epigenomic map

Meissner group boost NIH-funded effort


Ten years ago, scientists announced the end of the Human Genome Project, the international attempt to learn which combination of four nucleotides—adenine, thymine, cytosine, and guanine—is unique to homo sapien DNA. This biological alphabet helped researchers identify the approximately 25,000 genes coded in the human genome, but as time went on, questions arose about how all of these genes are controlled.

Now, Harvard Stem Cell Institute Principal Faculty member Alexander Meissner, PhD, reports another milestone, this time contributing to the multilayered NIH-funded human Roadmap Epigenomics Project. Epigenetics is the study of how the over 200 human cell types (e.g., muscle cells, nerve cells, liver cells, etc.) can have an identical compliment of genes but express them differently. Part of the answer lies in the way that DNA is packaged, with tight areas silencing genes and open areas allowing for genes to be translated into proteins. Stem cells differentiate into various cell types by marking specific genes that will be open and closed after division.

New research by Meissner, published online as a letter in the journal Nature, describes the dynamics of DNA methylation across a wide range of human cell types. Chemically, these marks are the addition of a methyl group—one carbon atom surrounded by three hydrogen atoms (CH3)—anywhere a cytosine nucleotide sits next to a guanine nucleotide in the DNA sequence.

Meissner's team, led by graduate student Michael Ziller, at Harvard's Department of Stem Cell and Regenerative Biology mapped nearly all of the 28-million cytosine-guanine pairings among the 3-billion nucleotides that make up human DNA, and then wanted to know which of these 28 million are dynamic or static across all the cell types.

"When we asked, how many of them are changing, the answer was a very small fraction," said Meissner. The researchers found that eighty percent of the 28-million cytosine-guanine pairs are largely unchanged and might not participate in the regulation of the cell types, while the dynamic ones sit at sites that are relevant for gene expression—in particular distal regulatory sites such as enhancers. "Importantly this allows us to improve our current approaches of mapping this important mark through more targeted strategies that still capture most of the dynamics," Meissner said.

The methylation map generated by the Meissner lab is part of a larger National Institutes of Health (NIH) consortium to look at all of the different epigenetic modification that are found across a large number of human cell and tissue types. Earlier this year, the Meissner's lab recorded all of the gene expression and multi-layered epigenetic dynamics that take place in early stem cell differentiation when they prepare to divide into their next fated cell type.

In addition to his roles at Harvard, Meissner is affiliated with the Broad Institute and the New York Stem Cell Foundation. Only a graduate student in 2007, he has quickly established himself as a leader in the epigenetics field. "It just happens to be that we're at the right time and at the right place, both physically and sort of in time, " he said. "Just five years ago, we would have had the same question, but we wouldn't have had the same tools to answer the question."

The research was funded by the National Institutes of Health and the New York Stem Cell Foundation.

Data:08.08.2013