sábado, 5 de agosto de 2017

Liver Cleanse Food I Liver Ko Swasth Rakhne Ke Upay I Liver ko saf kaise...

Eucalyptus medicinal uses for Diabetes and bacterial infections:

Memory Booster Brahmi (Bacopa monnieri)and its medicinal uses :

Cardamom Benefits I Elaichi I For Cancer,Nausea,Urinary problems

Top Healthy fruits For Your Body!!

Arsenic in Rice Milk, Rice Krispies, and Brown Rice Syrup

Medicina Chinesa - Acupuntura - Agulhamento Deficiência Qi (Cansaço), al...

Medicina Chinesa - Acupuntura - Tristeza - Pulmão - Prof. Fabio e Leandro

Medicina Chinesa - Acupuntura - Triplo Aquecedor - (Sanjiao) - Anatomia ...

Medicina Chinesa - Acupuntura - Fatores Patogênicos Externos - Vento - Feng

Medicina Chinesa - Acupuntura - Frio - Rim - Prof. Fabio e Leandro

Medicina Chinesa - Acupuntura - Umidade - Baço - Parte 2 - Prof. Fabio e...

Medicina Chinesa - Acupuntura - Umidade - Baço - Parte 1 - Prof. Fabio e...

Medicina Chinesa - Acupuntura - Raiva - Fígado - Parte 2 - Prof. Fabi...

Medicina Chinesa - Acupuntura - Raiva - Fígado - Parte 1 - Prof. Fabio...

Hora da Fitoterapia - Erva Mate com José Sencini

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Lutein, found in leafy greens, may counter cognitive aging

Date: July 25, 2017

Source: University of Illinois at Urbana-Champaign

Spinach and kale are favorites of those looking to stay physically fit, but they also could keep consumers cognitively fit, according to a new study. The study, which included 60 adults aged 25 to 45, found that middle-aged participants with higher levels of lutein -- a nutrient found in green leafy vegetables such as spinach and kale, as well as avocados and eggs -- had neural responses that were more on par with younger individuals than with their peers.
Avocado and spinach smoothies.
Credit: © fortyforks / Fotolia

Spinach and kale are favorites of those looking to stay physically fit, but they also could keep consumers cognitively fit, according to a new study from University of Illinois researchers.

The study, which included 60 adults aged 25 to 45, found that middle-aged participants with higher levels of lutein -- a nutrient found in green leafy vegetables such as spinach and kale, as well as avocados and eggs -- had neural responses that were more on par with younger individuals than with their peers. The findings were published in the journal Frontiers in Aging Neuroscience.

"Now there's an additional reason to eat nutrient-rich foods such as green leafy vegetables, eggs and avocados," said Naiman Khan, a professor of kinesiology and community health at Illinois. "We know these foods are related to other health benefits, but these data indicate that there may be cognitive benefits as well."

Most other studies have focused on older adults, after there has already been a period of decline. The Illinois researchers chose to focus on young to middle-aged adults to see whether there was a notable difference between those with higher and lower lutein levels.

"As people get older, they experience typical decline. However, research has shown that this process can start earlier than expected. You can even start to see some differences in the 30s," said Anne Walk, a postdoctoral scholar and first author of the paper. "We want to understand how diet impacts cognition throughout the lifespan. If lutein can protect against decline, we should encourage people to consume lutein-rich foods at a point in their lives when it has maximum benefit."

Lutein is a nutrient that the body can't make on its own, so it must be acquired through diet. Lutein accumulates in brain tissues, but also accumulates in the eye, which allows researchers to measure levels without relying on invasive techniques.

The Illinois researchers measured lutein in the study participants' eyes by having participants look into a scope and respond to a flickering light. Then, using electrodes on the scalp, the researchers measured neural activity in the brain while the participants performed a task that tested attention.

"The neuro-electrical signature of older participants with higher levels of lutein looked much more like their younger counterparts than their peers with less lutein," Walk said. "Lutein appears to have some protective role, since the data suggest that those with more lutein were able to engage more cognitive resources to complete the task."

Next, Khan's group is running intervention trials, aiming to understand how increased dietary consumption of lutein may increase lutein in the eye, and how closely the levels relate to changes in cognitive performance.

"In this study we focused on attention, but we also would like to understand the effects of lutein on learning and memory. There's a lot we are very curious about," Khan said.

Story Source:

Materials provided by University of Illinois at Urbana-Champaign. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Anne M. Walk, Caitlyn G. Edwards, Nicholas W. Baumgartner, Morgan R. Chojnacki, Alicia R. Covello, Ginger E. Reeser, Billy R. Hammond, Lisa M. Renzi-Hammond, Naiman A. Khan. The Role of Retinal Carotenoids and Age on Neuroelectric Indices of Attentional Control among Early to Middle-Aged Adults. Frontiers in Aging Neuroscience, 2017; 9 DOI: 10.3389/fnagi.2017.00183

Cite This Page:
University of Illinois at Urbana-Champaign. "Lutein, found in leafy greens, may counter cognitive aging." ScienceDaily. ScienceDaily, 25 July 2017. <www.sciencedaily.com/releases/2017/07/170725122004.htm>.

Health benefits of the Mediterranean diet are confirmed, but just for the upper class

Only the most advantaged people actually benefit from the Mediterranean diet, Italian study says

Date: August 1, 2017

Istituto Neurologico Mediterraneo Neuromed I.R.C.C.S.Summary:The Mediterranean diet reduces the risk of cardiovascular disease but only if you are rich or highly educated. This is the surprising finding by researchers who performed a study on over 18,000 subjects.
A Mediterranean diet has been linked to a reduction in cardiovascular risk. However, the health benefits are observed only in people with higher educational level and/or greater household income. No actual benefits were observed for the less advantaged groups.
Credit: © golubovy / Fotolia

The Mediterranean diet reduces the risk of cardiovascular disease but only if you are rich or highly educated. This is the surprising finding by researchers from the Italian I.R.C.C.S. Neuromed, who performed a study on over 18,000 subjects recruited within the Moli-sani study and published in the International Journal of Epidemiology.

Cardiovascular advantages associated with the Mediterranean diet are well-known but now the Italian study, conducted by a team of researchers at the Department of Epidemiology and Prevention led by Giovanni de Gaetano, reveals that such benefits are strongly influenced by the socioeconomic position of people. Basically, given a comparable adherence to this eating pattern, the study has shown that the reduction in cardiovascular risk is observed only in people with higher educational level and/or greater household income. No actual benefits were observed for the less advantaged groups.

"The cardiovascular benefits associated with the Mediterranean diet in a general population are well known -- says Marialaura Bonaccio, researcher at the Department of Epidemiology and Prevention and first author of the study -- Yet for the first time our study has revealed that the socioeconomic position is able to modulate the health advantages linked to Mediterranean diet. In other words, a person from low socioeconomic status who struggles to follow a Mediterranean model, is unlikely to get the same advantages of a person with higher income, despite the fact that they both similarly adhere to the same healthy diet."

Neuromed researchers went further and tried to unravel the possible mechanisms underlying such disparities.

"Given a comparable adherence to the Mediterranean diet, the most advantaged groups were more likely to report a larger number of indices of high quality diet as opposed to people with low socioeconomic status -- explains Licia Iacoviello, head of the Laboratory of nutritional and molecular Epidemiology at the Department -- For example, within those reporting an optimal adherence to the Mediterranean diet (as measured by a score comprising fruits and nuts, vegetables, legumes, cereals, fish, fats, meat, dairy products and alcohol intake) people with high income or higher educational level consumed products richer in antioxidants and polyphenols, and had a greater diversity in fruit and vegetables choice. We have also found a socioeconomic gradient in the consumption of whole-grain products and in the preferred cooking methods. These substantial differences in consuming products belonging to Mediterranean diet lead us to think that quality of foods may be as important for health as quantity and frequency of intake."

"Our results should promote a serious consideration of socioeconomic scenario of health -- comments Giovanni de Gaetano, director of the Department -- Socioeconomic disparities in health are growing also in access to healthy diets. During the very last years, we documented a rapid shifting from the Mediterranean diet in the whole population, but it might also be that the weakest citizens tend to buy 'Mediterranean' food with lower nutritional value. We cannot be keeping on say that the Mediterranean diet is good for health -- de Gaetano concludes -- if we are not able to guarantee an equal access to it."

The Moli-sani Project

Started in March 2005, it involves about 25,000 citizens living in the Molise region. The aim is to learn about environmental and genetic factors underlying cardiovascular disease, cancer and degenerative pathologies. Moli-sani study, now based in I.R.C.C.S. Neuromed, has transformed an entire Italian region in a large research lab.

Story Source:

Materials provided by Istituto Neurologico Mediterraneo Neuromed I.R.C.C.S.. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Marialaura Bonaccio, Augusto Di Castelnuovo, George Pounis, Simona Costanzo, Mariarosaria Persichillo, Chiara Cerletti, Maria Benedetta Donati, Giovanni de Gaetano, Licia Iacoviello on behalf of the Moli-sani Study Investigators. High adherence to the Mediterranean diet is associated with cardiovascular protection in higher but not in lower socioeconomic groups: prospective findings from the Moli-sani study. International Journal of Epidemiology, 2017 DOI: 10.1093/ije/dyx145

Cite This Page:
Istituto Neurologico Mediterraneo Neuromed I.R.C.C.S.. "Health benefits of the Mediterranean diet are confirmed, but just for the upper class: Only the most advantaged people actually benefit from the Mediterranean diet, Italian study says." ScienceDaily. ScienceDaily, 1 August 2017. <www.sciencedaily.com/releases/2017/08/170801171047.htm>.

Caffeine shortens recovery time from general anesthesia

Date: August 1, 2017

Source: American Physiological Society (APS)

Caffeine helps quickly boost wakefulness following general anesthesia, a new study finds. The stimulant — used daily by more than 90 percent of adults in the U.S. — appears to alter physiological function in two different ways to shorten recovery time.

Caffeine helps quickly boost wakefulness following general anesthesia, a new study finds. The stimulant -- used daily by more than 90 percent of adults in the U.S. -- appears to alter physiological function in two different ways to shorten recovery time. The paper, published ahead of print in the Journal of Neurophysiology, was chosen as an APSselect article for August.

Caffeine works in two different ways to wake us up. It raises the body's level of cyclic adenosine monophosphate (cAMP), a compound that regulates cell function. Previous studies have shown that an increase in cAMP levels speeds up recovery from general anesthesia. Caffeine also acts as an adenosine receptor antagonist. Activity in the nervous system slows down when adenosine binds to its receptors, causing sleepiness. An adenosine receptor antagonist is a substance that prevents adenosine -- a compound that controls nerve activity -- from binding to its receptors (molecules on the surface of the cells).

Researchers exposed adult rats to a 3 percent concentration of a general anesthetic for one hour to simulate the effects of undergoing a brief surgical procedure. During the last 10 minutes of exposure, the animals received an injection of either caffeine or a saline solution (the control group). The research team administered the tests on two more occasions with increasingly higher doses of caffeine. The caffeine group awoke from anesthesia more quickly than the control group each time. The reduction in waking time became much more significant -- up to 55 percent more quickly -- with the highest dosage.

To determine exactly how caffeine reduces waking time, the researchers administered additional trials, exposing the rats to another adenosine receptor antagonist (preladenant) or a plant-based supplement in the mint family (forskolin) that, similar to caffeine, elevates cAMP. Both of these agents caused reductions in waking time, but they were not as significant as the caffeine trials, in which both adenosine receptors were blocked and cAMP levels increased. These results suggest that "some of the accelerated recovery from anesthesia produced by caffeine is most likely mediated by block of adenosine receptors, but that elevation of [cAMP] accounts for the majority of the effect," the research team wrote.

Story Source:

Materials provided by American Physiological Society (APS). Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Robert Fong, Suhail Khokhar, Atif Newaz Chowdhury, Kelvin G Xie, Josiah Hiu-yuen Wong, Aaron P. Fox, Zheng Xie. Caffeine Accelerates Recovery from General Anesthesia via Multiple Pathways. Journal of Neurophysiology, 2017; jn.00393.2017 DOI: 10.1152/jn.00393.2017

Cite This Page:
American Physiological Society (APS). "Caffeine shortens recovery time from general anesthesia." ScienceDaily. ScienceDaily, 1 August 2017. <www.sciencedaily.com/releases/2017/08/170801111017.htm>.

Oregano, thyme may hold hope for wasting syndrome disease, study suggests

Date: August 1, 2017

Source: University of Iowa

Fresh thyme and oregano offer a savory touch to a tasty dish, but a researcher recently discovered natural compounds in the herbs that may offer a treatment for cachexia or "wasting syndrome" as it is more commonly known.

Fresh thyme and oregano offer a savory touch to a tasty dish, but a University of Iowa researcher recently discovered natural compounds in the herbs that may offer a treatment for cachexia or "wasting syndrome" as it is more commonly known.

Wasting syndrome is characterized by a loss of weight and muscle atrophy, and largely found in patients who suffer from cancer, kidney disease, chronic obstructive pulmonary disease, and heart failure.

In pre-clinical studies, compounds in thyme and oregano have demonstrated a greater than 37 percent increase in exercise tolerance and a 15 percent increase in muscle mass of certain body muscles. The discovery was a "serendipitous finding" in the lab of Rajan Sah, M.D., Ph.D., assistant professor of Internal Medicine and Molecular Physiology and Biophysics at the University of Iowa.

"When we exercise and move our muscles, we activate calcium cycling to cause muscle contraction," said Sah. "This same calcium signal also activates signaling pathways to increase skeletal muscle endurance and also skeletal muscle size."

Sah's research team hypothesized that low level calcium cycling induced by these natural compounds might promote improved exercise capacity and overall metabolic health associated with healthy muscle mass.

"We tested these compounds in sedentary mice and found a dramatic improvement in exercise endurance and a mild increase in muscle size of certain muscle groups," Sah says.

The intellectual property associated with this discovery was recently licensed by the UI Research Foundation to Innovus Pharma, an over-the-counter consumer goods and specialty pharmaceutical company that commercializes non-prescription medicine and consumer care products. The company plans to develop the discovery into an over-the-counter (OTC) product to combat cachexia.

"The oncology supportive care market is a very large unmet medical market with limited choices to both physicians and patients," said Bassam Damaj, chief executive officer of Innovus Pharma. "The treatment of cachexia just doesn't exist. It is a miserable, frequent event that every physician knows about and many patients experience, but there is simply little available against it and nothing to prevent it."

Story Source:

Materials provided by University of Iowa. Original written by Rebekah Tilley. Note: Content may be edited for style and length.

Cite This Page:
University of Iowa. "Oregano, thyme may hold hope for wasting syndrome disease, study suggests." ScienceDaily. ScienceDaily, 1 August 2017. <www.sciencedaily.com/releases/2017/08/170801160359.htm>.

Collaboration between pet owners, vets and researchers helps dogs and children with a rare and severe epilepsy

Date: August 2, 2017

Source: University of Surrey

New hope is being given to children who suffer from a rare and severe form of epilepsy, thanks to new, unique research.

New hope is being given to children who suffer from a rare and severe form of epilepsy, thanks to unique research carried out by the University of Surrey’s School of Veterinary Medicine and Fitzpatrick Referrals in Surrey.

The research, published in PLOS One, has identified the progression of Lafora disease, a devastating form of epilepsy which affects up to 50 young children worldwide. Lafora’s disease also affects dogs and the examination of affected canines will help develop effective treatment which can be used to treat children with the illness.

Working with eminent specialists in the human form of Lafora at The Hospital for Sick Children in Toronto, researchers surveyed the owners of 27 miniature wirehaired dachshund, a breed with a high prevalence of the illness, over the course of 12 months to uncover the clinical signs and physical advancement of the disease. The insight will help shape the treatment available for this rare disease, which affects 50 children worldwide each year.

The devastating Lafora illness is a fatal form of epilepsy caused by gene mutation, leading to abnormal levels of glycogen in the body. These abnormal levels of glycogen cause children and dogs to suffer progressive seizures, dementia and loss of walking ability.

Researchers discovered that the most common clinical sign of Lafora is reflex and spontaneous muscle contractions, uncontrollable jerks and generalised seizures. Other common signs include ‘focal seizures’, ‘jaw smacking,’ ‘fly catching’, ‘panic attacks’ and ‘aggression.’

Dr Clare Rusbridge, Reader in Veterinary Neurology at the University of Surrey and Chief Neurologist at Fitzpatrick Referrals, said: “Lafora disease is a fatal disease that causes unbearable suffering for dogs and in rare cases young children.

“Due to its rarity, little is known about the onset of this illness but what we have discovered, with the help of dog owners, is the clinical sign of Lafora helping to lead to quicker diagnosis. The more we learn about Lafora, the better chance we have of treating it effectively.”

The longstanding relationship between Dr Rusbridge and the Hospital for Sick Children in Toronto has led to the ground-breaking collaboration between human and veterinary medicine, which led to the discovery of the canine Lafora genetic mutation in 2005.

Armed with this knowledge, campaigning by the Wirehaired Dachshund Club and Dachshund Breed Council has led to an increased awareness and testing for the disease in breeding animals. In the space of just 5 years, the proportion of litters bred with a risk of Lafora-affected puppies has been reduced from 55% to under 5%.

Story Source:

Materials provided by University of Surrey. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Lindsay Swain, Gill Key, Anna Tauro, Saija Ahonen, Peixiang Wang, Cameron Ackerley, Berge A. Minassian, Clare Rusbridge. Lafora disease in miniature Wirehaired Dachshunds. PLOS ONE, 2017; 12 (8): e0182024 DOI: 10.1371/journal.pone.0182024

Cite This Page:
University of Surrey. "Collaboration between pet owners, vets and researchers helps dogs and children with a rare and severe epilepsy." ScienceDaily. ScienceDaily, 2 August 2017. <www.sciencedaily.com/releases/2017/08/170802153909.htm>.

Music therapy helps people with Parkinson's build strength through song

Date: August 2, 2017

Source: Iowa State University

A music therapy class is helping people with Parkinson's disease build strength through song. A new study shows singing improves the muscles used for swallowing and respiratory control -- two functions complicated by Parkinson's.

See more at:

How to Cook Rice to Lower Arsenic Levels

Arsenic in Infant Rice Cereal

Tri fronteira - Criança com frequentes convulsões, apresenta melhoras ap...

Linhaça pode prevenir doenças inflamatórias intestinais

Nutricionista demonstra que semente tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias


A linhaça pode ajudar na prevenção e no tratamento da Doença de Crohn, uma doença caracterizada pela inflamação de qualquer região do intestino. Pesquisa de doutorado desenvolvida na Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) Unicamp testou a ação antioxidante e anti-inflamatória tanto de peptídeos como de compostos fenólicos da farinha de linhaça no cólon, uma região do intestino grosso. O estudo pré-clínico, em animais, mostrou que ambos podem atuar como anti-inflamatórios por meio de mecanismos distintos.
Fernanda Drummond, autora da pesquisa: “Vimos que os peptídeos e fenólicos administrados tanto antes da indução quanto durante o desenvolvimento da colite, levaram a uma significativa redução do quadro inflamatório intestinal”

Segundo a nutricionista Fernanda Drummond, autora do trabalho, o tratamento convencional para as doenças inflamatórias intestinais, como a colite ulcerativa e a Doença de Crohn, é pouco eficaz e apresenta vários efeitos colaterais. “Além disso, o estudo é pioneiro em mostrar, in vivo, que os peptídeos derivados da linhaça podem atuar também como anti-inflamatórios no organismo”, salienta. A pesquisa foi realizada na FEA, em parceria com o Laboratório de Inflamação e Imunologia Celular do Instituto de Biologia (IB) da Unicamp e com o Instituto de Ciências da Alimentação em Madri, Espanha. O trabalho foi orientado pela professora Flávia Maria Netto.

No mestrado, Fernanda tentou isolar as proteínas para estudar seu potencial antioxidante. Mas, durante o processo, observou que compostos fenólicos também foram extraídos. “Eu não sabia distinguir naquele material que componente era responsável pela atividade antioxidante, se eram as proteínas ou os fenólicos, ou mesmo se havia sinergismo entre eles. Se fosse o fenólico não tinha muita novidade porque já se sabe que esses compostos, em geral, têm atividade antioxidante. A novidade foi mesmo em relação à atividade antioxidante da proteína”. No doutorado, Fernanda procurou separar os dois compostos para estudar o potencial antioxidante de ambas substâncias, e verificar se esta propriedade resistiria a um processo de digestão semelhante ao que ocorre no nosso organismo.
Farinha feita a partir da linhaça: sequenciamento dos peptídeos da proteína

Em colaboração com os espanhóis, Fernanda conseguiu sequenciar os peptídeos da proteína de linhaça com maior atividade antioxidante, e o paper sobre essa etapa do trabalho foi publicado recentemente. Uma vez que os peptídeos estudados por Fernanda continuaram a exibir atividade antioxidante após a digestão da fração proteica, o próximo passo seria avaliar a ação tópica desses compostos em enfermidades que ocorrem na região intestinal.

A colite experimental induzida quimicamente em animais de laboratório foi o modelo escolhido para esse estudo, por mimetizar a Doença de Crohn em humanos. “Nessa parte do trabalho, avaliamos os efeitos do consumo de compostos fenólicos e de peptídeos da linhaça, em protocolos que examinavam sua ação profilática e terapêutica na colite experimental. Vimos que os peptídeos e fenólicos administrados tanto antes da indução quanto durante o desenvolvimento da colite, levaram a uma significativa redução do quadro inflamatório intestinal”. Esta parte do trabalho está sendo submetida à publicação.
Linhaça à venda em loja de Campinas: para nutricionista, é preferível ingerir a farinha em vez das sementes

A pesquisa utilizou a farinha de linhaça obtida comercialmente, a partir da qual foram extraídos os compostos usados no estudo. Fernanda não testou a ação combinada da proteína e dos fenólicos, mas acredita que o alimento não processado também possa oferecer a ação antioxidante e anti-inflamatória que ela observou nos compostos isolados. “De qualquer maneira o consumo de linhaça é recomendado até mesmo por suas propriedades já conhecidas, tais como a redução do risco de câncer de mama e de próstata. Além disso, a linhaça tem fibras solúveis, excelentes para o funcionamento do intestino e manutenção dos probióticos (bactérias boas) que protegem o órgão”. Os resultados do estudo realizado representam mais uma evidência de que o consumo de linhaça traz muitos benefícios à saúde, conforme a pesquisadora. Fernanda apenas explica que é preferível ingerir a farinha em vez das sementes, que podem não ser digeridas por causa da casca, dependendo da mastigação.


Ciência aponta um novo possível benefício da beterraba!

A beterraba pertence à família Chenopodiaceae, na qual a parte comestível é a raiz tuberosa, e apesar de não possuir um elevado valor comercial, ela é amplamente consumida, seja cozida, ralada ou em conserva. Entre as espécies, podemos citar a açucareira, forrageira e hortícola, a qual é conhecida como “de mesa” ou beterraba vermelha, e é mais comercializada e consumida no país.

A espécie Beta vulgaris L., ou beterraba vermelha, é conhecida por possuir compostos nitrogenados, que desempenham atividade antioxidante natural, chamados de betalaínas, os quais são classificados em betacianinas, pigmento com características polares que confere cor vermelha-violeta à beterraba e correspondem a 75 a 95% dos pigmentos, e as betaxantinas, um corante amarelo-laranja também presente na beterraba vermelha em menor proporção que as betacianinas. Devido à isso, as betalaínas podem ser empregues como corante natural em alimentos; no entanto, deve-se levar em conta que elas são estáveis em pH 4 a 5, razoavelmente estáveis em pH 5 a 7 e instáveis em presença de luz e oxigênio, sendo afetadas também pela atividade de água.

Além de suas propriedades antioxidantes, que protegem nosso organismo do envelhecimento celular, alguns tipos de cânceres e doenças inflamatórias, a beterraba apresenta também um rico conteúdo de nutrientes, dos quais podemos citar os carboidratos, proteínas, além dos minerais cálcio, ferro, magnésio, fósforo, sódio e as vitaminas do complexo B, A e C, e um baixo valor calórico.
Sabe-se também da ação vasodilatadora que esta raiz possui, auxiliando no controle da hipertensão, um dos fatores que acarretam em doenças cardiovasculares, cujo efeito dá-se pelos consideráveis teores de nitrato, os quais são convertidos em nitrito no nosso organismo. Além disso, o nitrato pode contribuir com o aumento do oxigênio, melhorando a tolerância durante exercícios físicos.

Dentre todos estes benefícios, pesquisadores buscaram investigar os possíveis efeitos anti-hiperglicêmicos da Beta vulgaris L. Os resultados indicaram uma possível atividade anti-hiperglicêmica, devido ao aumento da glicose, que é rapidamente convertida em glicogênio, no plasma, induzindo a secreção de insulina, a qual é mediada pelo nível de acetilcolina e peptídeo 1 semelhante ao glucagon (GLP-1).

A pergunta que fica é: como uma fonte de extração de açúcar pode apresentar atividade anti-hiperglicêmica? Mais estudos devem ser realizados a fim de comprovar tal relação. No entanto, uma coisa é certa, a beterraba deve ser incluída em nossa alimentação, preferencialmente, na forma crua, para aproveitarmos todos os seus compostos. Além disso, as folhas, normalmente descartadas, são fontes de fibras, vitaminas e minerais, e podem ser consumidas em sopas ou caldos.

Jéssica Fernanda Scatolin Russo
Graduanda em Ciências dos Alimentos (ESALQ-USP)
Sob orientação da Profª. Drª. Jocelem Mastrodi Salgado

1st April 2016 por GEAF FUNCIONAIS


For white middle class, moderate drinking is linked to cognitive health in old age

Date: August 1, 2017

Source: University of California - San Diego

Older adults who consume alcohol moderately on a regular basis are more likely to live to the age of 85 without dementia or other cognitive impairments than non-drinkers, according to a new study.
Credit: © stokkete / Fotolia

Older adults who consume alcohol moderately on a regular basis are more likely to live to the age of 85 without dementia or other cognitive impairments than non-drinkers, according to a University of California San Diego School of Medicine-led study.

The findings are published in the August issue of the Journal of Alzheimer's Disease.

Previous studies have found a correlation between moderate alcohol intake and longevity. "This study is unique because we considered men and women's cognitive health at late age and found that alcohol consumption is not only associated with reduced mortality, but with greater chances of remaining cognitively healthy into older age," said senior author Linda McEvoy, PhD, an associate professor at UC San Diego School of Medicine.

In particular, the researchers found that among men and women 85 and older, individuals who consumed "moderate to heavy" amounts of alcohol five to seven days a week were twice as likely to be cognitively healthy than non-drinkers. Cognitive health was assessed every four years over the course of the 29-year study, using a standard dementia screening test known as the Mini Mental State Examination.

Drinking was categorized as moderate, heavy or excessive using gender and age-specific guidelines established by the National Institute on Alcohol Abuse and Alcoholism. By its definition, moderate drinking involves consuming up to one alcoholic beverage a day for adult women of any age and men aged 65 and older; and up to two drinks a day for adult men under age 65. Heavy drinking is defined as up to three alcoholic beverages per day for women of any adult age and men 65 and older; and four drinks a day for adult men under 65. Drinking more than these amounts is categorized as excessive.

"It is important to point out that there were very few individuals in our study who drank to excess, so our study does not show how excessive or binge-type drinking may affect longevity and cognitive health in aging," McEvoy said. Long-term excessive alcohol intake is known to cause alcohol-related dementia.

The researchers said the study does not suggest drinking is responsible for increased longevity and cognitive health. Alcohol consumption, particularly of wine, is associated with higher incomes and education levels, which in turn are associated with lower rates of smoking, lower rates of mental illness and better access to health care.

The UC San Diego School of Medicine research team adjusted the statistical analyses to remove confounding variables, such as smoking or obesity, but noted the study is based only on statistical relationships between different demographic factors, behaviors and health outcomes. There remain on-going debates about whether and how alcohol impacts lifespan or potentially protects against cognitive impairments with age.

One of the study's advantages, however, is that the data derive from a relatively homogenous population in a geographically well-defined area. All of the 1,344 older adults (728 women; 616 men) who participated in the study are from Rancho Bernardo, a white-collar, middle-to-upper-middle-class suburb in San Diego County. More than 99 percent of the study participants, tracked from 1984 to 2013, are Caucasian with at least some college education.

"This study shows that moderate drinking may be part of a healthy lifestyle to maintain cognitive fitness in aging," said lead author Erin Richard, a graduate student in the Joint San Diego State University/UC San Diego Doctoral Program in Public Health. "However, it is not a recommendation for everyone to drink. Some people have health problems that are made worse by alcohol, and others cannot limit their drinking to only a glass or two per day. For these people, drinking can have negative consequences."

Co-authors include: Donna Kritz-Silverstein, Gail A. Laughlin, and Elizabeth Barrett-Connor, UC San Diego; and Teresa T. Fung, Simmons College and Harvard University.

Story Source:

Materials provided by University of California - San Diego. Original written by Christina Johnson. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Erin L. Richard, Donna Kritz-Silverstein, Gail A. Laughlin, Teresa T. Fung, Elizabeth Barrett-Connor, Linda K. McEvoy. Alcohol Intake and Cognitively Healthy Longevity in Community-Dwelling Adults: The Rancho Bernardo Study. Journal of Alzheimer's Disease, 2017; 59 (3): 803 DOI: 10.3233/JAD-161153

Cite This Page:
University of California - San Diego. "For white middle class, moderate drinking is linked to cognitive health in old age." ScienceDaily. ScienceDaily, 1 August 2017. <www.sciencedaily.com/releases/2017/08/170801131212.htm>.

Eating at 'wrong time' affects body weight, circadian rhythms

Date: July 18, 2017

Source: UT Southwestern Medical Center

A new high-precision feeding system for lab mice reinforces the idea that the time of day food is eaten is more critical to weight loss than the amount of calories ingested.
Besides affecting weight, scientists believe the timing of food consumption affects one's circadian rhythms and may be the route by which dietary habits impact lifespan.
Credit: © tatomm / Fotolia

A new high-precision feeding system for lab mice reinforces the idea that the time of day food is eaten is more critical to weight loss than the amount of calories ingested.

Mice on a reduced calorie plan that ate only during their normal feeding/active cycle were the only ones among five groups to lose weight, despite consuming the same amount as another group fed during their rest time in daylight, according to the study at UT Southwestern Medical Center.

"Translated into human behavior, these studies suggest that dieting will only be effective if calories are consumed during the daytime when we are awake and active. They further suggest that eating at the wrong time at night will not lead to weight loss even when dieting," said Dr. Joseph S. Takahashi, Chairman of Neuroscience at UT Southwestern's Peter O'Donnell Jr. Brain Institute and Investigator with the Howard Hughes Medical Institute.

Using high-tech sensors and automated feeding equipment, scientists developed the feeding system to help answer the difficult question of why calorie-restricted diets improve longevity. They say the new set of tools has already offered fresh insights.

Among the findings published in Cell Metabolism, scientists documented how mice on a diet reduced their eating to a very short time period and were unexpectedly active during the day -- the normal rest period for the nocturnal animals. These data reveal previously unknown relationships among feeding, metabolism, and behavior.

"It has been known for decades that caloric restriction prolongs lifespan in animals, but these types of studies are very difficult to conduct because they required manual feeding of subjects over many years. Therefore, shortcuts were taken in order to deal with practical matters such as the normal Monday-to-Friday work week," said Dr. Takahashi, holder of the Loyd B. Sands Distinguished Chair in Neuroscience.

Besides affecting weight, scientists believe the timing of food consumption affects one's circadian rhythms and may be the route by which dietary habits impact lifespan. The study reinforced this notion by testing the day/night cycles of mice under different feeding schedules.

Two groups of mice that were fed at the wrong times during their normal light-dark cycle -- those with a 30 percent calorie reduction and others with unlimited food access during the day -- remained active at night, suggesting they might have chronic sleep deprivation.

This is an especially important factor for scientists to consider for future research, given that many calorie-reduction studies involve only daytime feeding, which is the wrong time for otherwise nocturnal mice. Without accounting for the timing of food intake, research that examines the effects of calorie reduction on lifespan may be skewed by hidden factors such as lack of sleep and desynchronized circadian rhythms.

Dr. Takahashi said the automated system developed for this latest study helped his team address this issue and other confounding variables that have inhibited previous research, including the varied amounts of food given and how quickly it is consumed.

"Despite the importance of these factors, manipulating when and how much food is available for extended periods has been difficult in past research. This automated system, which can be scaled up for large and very long longevity studies, provides the means to address open questions about what mechanisms extend lifespan in mammals, and whether it is actually the calorie reduction or the time at which food is consumed that extends lifespan," Dr. Takahashi said.

Story Source:

Materials provided by UT Southwestern Medical Center. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Victoria A. Acosta-Rodríguez, Marleen H.M. de Groot, Filipa Rijo-Ferreira, Carla B. Green, Joseph S. Takahashi. Mice under Caloric Restriction Self-Impose a Temporal Restriction of Food Intake as Revealed by an Automated Feeder System. Cell Metabolism, 2017; 26 (1): 267 DOI: 10.1016/j.cmet.2017.06.007

Cite This Page:
UT Southwestern Medical Center. "Eating at 'wrong time' affects body weight, circadian rhythms." ScienceDaily. ScienceDaily, 18 July 2017. <www.sciencedaily.com/releases/2017/07/170718091542.htm>.

A valeriana é usada no tratamento da ansiedade - ciplamasces.wordpress.com

A valeriana (Valeriana officinalis) é uma planta da família das valerianáceas, originária da Europa e Ásia. Essa família possui mais de 200 espécies, mas a V. officinalis é a mais usada na terapêutica. É usada a bastante tempo, sendo no Primeira Guerra Mundial utilizada para tratar neuroses e no período do Renascimento era usada para acalmar as histerias das damas da nobreza. Essa planta é utilizada na produção de medicamentos fitoterápicos, principalmente para o tratamento de insônia, depressão e ansiedade.

Pode ser cultivada a partir de sementes e rizomas. É aconselhável manter a distância de 40 a 70 centímetros de uma planta para a outra, pois a valeriana é uma planta grande, podendo chegar a até um metro de altura. Além disso, os locais de plantio devem possuir sombra e serem úmidos. No preparo caseiro do chá, é feita a infusão das raízes frescas e secas. É contra indicado para crianças menores de 12 anos, mulheres gestantes e em período de amamentação.

Possui propriedade hipnótica, ansiolítica e sedativa. A atividade sedativa se dá pela presença de valeropotriato, que é extraído do óleo essencial. Essa substância age no sistema nervoso deprimindo-o e causando a sedação. Há relatos na literatura de que a valeriana pode ser usada no tratamento da menopausa por conter fitoestrógenos em sua composição. É necessário o cuidado ao fazer uso da planta com analgésicos, benzodiazepínicos, barbitúricos ou álcool, pois o efeito de sedação pode ser potencializado.

PASSOS, C. S. et al. Terpenóides com atividade sobre o Sistema Nervoso Central (SNC). Rev. bras. farmacogn., João Pessoa , v. 19, n. 1a, p. 140-149, Mar. 2009 .
ALEXANDRE, R. F.; BAGATINI, F.; SIMOES, C.M. O.. Potenciais interações entre fármacos e produtos à base de valeriana ou alho. Rev. bras. farmacogn., João Pessoa , v. 18, n. 3, p. 455-463, Sept. 2008 .
SECCHI, P.; VIRTUOSO, S. O EFEITO DA VALERIANA NO TRATAMENTO DA INSÔNIA. Visão Acadêmica, Curitiba, v.13, n.1, Jan. – Mar./2012


Programa Plantas Medicinais da Itaipu ganha primeiro lugar no ranking Benchmarking

Este ano, o primeiro lugar no ranking Benchmarking - prêmio anual para os melhores casos socioambientais do Brasil - foi para o Programa Plantas Medicinais, da Itaipu, que é parceira da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Por meio do Programa, a Itaipu apoia o desenvolvimento da cadeia produtiva de fitoterápicos na região Oeste do Paraná, com a ajuda da Cooperativa Gran Lago, de agricultores familiares, e do Laboratório Yanten, o único da agricultura familiar no Brasil que produz orgânicos.

A Sead e a Itaipu conduzem, desde 2012, um acordo de cooperação técnica. O foco do programa é atuar no fomento da produção, pesquisa e uso fitoterápico na atenção à saúde pública. A Cooperativa Gan Lago cultiva as plantas, seca e, atualmente, vende para alguns municípios da região, com projetos aprovados junto ao Ministério da Saúde. Indústrias que comercializam chás para alimentação também compram as plantas. Já o Laboratório Yanten, além de produzir e secar as plantas, também produz fitoterápicos e é um dos fornecedores para os municípios, como Toledo, que desenvolve um projeto de Fitoterapia, na modalidade APL do Ministério da Saúde.

Segundo a consultora do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento da Sead, Daniella Vasconcelos, o prêmio reconhece a importância do programa para a agricultura familiar e para a sociedade como um todo. "Temos geração de renda e garantia de mercado para o agricultor, e a oferta de um produto de qualidade para a população, seja na saúde pública, na alimentação de crianças, nas escolas, e no setor de fitoterápicos", justifica a consultora.

Em dezembro do ano passado, a Sead recebeu representantes de instituições do governo e da sociedade civil de cinco estados mais o Distrito Federal (DF) para a criação do Plano de Ação Estratégico para o Apoio às Cadeias de Valor de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Durante o plano, foram mapeadas duas cadeias com os parceiros do projeto da Itaipu, a da Calêndula e da Espinheira Santa.

Estas ações e parcerias da Sead são parte de uma força-tarefa de apoio à implementação do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. A secretaria desenvolve ações de incentivo e reconhecimento das práticas populares de uso de plantas medicinais e remédios caseiros. Uma delas é promover a capacitação de agricultores familiares no manejo e na produção de plantas medicinais, insumos e fitoterápicos adequados. Leia mais aqui.

Camila Costa
Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário
Assessoria de Comunicação
Contatos: (61) 2020-0128 / 0122 e imprensa@mda.gov.br



Açafrão-da-terra pode ter ação contra infecção generalizada (Jornal da USP)

Resultados de estudos com animais em laboratório sugerem efeito de substância presente na especiaria contra a sepse

Por Redação - Editorias: Ciências da Saúde - 02/08/2017
Animais com sepse tratados com pó preparado com curcumina viveram 20% a mais que os que não tiveram o tratamento, além de apresentarem menos sinais de inflamação – Foto: via Ibokel / Pixabay / CC0

Mais conhecida como açafrão-da-terra, a cúrcuma é uma especiaria originária do continente asiático. Para além do uso culinário, ela já é adotada há milhares de anos na Índia como erva medicinal. Ao testar uma das substâncias da cúrcuma, a curcumina, pesquisadores das Faculdades de Odontologia de Ribeirão Preto (Forp) e de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP verificaram seu poder contra a sepse – infecção generalizada.

Vários estudos já descreviam as propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes e até anticancerígenas da curcumina. Agora, os cientistas conseguiram aumentar as taxas de sobrevivência em animais de laboratório com sepse utilizando uma solução à base da especiaria. Esses animais viveram 20% a mais que os demais, além de apresentar redução considerável nos níveis de citocinas pró-inflamatórias (moléculas do sistema imunológico que respondem a processos inflamatórios) no sangue.

Carlos Henrique Rocha Catalão, um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo, diz que foi utilizada uma dosagem de curcumina não prejudicial aos ratos sépticos. Ao contrário, ela “aumentou temporariamente a sobrevida”. Por não encontrarem a substância no plasma dos animais 24 horas após o choque séptico, os cientistas sugerem que a curcumina pode ter sido distribuída pelos tecidos do organismo animal e exercido suas propriedades terapêuticas.

O produto à base de curcumina usado no estudo foi desenvolvido no laboratório do professor Luís Alexandre Pedro de Freitas, da FCFRP. Lá, o professor aumentou “a biodisponibilidade da curcumina através de uma dispersão sólida (pó)”, explica Catalão. “Esse pó foi diluído em água, dando forma à solução usada no tratamento dos animais”.
A medida certa

Para o Catalão, mesmo se tratando de pesquisa em modelo animal, os resultados “devem estimular mais estudos in vivo, que são necessários para esclarecer o efeito da curcumina, especialmente na produção de óxido nítrico durante a sepse”.

No sistema imunológico, o óxido nítrico tem a função de combater a infecção, mas em alta produção – como a que acontece na sepse – pode ser prejudicial. Neste estudo, os pesquisadores observaram que a curcumina, ao contrário do que imaginavam, aumentou os níveis do óxido nítrico no plasma dos ratos. Assim, é necessária mais investigação in vivo quanto às doses de curcumina que promovem sua ação oxidante ou antioxidante.

Os principais achados da equipe da USP nesse estudo estão publicados em edição recente da revista Pharmaceutical Byology.

Thainan Honorato, de Ribeirão Preto

Mais informações: e-mail caique@usp.br


Programa de Extensão Plantas Medicinais da UFPR festeja 20 anos com ampla participação da comunidade de Palotina

O programa tem ampla participação da comunidade e objetiva difundir o uso correto das plantas medicinais no Oeste do Paraná e colocar em prática o elo entre ensino, pesquisa e extensão. Imagem; Campus Palotina.

O Programa de Extensão Plantas Medicinais da UFPR está completando 20 anos de existência. Desde 1996, o projeto estimula a troca de conhecimentos sobre plantas medicinais entre os acadêmicos do Setor Palotina e a comunidade. Atualmente, o programa conta com a participação de 18 alunos e seis professores dos cursos Agronomia, Ciências Biológicas, Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia. Anos se passaram, mas o objetivo é o mesmo: difundir o uso correto das plantas medicinais no Oeste do Paraná e colocar em prática o elo entre ensino, pesquisa e extensão da universidade.

Da iniciativa da professora-doutora Bettina Monika Ruppelt, as raízes do programa de extensão ganharam vida no ano de 1996. A dedicação da farmacêutica industrial e primeira coordenadora deu ao projeto um fôlego para crescer na universidade. De início, as atividades desenvolvidas eram voltadas ao ensino do cultivo e forma correta de preparo das plantas medicinais com finalidades terapêuticas para crianças e adolescentes, produtores rurais e idosos.


Completando 20 anos em 2017, o programa conta com estudantes dos cursos de Agronomia, Ciências Biológicas, Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia. A interdisciplinaridade é um orgulho para as professoras e professores que coordenam o programa. Segundo a coordenadora do programa de extensão, Patrícia da Costa Zanetti, participantes de diferentes cursos facilita a abrangência do conhecimento que é ensinado para a comunidade. “Se o programa faz sucesso e é referência na comunidade, se deve a esse aspecto interdisciplinar”, comenta.

As atividades atuais do programa são oficinas semanais em um Centro de Educação Integral, com crianças de 6 a 12 anos, para ensinar sobre o uso correto das plantas medicinais por meio de jogos didáticos e gincanas. Também realiza palestras e distribuição de material informativo no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) e no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), de Palotina, e em eventos que a comunidade convida, como o “Dia de Campo da C.Vale Cooperativa Agroindustrial”.

A comemoração do aniversário do Programa de Extensão Plantas Medicinais acontece por meio das atividades que os participantes desenvolvem, semana a semana, em um empenho da equipe para aproximar a Universidade da comunidade. Para Patrícia, a população está mais consciente ao uso de plantas medicinais, e isso beneficia o programa. “A comunidade tem se interessado mais e o programa acaba orientando, tanto que estamos sendo procurados por eles. Esse é o saldo positivo do trabalho”.

Para quem se interessar em conhecer um pouco das atividades do programa de extensão, o horto é aberto à comunidade. Os alunos extensionistas oferecem visitas diárias para qualquer pessoa que se interessar e também cultivam plantas medicinais para o preparo mensal de 150 mudas. Esse espaço é base de estudos no curso de Agronomia, prova de que o Programa de Extensão Plantas Medicinais está no Horto, nas oficinas e palestras promovidas e na sala de aula da universidade.


Maranhão: Pacientes iniciam construção de horto da Farmácia Viva no Hospital Nina Rodrigues

19 de julho de 2017
Foto: Francisco Campos/SES

Presos de justiça atendidos no Hospital Nina Rodrigues e pacientes do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS-AD) começaram nesta segunda-feira (17) a construção do horto do Projeto Farmácia Viva. O projeto, criado pelo poder público estadual por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), integra o conjunto de atividades executadas para favorecer a ressocialização, a aproximação com as famílias e desenvolver a profissionalização dos pacientes.

O diretor do Hospital Nina Rodrigues, Ruy Cruz, ressaltou a importância do Farmácia Viva na rotina dos pacientes e também de seus familiares. “Nosso objetivo é também oferecer uma atividade profissionalizante. Aqui eles conseguem visualizar uma linha de produção que inclui os seus familiares. O trabalho é uma oportunidade de trazer a família para o convívio com os pacientes”, destacou o diretor da unidade.

Também presente durante o início das atividades, o diretor do CAPS AD estadual, Marcelo Costa, destacou como o projeto beneficia os pacientes. “Os pacientes se reintegram à sociedade através dessas atividades humanas. Além de estarem sendo instruídos acerca do uso dessas plantas, também estarão ocupando seu tempo, favorecendo o seu bem estar e autoestima, pois se sentem valorizados. Quando estiver tudo pronto, eles vão saber que participaram desse processo. Isso, tanto quanto a medicação, faz parte do tratamento”, disse.

Os serviços de instalação do horto, previsto para inaugurar em agosto, tiveram início com a limpeza da área para preparo do solo com terra preta e adubo. Depois do preparo do solo, haverá o plantio das mudas de hortaliças e plantas medicinais. A produção beneficiará tanto os pacientes quanto seus familiares, que já estão participando de capacitações sobre fitoterapia para utilização terapêutica do que for cultivado no horto, como mastruz, erva cidreira, hortelã da folha grossa, camomila, entre outros.

O trabalho no horto beneficia pacientes como Thiago Fernando Cardoso, de 28 anos. “Toda vez que aparece uma atividade, eu me interesso. Já fiz curso de reciclagem e agora vou participar desse e do de confecção de bijuterias. Procuro ocupar sempre a minha mente e aprender algum ofício. Com o cultivo da terra, estamos sempre ganhando, produzindo alimentos tendo a possibilidade até de fazer uma horta em casa”, afirmou o paciente do CAPS.

“Eu mesmo pedi pra me inscreverem nessa atividade. Faz quase um ano que estou em tratamento no CAPS e sempre procurei me ocupar, estudar e participar das atividades porque sei que isso vai ajudar a minha vida a ser melhor. Quando não tem a gente sente falta, por isso faço questão de me envolver e participar, seja em qualquer área que oferecerem. O importante é aprender”, disse Paulo da Conceição Vieira, de 43 anos.

“Esse projeto do governo é estratégico, pois proporciona a tantas pessoas saúde através das plantas medicinais”, afirmou a coordenadora do Farmácia Viva, Kallyne Bezerra.


Projeto ‘Fito Sorocaba’ iniciou atividade na UBS do Carandá - Sorocaba, SP

Por: Bia Negrão quarta-feira, 19 de julho de 2017
A Prefeitura de Sorocaba, por meio das Secretarias de Saúde e de Meio Ambiente, Parques e Jardins realizou na manhã desta quarta-feira (19) uma sensibilização para atuação do Projeto “Fito Sorocaba” na Unidade Básica de Saúde, do Bairro Carandá. O projeto tem como objetivo promover o uso racional das plantas medicinais na atenção primária à saúde, resgatando o conhecimento popular, embasado no conhecimento científico.

O projeto “Fito Sorocaba” conta com o jardim sensorial de plantas medicinais no Jardim Botânico “Irmãos Villas-Bôas”, canteiros de plantas medicinais e a doação de mudas em algumas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e promoção do tema por meio de oficinas de capacitação e visitas monitoradas. Até o momento, foram implantados seis canteiros de plantas medicinais nas UBS Cerrado, Ulisses Guimarães, Laranjeiras, Ana Paula Eleutério, Cajuru e Lopes de Oliveira, além de oito oficinas sobre o cultivo e uso de fitoterápicos.

Neste ano, espera-se ampliar o atendimento do projeto. A unidade do residencial Carandá é uma das interessadas e passou hoje por uma sensibilização que envolveu nove servidores, entre eles, técnicos de enfermagem, dentista, auxiliar de saúde bucal, enfermeira, auxiliar administrativo e médico. O restante da equipe se reunirá no dia 26 de julho no período da tarde e no mês de agosto será dado início aos trabalhos com a comunidade e criação da horta medicinal local.

Os interessados em obter mais informações sobre o projeto podem entrar em contato com a equipe do Jardim Botânico no e-mail jardimbotanico@sorocaba.sp.gov.br


Evento: XIII Jornada Paulista de Plantas Medicinais - Araraquara

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas da UNESP-Araraquara realizará nos dias 22, 23 e 24 de novembro de 2017 a XIII Jornada Paulista de Plantas Medicinais. Trata-se de um evento tradicional e bienal que ocorre em diferentes locais do Estado de São Paulo.

Esta edição será organizada principalmente por professores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e também por professores da Universidade de Araraquara (UNIARA) e Universidade Paulista (UNIP), um grupo de alunos de pós-doutorado, doutorado, mestrado e iniciação científica, além de membros do corpo técnico da Unesp.

Nesta edição o Prof. Dr. Francisco José de Abreu Matos receberá homenagem póstuma pela sua dedicação e envolvimento na assistência farmacêutica por meio das plantas medicinais no Brasil – Projeto Farmácias Vivas.

A programação foi definida com bastante diversidade de assuntos distribuídos em palestras, mesas-redondas e minicursos, bem como com apresentação de trabalhos (pôsteres e orais).

Acreditamos que a abordagem desses temas contribuirá com a atualização e progresso das pesquisas com plantas medicinais no Brasil, servirá de estímulo para jovens estudantes, além de promover o encontro de pessoas de diferentes áreas de atuação em discussões que promovam o progresso das pesquisas na área de plantas medicinais. Desse modo, é com muita satisfação que gostaríamos de convidá-los a participar da XIII JPPM .

Comissão organizadora

Prof. Dr. Francisco José de Abreu Matos
O Prof. Dr. Francisco José de Abreu Matos era filho, neto e bisneto de farmacêuticos, e sempre dizia que levava no sangue o amor às plantas medicinais. Doou-se completamente ao ensino e à pesquisa na Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Ceará (UFC), na qual foi diretor do Laboratório de Produtos Naturais e professor em farmacognosia, produtos naturais e química orgânica. O Projeto Farmácias-Vivas foi criado pelo Prof. Abreu Matos em 1983 tendo como base o Horto de Plantas Medicinais da UFC, agregado ao Laboratório de Produtos Naturais. O projeto tem os atributos de um programa de medicina social que apresenta como objetivos oferecer assistência farmacêutica fitoterápica de base científica às entidades públicas e privadas e às comunidades interessadas no emprego terapêutico de plantas da região, sem fins lucrativos. É um programa que busca investigar cientificamente as plantas medicinais, desde a fase de cultivo até a produção e distribuição dos medicamentos fabricados a partir das espécies cultivadas. Começou implantando o seu projeto em poucos hortos de plantas medicinais em Fortaleza e foi se expandindo como modelo para todo o Ceará e outros estados. Um de seus trabalhos resultou no registro do nome do seu sobrenome na espécie Croton regelianus var. matosii Radcl.-Sm., a qual foi utilizada como símbolo da XIII JPPM.O Prof. Dr. Abreu Matos foi referência nacional e internacional no estudo de plantas medicinais e em virtude disso, em 1994, a Prefeitura Municipal de Fortaleza instituiu o dia de seu aniversário (21 de maio) como o dia da Planta Medicinal, em homenagem ao professor, que faleceu em dezembro de 2008 aos 84 anos.
Croton regelianus var. matosii Radcl.-Sm

O uso de chás: camomila x anticoagulantes - CRF- RS

Uso anticoagulante, posso tomar chá de camomila?

A utilização de plantas medicinais é uma prática generalizada na medicina caseira e que envolve questões sócio-culturais seculares. O uso crescente vem sendo estimulado de forma pouco criteriosa, divulgando-se muitas vezes propriedades milagrosas. No entanto, o uso de plantas medicinais pode ter alguns riscos, entre os quais destacamos nesta matéria potenciais interações com medicamentos.

A camomila (Matricaria chamomilla L.), por exemplo, pode estar ligada com sinergismo de efeito quando associada a anticoagulantes dependentes da vitamina K1, pois pode inibir a CYP3A4, enzima que pertence ao complexo hepático citocromo P4502. Entre os anticoagulantes que podem ter interação com a camomila está a varfarina, a qual possui uma janela terapêutica estreita. A interação farmacodinâmica ocorrida pode ser explicada pelo fato do componente cumarina da camomila interagir de forma sinérgica com a varfarina e resultar em anticoagulação supraterapêutica.

Revisão sistemática do ano de 2014 inferiu que a camomila, bem como gingko biloba e alho podem estar associados ao aumento de sangramentos em pacientes que usam anticoagulantes orais. Os autores concluem que é importante que os profissionais de saúde conheçam os produtos à base de plantas e melhorem a comunicação com os pacientes que os utilizam para fornecer cuidados de saúde seguros e abrangentes.
Fonte: CIM-RS

Manual de Boas Práticas Agrícolas


2015. 72p. Autor: Bruno Ferreira. Este manual é um guia para agricultores, educadores, gestores de áreas protegidas e de parques urbanos e para jardineiros, para ajudá-los a prover, aprimorar e manejar os ambientes agrícolas, naturais e urbanos para agentes polinizadores.

O propósito deste manual é oferecer ferramentas, informações e sugestões práticas para a conservação dos polinizadores e ajudar a mostrar ao público como suas ações podem afetar diretamente, de forma positiva ou negativa, os polinizadores.

Livro: Fontes Brasileiras de Carotenóides: Tabela Brasileira de Composição de Carotenóides em Alimentos

Fontes Brasileiras de Carotenoides amplia o conhecimento sobre espécies de valor econômico atual ou potencial, contribuindo diretamente para promover um melhor aproveitamento dos recursos genéticos existentes no país.

Allium fistulosum em artigo sobre obesidade

Lorena Rogelle SantiagoTexto: acadêmica de Farmácia - Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu - UNIGUAÇU 

Marcos Roberto Furlan - Eng. Agr. - professor 

Algumas espécies conhecidas por cebolinha pertencem ao gênero Allium e são utilizadas quase que exclusivamente na culinária como plantas condimentares.

Uma dessas espécies é o Allium fistulosum (Figura 1). Além de condimento, pesquisas indicam que possui atividades farmacológicas, como, por exemplo, antioxidante, anti-hipertensiva e anti-hiperlipidemia.

Sung et al. (2015) investigaram se uma solução contendo os extratos A. fistulosum e Viola mandshurica possuem efeitos sinérgicos no tratamento da hiperlipidemia e da obesidade. A pesquisa foi realizada em camundongos obesos, com administração de dose de 200 mg/kg/dia por 8 semanas. Alguns de seus resultados foram: a administração oral da solução reduziu o peso corporal, o peso do tecido, o tamanho de adipócitos e a acumulação de lipídios no fígado em comparação com camundongos controle e a mistura das duas plantas também diminuiu as concentrações séricas de triglicerídeos, colesterol total e leptina.

Os autores concluíram que o extrato contendo Allium fistulosum e Viola mandshurica pode ser uma terapia potencialmente eficaz para a obesidade e seus distúrbios metabólicos relacionados, como hiperlipidemia e resistência à insulina.

Referência e link do artigo:
Sung YY, Kim SH, Yoo BW, Kim HK. The nutritional composition and anti-obesity effects of an herbal mixed extract containing Allium fistulosum and Viola mandshurica in high-fat-diet-induced obese mice. Bmc Complementary and Alternative Medicine. 15: 370. PMID 26474757 DOI: 10.1186/s12906-015-0875-1

Figura 1. Allium fistulosum

Livro "Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial – Plantas para o Futuro – Região Centro-Oeste"

2016. 1160p. Editores: Roberto Fontes Vieira, Julcéia Camillo e Lidio Coradin

O livro "Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial – Plantas para o Futuro – Região Centro-Oeste" é o segundo de uma série de cinco livros que estão sendo publicados no âmbito da Iniciativa "Plantas para o Futuro" e do Projeto BFN (Biodiversidade para Alimentação e Nutrição).

Estas publicações têm como objetivo a ampliação do conhecimento sobre a biodiversidade brasileira, a conservação dos seus componentes e a promoção do uso das espécies nativas de valor econômico atual ou potencial, de uso local ou regional. Além dos livros referentes às regiões Sul e Centro-Oeste, já disponibilizados para o público, o Ministério do Meio Ambiente vem concentrando esforços para finalizar as publicações referentes as regiões Nordeste, Norte e Sudeste.

A Iniciativa Plantas para o futuro visa fundamentalmente a identificação de espécies nativas da flora brasileira que possam ser utilizadas como novas opções para a agricultura familiar na diversificação dos seus cultivos, ampliação das oportunidades de investimento pelo setor empresarial no desenvolvimento de novos produtos e na melhoria e redução da vulnerabilidade do sistema alimentar brasileiro.

Outro aspecto importante desta publicação é o estimulo produtivo e o fortalecimento da participação das comunidades locais, contribuindo para estreitar as relações entre o produtor e o consumidor. Além disso, objetiva evidenciar os benefícios socioeconômicos e ambientais decorrentes da biodiversidade nativa, oferecendo à sociedade produtos diversificados, de modo a suprir a crescente demanda por novas espécies de interesse alimentício, medicinal, cosmético, aromático, entre outros.

Da mesma forma, a iniciativa contribui para o resgate de compromissos internacionais assumidos pelo Brasil, particularmente no que se refere à promoção do uso sustentável de componentes da biodiversidade brasileira, a exemplo da Convenção sobre Diversidade Biológica e do Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para a Alimentação e a Agricultura.

A publicação "Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial - Plantas para o Futuro - Região Centro-Oeste" é apresentada nas versões digitais: PDF, eBook e ePub. Para acessar as versões, clique em no link abaixo: