sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Capuchinha em Assis, São Paulo

No Brasil, em regiões de clima mais ameno, a capuchinha (Tropaeolum majus) ocorre espontaneamente. Basta uma planta ser introduzida no local, para que ela se propague por conta própria e se espalhe a ponto de ser considerada indesejável. No Rio Grande do Sul, Santa Catarina e boa parte do Paraná, ocorre em terrenos baldios, e se desenvolve sem precisar de irrigação ou de adubação.

Se a região for de clima mais quente, como é no município de Assis, ela é cultivada nos quintais ou nos jardins. Nestes locais, principalmente no verão, caso não esteja em local sombreado e se não for irrigada quando o solo estiver seco, ela tende a sumir. Além do calor, sofrerá com ataque de lagartas.

Portanto, dependendo do lugar, ela pode ser considerada uma espécie invasora ou uma planta ornamental. 

Atualmente, seu uso na culinária já está bem disseminado. É utilizada em saladas por meio de suas flores e folhas, e também como condimento, principalmente com suas folhas, flores e frutos na forma de conservas.

Na salada, além de enfeitá-la, o sabor de sua flores e folhas, que lembra rúcula ou agrião, se destaca. As folhas envolvendo ricota temperada também ficam saborosas.

Nas fotos, ideias de aproveitar cochos (Foto 1) para o plantio das capuchinhas e uma colocá-las nas saladas (Foto 2).
Foto 1. Capuchinhas plantadas em cochos.
Foto 2. Salada com flores de capuchinha.

Angelise Lima
Marcos Roberto Furlan

Angelise Lima

La capuchina: Tropaeolum majus (

Minhocultura: produção de húmus

Mais uma publicação da coleção "ABC da Agricultura Familiar" para você baixar.


A dietary sugar that may prevent melanoma from metastasizing identified

Date: December 8, 2015

Source: Sanford Burnham Prebys Medical Discovery Institute

A rare sugar found in seaweed, mushrooms, seeds and other foods may be able to help treat skin cancer, new research shows. The sugar, called L-fucose, has previously been linked to a number of pathological conditions including inflammation and certain cancers. The current study is the first to associate L-fucose with melanoma, the most dangerous form of skin cancer.

New research from scientists at Sanford Burnham Prebys Medical Discovery Institute (SBP) suggests that a rare sugar found in seaweed, mushrooms, seeds and other foods may be able to help treat skin cancer. The sugar, called L-fucose, has previously been linked to a number of pathological conditions including inflammation and certain cancers. The current study, published in Science Signaling, is the first to associate L-fucose with melanoma, the most dangerous form of skin cancer.

"Our findings offer new, unprecedented detail into the sugar's role in cancer," said Ze'ev Ronai, Ph.D., senior author and scientific director of SBP's La Jolla campus. "We found that by tampering with L-fucose metabolism, we could inhibit melanoma tumor metastasis. Not only were the tumors affected but also their microenvironment -- the cells surrounding the tumor that play a critical role in sustaining the cancer -- making the discovery even more impactful."

Sugars, such as glucose and sucrose, come from many different sources and are used by the body in unique ways. Some sugars, including L-fucose, provide crucial tags on cell-surface proteins that signal inflammation and help direct cell migration. Previous research has shown that changes in the amount of L-fucose on cells are associated with breast and stomach cancers.

The study started with a broader investigation of activating transcription factor 2 (ATF2), a protein that controls the expression of many other proteins and that has been implicated in the development of melanoma and other cancers. Ronai's group has been studying ATF2 for more than 20 years.

"To our surprise, one of the genes found to be regulated by ATF2 was fucokinase (FUK), which controls the ability of cells to process the dietary sugar, L-fucose, into a form that is useable for the modification (fucosylation) of proteins, many of which are on the cell surface, said Ronai." "In human samples, we found reduced fucosylation in metastatic melanomas and a better prognosis for primary melanomas with increased fucosylation. We suspect that the absence of L-fucose on melanoma cells makes them less sticky and more mobile in the body, making them more likely to metastasize," Ronai explained.

Importantly, in mice with melanoma, the researchers were able to increase fucosylation either by adding the sugar to their drinking water or by genetic manipulation. Both methods inhibited the growth and metastasis of the tumors.

"Many patients develop resistance to current melanoma drugs. If we can add something like L-fucose to enhance these therapies, that's very exciting, and it's something we're actively looking into," said lead author Eric Lau, Ph.D., who is extending studies on the role of L-fucose in melanoma at the H. Lee Moffitt Cancer Center in Tampa, Florida,

"The dietary result was especially gratifying, because it suggests that modifying fucosylation could be achieved by the simple addition of L-fucose to drinking water.

"Our results further suggest that the addition of dietary sugar may help fight melanoma by boosting numbers of helpful immune cells. We are continuing our exploration of how fucosylation and other sugar coatings affect the immune system and impact cancer," added Ronai.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Sanford Burnham Prebys Medical Discovery Institute. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
E. Lau, Y. Feng, G. Claps, M. N. Fukuda, A. Perlina, D. Donn, L. Jilaveanu, H. Kluger, H. H. Freeze, Z. A. Ronai. The transcription factor ATF2 promotes melanoma metastasis by suppressing protein fucosylation. Science Signaling, 2015; 8 (406): ra124 DOI:10.1126/scisignal.aac6479

Cite This Page:
Sanford Burnham Prebys Medical Discovery Institute. "A dietary sugar that may prevent melanoma from metastasizing identified." ScienceDaily. ScienceDaily, 8 December 2015. <>.

New method allows scientists to screen natural products for antibiotics

Date: December 9, 2015

Source: University of California - San Diego

Biologists have found that a method they developed to identify and characterize new antibiotics can be employed to screen natural products quickly for compounds capable of controlling antibiotic resistant bacteria.

Biologists at UC San Diego have found that a method they developed to identify and characterize new antibiotics can be employed to screen natural products quickly for compounds capable of controlling antibiotic resistant bacteria.

The researchers, who published their findings in this week's edition of theJournal of Antibiotics, say their latest discovery could permit chemists and others to understand how mixtures of potential antibiotics from microorganisms work without first purifying them. It builds on their development two years ago of a new way to rapidly identify new compounds capable of killing bacteria.

"Our initial discovery allowed us to perform the equivalent of an autopsy on bacterial cells and is changing the way industry searches for new antibiotics from collections of pure chemicals," said Kit Pogliano, a professor of biology at UC San Diego who headed the research team. "But we didn't know if it would work for identifying antibiotics found in natural product extracts, which are very complex mixtures frequently filled with multiple types of antibiotics."

"We've now shown that our method is a powerful way to identify antibiotics from natural products and understand how they work before they are ever purified," she added, "potentially shaving years off of screening efforts by identifying which organisms and growth conditions produce interesting bioactive molecules."

Most of the world's clinically useful antibiotics are derived from molecules referred to as natural products because they are naturally produced by microorganisms. This includes penicillin and streptomycin, the first two antibiotics widely used clinically beginning in the 1940's. As pathogens evolved resistance to penicillin and streptomycin, new natural product antibiotics were needed.

During the 1950's and 1960's, a large number of antibiotics were discovered. But after 75 years of intensively screening microbes for antibiotics, scientists appear to have harvested all of the easy to find antibiotics. Attempts to find antibiotics from natural products now often result on the repeated isolation of one of the hundreds of molecules that have been already discovered.

Further frustrating the effort is that traditional approaches for isolating natural product antibiotics require molecules that have killing activity to be purified before performing extensive experiments to determine how they work, said Joe Pogliano, a professor of biology at UC San Diego and a co-author on the study.

"This is a very slow, labor intensive process that typically requires many months of effort, and frequently ends with discovering that the molecule does not have a new or interesting mechanism of action," he added. "Our method solves this problem by providing a new way to find a unique needle in a haystack of needles. Before any of the time-intensive work has been started, we can determine which samples have an activity that is new or interesting."

"This method is a powerful tool for identifying new compounds from sources of natural products that kill bacteria and for determining how they work," noted Kit Pogliano. "Some bacteria have evolved resistance to every known class of antibiotic and, when these multi-drug resistant bacteria cause an infection, they are nearly impossible to treat. There is an urgent need for new antibiotics capable of treating infections caused by antibiotic resistant bacteria."

Antibiotic resistance is increasing at an alarming rate. The Review on Antimicrobial Resistance, a publication established to produce an analysis of the global problems of antimicrobial resistance, recently predicted that by 2050, the worldwide toll from drug resistant bacterial infections could reach 10 million deaths per year, more than cancer (8.2 million) and diabetes (1.5 million) combined.

"New molecules capable of killing drug resistant pathogens by new mechanisms are desperately needed," said Joe Pogliano.

According to the Centers for Disease Control and Prevention, antibiotic-resistant strains of Carbapenem-Resistant Enterobacteriaceae, or CRE, were found to cause infections in patients in nearly 200 hospitals in the United States alone.

"Since these bacteria are resistant to all antibiotics, close to one-half of patients die from these infections," said Joe Pogliano. "Recent work shows that bacteria resistant to colistin, a last line of defense, are common in farm animals in China. The gene for colistin resistance can be easily spread to other bacteria, making it likely that colistin resistance will become widespread in the future."

Over the last 25 years, the number of new antibiotics entering the clinic has drastically declined. At the same time, bacteria have continued to evolve resistance to all of the currently available drugs, creating the current critical situation. One of the main problems in identifying new antibiotics and bringing them to market is a lack of understanding how the molecules work.

"It's easy to identify microbes that produce antibiotics that kill bacteria," explained Kit Pogliano. "The difficult part is determining which microbes produce a new molecule with a new activity. With our new method, we can determine which strain is producing an interesting activity and then follow that specific activity during purification to make sure we purify the right molecule. This new approach will help to open up the discovery pipeline, allowing more potential antibiotic producing strains to be rapidly screened for antibiotics that are active against multidrug resistant bacterial pathogens."

The UC San Diego biologists say their new method promises to revolutionize how natural product antibiotic discovery teams guide their studies. With traditional methods, understanding how an antibiotic works requires purified or at least partially purified molecules.

"Our new method represents the first time that the mechanism by which one microbial strain kills another can be determined without purifying the molecules involved," said Poochit Nonejuie, a postdoctoral fellow in biology who is also a co-author of the paper.

Pogliano said her research team, which also included Pieter Dorrestein, a professor of pharmacology at UC San Diego, will be continuing to search for antibiotics.

"We are now using this method to look for new antibiotics from unique collections of microbes to find those that are active against antibiotic resistant bacteria," she said.

This technology is being commercialized by Linnaeus Bioscience Inc., which allows the pharmaceutical industry access to the method.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by University of California - San Diego. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Poochit Nonejuie, Rachelle M Trial, Gerald L Newton, Anne Lamsa, Varahenage Ranmali Perera, Julieta Aguilar, Wei-Ting Liu, Pieter C Dorrestein, Joe Pogliano, Kit Pogliano. Application of bacterial cytological profiling to crude natural product extracts reveals the antibacterial arsenal of Bacillus subtilis. The Journal of Antibiotics, 2015; DOI: 10.1038/ja.2015.116

Cite This Page:
University of California - San Diego. "New method allows scientists to screen natural products for antibiotics." ScienceDaily. ScienceDaily, 9 December 2015. <>.

Pesticide found in milk decades ago may be associated with signs of Parkinson’s

Date: December 9, 2015

Source: American Academy of Neurology (AAN)

A pesticide used prior to the early 1980s and found in milk at that time may be associated with signs of Parkinson's disease in the brain, according to a new study.
A new study found that nonsmokers who drank more than two cups of milk per day had 40 percent fewer brain cells in a certain area of the brain than people who drank less than two cups of milk per day.
Credit: © volff / Fotolia

A pesticide used prior to the early 1980s and found in milk at that time may be associated with signs of Parkinson's disease in the brain, according to a study published in the December 9, 2015, online issue of Neurology®, the medical journal of the American Academy of Neurology.

"The link between dairy products and Parkinson's disease has been found in other studies," said study author R. D. Abbott, PhD, with the Shiga University of Medical Science in Otsu, Japan. "Our study looked specifically at milk and the signs of Parkinson's in the brain."

For the study, 449 Japanese-American men with an average age of 54 who participated in the Honolulu-Asia Aging Study were followed for more than 30 years and until death, after which autopsies were performed. Tests looked at whether participants had lost brain cells in the substantia nigra area of the brain, which occurs in Parkinson's disease and can start decades before any symptoms begin. Researchers also measured in 116 brains the amount of residue of a pesticide called heptachlor epoxide. The pesticide was found at very high levels in the milk supply in the early 1980s in Hawaii, where it was used in the pineapple industry. It was used to kill insects and was removed from use in the US around that time. The pesticide may also be found in well water.

The study found that nonsmokers who drank more than two cups of milk per day had 40 percent fewer brain cells in that area of the brain than people who drank less than two cups of milk per day. For those who were smokers at any point, there was no association between milk intake and loss of brain cells. Previous studies have shown that people who smoke have a lower risk of developing Parkinson's disease.

Residues of heptachlor epoxide were found in 90 percent of people who drank the most milk, compared to 63 percent of those who did not drink any milk. Abbott noted that the researchers do not have evidence that the milk participants drank contained heptachlor epoxide. He also stated that the study does not show that the pesticide or milk intake cause Parkinson's disease; it only shows an association.

"There are several possible explanations for the association, including chance," said Honglei Chen, MD, PhD, with the National Institute of Environmental Health Sciences and a member of the American Academy of Neurology, who wrote a corresponding editorial. "Also, milk consumption was measured only once at the start of the study, and we have to assume that this measurement represented participants' dietary habits over time."

Chen noted that the study is an excellent example of how epidemiological studies can contribute to the search for causes of Parkinson's disease.

This study was supported by the National Institute on Aging, the National Heart, Lung, and Blood Institute, the National Institute of Neurological Disorders and Stroke, the Department of the Army, the Department of Veterans Affairs, and the Kuakini Medical Center.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by American Academy of Neurology (AAN). Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
R. D. Abbott, G. W. Ross, H. Petrovitch, K. H. Masaki, L. J. Launer, J. S. Nelson, L. R. White, C. M. Tanner. Midlife milk consumption and substantia nigra neuron density at death. Neurology, 2015; DOI:10.1212/WNL.0000000000002254

Cite This Page:
American Academy of Neurology (AAN). "Pesticide found in milk decades ago may be associated with signs of Parkinson’s." ScienceDaily. ScienceDaily, 9 December 2015. <>.

Políticas comerciais podem ajudar a alcançar segurança alimentar e nutricional

Fonte: Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York. - Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2015 

Relatório da FAO disse que leis devem ser criadas com o objetivo de desenvolver os países; documento afirma que ampliação das normas tem como meta a eliminação da fome e da desnutrição.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, lançou esta quarta-feira relatório dizendo que "o alinhamento das políticas comerciais e de desenvolvimento agrícola é a melhor forma de se alcançar a segurança alimentar".

O documento cujo título é: "Estado dos Mercados de Commodities Agrícolas" diz que o desafio para os congressistas e especialistas que preparam as leis ampliou.

Fome e Desnutrição

Segundo a FAO, eles devem garantir que a expansão dessas leis "trabalhe em favor e não contra a eliminação da fome, da desnutrição e da insegurança alimentar".

O relatório cita a necessidade de se reduzir a "recente polarização das visões sobre o comércio no setor". Alguns especialistas insistem que o "comércio livre" gera mais disponibilidade e acesso aos alimentos enquanto outros têm uma opinião mais cautelosa.

Eles citam que a recente volatilidade dos preços dos alimentos demonstra a necessidade de uma atenção maior ao comércio, incluindo uma variedade de salvaguardas para os países em desenvolvimento.

O relatório afirma que a situação global mudou muito na última década, com o comércio de comida quase triplicando em volume, em particular de frutas, vegetais, peixes, carne e laticínios.


A América Latina se tornou a região que mais exporta alimentos, superando a América do Norte e dando início a um novo mapa político Sul-Sul de fluxo comercial.

Os acordos regionais proliferaram e, enquanto as importações de commodities estão dispersas, as exportações desses produtos estão concentradas em poucos, como por exemplo, o Brasil com o açúcar e os Estados Unidos com os grãos.

O relatório mostra que "políticas apropriadas geralmente dependem de até quanto os mercados nacionais estão avançados e se comportam de forma competitiva oferecendo aos participantes mecanismos para gestão de risco".


Educação à Mesa - Brava Gente Brasileira

‘Mudança climática afeta mais pobres e famintos’, afirma Graziano da Silva, diretor da FAO

Fonte: ONU BR - Quinta-feira, 10 de Dezembro de 2015 

Durante seu discurso na Conferência do Clima, o brasileiro e diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) instou os líderes presentes a “optarem por mudanças que promovam um mundo mais seguro, justo e inclusivo”.

Em discurso durante a Conferência do Clima em Paris, o diretor-geral da Organização da ONU para Alimentação e Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, afirmou na segunda-feira (30) que os impactos da mudança climática “afetam a todos, mas principalmente as pessoas mais pobres e que sofrem com a fome”, ressaltando que os pequenos produtores e os agricultores estão “na linha de frente”.

O representante da FAO ainda instou os líderes mundiais a serem “corajosos e resilientes” e optarem por mudanças que promovam um “mundo mais seguro, justo e inclusivo”.

“Não haverá paz sem desenvolvimento sustentável e nunca haverá desenvolvimento sustentável enquanto ainda houver pessoas que são deixadas de lados e que sofrem com a pobreza extrema e a fome”, ressaltou Graziano da Silva.

O diretor-geral se dirigiu aos participantes durante reunião de alto nível da conferência sobre resiliência e adaptação às mudanças climáticas, por ocasião do lançamento de uma nova iniciativa do secretário-geral da ONU sobre resiliência: “Antecipar, Absorver, Reformar (A2R, da sigla em inglês). A iniciativa se destina a impulsionar os esforços dos países na redução de risco de desastres.

Reforçar a resiliência antes, durante, e depois das crises

As secas, inundações, tempestades e outros desastres provocados pelas mudanças climáticas vêm aumentando com frequência e gravidade nas últimas três décadas. Um recente estudo da FAO aponta que, nos países em desenvolvimento, 25% do impacto econômico desses desastres afetam principalmente os setores agrícolas, gado, pesca e florestas.

A iniciativa A2R pretende acelerar os esforços para melhorar a resiliência às mudanças climáticas. Segundo Graziano da Silva, a FAO tem trabalhado em conjunto com as outras agências da ONU com sede em Roma – o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) – em uma estratégia comum para aumentar a resiliência atuando antes, durante e depois das crises.

Tal iniciativa já está em funcionamento na Guatemala, Quênia e Níger “com resultados muito promissores”, segundo o representante, e está vinculada ao Enfoque dos 3Rs adotado pela FAO: “Socorro, Recuperação e Resiliência” que a FAO vem adotando com êxito em países como a Filipinas, após o tufão Hayan em 2013, e Vanuatu, após o Ciclone Pam no ano passado.


Oficina pioneira qualifica a produção familiar para o mercado internacional

Fonte: Gabriella Bontempo Ascom/MDA - Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2015 

A maior feira de orgânicos do mundo, a Biofach, está chegando. E, para preparar ainda mais os empreendimentos da agricultura familiar que estarão na Alemanha entre os dias 10 e 13 de fevereiro de 2016, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) realiza até sexta-feira (11), em Brasília, a primeira oficina de capacitação para o evento.

A ideia é que o encontro se transforme em um espaço de conhecimento e troca de experiências, tanto para as oito cooperativas selecionadas como para demais empreendimentos com potencial de exportação. “Sentimos a necessidade de promover uma oficina para os empreendimentos da agricultura familiar que participam da Biofach, com foco em uma melhor preparação para a exposição”, ressaltou a chefe da Assessoria para Assuntos Internacionais e de Promoção Comercial (AIPC/MDA), Cristina Timponi.

Participam do encontro importantes parceiros, como o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o Sebrae e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil). “Eles se juntam a nós nessa iniciativa porque não é a missão principal do MDA a promoção da exportação, para isso nós temos outros órgãos. Nós apoiamos os empreendimentos para que eles possam alcançar também esses mercados”, apontou.

Em 2016, será a 12ª vez que a agricultura familiar brasileira vai marcar presença na Biofach. Na edição passada, os empreendimentos nacionais comercializaram quase US$ 5 milhões. Na época, as dez cooperativas participantes, apoiadas pelo MDA, fizeram 267 contatos comerciais com mais de 20 países.

Entre elas está a Cooperativa Agroindustrial de Produtores de Corumbataí do Sul e Região (Coapracor). Em 2015, eles participaram pela primeira vez da feira levando polpa de acerola orgânica. Na mostra, eles conseguiram parceiros comerciais e já se preparam para exportar 75 toneladas do produto. Agora, eles vão levar mais três frutas: abacaxi, manga e maracujá.

“Esse treinamento para a Biofach veio na hora certa. Estamos com uma grande expectativa e queremos fazer o melhor lá na Alemanha e conseguir novos parceiros comerciais. Nesse espaço estamos com colegas do Brasil todo e essa troca de experiência nos fortalece”, explicou o produtor e gerente da cooperativa, Carlos Alves, 39 anos.

A Agência de Cooperação Técnica da Alemanha (GIZ), também participou do encontro, quando apresentou a perspectiva alemã da Biofach. “A Alemanha está no coração da União Europeia. Dois terços das mais importantes feiras internacionais do mundo ocorrem no país – uma média de 150 eventos por ano. Tudo o que não tem na Europa é muito interessante para o público da feira”, comentou a assessora Annelie Albers.

Além das dicas, os participantes conheceram algumas peculiaridades dos alemães, como a pontualidade, a organização e a importância do contato visual.

Saiba mais

A Biofach 2015 contou com a participação de 2.236 expositores de 126 países. Mais de 100 mil produtos orgânicos foram expostos na feira. Em 2016, o espaço da agricultura familiar terá 85m² e continuará promovendo o Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica – o Brasil Agroecológico – e o Selo da Agricultura Familiar.

Participaram da chamada pública 40 empreendimentos familiares, mas somente oito atenderam perfeitamente aos critérios da Biofach.


How to Reduce the Risk of Sudden Death

What’s Your Gut Microbiome Enterotype?

Gerando energia limpa com alto valor agregado

Por Da Redação -
Publicado em 9/dezembro/2015

Gabriela Vilas Boas, da Assessoria de Imprensa da FFCLRP
Oxidação do glicerol possibilita obtenção da dihidroxiacetona, de alto valor agregado

Crescimento econômico com redução de emissões de gases. Essa parece a melhor solução para a equação que os países em desenvolvimento, como o Brasil, têm que resolver. Principalmente quando toda a sociedade espera ansiosamente por um pacto global que reduza as emissões de gases do efeito estufa que causa do aquecimento do planeta. E as discussões da vigésima primeira Conferência das Parques das Partes da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima, o COP21, realizada em Paris no final de novembro, mostram o tamanho do problema.

Nessa busca por produzir energia a partir de novas fontes renováveis, pesquisadoras do Laboratório de Eletroquímica e Eletrocatálise, do Departamento de Química, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, acabam de descobrir como gerar energia oxidando glicerol e ainda obter um subproduto de alto valor agregado, a dihidroxiacetona.

A técnica utilizada foi a oxidação dos álcoois, reação que quebra as ligações de carbono e as transformam em gás carbônico (CO2) ou carbonato (CO32-). Usando como álcoois o etanol e o glicerol, produziram eletricidade em baterias que podem ser alimentadas constantemente, as chamadas células de combustível (CC). Além disso, verificaram que, da queima do glicerol, resultou como subproduto, a dihidroxiacetona, que é vendida no mercado por R$214,00 o grama, enquanto que pelo glicerol, consegue-se apenas R$0,70.

Informa a pesquisadora responsável pelo trabalho, Lívia Martins da Palma, que atualmente o glicerol – também um subproduto da produção de biodiesel – é usado na indústria de cosméticos. Já a dihidroxiacetona é utilizada na fabricação de bronzeadores artificiais em cremes, loções ou a jato de bronzeamento artificial, nas vinícolas e também, na preservação do sangue em soluções fora do organismo. Como a dihidroxiacetona possui maior valor agregado, a geração de energia com a queima do glicerol pode se tornar mais vantajosa e lucrativa.

Quanto às vantagens para a produção de energia, usando o glicerol, não fica dúvidas. Trata-se de reciclagem de derivado do biodiesel, que não polui o meio ambiente e nem à saúde humana. E, comparando o seu uso em baterias, observa-se que, quando acaba o “combustível” armazenado nas baterias tradicionais, elas devem ser carregadas, ou seja, demanda tempo. Já as células de combustível possuem um tanque acoplado. “Portanto, quando se esgota o ‘combustível’ do tanque, é só reabastecê-lo”, afirma Lívia. Este processo é utilizado em motores estacionários, como geradores. Grandes empresas, como Honda e Toyota, já estão investindo nas células de combustível.

Como produzir energia limpa

Para investigar a oxidação do etanol e glicerol, Lívia empregou ligas de dois metais nobres, a platina e o paládio. Eles são resistentes à corrosão e oxidação, e conseguem acelerar a velocidade da reação química. Os metais foram inseridos num meio alcalino, que contém pH maior que sete, para reduzir custos e, também, aumentar a eficiência, gerando mais energia em menos tempo.

A célula a combustível é feita em duas partes. A primeira, no ânodo, polo condutor de corrente elétrica de um sistema, o combustível é oxidado, gerando elétrons que atravessam o circuito e que podem ser usados para gerar trabalho, como o funcionamento de um motor. Na segunda parte, os elétrons vão para o outro polo, chamado cátodo, onde o oxigênio será reduzido. “A reação de oxigênio é mais rápida em meio alcalino”, afirma a pesquisadora.

Para a obtenção de energia na célula é necessário que o combustível oxide por completo pelo catalisador, porém, isto muitas vezes não ocorre. “Quando a oxidação não se completa, formam-se os produtos intermediários, reduzindo a quantidade de energia obtida”, diz Lívia.

Alto custo ainda impede produção

A maior dificuldade deste processo de obtenção de energia ainda está nos custos, pois o material do ânodo e cátodo baseiam-se em platina, metal nobre muito caro. Outro ponto importante são os modelos de células a combustível que estão entrando no mercado. Estas usam hidrogênio como combustível que, apesar de ser altamente eficiente, ainda é muito caro e sua produção polui o meio ambiente. “Além de ser um gás que requer um tanque grande, é mais complicado na hora do abastecimento”, afirma a pesquisadora, garantindo ser mais fácil quando o combustível é líquido.

No Brasil e no mundo, existem vários grupos pesquisando células a combustível e diminuição de seus custos. No entanto, as pesquisadoras da USP festejam o grande diferencial obtido em seu modelo, o produto dihidroxicetona. “A vantagem é usar um sistema consorciado, onde se gera energia e produz concomitantemente produtos com maior valor a partir de um subproduto do biodiesel. Assim, não teremos desperdício, muito pelo contrário, teremos mais lucro”, afirmam.

A próxima etapa do trabalho é diminuir a quantidade de platina/paládio a ser empregada nos eletrodos para baratear e viabilizar o uso da tecnologia das células a combustível.

Os resultados da química Lívia foram obtidos em sua tese de doutoradoDesenvolvimento de células a combustível de álcoois direta: produção de protótipos de alta potência, defendida em maio deste ano, sob orientação da professora Adalgisa Rodrigues de Andrade, do Departamento de Química, da FFCLRP.

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Mais Informações:


Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global

Por Hérika Dias -
Publicado em 10/dezembro/2015

Com informações do Serviço Técnico de Relações Institucionais, Comunicação, Editoração e Publicações do IEE
Uso eólico priorizado e menos energia suja são melhores alternativas ao aquecimento

A meta internacional de manter o aquecimento global abaixo dos 2ºC pode não ser cumprida se o foco das ações for apenas na implantação de tecnologias de emissões negativas de carbono. Procurar gastar menos energia “suja”, como petróleo, carvão, e priorizar o uso eólico, solar e de biomassa são as melhores alternativas.

O alerta consta do estudo Biophysical and economic limits to negative CO2 emissions, publicado no dia 7 de dezembro, na revista especializada Nature Climate Change.

“As emissões negativas são tecnologias que permitem você remover da atmosfera o gás carbônico e outros gases do efeito estufa que já foram lançados na atmosfera”, explica o professor José Moreira, do Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEE) da USP, coautor do estudo que foi liderado pelo professor Pete Smith, da Universidade de Aberdeen (Reino Unido).

A discussão de formas de conter o aquecimento global é importante, principalmente, neste momento, quando está ocorrendo a Conferência do Clima de Paris (COP 21), na França. De 30 de novembro a 12 de dezembro, lideranças de 196 países do mundo discutem um acordo mundial para conter o aquecimento global abaixo dos 2ºC até ao final do século. Esse limite de 2ºC foi acordado pela primeira vez em Copenhague, em 2009 e, depois, aprovado na Cúpula do Clima em Cancún, em 2010.

Segundo o professor Moreira, a preocupação dos cientistas é de que alguns políticos mundiais estejam “se esforçando pouco” em diminuir as emissões de gás carbônico, principal responsável pelo aumento da temperatura terrestre. “Isso pode ser consequência da crença de alguns dos tomadores de decisão em avaliações científicas de que se poderá usar, no futuro, tecnologias de emissões negativas de gás carbônico para evitar o aquecimento do planeta”.

Por isso, a pesquisa apresentada na Nature Climate Change demonstra os impactos das tecnologias de emissões negativas sobre o uso da terra, emissões de gases de efeito de estufa, uso da água, refletividade da Terra e esgotamento de nutrientes do solo, além dos requisitos de energia e de custos para cada tecnologia.

“A mensagem-chave do nosso estudo é que não devemos contar ainda com estas tecnologias não amplamente comprovadas para salvar nosso futuro. Em vez disso, cortes rápidos e agressivos nas emissões de gases de efeito estufa são necessários agora. A janela de oportunidade está se fechando rapidamente, por isso é imperativo obter um acordo global em Paris este mês para avançar nesse sério problema”, afirma Pete Smith.

O professor da Universidade de Aberdeen disse ainda que as tecnologias de emissões negativas têm limitações significativas e é preciso investir em pesquisa e desenvolvimento para tentar superar essas limitações.

Emissão negativa

Moreira destaca que são poucas as opções de tecnologias de emissões negativas. As abordadas no estudo foram: o florestamento e reflorestamento (plantar mais árvores para absorver gás carbônico), uso de produtos químicos para absorver gás carbônico do ar, aumento da produção de biocombustíveis (com a captura do gás carbônico liberado durante o seu processamento e, em seguida, armazenamento permanente abaixo do solo), trituração de rochas que, naturalmente, absorvem gás carbônico, espalhando-as sobre os solos para que elas removam o gás mais rapidamente.

O estudo aponta que muitas dessas ações podem ser inviáveis em grande escala e geram potenciais impactos ambientais, econômicos e de energia. Moreira dá o exemplo da produção de biocombustível com a captura do gás carbônico liberado durante o seu processamento e armazenamento abaixo do solo. Apesar de ser uma fonte alternativa e renovável para a produção de energia, o seu processo pode causar riscos que ainda não estão totalmente avaliados.

“O bioetanol utilizado no Brasil é um exemplo desse tipo de combustível. Se o bioetanol fosse adotado por todos os países, precisaríamos de uma quantidade enorme de cana-de-açúcar para atender a demanda e com isso deslocaríamos culturas alimentares, deixando de produzir milho, trigo e gerar um problema de não atender as necessidades básicas da população em relação à alimentação”, disse o professor, ele ainda ressalta que mais estudos são necessários para confirmar ou negar esses riscos.

Outra tecnologia de emissão negativa de carbono que possui limitações de uso são os produtos químicos para absorver gás carbônico do ar. “Existe a tecnologia, mas gasta-se muita energia para fazer isso, e se a fonte de energia for petróleo ou carvão, por exemplo, o processo é inútil, pois se tira gás carbônico e lança mais na atmosfera”, conta o professor.

“Nossa recomendação é de que continuem os esforços de mitigação, ou seja, de procurar gastar menos energia que não sejam sujas, do tipo eólica, solar e biomassa (como a cana-de açúcar) as quais agregam pouco gás carbônico na atmosfera, comparado com os combustíveis fósseis, porque não é confiável acreditar, nesse momento, que a ciência pode usar essas emissões negativas em grande escala no futuro”, complementa Moreira.

Efeito estufa

O efeito estufa é um fenômeno natural de aquecimento térmico da Terra, ele é ocasionado pela ação de gases que compõem a atmosfera (gás carbônico, metano, óxido nitroso, entre outros). Eles impedem que parte da energia do sol absorvida pela Terra durante o dia seja emitida de volta para o espaço e, assim, contribuem para a manutenção da temperatura média terrestre.

Entretanto a concentração natural desses gases está aumentando por causa da ação humana, como a queima de combustíveis fósseis — petróleo e carvão, por exemplo — e o desmatamento, que resultam no lançamento de mais gases na atmosfera, como o gás carbônico. O excesso desses gases na atmosfera faz com que parte dos raios solares não consigam voltar para o espaço, provocando uma elevação na temperatura de todo o planeta, o aquecimento global.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) da ONU, que conta com a participação de cientistas e técnicos para avaliar e relatar as variações climáticas e impactos ambientais, desenhou diferentes cenários para o aquecimento da Terra. Se nada for feito e o mundo continuar no caminho atual, poderá haver um aumento médio global da temperatura de 4ºC até ao final deste século.

Devido às emissões de carbono feitas até o momento, a temperatura média global subiu 0,85ºC. De acordo com o IPCC, esse pequeno aumento causou grandes impactos: quase metade das calotas polares do Ártico derreteram, milhões de hectares de árvores no oeste americano morreram devido a pragas relacionadas com o calor e os maiores glaciares no oeste da Antártida — com dezenas de milhões de metros cúbicos de gelo — começaram a se desintegrar.

Foto:Wikimedia Commons

Mais informações: e-mail


Dengue: cuidados quando for viajar

Nações indígenas no Brasil

– 896,9 mil indígenas (Censo 2010)
– 305 etnias indígenas: 250 em terras indígenas, 300 fora delas
– mais de 150 línguas diferentes e uma imensa diversidade entre os povos. Apesar do mapa elencar as principais etnias, neste link do ISA você pode ver um quadro geral dos povos indígenas por informações demográficas e famílias linguisticas: Ainda assim, "no Brasil todo mundo é índio, exceto quem não é" ( – Eduardo Viveiros de Castro. E mais:

"Índio não é uma questão de cocar de pena, urucum e arco e flecha, algo de aparente e evidente nesse sentido estereotipificante, mas sim uma questão de “estado de espírito”. Um modo de ser e não um modo de aparecer. Na verdade, algo mais (ou menos) que um modo de ser: a indianidade designava para nós um certo modo de devir, algo essencialmente invisível mas nem por isso menos eficaz: um movimento infinitesimal incessante de diferenciação, não um estado massivo de “diferença” anteriorizada e estabilizada, isto é, uma identidade. (Um dia seria bom os antropólogos pararem de chamar identidade de diferença e vice-versa.) A nossa luta, portanto, era conceitual : nosso problema era fazer com que o “ainda” do juízo de senso comum “esse pessoal ainda é índio” (ou “não é mais”) não significasse um estado transitório ou uma etapa a ser vencida. A ideia é a de que os índios “ainda” não tinham sido vencidos, nem jamais o seriam. Eles jamais acabar(i)am de ser índios, “ainda que”... Ou justamente porquê. Em suma, a ideia era que “índio” não podia ser visto como uma etapa na marcha ascensional até o invejável estado de “branco” ou “civilizado”.

"Então, em vez de fazer o pobre ficar mais parecido com você, você tem que ajudar o pobre a ficar mais parecido com ele mesmo. O que é o pobre positivado? Não mais transformado em algo parecido comigo, mas transformado em algo que ele sempre foi, mas que impedem ele de ser ao torná-lo pobre. O quê? Índio. Temos de ajudá-los a lutar para que eles mesmos definam seu próprio rumo, em vez de nos colocarmos na posição governamental de: “Olha, eu vou tirar vocês da pobreza”. E fazendo o quê? Dando para eles consumo, consumo, consumo" (

Plantas medicinais - aúdio - Riquezas da Caatinga

Participação da agricultora, dona Valdivínia Pereira, da comunidade Boa Sorte, município de Rio do Antônio. Este programa apresenta o conhecimento e sabedoria dos povos do Semiárido com a cultura de uso medicinal da flora dos biomas locais. Milenarmente, a medicina popular da região é pautada pelo uso de plantas curativas, que algumas vezes podem ser cultivadas em quintais. A edição aborda a tradição, cultivo, uso e importância das plantas, além de destacar os intercâmbios como forma de multiplicação do saber sobre elas.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

El cranberry es eficaz para eliminar la infección o cistitis

Estudo alerta para a presença de malária fora da região amazônica

Por Karina Toledo, da Agência FAPESP

De acordo com um levantamento publicado por pesquisadores brasileiros no Malaria Journal, entre os anos de 2007 e 2014 foram registrados 6.092 casos de malária fora da região amazônica – a única considerada endêmica para a doença no país.

Segundo os autores, apenas 19% de todos os casos fora da Amazônia são diagnosticados e tratados em até 48 horas após o início dos sintomas – enquanto na região amazônica esse índice salta para 60%.

“Isso pode explicar a alta proporção de casos severos de malária e a maior taxa de mortalidade em regiões não endêmicas”, dizem os pesquisadores no artigo.

O levantamento foi feito com apoio da FAPESP durante o doutorado de Camila Lorenz e de Flávia Virginio, orientandas de Lincoln Suesdek no Instituto Butantan. Contou ainda com a participação do pesquisador Breno Aguiar e foi coordenado por Francisco Chiaravalloti-Neto, ambos da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).

O grupo se baseou nos dados registrados pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) e pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) – ambos do Ministério da Saúde. Esses bancos de dados trazem informações como sexo e idade do paciente, local em que foi registrada a notificação e também os locais em que o paciente esteve no suposto período da contaminação.

“Esse estudo mostra que, embora a maioria dos casos de malária ocorra na região da Amazônia legal, a região extra-amazônica também merece atenção dos profissionais de saúde, pois abriga 87% da população brasileira e também as condições para a transmissão da doença: há presença do vetor (mosquitos do gênero Anopheles), do agente etiológico (parasitas do gêneroPlasmodium) e do hospedeiro (humanos)”, comentou Virginio em entrevista à Agência FAPESP.

Segundo a aluna de Doutorado, muitas vezes os sintomas clínicos da doença não são suficientes para estabelecer um diagnóstico e podem ser confundidos com dengue ou outras doenças virais. Há, portanto, necessidade de se realizar exames parasitológicos para confirmar. “Confundir doenças é perigoso, pois os tratamentos são muito diferentes”, comentou.

Na avaliação de Virginio, profissionais de saúde de todos os estados brasileiros devem estar alertas para o histórico dos pacientes e atentos aos locais visitados recentemente.

“É necessária maior atenção tanto do ponto de vista da assistência, ou seja, ter médicos aptos a diagnosticar e tratar a doença, como do ponto de vista da vigilância epidemiológica. Os olhares estão todos voltados para a Amazônia, onde se concentram 99% dos casos, mas, se a vigilância for esquecida no restante do país, o problema pode voltar em locais onde já foi superado”, disse Virginio.

A demora para diagnosticar e tratar a doença, explicou a pesquisadora, cria condições para que o mosquito se contamine com o parasita ao picar o paciente infectado e transmita para outros habitantes locais. Especialistas estimam que um único doente sem tratamento pode, em uma semana, dar origem a até 50 novos casos, dependendo da região.

“É importante salientar que a região extra-amazônica abriga várias espécies de mosquitos com potencial para transmitir malária. Com as mudanças na paisagem e no clima do país é possível que espécies antes inofensivas passem a transmitir o Plasmodium, e isso é uma questão de saúde pública que precisa ser investigada”, alertou Lorenz.

Diferenças regionais

Dos mais de 6 mil casos notificados durante o período avaliado, quase 90% são considerados importados, ou seja, o paciente contraiu a doença durante estada na Amazônia ou no exterior – principalmente países da América Latina, África e Índia. Os demais são casos autóctones/introduzidos, isto é, nos quais a transmissão ocorreu localmente.

Embora os casos importados tenham predominado em todos os anos, houve um pico em 2007. Já o pico de casos autóctones ocorreu em 2010. Os estados com maior incidência de casos autóctones foram Espírito Santo, Piauí e Paraná.

“Foi possível notar que o ano de 2014 teve o menor número de casos, tanto autóctones quanto importados. Isso reflete as medidas que a população vem tomando para se proteger da malária, mesmo nas áreas não endêmicas, como: o uso de repelente, telas em portas e janelas e evitar áreas de banho durante o pico de atividade dos mosquitos”, observou Lorenz.

Embora notificações da doença tenham sido registradas em todos os estados brasileiros, em Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Minas Gerais e Rio Grande do Sul houve apenas casos importados.

As infecções por parasitas da espécie Plasmodium vivax predominaram na Região Sul, enquanto no Nordeste e no Sudeste foram mais comuns os casos de infecção pelo Plasmodium falciparum. Já na Região Centro-Oeste, que faz fronteira entre a região da Amazônia Legal e a região extra-amazônica, foi observada dupla infecção.

“Na região extra-amazônica, a malária tornou-se um problema que afeta principalmente subpopulações isoladas com certas características sociais (por exemplo, tipos de habitação) ou que desempenham específicas atividades profissionais. Portanto, a educação adequada dos indivíduos em risco e profissionais de saúde é necessária. Além disso, meios de diagnóstico rápido devem ser implementados nestas regiões para evitar eventos adversos graves ou mortes por malária”, concluem os autores no artigo.

O artigo Spatial and temporal epidemiology of malaria in extra-Amazonian regions of Brazil (doi: 10.1186/s12936-015-0934-6), pode ser lido em

in EcoDebate, 10/12/2015

Função das políticas públicas na conversão dos sistemas convencionais para orgânicos, artigo de Roberto Naime

[EcoDebate] NADAI e MIRANDA (2014) abordam estudo de caso, referente à influência das políticas públicas no desenvolvimento da produção de hortaliças orgânicas da agricultura familiar. É proposto analisar o Projeto Orgânico como instrumento que culmina na expansão do número de produtores contemplados na Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS), e no desenvolvimento de canais de comercialização e de alternativas de processamento e no fomento à organização dos produtores através do cooperativismo.

Os resultados mostram um impactos favoráveis sob o enfoque social, ambiental e econômico, analisando-se sua evolução e ganhos sociais para o município de Campo Grande no Mato Grosso do Sul, segundo NADAI e MIRANDA (2014). Por fim, a análise estratégica aponta as vantagens existentes na produção orgânica como uma alternativa de desenvolvimento da agricultura familiar, que no Brasil teve início com o processo de colonização do país.

Foi estabelecida de forma periférica aos grandes empreendimentos constituíram os diversos ciclos econômicos, e sempre abastecendo a mesa dos brasileiros. No entanto, somente em 24 de julho de 2006 foi reconhecida e especificada através da lei 11.326.

Segundo OLIVEIRA e RIBEIRO (2002), o debate sobre o desenvolvimento local, as especificidades produtivas e geradoras de renda, expressivas na agricultura familiar, têm importância econômica e social e são motivadoras de políticas públicas. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), é uma importante política pública que aborda esta realidade, agregando linhas de crédito e políticas específicas para os agricultores familiares (MATTEI, 2005).

A Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS) é a busca por instrumentos, técnicas e processos acessíveis, e passíveis de serem aplicados em qualquer região. É sob esse conceito que se encontra a tecnologia social PAIS, por ser uma oportunidade para a agricultura familiar, gerando trabalho e renda, e se articulando na demanda de implementar melhorias na produção e no consumo.

Outra política relevante é a Lei 11.947, a qual dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e consolida a vinculação da agricultura familiar com o Plano Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), ao estipular que no mínimo 30% do total dos recursos financeiros repassados pelo Governo Federal aos estados e municípios deverão ser utilizados na aquisição de gêneros alimentícios diretamente da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural ou de suas organizações.

Priorizando-se os assentamentos da reforma agrária, as comunidades tradicionais indígenas e as comunidades quilombolas (BRASIL, 2006).

Importante destacar a relação benéfica entre a agricultura familiar e o meio ambiente, pois é pautada em diversificação da produção e no equilíbrio no uso dos recursos naturais, promovendo assim, a agricultura e o desenvolvimento sustentável (TOMASETTO et al., 2009).

VEIGA (1996) aponta algumas vantagens da agricultura familiar, reafirmando a diversificação da produção, a ênfase no uso de insumos internos, o incremento na preocupação com a durabilidade dos recursos naturais e na qualidade da vida, o trabalho assalariado complementar e a direção do processo produtivo assegurada diretamente pela gestão dos agricultores.

O conceito de agricultura familiar e a discussão sobre as políticas públicas para esta dimensão só entrou em debate recentemente, a partir dos anos 90 (SCHMITZ e MOTA, 2007). A política pública é o conjunto de objetivos, diretrizes e instrumentos de ação de que o Poder Público dispõe para produzir efeitos desejáveis sobre determinados setores e no caso sobre o meio ambiente também (BARBIERI, 1997).

O Projeto de Orgânicos implementado em 2009, teve como objetivo o incentivo à produção de orgânicos em Campo Grande e em Mato Grosso do Sul. As ações previstas no projeto contemplavam desde a capacitação dos técnicos visando à assistência técnica aos produtores, palestras informativas para os produtores, missões técnicas em outros estados, certificação das propriedades, placas de identificação das propriedades, publicidade e a criação e viabilização de uma feira exclusiva de agricultores familiares orgânicos.

Este trabalho pretende analisar o impacto do Projeto de Orgânicos, uma política pública de âmbito municipal, para o desenvolvimento local dos agricultores familiares certificados na produção de orgânicos.

Com esta abordagem foi possível observar a evolução econômica e social, o grau de influência do poder público e o nível de satisfação do produtor. Os produtores com o grau de escolaridade mais elevado, são mais dispostos à inovação. Os produtores do Instituto Nacional de Reforma Agrária (INCRA) ocupam a segundo posição. São produtores que também precisam tornar os seus empreendimentos rurais rentáveis, por terem dívidas anuais a serem quitadas com o PRONAF.

Outro dado que se destaca é o crescimento do número de produtores que passaram a ter maior rendimento do que a média nacional do setor. Antes do projeto se limitava a 9% do total e evoluiu para 40% do total de produtores. Com este comparativo, podemos comprovar que com o Projeto de Orgânicos em Campo Grande, 77% dos produtores da agricultura familiar passaram a ter renda aproximada da média nacional do mesmo segmento, que é de em aproximadamente dois salários-mínimos.

O impacto que o incremento na renda ocasionou nas famílias ainda que não considerando o ganho pelo autoconsumo, é visível em suas residências, com uma variedade maior de eletrodomésticos e reformas na propriedade, com a aquisição de novas ferramentas, implementos e insumos orgânicos; investimentos em automóveis e celulares e até mesmo mudanças pessoais, tais com a melhoria na aparência e na autoestima.

Os resultados mostram um cenário positivo para o projeto quando se avaliou o grau de satisfação dos agricultores. Com 49% registrando a alternativa “satisfeitos”, 40% “muito satisfeitos” e 11% como “parcialmente satisfeitos”. As informações confirmam que a conversão para a agricultura orgânica proporcionou um impacto favorável nas diferentes dimensões da sustentabilidade.

Na medida que os sistemas orgânicos vão se consolidando, existe uma tendência de equilíbrio entre as diferentes dimensões, o que indica que a agricultura orgânica que vem sendo praticada pelos agricultores familiares pode ser considerada como uma referência de sustentabilidade.

Ressalta o papel da política pública aqui apresentada foi extensionista e de comercialização, devido as condições proporcionadas pela Projeto de Orgânicos. As ações extensionistas são a viabilização de técnicos agrícolas, onde agrônomos e médicos veterinários são disponibilizados.

Com a verificação pode-se constatar a relevância do Projeto de Orgânicos, destacando o trabalho efetivo dos técnicos e o fomento aos meios de comercialização dos produtos certificados de orgânicos. Com esse resultado aponta que a eficiência das políticas públicas vai além dos recursos financeiros, focalizam invariavelmente na assistência técnica e na extensão rural.

Analisar políticas públicas voltadas para o crescimento econômico e o desenvolvimento sustentável, torna-se altamente relevante diante do conhecimento acumulado sobre o tema. Esse trabalho aponta a importância destes instrumentos para o desenvolvimento econômico, e sustentável da agricultura familiar, segundo NADAI e MIRANDA (2014).

Desta forma, não se compromete a resiliência dos agroecossistemas, que se tornam mais resistentes ao ataque de pragas, secas, mudanças climáticas e outros fatores de risco.


BARBIERI. J.C. Políticas públicas indutoras de inovações tecnológicas ambientalmente saudáveis nas empresas. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro 31 (2) 135-52. mar./abr. 1997

BRASIL. Lei Nº 11.326, de 24 de julho de 2006. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 25 jul. 2006a, p. 1. Cadernos de Agroecologia – ISSN 2236-7934 – Vol 9, No. 4, Nov 2014

COLLIS, J.; HUSSEY, R.. Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

MATTEI, Lauro. Impactos do Pronaf: análises de indicadores. Brasília: Nead Estudos, 2005

OLIVEIRA, E. R.; RIBEIRO, E. M. Indústria rural, agricultura familiar e desenvolvimento local: o caso da produção de cachaça artesanal em Salinas-Minas Gerais. In: SEMINÁRIO SOBRE A
ECONOMIA MINEIRA, 10. 2002, Anais… Diamantina, MG, 2002.

TOMASETTO, M. Z. C.; LIMA, J. F.; SHIKIDA, P. F. A. Desenvolvimento local e agricultura familiar: o caso da produção de açúcar mascavo em Capanema – Paraná. Interações, Campo Grande, v. 10, n. 1, p. 21-30, jan./jun. 2009.

VEIGA, J. E. Agricultura familiar e sustentabilidade. Cadernos de Ciência e Tecnologia. Brasília, DF, v. 13, n. 3, p. 383-404, set./dez. 1996.

NADAI, Karla Bethânia Ledesma; MIRANDA, Ciomara de Souza O Papel Da Política Pública Na Conversão De Sistemas De Produção De Hortaliças Convencionais Para Orgânicos. Cadernos de Agroecologia – ISSN 2236-7934 – Vol 9, No. 4, Nov 2014

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

in EcoDebate, 10/12/2015
"Função das políticas públicas na conversão dos sistemas convencionais para orgânicos, artigo de Roberto Naime," in Portal EcoDebate, 10/12/2015,

Hortas urbanas

Sempre quis começar uma horta mas não sabe como ou por onde? Disponibilizamos em nossa [Biblioteca] de hoje um Manual de Hortas Urbanas criado pelo Instituto Pólis.

Especies nativas urbanas.- TvAgro por Juan Gonzalo Angel

Resgate da tradição no paladar e na mesa

Fonte: Equipe Ideias na Mesa - Quinta-feira, 10 de Dezembro de 2015 

O Jacatupé é uma batatinha muito saborosa e muito proteica, que era muito utilizada na fabricação de farinha no Brasil; da Araruta se extraia o polvilho, usado para fazer biscoitos e mingaus leves saborosos; já o Mangarito, ah, o Mangarito, é uma raiz cheia de dedinhos, cujo sabor lembra o das castanhas portuguesas. Quem conta é o agrônomo Nuno Rodrigo Madeira, da Embrapa Hortaliças, integrante de uma equipe de profissionais que são verdadeiros caçadores de tesouros da tradição alimentar brasileira, como esses. Segundo ele, o quase desaparecimento de várias plantas se deu em função da mudança de hábitos alimentares a partir de um intenso processo de urbanização e do crescente consumo de produtos industrializados.

O trabalho de pesquisa e desenvolvimento realizado pela Embrapa vem ajudando a promover o resgate de plantas comestíveis e hortaliças tradicionais, apoiando o fortalecimento da soberania e da segurança alimentar e nutricional. O pesquisador, um dos convidados do 1o. Encontro Ideias na Mesa, realizado por ocasião do terceiro aniversário da Rede, diz que o trabalho vem sendo executado por meio de inúmeras parcerias com associações de produtores, universidades e principalmente extensionistas.

Essa rede vem alcançando bons resultados como, por exemplo, a formação de 20 bancos de germoplasma, onde são guardadas as espécies e variedades em extinção, só no estado de Minas Gerais. "Essas são plantas e hortaliças não convencionais, que vem caindo no esquecimento e nós temos um trabalho de preservação dessas coleções. Milhares de agricultores já tiveram acesso a essas mudas", comemora. 

A equipe da qual Nuno Madeira faz parte vem colaborando com cartilhas, manuais e publicações como a nova edição do livro Alimentos Regionais Brasileiros, publicada pelo Ministério da Saúde. A publicação reúne informações das mais variadas espécies de frutas, hortaliças, leguminosas, tubérculos, cereais e ervas existentes em nosso país. A obra também tem o objetivo de estimular o desenvolvimento e a troca de habilidades culinárias, resgatando e valorizando o ato de cozinhar e apreciar os alimentos, seus sabores, aromas e apresentações, tornando o ato de comer cada vez mais prazeroso.


Nuevas monografías de la EMA: Vaccinium myrtillus fructus recens / siccus (

Se acaba de publicar la versión final de las monografías de la Agencia Europea del Medicamento (EMA) sobre mirtilo (fruto fresco y seco)
Consultar monografías

Monografía de la EMA sobre aceite esencial de Melaleuca (


Se acaba de publicar la versión final de la monografía de la Agencia Europea del Medicamento (EMA) sobre aceite esencial de Melaleuca
Consultar la ficha actualizada de Melaleuca - árbol del té en