sábado, 29 de dezembro de 2012

Recado do Luís Fernando Veríssimo

Parte da crônica 

O Que faz bem para a saúde ?

Cinema é melhor pra saúde do que pipoca! 
Conversa é melhor do que piada. 
Exercício é melhor do que cirurgia. 
Humor é melhor do que rancor. 
Amigos são melhores do que gente influente. 
Economia é melhor do que dívida. 
Pergunta é melhor do que dúvida. 
Sonhar é melhor do que NADA!

Prelúdio das Bachianas Brasileiras no. 4, de Villa-Lobos

Cio da Terra Milton Nascimento Pena Branca e Xavantinho


Mafalda e ano novo - III

Diana Pequeno - Blowin'in The Wind

Agriculturas: experiências em agroecologia - outros números

Número especial – Agroecologia Política na Rio+20V8, N4 – Acesso à terra e direitos territoriaisV8, N3 – Relocalizando os sistemas agroalimentaresV8, N2 – As árvores na agricultura

Agriculturas: experiências em agroecologia - set.2012, v.9, n.2


Boletim: Ferrugem da Mentha citrata no Estado de São Paulo


Boletim: Fertirrigação em hortaliças

Sri Lanka: Medicinal plants in temple grounds

by S.M. Wijayaratne - Kurunegala Cor.

Ministry of Agriculture in collaboration with the Presidential Secretariat has launched a program to utilize all the uncultivated lands belonging to Buddhist temples islandwide for growing medicinal plants.

Ministry of Indigenous Medicine would provide necessary herbal plants and quality seeds of medicine free of charge for this purpose. J. Somasundara, a senior Assistant Director of Agriculture in Kurunegala told ‘Sunday Observer’ that 1750 acres of lands would be under cultivation of medicinal plants from the beginning of year 2013 in both Kurunegala and Puttalam Districts of the NWP.

Incumbents of Buddhist temples have agreed to assist this program by allowing temple premises for this worthy cause and the government would invest Rs. 1.2 million at its initial stage. 125 experienced ayurvedic physicians in the North Western Province would provide required guidance in growing medicinal plants and this novel process would help in obtaining required herbs for manufacturing effective ayurvedic drugs easily.

Dr. H.M. Herathbanda, the president of Kurunegala District Ayurvedic physicians’ Association told ‘Sunday Observer’ that millions of rupees is spent annually for importing rare medicinal herbs by Sri Lankan government and that massive sum of money could be saved in our country itself when this programme of cultivating medicinal herbs in temple lands is properly implemented. Agriculture Minister Mahinda Yapa Abeywardena and Minister of Indigenous Medicine Salinda Dissanayake would hold talks in the near future as to how this program could be implemented islandwide successfully, Dr. H.M. Herathbanda said.

Data: 29.12.2012

Aloe Vera Plant Growing & Usage Tips

When Buying:

This plant usually grows slowly inside a house–purchase a large, more mature one if possible. If a young one is your only option, you can still use it for first aid treatments but know it will take a few years to get large.

Young aloe is potent enough to use for first aid treatments, but the more mature one offers a stronger potency, strength does increase with age.

General Care:

It can be grown indoors or outdoors, but will turn brown in harsh sunlight so choose a location in indirect light.

Will freeze, make sure to protect it during frost dangers. Not suitable for wintering over in cold weather zones.

Will thrive outside better than inside, but definitely makes a good indoor houseplant.

Use well-drained sandy potting soil, a good quality commercial mix with extra perlite, granite grit, or coarse sand are added is recommended. Cacti and succulent mixes may also be used. 



This is a succulent, don’t overwater.

Allow the soil to become fairly dry before watering. Lightly water during winter months since the drying out will be slower.

If potting, make sure there is a drainage hole so the water can drain easily.


When it is rootbound, it will be top heavy and will send out more new shoots or pups, repot.

Remove new shoots when they are 3 to 4 inches high and replant in their own pots. If you don’t, they will suck life from the mother plant. Signs of this happening: The mother will get bright green and spread its leaves horizontally rather than vertically.

Water the pups well when repotting then don’t water again for about 3 weeks, forcing the new roots to get strong and seek water. They may turn grey or brown initially, this is normal. These make great gifts so give freely!

Symptoms Of Poor Care:

Leaves lie flat instead of upright: usually because of insufficient light.

Leaves are thin and curled: it’s not being watered enough and is using up its own liquid.

Leaves are brown: too much direct sunlight.
Very slow growth: High alkaline soil or water; too damp for too long; not enough light; too much fertilizer.

Removing Leaves:

Harvest leaves as you need, the wound is quickly sealed and healed. The leaf will not grow back, choose those closest to the ground as they are the most mature and most potent. 

How To Cut A Leaf:

Cut away with a sharp knife.

Trim the thorny edges from the severed leaf, then slice across its width. The inner transparent, gooey gel is ready to be applied directly to the afflicted area. Use generously, it will be absorbed by the skin within several minutes.

After the gel from the first layer of ruptured cells has run dry, scratch the surface with a clean knife to rupture more cells, releasing more juice. This can be continued until there is nothing but green skin left.

How Long Will A Cut Leaf Last:

Wrap partially used leaves in foil or plastic wrap and refrigerate, it will last for days.

To Consume:

The colorless pulp is tasteless, but first rinse off the bitter yellow sap. Peel the green skin from the pulp, then rinse off the sap with cool water.

More complete notes & tips can be found in the booklet: The Ancient Egyptian Medicine Plant Aloe Vera Hand Book. Author: Max B. Skousen

Aloe Vera Research Institute (1982)

Data: 19.12.2012

Capsaicin Benefits

Tracey Roizman
Capsaicin, the compound that gives cayenne peppers their fiery kick, has been used for over 9,000 years as both a food and a medicine. Although it has undergone the rigors of numerous scientific studies and been found effective for several medicinal uses, consult your doctor before using it to treat a medical condition.

Pain Relief

Capsaicin offers pain-relieving benefits that can help alleviate headaches and manage arthritis symptoms, according to Dr. Nicholas Perricone, author of the book "The Perricone Promise: Look Younger Live Longer in Three Easy Steps." In a study of patients with severe fibromyalgia, published in the July 2012 issue of the journal "Rheumatology International," topical capsaicin cream applied three times per day for six weeks provided significant short-term pain relief. Additionally, six weeks after stopping capsaicin, participants showed improvements in ratings for depression, fatigue, muscle pain and pressure-induced pain.

Weight Management

Capsaicin is considered a thermogenic agent, meaning that it stimulates the metabolism and calorie-burning, according to Baylor University. Capsaicin provides some of the same benefits of the drug ephedra, which was banned by the Food and Drug Administration, without the potentially hazardous health consequences associated with that drug. Capsaicin is listed along with caffeine and green, white and oolong teas for their ability to increase energy expenditure by up to 5 percent and oxidation of fat by up to 16 percent in a study published in the April 2010 issue of the "International Journal of Obesity."


Low rates of certain types of cancer in Latin American cultures, where capsaicin is consumed regularly, may imply a protective, anticancer effect of capsaicin against stomach, intestinal and colon cancers. Capsaicin may also offer cancer-inhibiting benefits against leukemia. A tissue culture study of human throat cancer cells published in the July 2012 issue of the "Yonsei Medical Journal" showed that capsaicin was effective at promoting early cell death. In another study, published in the November 2012 issue of the journal "Inflammation Research," capsaicin showed lung cancer preventive benefits in laboratory animals.


Capsaicin may help prevent chronic inflammation associated with premature aging and degenerative conditions such as heart disease. A study published in the 2012 issue of the journal "ISRN Pharmacology" found that capsaicin may help keep bones strong by inhibiting inflammation that can lead to decreased production of bone cells. In the laboratory animal study, capsaicin also suppressed production of cells that break down bone and decreased activity of cyclooxygenase-2, or COX-2, an enzyme that promotes inflammation.


The Perricone Promise: Look Younger Live Longer in Three Easy Steps; Nicholas Perricone

Rheumatology International: Short-Term Efficacy of Topical Capsaicin Therapy in Severely Affected Fibromyalgia Patients

Baylor University: Effects of Capsaicin and Evodiamine Ingestion on Energy Expenditure and Lipid Oxidation at Rest and After Moderately-Intense Exercise in Men

International Journal of Obesity: Thermogenic Ingredients and Body Weight Regulation

Yonsei Medical Journal: Capsaicin-Induced Apoptosis of FaDu Human Pharyngeal Squamous Carcinoma Cells

Inflammation Research: Capsaicin Inhibits Benzo(A)pyrene-Induced Lung Carcinogenesis in an in Vivo Mouse Model

ISRN Pharmacology: Capsaicin, a TRPV1 Ligand, Suppresses Bone Resorption by Inhibiting the Prostaglandin E Production of Osteoblasts, and Attenuates the Inflammatory Bone Loss Induced by Lipopolysaccharide

University of Maryland Medical Center: Cayenne

About the Author

Tracey Roizman has been a writer and speaker on natural and preventive health care since 1995. She holds a B.S. in nutritional biochemistry and a doctor of chiropractic degree, and is a postgraduate diplomate in chiropractic functional neurology.

Data: 29.12.2012

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Fitoterapia: cura por meio de plantas

Calvin e Haroldo

Revista ABCFARMA(nov.2012) - especial sobre plantas medicinais - leitura online

Inclusive para animais

Cartilha sobre Boas Práticas para serviços de alimentação


Biscoito de casca de limão


3 xícaras (chá) de farinha de trigo peneirada
1 colher (sobremesa) de fermento em pó
1 colher (café) de sal
5 colheres (sopa) de margarina
½ xícara (chá) de adoçante de forno e fogão
1 ovo
1 colher (sopa) de raspas de limão

Modo de preparo:

Misture a farinha de trigo, o fermento e o sal e reserve.
Em outra tigela, bata a manteiga, o ovo, adoçante e as raspas de limão. Vá acrescentando os ingredientes reservados e amasse com as mãos até que se obtenha uma massa homogênea.
Faça bolinhas, modele com um garfo e coloque em uma forma untada.
Asse em forno moderado por 15 minutos.

Rendimento: 14 porções


Torta salgada de casca de abóbora e talos de agrião


3 xícaras (chá) de farinha de trigo
5 colheres (sopa) de margarina
1 xícara (chá) de óleo
1 colher (sobremesa) de sal
1 ovo

4 xícaras (chá) de cascas de abóbora picada
1 xícara (chá) de talos de agrião picados
1 tomate grande picado
Salsão a gosto picado
1 colher (sobremesa) de sal
2 cebolas pequenas picadas
4 colheres (sopa) de óleo

Modo de preparo

Misture todos os ingredientes. Deixe descansar por 20 minutos.

Doure levemente a cebola no óleo, acrescente os ingredientes restantes e refogue. Deixe esfriar.
Abra a massa em forma de fundo falso e coloque o recheio frio. Cubra com o restante da massa, pincele com gema, leve ao forno médio por 40 minutos.

Rendimento: 30 porções


Comida no lixo: "O grande desperdício"

Por Gaby Ochsenbein, swissinfo.ch

23. Dezembro 2012 - 11:00

Cerca de um terço de todos os alimentos produzidos se perdem entre os campos de plantação e o consumo.Também na Suíça toneladas de comida terminam no lixo. O cientista ambiental Claudio Beretta considera essa situação um problema e pede que as autoridades tomem providências.

Na Suíça existem apenas estimativas de quanto se perde de comida, pois números exatos não existem. Claudio Beretta, assistente de pesquisa na Escola Politécnica de Zurique (ETH, na sigla em alemão), entrevistou 43 empresas do setor alimentício e também utilizou bancos de dados internacionais.

Conclusão: como em outros países industrializados, aproximadamente 30% das mercadorias disponíveis se perdem em toda a cadeia alimentar. Quase a metade disso é jogada fora pelo próprio consumidor.

swissinfo.ch: Cem anos atrás os lares suíços gastavam entre 40 e 50% da renda para se alimentar. Hoje essa proporção caiu para 6 a 8%. Será que os alimentos não se tornaram baratos demais ou perderam o seu valor intrínseco? 

Claudio Beretta: Essa é certamente uma razão importante. Porém nos países em desenvolvimento as pessoas não podem se dar ao luxo de comprar mais do que elas precisam concretamente.

Porém existem diferentes abordagens, quando se discute se os alimentos estão baratos ou não. Seguramente temos um problema, pois os custos ambientais não estão incluídos nos preços da produção de alimentos, senão eles seriam muito mais caros.

Quando você considera quanto de recurso e trabalho é consumido para levar os alimentos ao prato, é lamentável ver o quanto se desperdiça nos lares.

swissinfo.ch: Não apenas alimentos estragados são jogados fora, mas também aqueles que ainda poderiam ser utilizados. Por que isso acontece? 

C.B.: O fato é que muitos consumidores não são capazes de julgar se os alimentos ainda são consumíveis ou não. Eles se atêm somente à data de validade dos produtos. Isso é problemático, pois muitos alimentos continuam bons mesmo após a passagem do prazo de validade.

Muitos consumidores confundem a data de validade e a data de consumo: a data de validade trata-se apenas de um prazo em que o produtor garante a melhor qualidade do produto, mas não tem nada a ver com o fato de saber se o seu consumo após essa data seria problemático para a saúde humana. As pessoas deveriam reaprender a confiar mais nos seus próprios sentidos.

Cada português deita fora, em média, 98 quilos de alimentos por ano, o que corresponde a 17% do que Portugal produz para consumo humano. Os valores são apontados pelo projecto PERDA, o primeiro estudo nacional sobre desperdícios alimentares, cujas conclusões foram recentemente divulgadas... (http://www.swissinfo.ch/por/economia/Dose_Certa_tenta_diminuir_desperdicios_em_Portugal.html?cid=34235202)

swissinfo.ch: Não apenas o comércio e consumidores provocam lixo, mas também o próprio agricultor. Ele seleciona os seus produtos segundo o tamanho, forma, peso e cor, retirando aqueles que não correspondem à qualidade desejada. Porém será que isso corresponde às necessidades do consumidor? 

C.B.: Essa questão não é fácil de responder. Será que a mercadoria foi retirada do sortimento e, dessa forma, o consumidor não tem a escolha de poder comprar uma cenoura torta? Ou esse consumidor deixa a cenoura torta na prateleira, o que faz com que não valha a pena para o supermercado disponibilizar aos clientes esse produto?

Em todo caso, essas exigências estéticas são um resultado do nosso elevado nível de prosperidade. Infelizmente muitos consumidores se esqueceram de avaliar a verdadeira qualidade dos alimentos.

Avaliações incorretas dos alimentos são uma preocupação, especialmente em termos de eficiência de toda a cadeia alimentar e os prejuízos decorrentes, assim como o fato de que muitos alimentos saudáveis acabam não sendo consumidos.

As exigências de qualidade são certamente exageradas, quando você leva em conta que um sétimo da população mundial está permanentemente subnutrida.

swissinfo.ch: Como você vê a relação entre o desperdício nos países industrializados e a pobreza no sul do globo? 

C.B.: Eu vejo duas importantes ligações: entre 40 e 50% dos alimentos, consumimos por nós na Suíça, são importados em parte de países que vivem a fome. Quanto maior a procura, mais faltam alimentos nesses locais onde eles são escassos.

A segunda ligação vejo nos preços no mercado mundial: quanto maior a procura por alimentos nos países industrializados, mais aumentam os preços. A consequência é que muitas pessoas já não se podem se dar o luxo de absorver o suficiente de calorias e nutrientes.

swissinfo.ch: O que precisa acontecer para que os alimentos produzidos sejam mais bem distribuídos? 

C.B.: Eu vejo o problema original na distribuição totalmente desigual do poder de compra. Ricos utilizam alimentos como combustível para veículos, enquanto pobres não têm suficiente dinheiro para atender às suas necessidades mais básicas.

Enquanto existir esse desiquilíbrio dos recursos financeiros, alimentos básicos deveriam ser vendidos no mercado mundial a preços reduzidos. Não deve haver concorrência entre alimentos que são utilizados para a produção de energia e os que são comidos.

swissinfo.ch: Na luta contra o desperdício de alimentos, a ONU e a União Europeia reivindicam a criação de uma plataforma única de comércio. Que medidas podem ser tomadas contra o desperdício? 

C.B.: A principal lição que aprendi é que os atores na cadeia alimentar desempenham um papel e o maior desperdício é a soma de muitos pequenos problemas. São necessárias muitas e diversas medidas. É preciso alcançar cada ator e para isso é necessário meios individuais de comunicação e muito tempo.

Importante também é a educação: é preciso combinar as lições de administração de orçamento caseiro com questões ambientais. Assim cresce a consciência de que as pequenas decisões do cotidiano funcionam como uma alavanca.


Algumas pessoas gostam da geladeira vazia. Outros ficam em pânico quando ela não está repleta. Durante os período de festas a experiência mostra que elas estão mais cheias do que o habitual. Assim não é difícil imaginar que uma parte considerável dos alimentos terminem depois no lixo... (http://www.swissinfo.ch/por/economia/O_grande_desperdicio.html?cid=34153200)

swissinfo.ch: O que você espera da classe política? 

C.B.: Que ela crie boas condições, especialmente no setor de educação. Ela determina a reutilização dos alimentos que não são consumidos pelos seres humanos.

O importante é que essas diretrizes sejam trabalhadas com critérios científicos. Isso vale também para as datas de validade e consumo. Elas devem ser regulamentadas de forma padronizada, não colocando em risco a segurança dos alimentos mem provocar desperdício através de cuidados desproporcionais.

Um ponto central é a sensibilização dos consumidores e que, ao final, são os atores que têm a decisão de comprar algo ou não.

Gaby Ochsenbein, swissinfo.ch
Adaptação: Alexander Thoele


A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (ONUAA) declarou 2012 como o ano de ação contra o desperdício de alimentos e prol da segurança alimentar.

Também o Parlamento europeu exige um trato cuidadoso com os alimentos e, até 2025, a diminuição pela metade do lixo provocado pelos alimentos que são jogados fora.

Segundo a ONU, 870 milhões de pessoas no planeta sofrem de desnutrição crônica.

Desperdício de alimentos

De acordo com a FAO, 30% dos alimentos produzidos anualmente são jogados fora ou apodrecem. No total, 1,3 bilhões de toneladas são produzidas por nada.

Nos países da União Europeia, 90 milhões de toneladas de alimentos terminam na lata de lixo. Per capita seriam 180 quilos. NA Suíça estima-se que as perdas de alimentos sejam da ordem de 1-2 milhões de toneladas.

Aproximadamente 20% das perdas ocorrem na agricultura, 40% durante o transporte e 40% através do próprio consumidor.

The county pirate who left a legacy

December 27, 2012

WHEN, 70 years before Captain Cook landed at Botany Bay, buccaneer-turned explorer William Dampier set foot on Western Australia's sandy shore in 1699 one of his first acts was – to collect plants.

That might sound an odd occupation for an ex-pirate but Dampier, from the landlocked village of East Coker, was also a pioneering naturalist, with an analytical eye and insatiable curiosity. More than 100 years after his death his precise observations won the admiration of Charles Darwin.
Flower power: A page from William Dampier's A Voyage to New Holland, with original plants collected by him in Australia. Three leather-bound volumes and plant specimens are held by the Fielding-Druce Herbarium, at Oxford University. Picture Steve Roberts

In 1699, Dampier was on an Admiralty mission, the first expedition specifically planned for scientific and geographic exploration. His brief was to explore New Holland (Australia) and the East Indies: "for the good of the nation". Bringing home specimens that might have an economic benefit was vital, and plants were high on the list.

New Holland was still a mystery, its coastline only partially charted. In 1688, Dampier had been among the first group of Britons to land there, during his 12-year circumnavigation of the world. His superb navigational skills and curiosity for all the wonders he met in his travels made him the obvious choice for the later Admiralty quest.

In August 1699, Dampier guided his ship, the Roebuck, through shark-infested waters to anchorage in Shark Bay. As he walked among the shining white sand dunes he bent to collect plant specimens, noting their beautiful and delicate flowers, some of which were a dazzling blue.

Amazingly 313 years later those fragile emissaries from another world can still be seen. They are preserved in the Fielding-Druce Herbarium, now part of Oxford University Herbaria. The Herbaria, established in 1621 is the fourth oldest in the world, and contains around one million specimens.

The Dampier specimens' survival is particularly remarkable because on the homeward voyage the Roebuck sprang a leak and sank off Ascension Island. After desperate attempts to plug the hole, and several hours spent baling and pumping out water Dampier realised that he could "think of nothing but saving our lives".

A breeze helped him coax the doomed ship a little nearer the shore, and men, stores and as many precious specimens as possible were ferried to safety by raft. Many of Dampier's books and papers were lost, but he was able to save his journals. Perhaps some of the plants were pressed between their pages.

Dampier did not arrive back in England until 1701. Two years later he published a two-volume book of the expedition, A Voyage to New Holland, which like his earlier best-seller, A New Voyage Round the World sparked the imaginations of writers as well as scientists. They influenced Jonathan Swift's fantasy Gulliver's Travels. 'Gulliver' even makes reference to his "cousin Dampier". The specimens found their way into the collection of the outstanding 18th century botanist William Sherard. Later Sherard's collection was acquired by the university where it is still studied today. Dampier's plants hold a special place in the minds, and hearts, of Australian botanists. The herbarium's visitors' book is sprinkled with the names of men and women who have travelled half way round the world to see them.

"Dampier did not just collect in Australia but in South East Asia and Brazil and we have separated the Dampier collection from the rest of the herbarium because so many people keep wanting to see them," explains Dr Stephen Harris curator of the Herbaria.

Just days before my visit, a Brazilian botanist had come to study Dampier's finds. Stephen shows me a delicate specimen which with its hard thin leaves reminds me, and reminded Dampier, of rosemary, although it is not related. "Dampier collected this from East Lewis Island in the Dampier Archipelago," says Stephen.

"He named East Lewis 'Rosemary Island' because of the similarity of the plant. Dampier was one of those curious people who was very aware of his surroundings and wanted to bring things back to show other people as evidence, because at this time there was the whole problem of travellers' tales sometimes being exaggerations or misunderstandings.

"Science was beginning to become more formalised so people were wanting evidence, and there was also the issue of economic potential.

"The East Indies was controlled at the time by the Dutch and the British were wanting to get into the area, and to discover whether the plants had medicinal or other values.

"You could liken the expedition to the Mars mission. You have Dampier in his little ship going somewhere and seeing what he can make of that world from just a little area that he can see.

"Now we have so much more experience. At his time there were perhaps 15,000 species known. Now there are 450,000."

A few years ago the specimens travelled back to the land of their birth for an exhibition in Perth marking the 300th anniversary of their collection. Herbarium manager Serena Marner accompanied them.

She recalls: "The plants required courier service to return them and I was very fortunate in having the enviable task.

"Impossible for Dampier himself to imagine but the plants took just less than 24 hours to return safely by 747 jumbo jet. There were strict quarantine regulations governing the arrival of specimens and they were taken immediately to the Western Australian Herbarium for freezing – also something not envisaged 300 years ago."

A few days later they were on display in the Western Australian Museum for its 'Voyage of Discovery. William Dampier Tricentenniel Exhibition'.

Shark Bay is now a World Heritage Site. Serena was invited to join a party from the Western Austalian Museum on a visit to Dampier's first landing site in the bay, at Dirk Hartog Island.

There, she and Australian botanist Alex George collected a duplicate set of 'Dampier species' and on August 17, exactly 300 years to the day after Dampier set foot on the spot the site was named 'Dampier's Landing'. The province in which it lies has one of the world's richest floras, boasting between 8,000 and 9,000 species.

Dampier is said to have been born at Hymerford House which still stands in East Coker. His father, a tenant farmer, died when he was young and some years later he was apprenticed to a Weymouth shipmaster and by the time he was 21 he had sailed to Newfoundland and the East Indies. He threw in his lot with buccaneers after East Coker's squire, sensing his potential, sent him to help manage his Jamaican sugar plantation. Plantation life was not for Dampier, and he tried life as a logwooder, cutting, hauling and trading timber in the Caribbean.

Sailing with the buccaneers he saw the wonders of the new world, while all the time learning more about winds and currents. His maps of the winds were still in use more than 100 years later and Nelson was among those who valued them.

Dampier was the first person to circumnavigate the world three times, gave a public hungry to read about new lands new words such as avocado, and chopsticks. His vivid descriptions of animals, plants, people and customs, inspired Samuel Taylor Coleridge, who paid tribute to Dampier's "exquisite mind", yet it is a sad truth that today the real Gulliver is overshadowed by his imaginary cousin.

Dampier himself would not worry. His eye would be on the horizon.


Índia: Mountain-specific policy for medicinal, aromatic plants'

Uttarakhand should have a mountain-specific policy for medicinal and aromatic plants (MAP) said the principal chief conservator of forests, RBS Rawat while speaking at a workshop on MAP organised by GIZ-Regional Economic Development (RED) programme.

Rawat stressed on the need for a competitive spirit among farmers to boost the sector. Releasing a book on domestic market study for selected MAP of Uttarakhand, Rawat said that it will be of great importance to different MAP stakeholders of Uttarakhand. The State has identified 38 species of MAPs for cultivation with a base of around 23,000 registered medicinal plant farmers.

He elaborated on the details of the work done by the Uttarakhand Forest Department in promoting the sector. In order to bridge the gap between the department and the communities living in close proximity to the forest, initiatives are being taken to reduce the number of nurseries being maintained by the department by encouraging women self help groups for nursery development.

GIZ RED project director Vijay Kumar highlighted the importance of value chains approach in addressing the sector and emphasised the need for a market based approach and the relevance of such market studies for the decision makers and ultimately the farmers.

Data: 22.12.2012

Imagine - John Lennon(Legendado)


Arctium lappa L. (Arctium majus Bernh).

Aspectos botânicos: Planta bianual ou perene, da família das Compostas, que pode alcançar até 02 metros de altura. Tronco de aproximadamente 05 cm de diâmetro, folhas grandes, pecioladas, ovóides e de bordas onduladas, podendo medir até 50 cm. Flores pequenas, avermelhadas, que aparecem desde o final do verão até meados do outono. Sua raiz, pode medir de 25 até 75 cm. Apresenta ainda infrutescências espinhosas, que podem aderir a pele de animais e roupas, facilitando sua dispersão.

Nativa da Europa e América do Norte, cresce em solos argilosos e ricos em matéria orgânica;

Nomes comuns: Bardana, lampazo, lampazo mayor, bardana maior, ruibarbo de los gitanos, ruibarbo de caracol, gobou (China), burdock ou great burdock (Inglaterra);

Histórico: Planta muito parecida com o ruibarbo, daí alguns de seus nomes populares, era muito apreciada desde a idade média, como depurador sanguíneo. Seu nome vem do grego Arctos= veludo e lappa= agarrar. Entre os séculos XVIII e início do século XX, foi muito utilizada para tratar as manifestações secundárias e terciárias da sífilis;

Usos terapêuticos: Uso externo em infecções bacterianas e fúngicas (micoses superficiais, furúnculos,

impetigos diversos, seborréia, úlceras varicosas, acnes, infecções de boca e garganta, etc), diurética, colerética e colagoga (estimula o funcionamento do fígado e vesícula biliar), estimulante do apetite, anti-oxidante, hipoglicemiante (auxiliar em tratamentos de diabetes) e antiagregante plaquetário;

Princípios ativos: Inulina (40 a 60%), compostos poliacetilênicos (polienos e poliínos), fitohemaglutininas, taninos, sais de potássios, traços de óleos essenciais, ácidos álcoois, etc;

Partes utilizadas: Raiz, colhida no outono do primeiro ano ou na primavera do segundo ano;

Formas de uso e dosagem: Sua secagem faz com que perca boa parte de suas propriedades terapêuticas, preferindo-se então seu uso fresco, ou de produtos elaborados com a raiz estabilizada.

Utilizada em homeopatia, principalmente para afecções dermatológicas.

Uso interno: Decocção das raízes a 4%- 3 a 4 xícaras/dias;

Extrato fluído: 2 a 8 g/dia, em 3 tomadas;

Pó da raiz (500 mg): 4 a 6 cápsulas diárias;

Uso externo: Decocção em forma de cataplasma ou banhos;

Suco fresco da raiz, triturada e deixada de molho em água por 8 horas, prensada posteriormente e utilizada pura ou misturada com substâncias carreadoras (vaselina, argila, etc.);

Tempo de uso: Pelo tempo que se fizer necessário;

Efeitos colaterais: É considerada como uma espécie vegetal bastante segura para uso humano, causando apenas eventualmente, dermatite de contato em pessoas sensíveis;

Contra-indicações: Gravidez e lactação.

Lembramos que as informações aqui contidas terão apenas finalidade informativa, não devendo ser usadas para diagnosticar, tratar ou prevenir qualquer doença, e muito menos substituir os cuidados médicos adequados.

Fontes principais de consulta:

“Tratado de fitomedicina – bases clínicas e farmacológicas” Dr. Jorge R. Alonso – editora Isis . 1998 – Buenos Aires – Argentina.


Rápida informação sobre interações fitoterápicos e alopáticos

Fitoterápicos antiagregantes plaquetários para prevenção de doenças cardiovasculares, como, por exemplo, a ginkgo (Ginkgo biloba), o alho (Allium sativum), o gengibre (Zingiber officinale) e o ginseng (Panax ginseng), devem ser suspensos 15 dias antes do pré-operatório em cirurgias eletivas.

ANG-LEE, M.K.; MOSS, J.; YUAN, C.S. Herbal medicines and perioperative care. JAMA, v. 286, n.2, p. 208-16, 2001

Link para o artigo, que vale a pena preservá-lo:
Zingiber officinale

Biofar: Revista de Biologia e Farmácia - v.8, n.2, 2012

Alguns artigos na área de plantas medicinais







Revistas de alto impacto publicam as piores fraudes


Do Observatório da Imprensa, Por Mauro Malin em 24/12/2012 na edição 726

Um professor veterano da Universidade do Texas, Charles “Chip” Groat, pediu demissão ao final da revisão de um estudo que conduziu sobre o processo de perfuração do solo conhecido como fracionamento hidráulico (“hydraulic fracturing”, ou “fracking”). A informação saiu em reportagem do site StateImpact Texas no dia 6 de dezembro.

O relatório original de Groat, divulgado em fevereiro de 2012, tratava de extração de gás de xisto (“Fact-Based Regulation for Environmental Protection in the Shale Gas Development”). Concluía não haver relação entre método de perfuração e contaminação da água. O que o autor não revelou é que ele integrou o conselho de uma empresa de perfuração durante todo o tempo que durou o estudo, o que lhe valeu receber US$ 1,5 milhão em cinco anos. A revisão encontrou erros de elaboração, além de outras falhas na maneira como o relatório foi divulgado.

Fórum Mundial de Ciência

Ética na ciência e na comunicação de ciência é um dos grandes temas propostos para a discussão da participação brasileira no sexto Fórum Mundial de Ciências (FMC), que se realizará no Rio de Janeiro em novembro de 2013 (veja informações sobre o evento em http://fmc.cgee.org.br/). Uma entrevista e um artigo trataram do assunto em edições recentes deste Observatório (“Comunicação científica para um público mais atento” e “Ciência em tom jornalístico”).

A preparação brasileira para o FMC incluiu até agora quatro encontros preparatórios, realizados em São Paulo, Belo Horizonte, Manaus e Salvador. Nesse último, a médica Eliane S. Azevêdo, professora emérita e ex-reitora da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em palestra sobre “Desafios da Ética e Integridade Científica”, falou sobre a influência da ciência na definição de políticas públicas nas áreas da saúde pública, medicina, clima, ambiente, agricultura, energia, influência que amplia a exigência de ética na condução e na divulgação das pesquisas.

Dois fenômenos foram destacados pela professora: o crescimento do número de desvios éticos em publicações científicas e subsequente retratação pública de artigos publicados, e o custo da má prática em ciência, assunto novo, abordado com rigor e clareza pela palestrante.

A professora Eliane concordou em dar a entrevista abaixo, feita por correio eletrônico, na qual ela destaca que as fraudes mais graves são produzidas por pesquisadores de primeiro time, por isso sua detecção é mais difícil, custa mais caro e demora mais, do que resultam danos mais extensos e profundos.

Em relação aos meios de comunicação, a ex-reitora diz que “as desonestidades mais graves, isso é, fabricação e ou falsificação de dados são preferencialmente publicadas em revistas de alto impacto (Science, Nature, Cell etc.).”

Mais fraudes, vigilância intensificada

O aumento do número de retratações, observado em pesquisa que a senhora mencionou em sua apresentação, indica acréscimo da ocorrência de comportamentos fraudulentos ou intensificação da vigilância?

Eliane S. Azevêdo – Creio tratar-se de uma confluência de fatores dentre os quais intensificação da vigilância e aumento de ocorrência, conforme lembrado. Esses fatores, todavia, estão interligados a variáveis causais como pressões institucionais por publicações; obsessão em atendê-las; competição por recursos; prestígio conferido a currículos longos; crescente número de pesquisadores; ambições pessoais sem crivo moral, etc. Além disso, ações educativas para a boa prática científica ainda são incipientes e até mesmo ausentes em muitas instituições universitárias, grupos de pesquisa, cursos de pós-graduação, editores de revistas, etc.

A senhora diria que falhas de filtragem de artigos em revistas científicas tendem a ser magnificadas em jornais e revistas, cujos filtros costumam ser muito mais precários?

E.S.A. – As editoras de revistas científicas e seu corpo editorial compartilham igual responsabilidade social na divulgação de boa ciência, isso é, ciência sem fraudes, fabricação, falsificação, plágios, autoplágios, duplicações, fatiamentos, etc. A criação do COPE (Commitee on Publications Ethics) em 1997, na Inglaterra, e ampliação à Wade (World Association of Medical Editors) com objetivo central de prover editores e revisores com conhecimentos para melhor lidar com situações suspeitas de desvios éticos na pesquisa, traduz a importância do problema sob o olhar das revistas científicas. Infelizmente, não se trata de uma prática dos editores em todos os países, e suspeitamos ser praticamente inexistente em jornais e revistas de divulgação.

As revistas científicas devem funcionar como a última barreira na filtragem ética. Se falha a filtragem e a publicação é reproduzida em jornais e revistas dificilmente haverá reversão de danos com a retratação.

No Brasil, cientistas alertam imprensa

Ao que tudo indica, a grande imprensa brasileira está alheia à extensão dos prejuízos causados pelas falhas éticas em publicações científicas. A senhora concorda com essa hipótese?

E.S.A. – Ainda que esteja alheia a uma avaliação criteriosa dos prejuízos, não está alheia à existência das questões da integridade científica. Existem cientistas brasileiros alertando e até mesmo conclamando por ações educativas e ou de vigilância. Considero urgente que, no Brasil, a geração atual de pesquisadores íntegros aponte os danos intelectuais, morais e financeiros gerados pela má prática científica e agregue reflexões pertinentes aos ensinamentos que transmite aos alunos. Existe ampla literatura internacional sobre o tema, inclusive com estudos de meta-análise sobre artigos retratados e formulação matemática para cálculo do custo financeiro de um artigo retratado. [Meta-análise, segundo o criador do termo, Gene Glass, é “uma análise estatística de grandes coleções de resultados de estudos individuais com o propósito de integrar os achados desses estudos”; fonte: Wikipedia.]

O perfil dos desonestos em ciência já começa a ser desenhado: não são intelectualmente medíocres; as desonestidades mais graves, isso é, fabricação e ou falsificação de dados são preferencialmente publicadas em revistas de alto impacto (Science, Nature, Cell etc.). Quando a má prática é menos grave, por plágio ou duplicação, a preferência é por revistas de médio impacto. Essas associações são relatadas com significância estatística. Assim, a ocorrência e o tipo de má prática em ciência têm certa aderência ao nível intelectual dos desonestos. O recorte moral dos cientistas atuais parece não diferir do resto da humanidade... Teríamos sido diferentes no passado? Confiamos que melhoremos no futuro...

Demora agrava prejuízos

Fale sobre as consequências negativas da demora entre a publicação de texto fraudulento e a retratação.

E.S.A. – Começamos a pensar sobre essa associação em 2009, quando lemos na newsletter do Office of Research Integrity (ORI) o relato de dezesseis artigos retratados, todos da autoria de dois pesquisadores americanos e publicados entre os anos de 1997 e 2005. Entre o início das publicações e a data das retratações passaram-se doze anos, período suficiente para que se construísse uma corrente de pensamento médico e práticas de ensino fundamentadas na consulta a artigos de revisão ou de meta-análise. Assim, resolvemos verificar através do repositório PubMed. Encontramos não apenas um longo trabalho de revisão com quatro citações dos artigos retratados, mas, também, o próprio texto da revisão tecia elogios aos trabalhos dos dois pesquisadores, agora reconhecidos como desonestos. Imaginamos que quanto maior o tempo decorrido entre a publicação fraudulenta e sua retratação mais se difundem danos irreparáveis à ciência. Com essa visão, escrevemos à direção do ORI, que publicou nossas considerações na newsletter de dezembro de 2009. Estudos recentes (Fang e col. 2012) demonstraram que o tempo entre a publicação e a retratação é em média de dois anos nos casos de plágio e de quatro anos nos casos de fraudes.

Plágio e fraude

Que mecanismo está por trás da constatação de que “quanto pior o tipo de fraude, mais tempo ela demora para ser reparada”.

E.S.A. – Os casos de plágios podem ser detectados por qualquer pessoa e comprovados mediante comparação dos dois textos: original e plagiado. Além disso, já existem no mercado aplicativos com funções específicas para detectar plágios.

Nos casos de fraudes, por outro lado, percorre-se penoso processo de investigação que nasce com a denúncia de suspeita, verificação inicial por comissão local da instituição, subsequente abertura de processo investigatório por órgão credenciado. A investigação examina as anotações originais, entrevista pessoas da equipe, além de conduzir o interrogatório aos pesquisadores suspeitos. Tudo isso requer tempo/horas de competentes pesquisadores, advogados, técnicos, burocracias, etc. e tem alto custo financeiro. É raro situações como a de certo pesquisador que impediu o andamento da investigação sob a alegação que os papéis com as anotações originais “o cupim comeu...” Por outro lado, não são raros os pesquisadores assumirem-se culpados, conforme constatamos nos relatórios públicos do ORI. Nos EUA, o ORI é órgão governamental com função específica de receber denuncia de má prática científica, conduzir o processo investigatório, divulgar as conclusões, indicar artigos para retratação e aplicar as respectivas penalidades aos pesquisadores infratores. Infere-se, assim, que quanto mais elaborada a montagem científica da fraude mais difícil vencer as dissimulações do pesquisador desonesto.

O CNPq constituiu uma comissão de ética, mas, salvo engano, ela ainda não teve oportunidade de examinar nenhum caso e de tomar alguma deliberação. Qual sua expectativa em torno do trabalho dessa comissão? Os problemas de fraude são graves no meio científico brasileiro?

E.S.A. – Temos conhecimento, sim, da criação dessa comissão. Percebemos que criar uma comissão tenha sido o passo preliminar para posterior instalação de um órgão ligado ao CNPq, mas independente, dirigido por pessoa de alta qualificação moral e científica e em dedicação exclusiva, amparada por competente equipe e infraestrutura investigatória, tudo isso bem protegido de qualquer fluxo de influência. Acreditamos não ser fácil, porém, sem ser impossível, criar-se algo semelhante ao ORI aqui no Brasil.

Desconhecemos estudos que indiquem a frequência de fraudes científicas no Brasil. Casos isolados já vieram a público. Concluímos reafirmando que ações educativas sobre integridade científica devem ser oferecidas, de imediato, na formação de jovens em iniciação científica, nos cursos de graduação e de pós-graduação, nos institutos de pesquisa, e paralelamente exigidas pelas agencias de fomento e revistas científicas.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

There´s a Garden on our rooftop!

Eating Asparagus May Prevent a Hangover, Study Suggests

Dec. 26, 2012 — Drinking to ring in the New Year may leave many suffering with the dreaded hangover. According to a 2009 study in the Journal of Food Science, published by the Institute of Food Technologists (IFT), the amino acids and minerals found in asparagus extract may alleviate alcohol hangover and protect liver cells against toxins.

Researchers at the Institute of Medical Science and Jeju National University in Korea analyzed the components of young asparagus shoots and leaves to compare their biochemical effects on human and rat liver cells. "The amino acid and mineral contents were found to be much higher in the leaves than the shoots," says lead researcher B.Y. Kim.

Chronic alcohol use causes oxidative stress on the liver as well as unpleasant physical effects associated with a hangover. "Cellular toxicities were significantly alleviated in response to treatment with the extracts of asparagus leaves and shoots," says Kim. "These results provide evidence of how the biological functions of asparagus can help alleviate alcohol hangover and protect liver cells."

Asparagus officinalis (photo) is a common vegetable that is widely consumed worldwide and has long been used as an herbal medicine due to its anticancer effects. It also has antifungal, anti-inflammatory and diuretic properties.

Journal Reference:
B.-Y. Kim, Z.-G. Cui, S.-R. Lee, S.-J. Kim, H.-K. Kang, Y.-K. Lee, D.-B. Park. Effects of Asparagus officinalis Extracts on Liver Cell Toxicity and Ethanol Metabolism. Journal of Food Science, 2009; 74 (7): H204 DOI: 10.1111/j.1750-3841.2009.01263.x