sábado, 10 de dezembro de 2016

A handful of nuts a day cuts the risk of a wide range of diseases

Date: December 5, 2016

Source: Imperial College London

Summary:
A large analysis of current research shows that people who eat at least 20g of nuts a day have a lower risk of heart disease, cancer and other diseases.
People who eat at least 20g of nuts a day have a lower risk of heart disease, cancer and other diseases, say investigators.
Credit: © shevdinov / Fotolia

A large analysis of current research shows that people who eat at least 20g of nuts a day have a lower risk of heart disease, cancer and other diseases.

The analysis of all current studies on nut consumption and disease risk has revealed that 20g a day -- equivalent to a handful -- can cut people's risk of coronary heart disease by nearly 30 percent, their risk of cancer by 15 percent, and their risk of premature death by 22 percent.

An average of at least 20g of nut consumption was also associated with a reduced risk of dying from respiratory disease by about a half, and diabetes by nearly 40 percent, although the researchers note that there is less data about these diseases in relation to nut consumption.

The study, led by researchers from Imperial College London and the Norwegian University of Science and Technology, is published in the journal BMC Medicine.

The research team analysed 29 published studies from around the world that involved up to 819,000 participants, including more than 12,000 cases of coronary heart disease, 9,000 cases of stroke, 18,000 cases of cardiovascular disease and cancer, and more than 85,000 deaths.

While there was some variation between the populations that were studied, such as between men and women, people living in different regions, or people with different risk factors, the researchers found that nut consumption was associated with a reduction in disease risk across most of them.

Study co-author Dagfinn Aune from the School of Public Health at Imperial said: "In nutritional studies, so far much of the research has been on the big killers such as heart diseases, stroke and cancer, but now we're starting to see data for other diseases.

"We found a consistent reduction in risk across many different diseases, which is a strong indication that there is a real underlying relationship between nut consumption and different health outcomes. It's quite a substantial effect for such a small amount of food."

The study included all kinds of tree nuts, such as hazel nuts and walnuts, and also peanuts -- which are actually legumes. The results were in general similar whether total nut intake, tree nuts or peanuts were analysed.

What makes nuts so potentially beneficial, said Aune, is their nutritional value: "Nuts and peanuts are high in fibre, magnesium, and polyunsaturated fats -- nutrients that are beneficial for cutting cardiovascular disease risk and which can reduce cholesterol levels.

"Some nuts, particularly walnuts and pecan nuts are also high in antioxidants, which can fight oxidative stress and possibly reduce cancer risk. Even though nuts are quite high in fat, they are also high in fibre and protein, and there is some evidence that suggests nuts might actually reduce your risk of obesity over time."

The study also found that if people consumed on average more than 20g of nuts per day, there was little evidence of further improvement in health outcomes.

The team are now analysing large published datasets for the effects of other recommended food groups, including fruits and vegetables, on a wider range of diseases.

Story Source:

Materials provided by Imperial College London. Original written by Hayley Dunning. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Dagfinn Aune, NaNa Keum, Edward Giovannucci, Lars T. Fadnes, Paolo Boffetta, Darren C. Greenwood, Serena Tonstad, Lars J. Vatten, Elio Riboli, Teresa Norat. Nut consumption and risk of cardiovascular disease, total cancer, all-cause and cause-specific mortality: a systematic review and dose-response meta-analysis of prospective studies. BMC Medicine, 2016; 14 (1) DOI: 10.1186/s12916-016-0730-3

Cite This Page:
Imperial College London. "A handful of nuts a day cuts the risk of a wide range of diseases." ScienceDaily. ScienceDaily, 5 December 2016. <www.sciencedaily.com/releases/2016/12/161205090555.htm>.

Yo-yo dieting might cause extra weight gain

Date: December 5, 2016

Source: University of Exeter

Summary:
Repeated dieting may lead to weight gain because the brain interprets the diets as short famines and urges the person to store more fat for future shortages, new research suggests.
Yo-yo dieting may, in fact, mean more weight-gain over time.
Credit: © jayzynism / Fotolia

Repeated dieting may lead to weight gain because the brain interprets the diets as short famines and urges the person to store more fat for future shortages, new research by the universities of Exeter and Bristol suggests.

This may explain why people who try low-calorie diets often overeat when not dieting and so don't keep the weight off.

By contrast, people who don't diet will learn that food supplies are reliable and they do not need to store so much fat.

The study, published in the journal Evolution, Medicine and Public Health, is based on observations of animals such as birds.

Animals respond to the risk of food shortage by gaining weight, which is why garden birds are fatter in the winter when seeds and insects are hard to find.

The authors studied a mathematical model of an animal that knows whether food is currently abundant or limited, but does not know when things will change, so must learn about the changeability before deciding how fat to be.

The model shows that if food supply is often restricted (as it is when dieting) an optimal animal -- the one with the best chance of passing on its genes -- should gain excess weight between food shortages.

Dr Andrew Higginson, Senior Lecturer in psychology at the University of Exeter, says: "Surprisingly, our model predicts that the average weight gain for dieters will actually be greater than those who never diet.

"This happens because non-dieters learn that the food supply is reliable so there is less need for the insurance of fat stores."

With more and more people becoming obese, scientists are looking for evolutionary reasons to explain why many find it hard to resist overeating.

Humans evolved in a world where food was sometimes plentiful and sometimes scarce -- and in the latter case those with more fat would be more likely to survive.

Today, people can get into a vicious cycle of weight gain and ever more severe diets -- so-called yo-yo dieting -- which only convinces the brain it must store ever more fat.

The researchers' model predicts that the urge to eat increases hugely as a diet goes on, and this urge won't diminish as weight is gained because the brain gets convinced that famines are likely.

"Our simple model shows that weight gain does not mean that people's physiology is malfunctioning or that they are being overwhelmed by unnaturally sweet tastes," says Professor John McNamara, of the University of Bristol's School of Mathematics.

"The brain could be functioning perfectly, but uncertainty about the food supply triggers the evolved response to gain weight."

So how should people try to lose weight?

"The best thing for weight loss is to take it steady. Our work suggests that eating only slightly less than you should, all the time, and doing physical exercise is much more likely to help you reach a healthy weight than going on low-calorie diets," Dr Higginson says.

Story Source:

Materials provided by University of Exeter. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
A. D. Higginson and J. M. McNamara. An adaptive response to uncertainty can lead to weight gain during dieting attempts. Evolution, Medicine and Public Health, December 2016 DOI: 10.1093/emph/eow031

Cite This Page:
University of Exeter. "Yo-yo dieting might cause extra weight gain." ScienceDaily. ScienceDaily, 5 December 2016. <www.sciencedaily.com/releases/2016/12/161205113908.htm>.

New discovery at heart of healthy cereals

Researchers identify a new mechanism for how healthy cereals such as oats reduce the amount of cholesterol in the blood stream

Date: December 6, 2016

Source: University of Queensland

Summary:
Study reveals new information on how beta glucans in oats reduce blood cholesterol.

A new discovery at the University of Queensland could help reduce heart disease and boost nutrition security -- the access to balanced nourishment -- globally.

Researchers in UQ's Centre for Nutrition and Food Sciences have identified a new mechanism for how healthy cereals such as oats reduce the amount of cholesterol in the blood stream, thereby lowering the risk of heart disease.

The discovery could lead to ways of boosting the cholesterol-fighting properties of other cereals including wheat.

UQ's Professor Mike Gidley said the study, funded through the Australian Research Council Centre of Excellence in Plant Cell Walls, revealed new information on the function of beta glucans -- a healthy soluble fibre naturally occurring in the cell walls of some plants, particularly cereals.

"We've known for some time that beta glucans in oats reduce blood cholesterol, but now we've discovered one of the ways in which they do it," Professor Gidley said.

Lead researcher Dr Purnima Gunness said the findings challenged the theory that beta glucans 'mop up' bile, which is secreted during digestion, and prevent its absorption in the small intestine.

"It was thought that the body's use of cholesterol to make new bile was one of the mechanisms for how beta glucans reduced the amount of cholesterol in the blood stream," Dr Gunness said.

The research, using pigs as a model for humans, revealed that the beta glucan in oats actually reduced, rather than maintained, the total amount of circulating bile.

"We aren't quite sure yet why, but in the presence of beta glucan there is much less circulating bile.

"This means that fats, which bile helps break down, are not digested as rapidly or as completely."

A lower or slower absorption of fat is an important factor in reducing blood cholesterol.

"Now that we know how the beta glucans positively impact on cholesterol levels, it will help us identify other fibres in plant cell walls that may have a similar effect," Dr Gunness said.

Story Source:

Materials provided by University of Queensland. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
P. Gunness, J. Michiels, L. Vanhaecke, S. De Smet, O. Kravchuk, A. Van de Meene, M. J. Gidley. Reduction in circulating bile acid and restricted diffusion across the intestinal epithelium are associated with a decrease in blood cholesterol in the presence of oat -glucan. The FASEB Journal, 2016; 30 (12): 4227 DOI: 10.1096/fj.201600465R

Cite This Page:
University of Queensland. "New discovery at heart of healthy cereals: Researchers identify a new mechanism for how healthy cereals such as oats reduce the amount of cholesterol in the blood stream." ScienceDaily. ScienceDaily, 6 December 2016. <www.sciencedaily.com/releases/2016/12/161206111736.htm>.

Substance present in ayahuasca brew stimulates generation of human neural cells

Harmine increases the number of neural progenitors, cells that give rise to neurons, study suggests

Date: December 7, 2016

Source: D'Or Institute for Research and Education

Summary:
Human neural progenitors exposed to harmine, an alkaloid presented at the psychotropic plant decoction ayahuasca, led to a 70 percent increase in proliferation of these cells. The effect of generating new human neural cells involves the inhibition of DYRK1A, a gene that is over activated in patients with Down syndrome and Alzheimer's Disease. Thus harmine could have a potential neurogenesis role and possibly a therapeutic one over cognitive deficits.

Ayahuasca is a beverage that has been used for centuries by Native South-Americans. Studies suggest that it exhibits anxiolytic and antidepressant effects in humans. One of the main substances present in the beverage is harmine, a beta-carboline which potential therapeutic effects for depression has been recently described in mice.

"It has been shown in rodents that antidepressant medication acts by inducing neurogenesis. So we decided to test if harmine, an alkaloid with the highest concentration in the psychotropic plant decoction ayahuasca, would trigger neurogenesis in human neural cells," said Vanja Dakic, PhD student and one of the authors in the study.

In order to elucidate these effects, researchers from the D'Or Institute for Research and Education (IDOR) and the Institute of Biomedical Sciences at the Federal University of Rio de Janeiro (ICB-UFRJ) exposed human neural progenitors to this beta-carboline. After four days, harmine led to a 70% increase in proliferation of human neural progenitor cells.

Researchers were also able to identify how the human neural cells respond to harmine. The described effect involves the inhibition of DYRK1A, which is located on chromosome 21 and is over activated in patients with Down syndrome and Alzheimer's Disease.

"Our results demonstrate that harmine is able to generate new human neural cells, similarly to the effects of classical antidepressant drugs, which frequently are followed by diverse side effects. Moreover, the observation that harmine inhibits DYRK1A in neural cells allows us to speculate about future studies to test its potential therapeutic role over cognitive deficits observed in Down syndrome and neurodegenerative diseases," suggests Stevens Rehen, researcher from IDOR and ICB-UFRJ.

Story Source:

Materials provided by D'Or Institute for Research and Education. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Vanja Dakic, Renata de Moraes Maciel, Hannah Drummond, Juliana M. Nascimento, Pablo Trindade, Stevens K. Rehen. Harmine stimulates proliferation of human neural progenitors. PeerJ, 2016; 4: e2727 DOI: 10.7717/peerj.2727

Cite This Page:
D'Or Institute for Research and Education. "Substance present in ayahuasca brew stimulates generation of human neural cells: Harmine increases the number of neural progenitors, cells that give rise to neurons, study suggests." ScienceDaily. ScienceDaily, 7 December 2016. <www.sciencedaily.com/releases/2016/12/161207124115.htm>.

Cancer spread is increased by a high fat diet, ground-breaking evidence shows

Researchers discover new cancer spreading protein

Date: December 7, 2016

Source: Worldwide Cancer Research

Summary:
New research shows that the metastatic process (cancer spread) is enhanced by fat intake. Mice given a high fat diet, including palmitic acid (a major component of palm oil which is found in lots of household products) developed the most aggressive cancer spread. The study identifies for the first time a protein called CD36 which has an essential role in cancer spreading.

See more at:

Beans and peas increase fullness more than meat

Date: December 9, 2016

Source: Faculty of Science - University of Copenhagen

Summary:
Meals based on legumes such as beans and peas are more satiating than pork and veal-based meals according to a recent study. Results suggest that sustainable eating may also help with weight loss.

Meals based on legumes such as beans and peas are more satiating than pork and veal-based meals according to a recent study by the University of Copenhagen's Department of Nutrition, Excercise and Sports. Results suggest that sustainable eating may also help with weight loss.

Numerous modern dietary recommendations encourage high protein consumption to help with weight loss or prevent the age-related loss of muscle mass. Furthermore, consuming more vegetable-based protein from beans and peas, and less protein from meats such as pork, veal and beef, is recommended because meat production is a far greater burden on our climate than vegetable cultivation. Until now, we haven't known very much about how legumes like beans and peas stack up against meat in satiating hunger. As a result, little has been known about the impact of vegetables and the possibility of them catalyzing or maintaining weight loss.

High protein vegetables fill more

The recent study demonstrated that protein-rich meals based on beans and peas increased satiety more in the study participants than protein-rich veal and pork based meals. In the study, 43 young men were served three different meals in which patties -- consisting of either beans/peas or veal/pork -- were a key element. The study also demonstrated that when participants ate a protein-rich meal based on beans and peas, they consumed 12% fewer calories in their next meal than if they had eaten a meat-based meal.

"The protein-rich meal composed of legumes contained significantly more fiber than the protein-rich meal of pork and veal, which probably contributed to the increased feeling of satiety," according to the head researcher, Professor Anne Raben of the University of Copenhagen's Department of Nutrition, Exercise and Sports.

Sustainable eating can help weight loss

Most interestingly, the study also demonstrated that a less protein-rich meal based on beans and peas was as satiating and tasty as the protein-rich veal and pork-based meals.

"It is somewhat contrary to the widespread belief that one ought to consume a large amount of protein because it increases satiety more. Now, something suggests that one can eat a fiber-rich meal, with less protein, and achieve the same sensation of fullness. While more studies are needed for a definitive proof, it appears as if vegetable-based meals -- particularly those based on beans and peas -- both can serve as a long term basis for weight loss and as a sustainable eating habit," concludes Professor Raben.

The results are published in the scientific journal Food & Nutrition in the article: Meals based on vegetable protein sources (beans and peas) are more satiating than meals based on animal protein sources (veal and pork) -- a randomized cross-over meal test study.

Story Source:

Materials provided by Faculty of Science - University of Copenhagen. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Marlene D. Kristensen, Nathalie T. Bendsen, Sheena M. Christensen, Arne Astrup, Anne Raben. Meals based on vegetable protein sources (beans and peas) are more satiating than meals based on animal protein sources (veal and pork) – a randomized cross-over meal test study. Food & Nutrition Research, 2016; 60 (0) DOI: 10.3402/fnr.v60.32634

Cite This Page:
Faculty of Science - University of Copenhagen. "Beans and peas increase fullness more than meat." ScienceDaily. ScienceDaily, 9 December 2016. <www.sciencedaily.com/releases/2016/12/161209100227.htm>.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Plant Hormones and Plant Defence Mechanisms

Signaling Plant Pathogen

Natural materials in the construction sector

Biodiversity and thinking outside the box: Literature and Place

Seed Terms

Weed and Pest Control

Wild Pollinators

Eat Your Pulses

Yellow Pea Protein

Treating Cancer with Cannabis | Mara Gordon | Cannabis Health Summit 2016

Clinical Application of Cannabinoids and Terpenes | M. Gordon, Cannafest...

Natural Products Chemistry: Major classes of medically relevant compound...

You Didn’t Know Mushrooms Could Do All This | National Geographic

Insect pathogenesis by the fungus Beauveria bassiana

Salicylic Acid A Plant Hormone

Natural Defences of Plants

Plant hormones

GCSE Biology Revision: Plant hormones

Lines of Thought: From Darwin to DNA

Orchestration of Plant Defense Systems

Plant ‘thermometer’ triggers springtime budding by measuring night-time ...

Plant and Animal Defense

Plant Defences Against Pathogens | A-level Biology | OCR, AQA, Edexcel

Fermentation and Secondary Metabolism

Cambridge Ideas - Don't Eat the Plants

Plant Defence against Disease

Plant Defenses Against Herbivory

Primary and Secondary Metabolites

Natural Products Chemistry: Major classes of medically relevant compound...

Secondary Metabolites( Alkaloids-Plants)

Secondary metabolites in fungi

Por que usar madeira na construção civil?

Dá pra usar madeira e mesmo assim conservar a Amazônia?

É mais caro construir com madeira?

Dá pra fazer grandes obras em madeira?

Excesso de intervenções obstétricas e o baixo uso de boas práticas na atenção ao parto permanecem no Brasil

Prematuridade por intervenção médica chega a 40% no Brasil

Ensp/Fiocruz

O excesso de intervenções obstétricas e o baixo uso de boas práticas na atenção ao parto permanecem no Brasil. Os novos dados da pesquisa Nascer no Brasil: inquérito nacional sobre parto e nascimento foram divulgados na quinta-feira (1º/12), na Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz), e revelam que a taxa de prematuridade brasileira (11,5%) é quase duas vezes superior à observada nos países europeus, sendo 74% desses prematuros tardios (34 a 36 semanas gestacionais). Muitos casos podem decorrer de uma prematuridade iatrogênica, ou seja, retirados sem indicação, em mulheres com cesarianas agendadas ou avaliação incorreta da idade gestacional. O Nascer no Brasil é um inquérito nacional de base hospitalar, realizado em 191 municípios, com 23.894 mulheres entrevistadas.
Coordenadora da pesquisa, Maria do Carmo Leal diz que a prematuridade é um dos principais problemas da Saúde Pública no país (Foto: Ensp/Fiocruz)

A pesquisadora Maria do Carmo Leal, coordenadora do estudo, alertou para as possíveis consequências. “A prematuridade se constitui no maior fator de risco para o recém-nascido adoecer e morrer não apenas imediatamente após o nascimento, mas também durante a infância e na vida adulta. Os prejuízos extrapolam o campo da saúde física e atinge as dimensões cognitivas e comportamentais, tornando esse problema um dos maiores desafios para a Saúde Pública contemporânea”, admitiu.

Quanto às formas de ocorrência, a prematuridade espontânea (com ou sem ruptura de membranas) correspondeu a 59%. Já a prematuridade terapêutica (quando provocada por intervenção médica por indução do parto ou cesariana anteparto) foi de 41%, e quase a sua totalidade (90%) ocorreu por cesariana sem trabalho de parto. Nos países desenvolvidos, essa taxa é de 30%.

“A taxa de prematuridade no Brasil foi elevada, predominou entre os prematuros tardios, ocorreu na maioria das vezes de forma espontânea, mas apresenta alta frequência de início por intervenção médica, predominantemente por cesariana anteparto, com menos de 10% de indução do trabalho de parto. A prematuridade terapêutica esteve associada à assistência privada ao parto e à gravidez em idade mais avançada, condições características de populações que apresentam melhor nível de emprego formal, escolaridade e renda. Foi maior na Região Sudeste e mais frequente nas capitais, cidades que têm maior número de hospitais de referência para atendimento a mulheres e recém-nascidos de risco”, completou Maria do Carmo Leal.

Gravidez não planejada

A prevalência de gravidez não planejada no Brasil é de 55,4% das puérperas. De acordo com a pesquisa, 25,5% das mulheres preferiam esperar mais tempo para engravidar e 29,9% simplesmente não desejavam engravidar em nenhum momento, atual ou futuro. Dados das Nações Unidas de 2012 revelaram que 40% das gestações no mundo (ou cerca de 85 milhões de gestações) não foram planejadas, sendo as maiores proporções encontradas na América Latina e Caribe.

Um perfil bastante distinto, de acordo com a pesquisadora, foi observado entre as mulheres que desejavam engravidar em relação àquelas que queriam esperar mais tempo ou não queriam engravidar. Comparando-se os três grupos, as mulheres brancas (52,7%), de maior escolaridade (59,3%), com idade acima de 35 anos (52%) e que tem relações estáveis (casadas ou com companheiro – 49,5%) são as que planejam adequadamente sua vida reprodutiva, isto é, escolhem qual o melhor momento de engravidar. “Melhor compreender esse fenômeno é um desafio para a Saúde Pública, uma vez que quase 70% das mulheres em idade de 15 a 49 anos e com vida sexual ativa utilizam métodos contraceptivos”, reconheceu Maria do Carmo.

Assistência ao parto

Com relação ao parto assistido por enfermeiras/obstetrizes, o Nascer identificou que apenas 8% do total de partos no Brasil são assistidos por enfermeiros. Na França e Inglaterra, são 85%. “No setor privado, essa porcentagem chega a 0,5%”, disse. Para os partos vaginais, as enfermeiras/obstetrizes atendem mais nas Regiões Norte (24,1) e Sudeste (23,5), com uma pequena diferença: “Essas profissionais estão mais presentes na Região Norte pela ausência de médicos e, na maioria dos casos, não têm tanta formação em obstetrícia, diferente do Sudeste, onde há capacitação. A participação direta de enfermeiras na assistência ao parto proporcionou o uso de boas práticas e intervenções obstétricas em maternidades.”

Reproductive Health

Os novos resultados da pesquisa Nascer no Brasil estão no suplemento (3) 2016;13 da revista Reproductive Health. José Belizan, editor científico da revista, Catherine Deneux-Tharaux, do Institut National de la Santé et de la Recherche Médicale (Inserm), Paris, e o doutor Rodolfo de Carvalho, da Unicamp, participaram do evento.

“Estou impressionada com a qualidade da pesquisa. Os resultados são muito informativos. O Brasil possui elevada taxa de cesariana, e precisamos entender essa magnitude, uma vez que impacta a saúde da mãe e do bebê. Muitos outros países com elevadas taxas não possuem informações como vocês. Os resultados mostram como o modelo de organização do cuidado influencia as práticas de assistência ao parto. Na França, temos uma taxa de cesariana de cerca de 20%, e incentivamos o nascimento vaginal. Agora, é hora de vocês utilizarem esses dados para trabalhar. Sei que intervenções já estão sendo feitas, mas o Brasil deve pensar em quais são as melhores práticas e qual tipo de cuidado deve implementar”, destacou Catherine Deneux-Tharaux.

Belizan afirmou: “É de extrema importância um país possuir esse tipo de informação, justamente para não ser influenciado pela realidade de outros países. É uma questão de soberania, de se autoconhecer, saber para onde dirigir as ações e quais são seus problemas prioritários. Sofremos muita influência dos desenvolvidos, e, muitas vezes, os fundos para pesquisa orientam as prioridades dos seus países. O que foi apresentado aqui, hoje, nos enche de orgulho. Além disso, a pesquisa indica ações de baixo custo para promover grandes mudanças, por exemplo, o cuidado pelas enfermeiras. Que coisa maravilhosa! Uma ação tão simples, de baixo custo, que foca a formação de profissionais, de enfermeiras obstétricas melhora a atenção, melhora os resultados. Isso é simples e traz grandes custos.”

Rodolfo de Carvalho alertou para as desigualdades apontadas pelo estudo. “A mulher que peregrina pelos serviços de saúde tem dez vezes mais chance de ter uma complicação no parto. Isso é a expressão da falta de direitos, da falta de equidade da oferta do sistema e dos serviços de saúde para a mulher. E quando essa mulher chega ao hospital, encontra uma situação de inadequação de estrutura. Essa é uma realidade ultrajante.”

Nascer no Brasil

Até 2012, o Brasil não dispunha de informação nacional sobre a taxa de prematuridade, pois o Sistema Nacional de Informação sobre Nascidos Vivos não apresentava dados confiáveis a respeito desse indicador. Resultados da Pesquisa Nascer no Brasilmostraram prevalência de 11,5%; entretanto, desconhecia-se a relação entre as intervenções obstétricas no parto – especificamente as cesarianas e seus efeitos na taxa de prematuridade no país -, tampouco os impactos no comportamento temporal desse indicador.

O país tem a maior taxa de cesarianas do mundo, correspondendo atualmente a 56% dos partos e a quase 90% no setor privado, o que leva a supor que essas cirurgias estão sendo realizadas por motivos não clínicos. De acordo com os resultados da pesquisa, a cesariana foi realizada em 45% das mulheres de baixo risco, sem nenhuma complicação obstétrica e que, simultaneamente, tornaram-se mães de recém-nascidos saudáveis.

Da Ensp/Fiocruz, in EcoDebate, 08/12/2016

Incêndios na Floresta Amazônica acarretam uma redução de 94% das espécies de árvores

Incêndios na Floresta Amazônica acarretam uma redução de 94% das espécies de árvores. Entrevista especial com Erika Berenguer

IHU

A área de queimada em quatro municípios do Pará — Santarém, Belterra, Mojuí dos Campos e Uruará — foi de “7.400 km2, afetando 12% da Floresta Nacional do Tapajós, uma das Unidades de Conservação mais estudadas do país”, informa Erika Berenguer à IHU On-Line. Segundo ela, “só a área queimada nesses quatro municípios é maior do que todo o desmatamento registrado no mesmo período em toda a Amazônia Legal”.

A pesquisadora explica, na entrevista a seguir, concedida por e-mail, que entre os fatores que contribuem para o aumento das queimadas na Amazônia, destacam-se “o uso do fogo no preparo da terra para cultivo”, o fato de as florestas estarem “cada vez mais degradadas” e ainda os efeitos das mudanças climáticas. “Os agricultores, em sua grande maioria, usam as queimadas com cuidado, porém o clima cada vez mais seco e quente na região amazônica devido às mudanças climáticas tem contribuído para as queimadas saírem de controle, virando grandes incêndios acidentais, que queimam áreas de cultivo e benfeitorias, assim como adentram as florestas, queimando-as”, diz.

Erika lembra que anos atrás, quando o fogo entrava na floresta, os efeitos não eram devastadores porque a floresta era bastante úmida, no entanto a “extração de madeira” e os “incêndios” têm causado uma “grande mortalidade da vegetação, o que resulta em muitas folhas e galhos no chão da mata e gera clareiras no meio da floresta. Essas clareiras permitem uma maior entrada de luz solar e de vento, deixando a floresta mais seca. A combinação de uma floresta mais seca e cheia de combustível no chão a torna muito mais vulnerável aos incêndios, gerando então um ciclo vicioso”, explica. Entre os resultados negativos desse processo, a pesquisadora menciona, após ter acompanhado de perto os incêndios durante três meses na região de Santarém, que “as matas que já sofreram tanto com a extração madeireira quanto com os incêndios apresentam uma redução de até 94% das espécies de árvores, 86% das espécies de besouros rola-bosta e 54% das espécies de aves”.

Para reverter esse processo, Erika pontua que é necessário “evitar uma maior degradação das florestas, como, por exemplo, maior fiscalização e punição de extração ilegal de madeira”. Em períodos de secas extremas, frisa, é essencial que “sejam direcionados incentivos financeiros de emergência para os municípios que geralmente têm maior ocorrência de incêndios. Tais incentivos teriam o objetivo duplo de prevenir os incêndios antes do desencadear da seca e de combater os incêndios após o início da seca”.

Erika Berenguer é bióloga graduada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutora em Ecologia pela Lancaster University, Reino Unido. É pesquisadora nas universidades britânicas Lancaster e Oxford. Há 14 anos trabalha com os impactos antrópicos nas florestas tropicais, focando primeiro na Mata Atlântica e, ao longo dos últimos 8 anos, trabalhando na Amazônia. Está envolvida em projetos que buscam desenvolver um maior entendimento sobre os possíveis impactos da fragmentação, da extração de madeira e dos incêndios acidentais na biodiversidade e nos estoques de carbono das florestas afetadas.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Quais são os dados mais atuais em relação às queimadas na Amazônia? O que esses dados demonstram em relação a outros momentos em que as queimadas foram monitoradas?

Erika Berenguer – Os dados mais recentes sobre incêndios na Amazônia nos mostram que estes aumentam em anos de seca extrema, como a do ano passado, que foi causada pelo El Niño. Por exemplo, em 2015 (ano de um El Niño de grande porte) o INPE registrou mais de 87 mil focos de incêndios, um aumento de 48% em relação a 2014 (um ano sem El Niño) e de 23% em relação a 2010 (ano de um El Niño de médio porte). Uma análise recente do Imazon mostrou que a área queimada só na região de Santarém, Belterra, Mojuí dos Campos e Uruará, municípios vizinhos no estado do Pará, foi de 7.400 km2, afetando 12% da Floresta Nacional do Tapajós, uma das Unidades de Conservação mais estudadas do país. Para se ter uma ideia da dimensão do problema, só a área queimada nesses quatro municípios é maior do que todo o desmatamento registrado no mesmo período em toda a Amazônia Legal!

IHU On-Line – Quais são os fatores que contribuem para que haja queimadas na Amazônia? De que modo é possível reduzi-las?

Erika Berenguer – Atualmente existem uma série de fatores que atuam em conjunto para contribuir com os incêndios acidentais na Amazônia, dentre eles, três se destacam: o uso do fogo no preparo da terra para cultivo, as florestas cada vez mais degradadas e as mudanças climáticas. Tradicionalmente, os agricultores usam as queimadas para limpar a terra que estava em pousio, ou seja, sem ser usada para plantio por alguns anos. Os agricultores, em sua grande maioria, usam as queimadas com cuidado, porém o clima cada vez mais seco e quente na região amazônica devido às mudanças climáticastem contribuído para as queimadas saírem de controle, virando grandes incêndios acidentais, que queimam áreas de cultivo e benfeitorias, assim como adentram as florestas, queimando-as.
Apesar de 91% dos agricultores construírem barreiras ao fogo, apenas 7% deles evitam o horário mais quente do dia para iniciar as queimadas

Antigamente, quando o fogo entrava na floresta, ele não conseguia ir muito longe, afinal as florestas amazônicas são muito úmidas. No entanto, tanto a extração de madeira quanto os incêndios causam uma grande mortalidade da vegetação, o que resulta em muitas folhas e galhos no chão da mata e gera clareiras no meio da floresta. Essas clareiras permitem uma maior entrada de luz solar e de vento, deixando a floresta mais seca. A combinação de uma floresta mais seca e cheia de combustível no chão a torna muito mais vulnerável aos incêndios, gerando então um ciclo vicioso.

Como as previsões científicas mostram que a Amazônia será ainda mais quente e seca no futuro, algumas medidas são necessárias para evitar os grandes incêndios na região, como aqueles vistos no ano passado. Primeiro, é necessária uma ampla campanha educacional entre os agricultores, especialmente nas áreas historicamente mais afetadas por incêndios, para melhores práticas no controle das queimadas. Por exemplo, os resultados das nossas pesquisas mostram que apesar de 91% dos agricultores construírem barreiras ao fogo, apenas 7% deles evitam o horário mais quente do dia para iniciar as queimadas. Outro fator necessário é evitar uma maior degradação das florestas, como, por exemplo, maior fiscalização e punição de extração ilegal de madeira. Finalmente, é essencial que, em anos com previsão de secas extremas, sejam direcionados incentivos financeiros de emergência para os municípios que geralmente têm maior ocorrência de incêndios. Tais incentivos teriam o objetivo duplo de prevenir os incêndios antes do desencadear da seca e de combater os incêndios após o início da seca.
Queimada na Amazônia (Foto: Erika Berenguer / Arquivo Pessoal)

IHU On-Line – Por que os pequenos produtores na Amazônia alegam que é inevitável praticar agricultura sem queimadas? Por que eles argumentam a favor dessa prática?

Erika Berenguer – O uso de queimadas no preparo do solo é uma prática barata e a qual os produtores dominam; abandoná-la é caro e exige assistência técnica: 56% dos pequenos agricultores que entrevistamos não podem arcar com os custos de uma agricultura livre de queimadas. Isso porque os substitutos do fogo são o uso de maquinário e insumos agrícolas no preparo do solo, ambos extremamente caros. Além disso, os produtores não acostumados com essas técnicas de cultivo necessitam de programas governamentais que assistam nessa transição para novas práticas. Sem incentivos financeiros e técnicos, torna-se proibitivo, para a maior parte dos pequenos produtores, a adoção de uma agricultura sem fogo.

IHU On-Line – Que tipo de política pública poderia reverter a atual prática de queimadas?

Erika Berenguer – As políticas públicas voltadas para uma agricultura livre de fogo devem variar de acordo com cada contexto. Infelizmente não existe uma solução mágica que se aplique a toda a complexidade amazônica. Em municípios nos quais a agricultura mecanizada é consolidada, pode-se incentivar a criação de programas de acesso dos pequenos produtores a maquinário e insumos; enquanto em municípios nos quais a agricultura familiar é predominante, incentivo a cultivos que façam uso do fogo com menos frequência, como a fruticultura, pode ser mais relevante, desde que acompanhados de serviços de assistência técnica e de escoamento da produção.

IHU On-Line – É possível estimar qual é o percentual de biodiversidade perdido por conta das queimadas na Amazônia?
Quando comparadas com florestas intactas, as matas que já sofreram tanto com a extração madeireira quanto com os incêndios apresentam uma redução de até 94% das espécies de árvores

Erika Berenguer – Os incêndios florestais contribuem para uma enorme perda de biodiversidade, tornando a floresta mais pobre e afetando uma série de serviços ambientais que as florestas fornecem para a humanidade. Nossas pesquisas mostram que, por exemplo, quando comparadas com florestas intactas, as matas que já sofreram tanto com a extração madeireiraquanto com os incêndios apresentam uma redução de até 94% das espécies de árvores, 86% das espécies de besouros rola-bosta e 54% das espécies de aves. Muitas das espécies afetadas são as raras ou com distribuição restrita, o que leva a um aumento do seu risco de extinção. No caso das árvores, as espécies de madeira densa e que atingem um grande porte e que, portanto, são as que mais armazenam carbono na floresta, são especialmente afetadas pelo fogo.

IHU On-Line – Quais são os estudos mais relevantes desenvolvidos nos últimos anos em relação à Amazônia?

Erika Berenguer – Nos últimos anos, diversas redes de pesquisa têm desenvolvido pesquisas de extrema relevância na Amazônia. Abaixo eu dou exemplo de algumas:

Rede Amazônia Sustentável (RAS):




RAINFOR:


*2011 – Science: The 2010 Amazon drought

ATDN:

* 2013 – Science: Hyperdominance in Amazonian tree flora

IHU On-Line – Deseja acrescentar algo?

Erika Berenguer – Um aspecto muito importante sobre os efeitos nocivos dos incêndios na Amazônia é o da perda de carbono das florestas queimadas e a consequente emissão de gases do efeito estufa. Nossas pesquisas mostram que as florestas que já sofreram tanto com a exploração madeireira quanto com o fogo armazenam em média 40% menos carbono do que as florestas intactas. Isso é uma perda substancial de carbono! Só em 2010, os incêndios na Amazônia brasileiracausaram a emissão de 15 milhões de toneladas de carbono, o que equivale a quase metade das emissões de todo o setor energético do país no mesmo ano. Para o Brasil conseguir cumprir suas metas climáticas, são necessárias políticas públicas mais fortes de prevenção e combate aos incêndios acidentais na Amazônia.

(EcoDebate, 07/12/2016) publicado pela IHU On-line, parceira editorial da revista eletrônica EcoDebate na socialização da informação.

[IHU On-line é publicada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos Unisinos, em São Leopoldo, RS.]

Human footprint & strange species / Pegada humana e espécies desconhecidas

Olá a todos,

Aqui estão dois novos artigos populares que podem ser de interesse.

O primeiro ( footprint-australasian-science-2016 ) é um resumo rápido e fácil de ler, de artigos recentes na Nature Communications e Current Biology, sobre a expansão da pegada humana global e áreas de áreas de extinção, escritas por mim e James Watson. É o tipo de texto que seria útil para os alunos ou um colega não-cientista.

O segundo artigo, que só está disponível on-line aqui, destaca a biodiversidade desconhecida e única, que poderíamos perder se não pararmos nossos caminhos destruidores de planetas e o que podemos fazer para resistir às perdas de espécies desconhecidas. Novamente, é uma leitura fácil.

Se for de interesse, poderia, por favor, sugerir a leitura para qualquer pessoa eventualmente interessada.

Tudo de bom,

Bill

William F. Laurance, PhD, FAA, FAAAS, FRSQ
Distinguished Research Professor & Australian Laureate
Prince Bernhard Chair in International Nature Conservation
Director of the Centre for Tropical Environmental and Sustainability Science (TESS)

in EcoDebate, 06/12/2016

Microbial Solutions As a New Tool for Sustainable Agriculture by Michael...

Nações precisam levar a sério a perda da biodiversidade, senão arriscam não alcançar as Metas Globais

Confrontados com o enorme declínio da natureza, os governos precisam vir para a próxima reunião da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) preparados para colocar em execução, com urgência, seus compromissos coletivos com a conservação da biodiversidade global e elevar bastante suas aspirações individuais. A reunião acontece no momento em que o ritmo adotado pelas nações indica que as metas da biodiversidade, acordadas internacionalmente para serem alcançadas até o fim desta década, não serão atingidas.

Em 2010, 193 países concordaram com uma série de esforços para melhorar as condições dos principais sistemas naturais, inclusive aquáticos, florestais e marinhos, assim como a vida silvestre que eles sustentam em todo o mundo. Quando acontecer a reunião dos países, de 4 a 17 de dezembro, em Cancún, no México, apenas 10% deles estarão a ponto de alcançar os objetivos da Convenção – que são conhecidos, no conjunto, como as metas de Aichi.

“O mundo tem um acordo e um plano coletivo sobre como reverter a perda da biodiversidade, mas isso ainda não se traduziu no nível correto de ambição e compromisso por parte dos países individualmente” afirmou DeonNel, diretor da Conservação Global do secretariado internacional da Rede WWF.

Lamentavelmente, o nível de ambição para apoiar a natureza ainda é muito baixo e a conservação da biodiversidade continua a ser uma questão marginal dentro do planejamento econômico nacional. Em sua maior parte, os países se satisfazem com a exploração do meio ambiente com vistas a soluções econômicas de curto prazo, enquanto corroem seu potencial de fornecer alimentos, emprego e apoio ao desenvolvimento econômico e humano em longo prazo e de forma sustentável.

No Brasil, apesar dos esforços do governo brasileiro, o País tem ainda muitos desafios pela frente, como a criação de unidades de conservação (UCs) marinhas – apenas 1,5% foi criada de um total de 10% estabelecido pela meta 11 de Aichi. “O Brasil, enquanto signatário da CDB e País megadiverso, possui um papel chave para influenciar discussões e compartilhar experiências. O que está em jogo é a vida do planeta e nosso futuro comum. Urgem ações sólidas, de forma responsável, para assegurar a sobrevivência do capital natural, da riqueza biológica e de ecossistemas saudáveis que sustentam nosso desenvolvimento e bem-estar”, avalia Mariana Napolitano, diretora do Programa de Ciências do WWF-Brasil.

Um relatório recente da Rede WWF faz a projeção de que, até 2020 – mesmo ano em que devem ser alcançadas as metas de Aichi, pode haver uma redução de dois terços nas populações médias da vida silvestre, em relação às populações de 1970. O Relatório Planeta Vivo 2016 também destaca a promessa de acordos internacionais, como a CDB, para apoiar a biodiversidade e a população humana, que depende da natureza para o seu bem-estar.

“Em menos de uma geração, nós teremos as populações de vida silvestre reduzidas a um nível inimaginável, sem mencionar os danos feitos às florestas, oceanos e água doce. Nós não podemos reverter essa tendência em quatro anos; mas precisamos chegar em Cancún com o objetivo de mudar esse rumo”, afirmou Nel.

Os governos presentes à reunião de Cancún precisam descobrir maneiras de implementar o acordo global de forma mais eficaz. Para isso, é preciso fazer grandes esforços para incluir a biodiversidade nas decisões estratégicas sobre agricultura, pesca, atividades florestais e turismo. A importância da natureza precisa ser incorporada com mais firmeza nos planos nacionais de desenvolvimento sustentável, na política econômica e nos orçamentos nacionais, de forma que o real valor da biodiversidade seja adequadamente compreendido.

“No ano passado, o mundo se uniu com força para estabelecer planos globais sobre as mudanças climáticas e o desenvolvimento sustentável. Esses acordos não serão cumpridos se nós não levarmos a sério a conservação da biodiversidade”, disse Nel. “A biodiversidade é a terceira perna de um banco (de três pernas) na construção de um planeta sustentável e resiliente ao clima. Agora é a hora de os governos levarem essa questão a sério e demonstrarem um nível semelhante de comprometimento com a conservação da biodiversidade”.

A reunião dos países em Cancún deveria demonstrar, também, que eles estão preparados para cumprir seus compromissos e redirecionar subsídios prejudiciais à biodiversidade, bem como cumprir as promessas de duplicar o financiamento internacional para a conservação da biodiversidade, algo que deveria ter sido feito no ano passado.

Colaboração de Júnia Braga, in EcoDebate, 06/12/2016

Cell and Tissue regeneration

Stages of Cell Injury

Cell Injury

Impasse com governo de Goiás ameaça ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

ABr

Vista dos Saltos do Rio Preto, a partir do Mirante da Janela, área que faz parte da proposta de ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Na rodovia GO-118, que liga Brasília a Alto Paraíso de Goiás, a paisagem denuncia o avanço do agronegócio sobre o Cerrado, com lavouras de soja que alcançam a linha do horizonte. A região, uma das últimas fronteiras agrícolas de Goiás, abriga uma das mais importante formações do bioma, a Chapada dos Veadeiros, reconhecida em 2001 como Patrimônio Natural da Humanidade
.
Alto Paraíso de Goiás (GO) – Plantação de soja em área do município de Alto Paraíso mostra o avanço da fronteira agrícola na região da Chapada dos Veadeiros. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Às vésperas de completar 56 anos, o parque nacional criado para proteger a Chapada dos Veadeiros enfrenta um impasse para ampliar sua área de abrangência, que pode garantir a sobrevivência de quase 50 espécies ameaçadas de extinção e preservar formações do Cerrado até agora sem nenhuma proteção, como as matas secas.

Criado em 1961 com 625 mil hectares, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros sofreu sucessivas reduções de tamanho, até chegar aos 65 mil hectares atuais, cerca de 10% da área original. Em 2001, a ampliação para 240 mil hectares chegou a ser decretada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mas foi derrubada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por falhas no processo e pela não realização de audiências públicas, previstas na Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC), que entrou em vigor em 2000.

Agora, uma nova chance de rever a redução da área preservada esbarra em um impasse com o governo de Goiás, que precisa dar o aval para a ampliação da unidade pela União.
Para o professor e pesquisador da UnB Reuber Brandão, a ampliação do parque é uma “escolha civilizatória”. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

“O Cerrado vem perdendo rapidamente sua cobertura vegetal. Proteger essas novas áreas na Chapada e integrá-las ao parque vai ajudar a segurar o futuro desse bioma. O momento é de seguir adiante e garantir esse último naco de Cerrado do Brasil Central”, defende o professor e pesquisador da Universidade de Brasília (UnB) Reuber Brandão, que considera a ampliação do parque uma “escolha civilizatória”.

O chefe do parque, o analista ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) Fernando Tatagiba, lista os riscos da desfiguração da abrangência da unidade federal.

“O que está em jogo é a conservação de uma área de extrema relevância para a preservação da biodiversidade. O que está em jogo é a proteção de um ecossistema que hoje não está protegido pelos limites atuais do parque, e está em jogo o estabelecimento de uma extensão para o parque nacional que é adequada para a conservação de espécies de fauna e flora ameaçadas de extinção.”

Proposta de ampliação

Após um processo que levou mais de cinco anos, entre a realização de estudos, consultorias, audiências e negociação política, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – responsável pela gestão das unidades de conservação federais – chegou a uma proposta que aumenta o parque dos Veadeiros de 65 mil hectares para 222 mil hectares, em área contígua, garantindo a implantação de corredores ecológicos e a manutenção do habitat de grandes mamíferos, como a anta e a onça-pintada, que precisam de grandes extensões.
Chefe do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, Fernando Tatagiba, diz que a demora em devolver ao parque a área considerada pela Unesco no reconhecimento da região como Patrimônio Natural da Humanidade pode levar a entidade a colocar o título em riscoMarcelo Camargo/Agência Brasil

No começo de novembro, a proposta foi repassada a representantes dos governos federal, de Goiás e do município de Alto Paraíso, de entidades ligadas ao agronegócio e da sociedade civil. O texto do decreto de ampliação está inclusive pronto na Casa Civil para ser assinado pelo presidente Michel Temer.

“Sentaram em volta da mesma mesa o governo do estado, produtores, a prefeitura de Alto Paraíso de Goiás, o Ministério do Meio Ambiente e a sociedade civil e acharam essa proposta aceitável do ponto de vista da conservação e do ponto de vista do interesse das pessoas que habitam a região”, conta Tatagiba.

No entanto, no dia 29 de novembro, a Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos de Goiás (Secima) divulgou uma contraproposta do governo estadual que exclui da ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros todas as terras que ainda dependem de regularização fundiária, ou seja, onde não há título de propriedade. Sem essas áreas, apenas 90 mil hectares poderiam ser anexados ao parque, em um desenho descontínuo, com buracos na unidade de conservação.
Vista do Rio Preto a partir do Mirante do Carrossel, no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, que será aberto ao público em janeiro de 2017. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Peneira

Representante do governo, o secretário-executivo do Conselho Estadual de Meio Ambiente de Goiás, Rogério Rocha, reconhece que a contraproposta faz a área de expansão do parque “parecer uma peneira” por causa dos espaços das terras devolutas (sem titulação). “Não é agradável de se ver, mas tem um motivo”, justifica.

Saiba Mais

O principal argumento é que a desapropriação das áreas pela União nas terras não tituladas vai prejudicar as famílias que vivem na faixa a ser anexada. Sem título de propriedade, os posseiros não têm direito à indenização pela terra, apenas pelas benfeitorias, como sede das fazendas, currais e demais estruturas.

“Na verdade, nós concordamos com 100% da proposta original feita pelo ICMBio e pelo Ministério do Meio Ambiente. A questão é que vamos precisar de tempos diferentes para a concretização. Nós propomos, de imediato, a expansão em 90 mil hectares e os outros 68 mil hectares após o final da regularização fundiária”, argumenta.

Segundo Rocha, das cerca de 500 propriedades da área de provável expansão do parque, 230 não têm posse definitiva, a maioria de pequenos produtores.

Ambientalistas, no entanto, apontam que interesses de grandes proprietários rurais e até do setor da mineração orientaram a contraproposta estadual para a ampliação dos Veadeiros. O governo goiano nega.

“Nossa proposta desagrada o governo federal, que queria 100% da ampliação, e os grandes produtores da região, que querem manter o seu direito à propriedade privada. Só que ela respalda o pequeno. Essas 230 famílias são pequenos produtores, de subsistência, que vivem dessa terra para existir, não têm essa terra lá pra especular. Diferentemente de grandes produtores, que estão fazendo lobby para que a expansão do parque não aconteça”, rebate o secretário executivo.
Plantação de soja em área do município de Alto Paraíso mostra o avanço da fronteira agrícola na região da Chapada dos Veadeiros. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A contraproposta do governo goiano também não agradou o agronegócio do estado. O vice-presidente da Comissão de Meio Ambiente da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Marcelo Lessa, diz que a alternativa apenas ameniza os prejuízos dos produtores com a nova demarcação. “Nossa preocupação é justamente com o direito de propriedade dos proprietários rurais que estão inseridos na área de ampliação. Em nenhum momento a federação se posicionou contrária à ampliação, mas tem que haver segurança jurídica”.

Para a Faeg, a eventual ampliação do parque nacional deveria se feita em etapas. “Primeiro, regularizar as propriedades; segundo, estudar essas áreas de ampliação com uma espécie de zoneamento e depois abrir um ato voluntário para criação de RPPNs [Reserva Particular do Patrimônio Natural] e em último momento usar o poder de desapropriar para ampliar”, sugere.

Biólogo de formação, o representante da Faeg diz que o debate sobre a ampliação da área protegida dos Veadeiros é maniqueísta e coloca o agricultor como vilão. “Tem que parar com essa polarização entre ruralistas e ambientalistas. Em nenhum momento a gente foi contra a proposta, mas quando a gente fala na ampliação do parque, a discussão é muito polarizada. Já chegaram a dizer que a ampliação afetaria apenas quatro famílias, um dado absurdo, na verdade são 516.”
Mirante do Carrossel, no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, que será aberto ao público em janeiro de 2017. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Mais prazo

De acordo com Rogério Rocha, do governo estadual, a estimativa é que a regularização fundiária pendente na região de ampliação do parque leve de sete a oito meses para ser concluída e, em seguida, Goiás dará a anuência para que a União leve a cabo a proposta original de dar à unidade de conservação os 222 mil hectares propostos inicialmente.

“Não estou falando de 20 ou 30 anos para a frente. Estou falando de sete meses, é um prazo muito curto. A ampliação para 90 mil hectares já está autorizada agora, mais 68 mil [hectares] daqui a sete ou oito meses. A empresa que fará o georreferenciamento será contratada por pregão agora em dezembro, em janeiro ela já está trabalhando, em 40 dias termina os estudos, aí nós vamos ter até julho para fazer todo o processo burocrático, passar pela Procuradoria-Geral do Estado para fazer a titulação”, prevê.

“Enquanto se discute mais esse tempo, tem áreas sendo desmatadas agora. Enquanto o parque não existe, há inclusive autorização para desmatamento legal. Qualquer prazo é demais porque deixa a vegetação fragilizada”, disse à Agência Brasiluma fonte do governo federal.

A coalização de organizações ambientalistas que defende a ampliação imediata do parque no formato integral também não concorda com o adiamento e vai fortalecer a mobilização pela proposta original do ICMBio. “A Coalizão Pró-UCs continuará aportando todo o conhecimento disponível para que Goiás tome uma decisão que leve em conta a conservação da biodiversidade e não apenas critérios fundiários. Precisamos de limites que façam sentido do ponto de vista ecológico e de gestão”, ressalta a coordenadora do Programa de Ciências do WWF Brasil, Mariana Napolitano.
Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, no município de Alto Paraíso Marcelo Camargo/Agência Brasil

O agronegócio também pretende se mobilizar e promete ir a Brasília, por meio da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), para pressionar o Ministério do Meio Ambiente a flexibilizar a demarcação da nova área do parque.

O impasse deve durar pelo menos até a volta ao Brasil do ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, que participa, em Cancún (México), da Conferência das Partes da Biodiversidade, que discute justamente estratégias para proteção do patrimônio natural do planeta. A reunião termina no dia 17 de dezembro.

Segundo o chefe do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, Fernando Tatagiba, a demora em devolver ao parque a área considerada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no reconhecimento da região como Patrimônio Natural da Humanidade pode levar a entidade a colocar o título em risco, expondo o Brasil a um constrangimento internacional.
*A repórter e o fotógrafo viajaram a convite do WWF Brasil

Por Luana Lourenço*, da Agência Brasil, in EcoDebate, 09/12/2016

Ampliação proposta para o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros pode garantir proteção a 50 espécies

ABr

Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, no município de Alto Paraíso. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O simpático pato mergulhão, de penacho na cabeça e bico longo e serrilhado para capturar peixes diretamente dentro d’água, tem apenas 200 exemplares em todo o mundo, 70 deles na região na Chapada dos Veadeiros (GO), de acordo com o pesquisador da Universidade de Brasília (UnB) e doutor em ecologia Reuber Brandão. Considerado uma das dez aves aquáticas mais ameaçadas do planeta, o pato-mergulhão está na lista das 32 espécies da fauna e 17 da flora que podem ser extintas caso a ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros não seja feita de acordo com a proposta formulada pelo Ministério do Meio Ambiente, contestada pelo governo de Goiás.

O projeto original prevê o aumento dos atuais 65 mil hectares para 222 mil hectares, em área contígua. No entanto, uma contraproposta apresentada pelo governo de Goiás na última semana autoriza a anexação de apenas 90 mil hectares à unidade de conservação, excluindo da ampliação as terras que dependem de regularização fundiária, formando uma espécie de peneira de áreas protegidas.

Apesar de não ser a maior unidade de conservação do Cerrado, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros tem uma importância estratégica para a proteção da região, segundo a pesquisadora e professora do Departamento de Ecologia da UnB Mercedes Bustamante. “O parque é extremamente importante para a região e para o bioma por tratar-se de áreas de Cerrado de altitude com endemismos (representantes de flora e fauna restritos a essa região) significativos”, destaca.
Flor de Caliandra, no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros . Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A lista de animais ameaçados de extinção identificados na área também inclui a onça-pintada (Panthera onca), o socó boi jararaca (Tigrisoma fasciatum), a águia-cinzenta (Harpyhaliaetus coronatus), o cachorro do mato vinagre (Speothos venaticus) e duas espécies símbolo do Cerrado: o lobo-guará (Chrysocyon brachyurus) e o tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla).

Para a flora, a ampliação do parque vai garantir a conservação de formações vegetais do Cerrado até agora desprotegidas, como a mata seca, predominante na região do Pouso Alto, a mais alta do Planalto Central, hoje fora dos limites oficias do parque. Além dessa, mais oito formações vegetais do bioma fazem parte do novo desenho da unidade: matas de galeria, cerradão, cerrado sentido restrito, parque cerrado, vereda, campo sujo, campo limpo e campo rupestre.

Segundo especialistas em Cerrado, pelas características do bioma, a demarcação fragmentada das áreas a serem protegidas não garante o grau de preservação que cabe a uma unidade de conservação de proteção integral. “A fragmentação reduz a sua efetividade da área protegida, com redução do fluxo gênico, impactos sobre a funções importantes dos ecossistemas como ciclos do carbono e da água, e aumenta o impacto que as transformações no entorno das áreas tem sobre o interior protegido”, ressalta Mercedes.

Além disso, o modelo de “peneira”, com áreas não protegidas no interior do parque, inviabiliza a sobrevivência de algumas espécies ameaçadas, como a onça-pintada e o lobo-guará, que precisam de áreas extensas para suas atividades e reprodução.
Reuber Brandão, professor e pesquisador da Universidade de Brasília. Foto: Marcelo Camargo/ABr

“Se pensarmos nas populações de antas, onças, lobos-guará e gaviões, estamos falando de animais que precisam de grandes extensões para caçar e sobreviver. A águia-cinzenta, que habita a região, já não tem sido vista pelos pesquisadores com a mesma frequência”, explica Brandão.

Já o pato-mergulhão precisa de águas cristalinas para capturar seu alimento diretamente dos rios. Se os cursos d´água são afetados pela atividade agropecuária, instalação de pequenas centrais hidrelétricas ou até pela mineração – ameaça que ainda ronda a Chapada dos Veadeiros – o bicho não consegue sobreviver e desaparece. O pato-mergulhão é reconhecido inclusive como espécie bioindicadora, ou seja, a presença dele em uma determinada área revela um bom estado de preservação do ambiente, justamente o que está em risco na região dos Veadeiros neste momento.
Espécie de cacto presente no Parque Nacional da Chapada. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

“É preciso garantir a preservação dessas espécies para que a gente possa reverter o quadro de ameaça de extinção”, diz a especialista em pato-mergulhão Gislaine Disconzi, coordenadora do Censo Neotropical de Aves Aquáticas no Brasil.

“A proposta [do governo de Goiás] vem com uma colcha de retalhos, é uma fragmentação tão grande do sistema que não ajuda, não melhora as condições atuais. Não tem valor científico, não foram levados em conta os critérios de biodiversidade. O que essa colcha de retalhos vai trazer é o decaimento do ecossistema e isso a gente não quer, a gente quer áreas que possam ser o mais conectadas possível. A proposta que o ICMBio [Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade] e o MMA fizeram é a correta, em área contígua, e contempla critérios de biodiversidade, é para isso que se quer a ampliação”, acrescenta a bióloga.

Responsável pela descoberta de 11 espécies de anfíbios, nove delas na Chapada dos Veadeiros, Reuber Brandão destaca o potencial de novos achados científicos na região, atividade que pode ser estimulada com a decretação da nova área do parque. Sua última descoberta foi em novembro: uma rã ainda não batizada, encontrada na Reserva Natural Serra do Tombador, uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) a cerca de 20 quilômetros do parque federal.

Saiba Mais

Em 2015, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros recebeu 136 projetos de pesquisa, quase dez vezes mais que em 2008. Considerando 2016, o total de pesquisas na unidade nos últimos nove anos chega a 467, procedentes de 38 instituições.

O secretário executivo do Conselho Estadual de Meio Ambiente de Goiás, Rogério Rocha, reconhece que a ampliação fragmentada pode não ser a ideal para a biodiversidade e para a implementação administrativa da nova área do parque, mas diz que a contraproposta priorizou a situação das famílias que vivem na área, algumas há décadas. Segundo ele, após a regularização fundiária de todas as áreas, o governo de Goiás vai dar o aval para a extensão do parque também nessas terras.
Cerca em área conhecida como Jardim de Maytrea estabelece atual limite do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

“Tem um motivo essa autorização de fazer esses 90 mil hectares agora, é uma sinalização para o Ministério do Meio Ambiente de que nós somos a favor da ampliação. Goiás nunca foi contra, mas é que tem que ter uma expansão com responsabilidade social. A gente não pode garantir abstratamente ou juridicamente a proteção de uma área e esquecer de 230 famílias, essa é a questão”, argumenta.

Além disso, segundo Rocha, a intenção do governo de Goiás é criar na região do parque a Estação Ecológica Nova Roma, um tipo de unidade de conservação de uso ainda mais restrito que um parque nacional. “É uma área com nível máximo de proteção. São 7 mil hectares que são só para pesquisa e pesquisa com autorização. Isso está no meio do parque”, pondera.

Água e clima

A conservação dos recursos hídricos, que dão ao Cerrado a fama de “caixa d’água do Brasil”, pela quantidade e importância das nascentes do bioma, também pode ganhar fôlego com os novos limites do Parque dos Veadeiros, beneficiando atividades como o ecoturismo com foco nas belas cachoeiras da região e até a agropecuária, essencial para Goiás.

“A ampliação vai proteger centenas de nascentes que abastecem os rios da região, garantindo água inclusive para o agronegócio, que sustenta a economia do estado. Os rios que nascem na Chapada também alimentam a Bacia Amazônica”, lembra Brandão. O Rio Preto, por exemplo, cuja nascente hoje está fora da área de proteção no parque, deságua no Rio Tocantins, braço da Bacia Araguaia-Tocantins, uma das mais importantes do Brasil.
A Cachoeira dos Cariocas, no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por causa do impacto direto das mudanças da cobertura vegetal no regime de chuvas do Cerrado, o gestor ambiental da Fundação O Boticário, Danilo João Tenfen, diz que o impacto da decisão de não proteger determinadas áreas vai muito além dos efeitos sobre a fauna e a flora.
O gestor ambiental da Fundação Grupo O Boticário, Danilo Tenfen, destaca o papel da preservação do Cerrado para a mudança climática. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

“Acima de tudo, a espécie mais vulnerável na verdade é a nossa, porque a não proteção de áreas significa devastação e desflorestamento. Converter esses ambientes naturais, florestas e fitofisionomias em plantações, monoculturas extensivas e pastos vai modificar o clima, o ciclo hidrológico e quem é mais afetado? Quem vai viver num planeta possivelmente inabitável?”, questiona.

A pesquisadora e professora da UnB Mercedes Bustamante destaca que, por causa das mudanças climáticas, “as áreas de altitude estão entre as mais vulneráveis e devem ter sua proteção priorizada”, como é o caso de parte da Chapada dos Veadeiros, que chega aos 1,6 mil metros de altitude em alguns pontos ainda não abarcados pelo parque nacional.
*A repórter e o fotógrafo viajaram a convite do WWF Brasil

Por Luana Lourenço*, da Agência Brasil, in EcoDebate, 09/12/2016