sábado, 11 de julho de 2015

Using garlic to combat antimicrobial resistant urinary tract infections

Date: July 10, 2015

Source: Universiti Putra Malaysia (UPM)

Garlic extract may be an effective weapon against multi-drug resistant strains of pathogenic bacteria associated with urinary tract infections (UTI), according to a recent study.

Garlic extract may be an effective weapon against multi-drug resistant strains of pathogenic bacteria associated with urinary tract infections (UTI), according to a recent study published in the Pertanika Journal of Tropical Agricultural Science.

Conducted by researchers at the Birla Institute of Technology and Sciences in India, the study found that "even crude extracts of [garlic] showed good activity against multidrug resistant strains where antibiotic therapy had limited or no effect. This provides hope for developing alternative drugs which may be of help in fighting the menace of growing antibacterial resistance," the team states.

Urinary tract infection is the second most common infectious disease encountered in community practice. Worldwide, about 150 million people are diagnosed each year with UTI, at a total treatment cost in the billions of dollars. Although UTI is usually treated with antibiotics, "emerging antimicrobial resistance compels us to look back into traditional medicines or herbal products, which may provide appropriate/acceptable alternative solutions," the authors argue.

Garlic (Allium sativum) has been traditionally used for the treatment of diseases since ancient times. A wide range of microorganisms -- including bacteria, fungi, protozoa and viruses -- are known to be sensitive to garlic preparations. Allicin and other sulphur compounds are thought to be the major antimicrobial factors in garlic.

In this study, the team found that 56% of 166 bacteria strains isolated from the urine of people with UTI showed a high degree of resistance to antibiotics. However, about 82% of the antibiotic resistant bacteria were susceptible to a crude aqueous extract of Allium sativum. According to the researchers, "ours is the first study to report the antibacterial activity of aqueous garlic extract against multidrug resistant bacterial isolates from infected urine samples leading to UTI."

"To conclude, there is evidence that garlic has potential in the treatment of UTI and maybe other microbial infections," says the team. "However, it is necessary to determine the bioavailability, side effects and pharmacokinetic properties in more detail."

For further information please see:

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Universiti Putra Malaysia (UPM). Note: Materials may be edited for content and length.

Cite This Page:
Universiti Putra Malaysia (UPM). "Using garlic to combat antimicrobial resistant urinary tract infections." ScienceDaily. ScienceDaily, 10 July 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/07/150710101332.htm>.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

[Mais que Ideias] Agroecologia em Música

postado por Rafael Rioja Arantes em Quinta-feira, 09 de Julho de 2015

Friedrich Nietzsche já dizia que "Sem a música, a vida seria um erro". Neste sentido, o professor do IF Baiano Sérgio Ricardo Matos Almeida possuí uma proposta bastante interessante utilizando-se da música como ferramenta de ensino em sala de aula.

O trabalho já vem sendo realizado pelo professor há alguns anos, e consiste na divulgação de informações técnico-científicas em forma de versos rimados e síntese de assuntos de Agroecologia abordados em sala de aula. Esta metodologia foi denominada por Sérgio como "Pedagogia da rima" e apresenta grande aceitação entre os estudantes.

No final de maio Sérgio lançou um CD com 8 músicas durante o III Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica, em Recife - PE. Você pode conferi-las gratuitamente acessando seu canal no youtube. O primeiro CD apresenta faixas sobre os seguintes temas: Agroecologia e Agricultura Orgânica,Tecnologia Tropical, O Solo é um Ser Vivo, Teoria da Trofobiose, Leis da Adubação, Água nossa de cada dia, Canção da Manipueira e O Espelho de Gandhi.

Neste vídeo sobre trofobiose por exemplo em um dos trechos da música fala sobre os impactos negativos das monoculturas: "Se criam pragas e doenças pelo desequilíbrio, é lógico, ambiental e nutricional e pelo uso de agrotóxicos".
Já neste vídeo as vantagens da agricultura agroecológica e orgânica são abordadas: "Agricultura orgânica é pratica de valor, pois protege a saúde do sábio agricultor. Não usa agroquímicos, produz sem contaminar. Conserva o ambiente a terra, a água e o ar".
A Pedagogia da Rima se mostra como uma ferramenta de educação inovadora que pode aumentar o interesse dos estudantes pelo tema da agroecológico e da alimentação saudável. Além disto, ela pode se configurar como uma estratégia de Educação Alimentar e Nutricional ao passar conceitos. 


Baunilha do cerrado

Americans prefer U.S.-grown organic broccoli

Date: July 9, 2015

Source: University of Florida Institute of Food and Agricultural Sciences

As a good source of protein, Vitamin A, calcium, iron and fiber, broccoli is so full of nutrients, some call it a “super food.” It’s also popular at the supermarket, whether it’s grown in America or overseas. But Americans are willing to pay $1 more per pound for U.S. organic broccoli than that from China and Mexico, and up to 32 cents more per pound than that grown in Canada, a study has found.

As a good source of protein, Vitamin A, calcium, iron and fiber, broccoli is so full of nutrients, some call it a "super food."

It's also popular at the supermarket, whether it's grown in America or overseas. But Americans are willing to pay $1 more per pound for U.S. organic broccoli than that from China and Mexico and up to 32 cents more per pound than that grown in Canada.

UF Institute of Food and Agricultural Sciences researchers conducted a national online survey in 2010 in which they posed questions about organic broccoli to 348 participants. They wanted to know the impact of "Country of Origin Labeling" on the price people were willing to pay for organic broccoli.

Foods sold in grocery stores come in packages labeled "organic," if it applies. The packages also tell the buyer the country where the food was grown -- a concept called "Country of Origin Labeling." But some consumers remain confused about whether the broccoli they're buying meets U.S. government standards for organic products, said Zhifeng Gao, a UF associate professor of food and resource economics.

"This information is important because consumers, in theory, can get both organic and country-of-origin information in the same supermarket," Gao said. It's also key for organic producers. "This is important for the U.S. organic industry to decide appropriate strategies to compete with foreign organic industries."

For example, knowing this new data, the U.S. organic industry could put more emphasis on the products' country of origin, he said. Consumers would then, at least theoretically, pay more attention to that information, he said.

As part of the survey, researchers added twists, such as U.S. Department of Agriculture organic labeling information. One group received information about organic food vs. conventional food. Another group received no information about U.S. organic labeling requirements.

Participants who received the organic labeling information read this statement: "The USDA requirements for organic certification are extensive. The term 'organic' can only be used to describe an agricultural product sold in the United States if it meets all of these requirements. No matter where a product is produced, the same rules and procedures apply."

Gao and his colleagues chose broccoli because it's very popular and is produced in the U.S. and abroad in fairly equal amounts. In fact, organic farming in general is one of the fastest-growing segments of global agriculture during the past decade. In the U.S., organic product sales went up 9.5 percent from 2010 to 2011, reaching $31.5 billion in America. Imported fresh broccoli has increased dramatically since 2000. In 2010, the U.S. imported about 25 million pounds of fresh broccoli from Mexico.

Survey results are published online June 29 in the journal Agricultural Economics.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by University of Florida Institute of Food and Agricultural Sciences. The original item was written by Brad Buck. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Jing Xie, Zhifeng Gao, Marilyn Swisher, Xin Zhao. Consumers’ preferences for fresh broccolis: interactive effects between country of origin and organic labels. Agricultural Economics, 2015; DOI: 10.1111/agec.12193

Cite This Page:
University of Florida Institute of Food and Agricultural Sciences. "Americans prefer U.S.-grown organic broccoli." ScienceDaily. ScienceDaily, 9 July 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/07/150709093307.htm>.

Vitamin A directs immune cells to intestines

Date: July 9, 2015

Source:Purdue University

A key set of immune cells that protect the body from infection would be lost without directions provided by vitamin A, according to a recent study. A team of researchers found retinoic acid is necessary for two of the three types of innate immune cells that reside in the intestine to find their proper place.

See more at:

Coffee not associated with lifestyle diseases

Date: July 9, 2015

Source: University of Copenhagen The Faculty of Health and Medical Sciences

Danish researchers are the first in the world to have used our genes to investigate the impact of coffee on the body. The new study shows that coffee neither increases nor decreases the risk of lifestyle diseases.

Danish researchers are the first in the world to have used our genes to investigate the impact of coffee on the body. The new study shows that coffee neither increases nor decreases the risk of lifestyle diseases.

We love coffee -- and we drink a lot of it. New research from the University of Copenhagen and Herlev and Gentofte Hospital shows that coffee neither increases nor decreases the risk of developing lifestyle diseases such as obesity and diabetes. The researchers have based their study on genes, as our genes play a role in how much coffee we drink in the course of a day. The study has just been published in the International Journal of Epidemiologyand is based on DNA and information about coffee drinking and lifestyle diseases from 93,000 Danes from the Copenhagen General Population Study.

"We are the first in the world to have investigated the relationship with genes associated with a lifelong high consumption of coffee. These genes are completely independent of other lifestyle factors, and we can therefore conclude that drinking coffee in itself is not associated with lifestyle diseases," says medical student Ask Tybjaeg Nordestgaard from the Department of Clinical Biochemistry at Herlev and Gentofte Hospital.

Genes determine our thirst for coffee

The researchers have designed a unique study, where they have looked into a number of genes that affect our desire for coffee. If you have the special coffee genes, you may be drinking more coffee than those not having the genes. This allows the researchers to see whether a higher coffee consumption increases or decreases the risk of developing lifestyle diseases.

"We can now see that the coffee genes are surprisingly not associated with a risk of developing type 2 diabetes or obesity. This suggests that drinking coffee neither causes nor protects against these lifestyle diseases," says Boerge Nordestgaard, clinical professor at the Faculty of Health and Medical Sciences, University of Copenhagen, and senior physician at the Department of Clinical Biochemistry at Herlev and Gentofte Hospital.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by University of Copenhagen The Faculty of Health and Medical Sciences. Note: Materials may be edited for content and length.

Cite This Page:
University of Copenhagen The Faculty of Health and Medical Sciences. "Coffee not associated with lifestyle diseases." ScienceDaily. ScienceDaily, 9 July 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/07/150709132454.htm>.

Plantas do Cerrado são potenciais inseticidas naturais contra Aedes aegypti

Pesquisa do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública comprova que produtos botânicos têm eficiência semelhante e apresentam vantagens em relação aos químicos

Em pesquisa em andamento na Universidade Federal de Goiás (UFG), plantas do Cerrado, como o cajuzinho-do-cerrado, tingui e a copaíba, são utilizadas como base na elaboração de inseticidas capazes de combater o Aedes aegypti e o Culex quinquefasciatus, mosquito conhecido popularmente como muriçoca noturna.

Com testes laboratoriais e aplicações realizadas na cidade de Senador Canedo, a pesquisa aponta para o fato de que esses produtos apresentam eficiência equivalente aos que se encontram no mercado, além de não representar nenhuma forma de agressão ao meio ambiente ou à saúde de usuários.

Outro ponto favorável do inseticida natural é que, para sua produção, não há retirada de matéria-prima do bioma, já que são utilizados subprodutos que são descartados pela indústria. No caso do cajuzinho-do-cerrado e do caju, a matéria-prima para os inseticidas é o óleo residual, proveniente do processo de extração da castanha do fruto. Quando descartado indiscriminadamente, esse óleo se tornaria um agente poluente.

Segundo o coordenador do estudo, o professor Ionizete Garcia Silva, há vantagens no uso de inseticidas naturais que combatam o Aedes aegypti, já que testes comprovaram que eles são seletivos, ou seja, não agridem outros animais. O pesquisador ressalta que se trata de produtos biodegradáveis e que, comparados aos produtos sintéticos existentes e já utilizados, podem permanecer até 30 anos na natureza, enquanto os naturais se decompõem rapidamente.

Fonte: UFG / Jornal da Ciência

Publicado no Portal EcoDebate, 10/07/2015

Árnica en España e árnica en Brasil


Laura dos Santos-Pinto Vázquez - Graduada em Ciências Biológicas na Universidade Complutense de Madrid
Marcos Roberto Furlan - Engenheiro Agrônomo, mestre e doutor pela UNESP

Lo que entendemos por árnica en España

Árnica o Arnica montana L. es una de las plantas medicinales más apreciadas en Europa, debido a sus propiedades antiinflamatorias alivia contusiones, torceduras, traumatismos y dolores musculares o articulares. Se aplica por vía tópica en forma de tintura o aceite. No es recomendable la ingesta de la misma pues irrita las mucosas y además actúa como estimulante cardiaco. 

El árnica silvestre comercial proviene principalmente de países de Europa del Este y también de la zona de Galicia (Noroeste de España). En el Pirineo se recolecta Arnica montana únicamente para autoconsumo, el aprovechamiento de esta especie es ordenado y controlado. No se debe confundir la auténtica árnica con otras especies muy similares y que son utilizadas popularmente por las gentes del Pirineo como sustitutivo de Arnica montana. Estas especies se conocen como “falsas árnicas” y entre ellas destacan: Crepis paludosa, Inula viscosa, I. helenoides, I. montana, Doronicum grandiflorum, D. pardalianches, Lilium pyrenaicum, Pallenis spinosa, Senecio doronicum, S. jacobea y S. pyrenaicus

El árnica crece en regiones montañosas de clima frío y humedo, con suelos de pH ácido o neutro. Es una especie sensible a la cal y requiere bajos niveles de nutrientes, por lo que crece en prados con suelos poco fertilizados con un nivel de nutrientes bajo o medio. Es una planta muy sensible a la contaminación por lo que no puede vivir en zonas donde haya el más mínimo residuo de nitrógeno, incluso el que proviene de deposiciones aéreas. 

Es una planta rizomatosa, perenne y con hojas más o menos pilosas y opuestas que forman una roseta basal. Forma un tallo floral de unos 30-60 cm de altura, con 1-3 capítulos florales de color amarillo vivo, de unos 5-8 cm de diámetro y de aspecto laxo y frágil. En España, en el Pirineo florece entre julio y agosto. 

Lo que entendemos por árnica en Brasil 

Árnica es uno de los nombres más conocidos cuando se hace mecnión a uma planta medicinal en Brasil. Pero este nombre puede hacer referencia a diferentes plantas, dependiendo de la región podrás encontrar una planta que responda al nombre de árnica, o incluso en la misma región puedes encontrar hasta dos o más especies bajo este mismo nombre. 

Sin embargo, la especie conocida científicamente como Arnica montana (figura 1) es raramente encontrada en el país. De origen europeo es de amplia utilización en casi todo el mundo, aunque por aquí no crece de forma espontánea ni podemos encontrarlos en plantaciones comerciales.
Figura 1. Arnica montana

Aunque hay plantaciones experimentales en algunas instituciones científicas, como es el Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA) de la UNICAMP.

En la literatura podemos encontrar citas sobre el árnica, en libros como Inocência de Visconde de Taunay. Escrito en el siglo XIX, el autor se refiere a el árnica importada (Arnica montana), que ya era usada en forma de tintura. En esta época no había plantas con la denominación de árnica, que nacieran espontáneamente en el país. En Guimarães Rosa, por la descripción de árnica en candelabros pálidos (Primeiras histórias), la referencia debe ser sobre alguna espécie del género Lychnophora.

En la I Farmacopea Brasileña, publicada en 1929, son citadas el Arnica montana y otra especie, la Solidago microglossa (figura 2), llamada arnica-silvestre, iniciando una confusión con la denominación árnica.
Figura 2. Solidago microglossa (Sin. Solidago chilensis)

Actualmente son más de 20 plantas las que reciben la denominación de árnica en Brasil. En el estado de São Paulo, para diferenciar, algunos llaman a Porophyllum ruderale (figura 3) arnica-de-quintal, a S. microglossa arnica-do-campo y a Tithonia diversifolia (figura 4) como arnicão. Sin embargo, todas las especies poseen varias sininimias populares. Por ejemplo, S. microglossa recibe los nombres de sapé-macho, erva-lanceta o rabo-de-foguete, P. ruderale también es conocida como cravorna, couvinha y cravo-de-urubu, por outro lado T. diversifolia tiene unos nombres bien diferentes, por ejemplo, boldo-chinês, margaridão-amarelo y mão-de-deus.
Figura 3. Porophyllum ruderale
Figura 4. Tithonia diversifolia

En Minas Gerais, las árnicas más famosas son las del genero Lychnophora (figura 5), y pueden ser encontradas en forma de tinturas en ferias. Son conocidas por muchos como arnicas-do-cerrado. Em Mato Grosso, árnica puede hacer referencia a las espécies de S. microglossa o Brickelia brasiliensis.
Figura 5. Lychnophora ericoides

Todas las árnicas tienen um uso tradicional em conmún, que es el tratamento de contusiones. La composición química es diferente entre ellas, y cada una tienen unas utilidades específicas, lo que justifica que cada planta sea identificada por medio de su nombre científico. 

Arnica na Espanha 

Arnica ou Arnica montana L. é uma das plantas medicinais mais populares na Europa, devido às propriedades anti-inflamatórias consegue aliviar contusões, entorses, traumas e dor muscular ou articular. É aplicado topicamente sob a forma de tintura ou de óleo. Não recomendada a ingestão porque irrita as membranas mucosas e também atua como um estimulante cardíaco. 

Arnica selvagem comercial vem principalmente de países da Europa Oriental e também na área da Galícia (Espanha NW). Nos Pinireos Arnica montana é recolhida apenas para consumo pessoal, a utilização desta espécie é ordenada e controlada. Não se debe confundir o Arnica real com outras espécies semelhantes que são comunmente usados pelas pessoas dos Pirineos como um substituto para Arnica montana. Estas espécies são conhecidas como "falsas arnicas" e entre eles estão: Crepis paludosa, Inula viscosa, I. helenoides, I. montana Doronicum grandiflorum, D. pardalianches, Lilium pyrenaicum, Pallenis spinosa, Senecio doronicum, S. jacobino e S. pyrenaicus

Arnica cresce nas regiões montanhosas com clima frio e úmido, com pH ácido ou neutro. É uma planta sensível presença de cal e requer baixos níveis de nutrientes, por isso cresce em prados pouco adubados com solos com um baixo ou médio nível de nutrientes. É muito sensível à poluição, não pode viver em áreas onde não há o menor resíduo de nitrogeno, incluindo o que vem de deposição atmosférica. 

É uma planta rizomatosa de folhas perenes e opostas formando uma roseta basal. Possui um caule de 30-60 cm, com 1-3 cabeças de flor cor amarela brilhante, cerca de 5-8 cm de diâmetro com aparência frágil. Em Espanha, nos Pireneos floresce entre julho e agosto. 

Arnicas no Brasil 

A arnica é um dos nomes mais conhecidos quando se faz menção à uma planta medicinal no Brasil. Mas este nome pode ser referência para plantas diferentes, e, mais ainda, em diferentes regiões brasileiras poderá encontrar uma espécie conhecida pelo nome arnica ou, na mesma região, duas ou mais espécies com este nome. 

No entanto, a espécie conhecida cientificamente por Arnica montana (figura 1) é de rara ocorrência no país. De origem europeia e ampla utilização em quase todo o mundo, por aqui não ocorre espontaneamente nem são encontrados plantios comerciais. 

Há apenas plantios experimentais em algumas instituições de pesquisa, como no Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA) da UNICAMP. 

Na literatura vamos encontrar citações sobre a arnica em livros como Inocência de Visconde de Taunay. Escrito no século XIX, o autor se refere à arnica importada (Arnica montana), e que já era usada na forma de tintura. Nesta época não havia plantas que nasciam espontaneamente no país com a denominação arnica. Em Guimarães Rosa, pela descrição da arnica em candelabros pálidos (Primeiras estórias), e por estar no cerrado, a referência deve ser sobre alguma espécie do gênero Lychnophora

Na I Farmacopeia Brasileira, publicada em 1929, são citadas a Arnica montana e uma outra espécie, a Solidago microglossa (figura 2), chamada de arnica-silvestre, iniciando uma confusão com a denominação arnica. 

Atualmente, são mais de 20 plantas que no Brasil recebem o nome de arnica. No Estado de São Paulo, para diferenciar, alguns chamam a Porophyllum ruderale (figura 3) de arnica-de-quintal, a S. microglossa de arnica-do-campo e a Tithonia diversifolia (figura 4) como arnicão. No entanto, todas estas espécies possuem várias sinonímias populares. Por exemplo, a S. microglossa recebe os nomes de sapé-macho, erva-lanceta ou rabo-de-foguete, a P. ruderale também é denominada por cravorana, couvinha e cravo-de-urubu, enquanto a T. diversifolia possui nomes bem diferentes, como, por exemplo, boldo-chinês, margaridão-amarelo e mão-de-deus. 

Em Minas Gerais, as arnicas mais famosas são do gênero Lychnophora, e são encontradas em feiras na forma de tinturas. São conhecida por muitos como arnicas-do-cerrado. No Mato Grosso, arnica pode ser referência para a espécies S. microglossa e Brickelia brasiliensis

Todas as arnicas possuem um uso tradicional em comum, que é no tratamento de contusões. A composição química é diferente entre elas, e há usos específicos para cada uma, o que justifica que a planta seja identificada por meio de seu nome científico.

Texto anterior dos autores:

quinta-feira, 9 de julho de 2015

High fat diet changes gut microbe populations and brain's ability to recognize fullness

Date: July 7, 2015

Source: Society for the Study of Ingestive Behavior

Have you ever wondered why eating one good-tasting French fry may lead you to eat the whole batch and leave you wanting more?
French fries.
Credit: © marcelokrelling / Fotolia

Have you ever wondered why eating one good-tasting French fry may lead you to eat the whole batch and leave you wanting more? According to a new study with rats, that high-fat indulgence literally changes the populations of bacteria residing inside the gut and also alters the signaling to the brain. The result? The brain no longer senses signals for fullness, which can cause overeating--a leading cause of obesity.

The findings from this study conducted by researchers at the University of Georgia, Washington State University and Binghamton University, are to be presented this week at the Annual Meeting of the Society for the Study of Ingestive Behavior, the society for research into all aspects of eating and drinking behavior.

"When we switch the rats to a high fat diet, it reorganizes brain circuits," explained Krzysztof Czaja, DVM, PhD, a principal investigator on the study who is an associate professor of neuroanatomy at the University of Georgia College of Veterinary Medicine. "The brain is changed by eating unbalanced foods. It induces inflammation in the brain regions responsible for feeding behavior. Those reorganized circuits and inflammation may alter satiety signaling."

So what happens to the microbiota in the intestines after a switch to a high fat diet? Dr. Czaja likens the phenomenon to how a sudden significant shift in temperature might impact the people who live in the affected area: Some people will be fine. Others will become ill.

"In the regular physiological state, many different strains of bacteria live in a balanced environment in the intestinal tract," said Dr. Czaja. "They don't overpopulate. There are little shifts, but in general this population is quite stable. When we start feeding the rats a different diet, there is an immediate effect. Suddenly, different nutrients are changing the microenvironment in the gut and some bacteria begin to overpopulate. Some sensitive bacteria begin to die and some populations may even vanish. So, introducing a significant change in the gut microenvironment triggers a cascade of events that leads to this population switch."

These changes can cause inflammation that damages the nerve cells that carry signals from the gut to the brain, resulting in gut-brain miscommunication. It is not yet known whether this change is permanent or reversible, but Dr. Czaja and his colleagues plan to address this question in the future.

When it comes to diet and how it impacts health, Dr. Czaja says we should "think systemically." "All of the components and receptors in our body are interconnected and should work in harmony. There is not a single receptor responsible for huge physiological outcomes."

Throughout most of history until just a few decades ago, our bodies were accustomed to whole foods derived from natural sources, rather than artificial and highly processed foods. The research provides new insight into how balance in the intestinal microbiota and gut-brain communication--which was well-adjusted over millennia -- might be disturbed by the introduction of modified foods high in fat and sugar. Disrupting that balance leads to the confused brain and inappropriate satiety feedback that can result in obesity.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Society for the Study of Ingestive Behavior. Note: Materials may be edited for content and length.

Cite This Page:
Society for the Study of Ingestive Behavior. "High fat diet changes gut microbe populations and brain's ability to recognize fullness." ScienceDaily. ScienceDaily, 7 July 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/07/150707212451.htm>.

Vitamin C related to reduced risk of cardiovascular disease, early death

Date: July 7, 2015

Source: University of Copenhagen The Faculty of Health and Medical Sciences

High vitamin C concentrations in the blood from the intake of fruit and vegetables are associated with a reduced risk of cardiovascular disease and early death, new research shows.

New research from the University of Copenhagen and Herlev and Gentofte Hospital shows that high vitamin C concentrations in the blood from the intake of fruit and vegetables are associated with a reduced risk of cardiovascular disease and early death.

The study, which has just been published in the well known American Journal of Clinical Nutrition, is based on the Copenhagen General Population Study.

As part of the study, the researchers had access to data about 100,000 Danes and their intake of fruit and vegetables as well as their DNA. "We can see that those with the highest intake of fruit and vegetables have a 15% lower risk of developing cardiovascular disease and a 20% lower risk of early death compared with those who very rarely eat fruit and vegetables. At the same time, we can see that the reduced risk is related to high vitamin C concentrations in the blood from the fruit and vegetables," says Camilla Kobylecki, a medical doctor and PhD student at the Department of Clinical Biochemistry, Herlev and Gentofte Hospital.

Vitamin C from food rather than supplements

Among other things, vitamin C helps build connective tissue which supports and connects different types of tissues and organs in the body. Vitamin C is also a potent antioxidant which protects cells and biological molecules from the damage which causes many diseases, including cardiovascular disease. The human body is not able to produce vitamin C, which means that we must get the vitamin from our diet.

"We know that fruit and vegetables are healthy, but now our research is pinpointing more precisely why this is so. Eating a lot of fruit and vegetables is a natural way of increasing vitamin C blood levels, which in the long term may contribute to reducing the risk of cardiovascular disease and early death. You can get vitamin C supplements, but it is a good idea to get your vitamin C by eating a healthy diet, which will at the same time help you to develop a healthier lifestyle in the long term, for the general benefit of your health," says Boerge Nordestgaard, a clinical professor at the Faculty of Health and Medical Sciences, University of Copenhagen, and a consultant at Herlev and Gentofte Hospital.

The researchers are now continuing their work to determine which other factors, combined with vitamin C, have an impact on cardiovascular disease and death.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by University of Copenhagen The Faculty of Health and Medical Sciences. Note: Materials may be edited for content and length.

Cite This Page:
University of Copenhagen The Faculty of Health and Medical Sciences. "Vitamin C related to reduced risk of cardiovascular disease, early death." ScienceDaily. ScienceDaily, 7 July 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/07/150707082350.htm>.

Antibacterial properties found in Mexican fruit

Date: July 7, 2015

Source: Investigación y Desarrollo

Looking for alternatives that promote the welfare of the people through the food and medical industry, scientists conducted a study of the pulp of the fruit Bromelia pinguin L. and found that this Mexican plant has high antibacterial potential.

Looking for alternatives that promote the welfare of the people through the food and medical industry, a group of experts including chemist Barbara Carolina Arias Argáez and PhD Jorge Carlos Ruiz and Elizabeth de la Luz Ortiz Vazquez, from the Department Biochemistry Engineering at the Merida Institute of Technology (ITM), in the south of Mexico, conducted a study of the pulp of the fruit Bromelia pinguin L. and found that this native plant has high antibacterial potential.

"We know that proteins inside the fruit have antibacterial activity. We have tested it with S. aureus, a bacterium with high incidence in hospitals which has developed resistance to antibiotics, so they do not work against it, "explains Dr. Elizabeth de la Luz Ortiz Vazquez, who served as an advisor of this research .

So far, in addition to the Bromeliad extract, the scientists have identified the protein responsible for the antibacterial ability of the fruit.

"We try to find alternatives for the food and health industry , and in this we have achieved a soluble plant extract; we are also characterizing proteins. It will probably serve to exploit this resource or produce within a bacteria, as it is done with insulin production" Dr. Ortiz Vazquez added.

This is the first time that the fruit of Bromelia pinguin L. is studied, a cousin of the pineapple, which has ramifications that reach up to two meters long. The fruit resides within the plant and numbers up to 50 in each bush.

The fruits of the plant are grown from November to May, the ancestors of the region were said to use as an antiparasitic, and that is why the research began in 2009. However, ITM specialists have discovered that proteins of the fruit have antibacterial capacity and can inhibit the growth of fungi.

"If we find any protein or peptide of 5-10 amino acids, we could produce it at a biotechnological level by introducing genetic information in a bacteria," says Dr. Ortiz Vazquez.

The research results generated in the ITM -exposes Arias Argáez- provide basic information for future production of biopharmaceuticals with potential application in the treatment of various diseases or as antibacterial additives in the food industry.

According to Dr. Jorge Carlos Ruiz, some species of bromeliads are endangered in Yucatan. In the past the plant was heavily consumed; but lost presence in the area, therefore the investigation was revalued and potentiates its consumption and care.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Investigación y Desarrollo. Note: Materials may be edited for content and length.

Cite This Page:
Investigación y Desarrollo. "Antibacterial properties found in Mexican fruit." ScienceDaily. ScienceDaily, 7 July 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/07/150707092223.htm>.https://pt.wikipedia.org/wiki/Caraguat%C3%A1#/media/File:Caraguata_REFON.jpg

Peppermint oil and cinnamon could help treat and heal chronic wounds

Date: July 8, 2015

Source: American Chemical Society

Infectious colonies of bacteria called biofilms that develop on chronic wounds and medical devices can cause serious health problems and are tough to treat. But now scientists have found a way to package antimicrobial compounds from peppermint and cinnamon in tiny capsules that can both kill biofilms and actively promote healing. The researchers say the new material could be used as a topical antibacterial treatment and disinfectant.

Infectious colonies of bacteria called biofilms that develop on chronic wounds and medical devices can cause serious health problems and are tough to treat. But now scientists have found a way to package antimicrobial compounds from peppermint and cinnamon in tiny capsules that can both kill biofilms and actively promote healing. The researchers say the new material, reported in the journal ACS Nano, could be used as a topical antibacterial treatment and disinfectant.

Many bacteria clump together in sticky plaques in a way that makes them difficult to eliminate with traditional antibiotics. Doctors sometimes recommend cutting out infected tissues. This approach is costly, however, and because it's invasive, many patients opt out of treatment altogether. Essential oils and other natural compounds have emerged recently as alternative substances that can get rid of pathogenic bacteria, but researchers have had a hard time translating their antibacterial activity into treatments. Vincent M. Rotello and colleagues wanted to address this challenge.

The researchers packaged peppermint oil and cinnamaldehyde, the compound in cinnamon responsible for its flavor and aroma, into silica nanoparticles. The microcapsule treatment was effective against four different types of bacteria, including one antibiotic-resistant strain. It also promoted the growth of fibroblasts, a cell type that is important in wound healing.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by American Chemical Society. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Bradley Duncan, Xiaoning Li, Ryan F. Landis, Sung Tae Kim, Akash Gupta, Li-Sheng Wang, Rajesh Ramanathan, Rui Tang, Jeffrey A. Boerth, Vincent M. Rotello. Nanoparticle-Stabilized Capsules for the Treatment of Bacterial Biofilms. ACS Nano, 2015; 150706010055006 DOI: 10.1021/acsnano.5b01696

Cite This Page:
American Chemical Society. "Peppermint oil and cinnamon could help treat and heal chronic wounds." ScienceDaily. ScienceDaily, 8 July 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/07/150708111009.htm>.https://en.wikipedia.org/wiki/Cinnamon#/media/File:Canelle_Cinnamomum_burmannii_Luc_Viatour.jpg

Guia para identificação de fungos em sementes de soja

Livro: Guia Prático para Identificação de Fungos mais Frequentes em Sementes de Soja

Valor: R$ 10,00

Forma de aquisição: Setor de Publicação da Embrapa Soja

cnpso.vendas@embrapa.br / (43) 3371-6119

Também disponível para download gratuito

Lebna Landgraf (MTb 2903-PR) 
Embrapa Soja 
Telefone: 43 3371-6061

Metáfora das ervas daninhas e as bicicletas em São Paulo - Mona Caron

10 fatos e relatos sobre a capuchinha ou chagas (Tropaeolum majus)

Em algumas regiões de clima mais ameno, como nos Estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, e em algumas cidades do Estado de São Paulo, a capuchinha (Tropaeolum majus L.), também conhecida como chagas, flor-de-sangue ou agrião-do-méxico, nasce espontaneamente. 

Apesar de não ser uma planta nativa do Brasil, é relativamente conhecida pela população, mas muitos não sabem a sua importância e a versatilidade de usos. 

1. Comestível: são consumidas as folhas e flores quando o cultivo não inclui o uso de agrotóxicos ou produtos químicos;

2. Fonte de vitamina C: pesquisas realizadas revelam alto teor de vitamina C nas folhas, sendo estas utilizadas no tratamento do escorbuto (carência de vitamina C);

3. Condimento: as flores e frutos são usados em conservas;

4. Ornamental: possui cultivares que se diferenciam pelas cores das flores que são sortidas, variando entre o alaranjado, amarelo, vermelho, rosa e creme, sendo cultivada em jardins por ser também considerada ornamental;

5. Atraente de lagartas: nas hortas, a capuchinha atrai a lagarta da couve;

6. Botões florais e os frutos em picles têm gosto semelhante à alcaparra (http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-05722011000500016&script=sci_arttext);

7. Pode interferir diretamente com a etapa inicial de uma resposta inflamatória, apresentando possivelmente, uma atividade moduladora neste processo (revistas.unipar.br/saude/article/download/4089/2541);

8. A análise dos carotenoides da capuchinha revelou que a sua flor representa uma rica fonte de luteína (450 mg/g e 350 mg/g de luteína nas flores amarelas e alaranjadas, respectivamente). As folhas também apresentam valores altos de carotenoides quando comparadas às folhas em geral (136 mg/g de luteína, 69 mg/g de b-caroteno, 74 mg/g de violaxantina e 48 mg/g de neoxantina) (http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000300859);

10. Os valores encontrados de sólidos solúveis, acidez e relação SS/AT, classificam as flores de maracujá, cravo amarelo e rosa como pouco palatáveis para o seu consumo in natura, diferindo das flores de capuchinha, que apresentarem valores semelhantes ao de frutas doces amplamente consumidas (http://www.deag.ufcg.edu.br/rbpa/rev163/Art1637.pdf).

Marcos Roberto Furlan - Engenheiro Agrônomo 
Maria Beatriz da Silva Pereira - Acadêmica do curso de Engenharia Agronômica - UNITAU

Você sabia que vias arborizadas podem formar um corredor ecológico?

O corredor ecológico viabiliza a conexão entre as populações de fauna de fragmentos maiores. Além disso, as árvores abrigam uma infinidade de seres vivos, como insetos, líquens, pássaros, enriquecendo o ecossistema urbano e aumentando sua biodiversidade.

As flores e frutos presentes nas árvores também trazem à cidade um ganho ambiental significativo, pois se prestam como atrativo e refúgio da avifauna urbana. Algumas espécies vegetais, com ênfase nas frutíferas nativas, são responsáveis pelo abrigo e alimentação de aves, assegurando-lhes condições de sobrevivência.

>> Conteúdo extraído do Manual Técnico de Arborização Urbana. Para continuar lendo, acesse: http://goo.gl/GH5Gsv

(Ilustração: Gabriel Kehdi)

Florestas e produção de água, artigo de Osvaldo Ferreira Valente

Ao longo da atual crise de abastecimento de água, temos presenciado o lançamento de propostas de soluções que nem sempre estão fundamentadas em conhecimentos científicos já disponíveis. Não há surpresa alguma quanto a este fato, já que ainda há um distanciamento, no Brasil, entre a academia e o público que tenta resolver questões práticas. Na hidrologia isso é mais do que evidente, pois o tratamento matemático que predomina nos trabalhos científicos torna a teoria muito complexa para a maioria dos técnicos de campo. Daí as tecnologias adotadas ficarem mais na esperança de um sucesso que poderá se transformar em futuras frustrações. Há, também, o risco das generalizações em situações cheias de especificidades locais e regionais, onde receitas de bolo não dão garantias de qualidades dos produtos. O “ouvir dizer” e o excesso de informações, que são usadas antes de se transformarem em conhecimentos, provocam riscos iminentes de fracassos.

Tenho visto constantemente em artigos, entrevistas e debates pessoas pregando o reflorestamento como única solução para aumentar a produção de água de mananciais de abastecimento. É um erro não considerar outras opções que tenham potenciais para produzir resultados em curto prazo. A princípio pode até haver uma lógica no raciocínio sobre os reflorestamentos, mas algumas pesquisas já realizadas no Brasil, contendo dados sobre produtividades de água em bacias hidrográficas florestadas, merecem consideradas. E é sobre isso que passarei a falar nos parágrafos seguintes.

Vou tomar como exemplos dois estudos feitos em áreas florestadas. Duas teses: a primeira de doutorado na USP (Câmpus de São Paulo, capital), defendida por Valdir de Cicco, em 2009, e a segunda de mestrado, também na USP (Campus de Piracicaba), defendida por Paulo Sant’Anna e Castro. As duas, ainda que com objetivos diferentes, mediram produções de água (deflúvios) em bacias hidrográficas florestadas. A segunda mediu, também, a produção em uma outra bacia vizinha da florestada e usada para exploração agropecuária.

O Valdir de Cicco (CICCO, 2009) estudou duas pequenas bacias hidrográficas: 1) A primeira de 36,7 ha, dentro do Parque Estadual da Serra do Mar, Núcleo de Cunha- SP (Mata Atlântica); com floresta secundária formada a partir de 1974, quando a área de pastagem foi incorporada ao Parque, que tem área total atual de 315.000 ha. A rocha predominante é o gnaisse , o solo classificado como latossolo vermelho amarelo câmbico e a conformação geomorfológica de mares de morros; o clima é o Cwb (Köppen), com temperatura máxima media de 26o, mínima de 16o e precipitação anual média de 1.646 mm. 2) A segunda de 59 ha, dentro do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga ( Mata Atlântica) que tem área total de 526,38 ha, encravado na Região Metropolitana de São Paulo, com rochas, solos e clima muito próximos aos da bacia de Cunha. A produtividade de água no mês de agosto (mês mais seco) foi de 15,13 L/Km2.s, em Cunha, e de 6,26 L/Km2.s, em Ipiranga. Com base em discussão do autor da tese, é possível justificar as diferenças de produtividades de água entre as duas bacias por duas razões: 1) A bacia do Ipiranga está sob influência da ilha de calor da área metropolitana, que transfere energia para a área do Parque, possibilitando maiores taxas de evapotranspiração e, consequentemente, menores produtividades superficiais de água; 2) A bacia de Cunha convive com elevada umidade do ar e presença de nevoeiros, o que concorre para menores taxas de evapotranspiração e maiores produtividades superficiais de água.

O Paulo Sant’Anna e Castro (CASTRO, 1980) estudou duas pequenas bacias hidrográficas na região de Viçosa-MG (Mata Atlântica). A primeira com 114 ha, coberta com floresta secundária formada a partir da década de 1960, quando a área foi entregue à regeneração natural. E a segunda com 192 ha, vizinha da primeira, com exploração agropecuária e pequenos capões de matas que, somados, não passavam de 25% da área. Em ambas, a rocha predominante é o gnaisse e os solos são argilosos e foram classificados como latossolo vermelho amarelo distrófico, nas seções côncavas, convexas e nos topos; já nos terraços, receberam a classificação de podzólico vermelho amarelo câmbico. A geomorfologia é de mares de morros, a precipitação de 1.880 mm no período de estudo (1978/1979), temperatura média máxima de 26o, mínima de 15o e clima Cwb (Köppen). A produtividade superficial de água do mês de agosto foi de 2,4 L/km2.s, na bacia florestada, e de 8,5 L/km2.s, na com exploração agropecuária. E foi um ano hidrológico com precipitação acima da média para a região de Viçosa que é de 1340 mm/ano. Passados 35 anos, a floresta está mais densa, com árvores maiores e a produtividade superficial de água do mês de agosto, para a bacia florestada, tem sido nula. A explicação para as diferenças de produtividades pode estar no fato de que a bacia florestada comporta-se como uma ilha de atração de energia, rodeada por áreas secas e que por deficiência de umidade na região das raízes das plantas, menos profundas. É importante lembrar que a evapotranspiração depende da disponibilidade de água e de energia.

Usando estes dados de pesquisa na prática de produção de água, vale a pena discutir, como exemplo, a situação do Sistema Cantareira, que está presente cotidianamente na mídia e é responsável pelo abastecimento de grande parte da Região Metropolitana de São Paulo. Algumas pessoas e entidades têm sugerido, como solução, o reflorestamento de entornos de corpos d’água componentes do Sistema. Chegam a citar números, como 400 ha, por exemplo. Ora, como as bacias que compõem o Cantareira somam 2.280 km2, a área recomendada representa apenas 0,17 % do total. Além do mais, mesmo que tais matas ciliares viessem a se comportar como produtoras de quantidade de água, conforme o imaginário de muitos hidrologicamente desavisados, e com valores médios entre Cunha e Ipiranga, ou seja, 10,78 L/km2/s, nas épocas de estiagens, isso representaria um acréscimo de apenas 0,12 % da vazão outorgada, que é de 36.000 L/s.

Para ir um pouco mais além na análise do possível efeito do aumento da cobertura florestal em áreas das bacias contribuintes do Cantareira, poderão ser usados dados da Fundação SOS Mata Atlântica, mostrando que as florestas ocupam 21,5 % da área total das bacias e que são 5.000 km de cursos d’água, com parte deles, 1.190 km, já protegidos por matas ciliares, computadas nos 21,5 %. Como, em grande maioria, são cursos d’água com até 10 m de largura e em áreas com usos consolidados, pode-se adotar, para cumprimento do Código Floresta em vigor, uma faixa média de 40 m (20 m de cada lado dos cursos d’água) para recomposição da mata ciliar. Isso representaria um acréscimo de 152,4 km2, ou seja, 6,7 % da área de 2.280 km2, elevando a cobertura para 28,2 %. Mesmo que tais matas ciliares viessem a ter efeito positivo na produção de água, como acreditam muitos, e usando os 10,78 L/km2/s, o acréscimo não passaria de 4,56 % da vazão outorgada.

O mais certo, entretanto, e com base em fundamentos hidrológicos da produção de água na região Sudeste, é que, pelo menos nos primeiros 30 anos após os reflorestamentos, o aumento de cobertura florestal, através das matas ciliares, acarretaria uma diminuição das vazões de estiagens. Isso porque as árvores estariam em franco crescimento e com altas taxas de transpiração, pois ocupariam, em grande parte, áreas de contribuição dinâmica que tendem a ficar sempre úmidas; isso por serem zonas de ligação dos aquíferos subterrâneos com as nascentes e cursos d’água. Tal comportamento é corroborado por simulações feitas pelo pesquisador Paulo Guilherme Molin, (MOLIN, 2014) para a bacia hidrográfica do rio Piracicaba. Ele simulou, para sua tese de doutorado na ESALQ-USP, o aumento da cobertura florestal da bacia e sua ação na produção de água. Os estudos mostraram que, tomando por base o ano de 2010 e como horizonte o de 2050, quaisquer aumentos de cobertura florestal no intervalo considerado resultaria em redução das vazões dos cursos d’água, nos períodos de estiagens.

As informações apresentadas mostram, portanto, que é temerária a certeza, expressa com certa frequência, que o reflorestamento é a única alternativa para aumentar a oferta de quantidade de água de nossas bacias hidrográficas. Um horizonte de 30 anos talvez seja o mínimo para um equilíbrio ambiental floresta/hidrologia capaz de apontar uma produtividade de água em média confiável. Mas como a demanda é a curtíssimo prazo, teremos que adotar alternativas de manejo dos volumes de água recebidos pelas chuvas, conduzindo boa parte deles para os aquíferos subterrâneos e armazenando outros em represas e em reservatórios urbanos. Para privilegiar o armazenamento subterrâneo, há de se trabalhar com tecnologias alternativas ao reflorestamento e que aumentem a rugosidade das superfícies das bacias hidrográficas, dificultando a formação de enxurradas e favorecendo a infiltração de água no solo. Tais tecnologias já existem, comprovadas e economicamente viáveis.

Literatura Citada:

CASTRO, P.S. Influência da cobertura florestal na qualidade de água em duas bacias hidrográficas na região de Viçosa, MG. Piracicaba, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” – USP, 1980. 107p (Tese de Mestrado)

CICCO, V. Determinação da evapotranspiração pelos métodos dos balanços hídrico e de cloreto e a quantificação da interceptação das chuvas na Mata Atlântica. Disponível em: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/…/pt-br.php . Acesso em: 15 jun. 2015

MOLIN, P. G. Dynamic modeling of native vegetation in the Piracicaba River basin and its effects on ecosystem services.
Disponível em: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/…/pt-br.php .Acesso em: 15 jun. 2015

Osvaldo Ferreira Valente, Articulista do Portal EcoDebate, é engenheiro florestal e autor de dois livros sobre hidrologia e produção de água: “Conservação de nascentes – Produção de água em pequenas bacias hidrográficas”e “Das chuvas às torneiras – A água nossa de cada dia”. ( valente.osvaldo@gmail.com)

Artigo enviado pelo Autor e publicado originalmente no Jornal da Ciência (SBPC), em 01/07/2015

Publicado no Portal EcoDebate, 09/07/2015
"Florestas e produção de água, artigo de Osvaldo Ferreira Valente," in Portal EcoDebate, 9/07/2015, http://www.ecodebate.com.br/2015/07/09/florestas-e-producao-de-agua-artigo-de-osvaldo-ferreira-valente/.

Desperdício de água no país equivale a seis Cantareiras, diz Instituto Trata Brasil

Poluição do Rio Tietê, em Pirapora do Bom Jesus, causada pelo despejo de dejetos. Foto: Divulgação/Prefeitura de Pirapora do Bom Jesus/Rafael Pacheco

Além de despejar todo dia o equivalente a 5 mil piscinas de esgoto em seus rios, o Brasil desperdiça, por ano, um volume de água que corresponde a seis sistemas Cantareira. As comparações foram apresentadas, ontem (8), pelo presidente do Instituto Trata Brasil, Édison Carlos, em audiência pública na Comissão de Infraestrutura do Senado. O instituto é uma organização da sociedade civil de interesse público (Oscip), formado por empresas com interesse nos avanços do saneamento básico e na proteção dos recursos hídricos do país.

“A situação do saneamento no Brasil não condiz com um país que é a sétima economia do mundo”, disse aos senadores. Édison Carlos acrescentou que o desperdício anual de água equivale a R$ 8 bilhões que deixam de retornar ao saneamento básico.

Ele ressaltou que, se esses prejuízos financeiros e naturais fossem evitados, seria possível reduzir os impostos cobrados ao setor de saneamento. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, participou da audiência pública e disse que independentemente dos desperdícios e da crise hídrica “as empresas de saneamento viraram arrecadadoras de impostos”.

Para o governador, as campanhas de prevenção têm mostrado resultado no combate às perdas. Segundo Alckmin, em São Paulo, as campanhas foram responsáveis pela diminuição de gastos de água em 83% das unidades consumidoras (residências, empresas, indústrias, por exemplo).

Para estimular a economia de água, o governo do estado adotou a estratégia de dar bônus a quem passou a usá-la de forma racional e cobrar mais caro das unidades que mantiveram os gastos, afirmou o governador.

Por Pedro Peduzzi, da Agência Brasil

Publicado no Portal EcoDebate, 09/07/2015

MS: Ceasa e fornecedores devem monitorar presença de agrotóxicos em vegetais

Uso de agrotóxicos na agricultura brasileira passou de 2,7 kg por hectare em 2002 para 6,9 kg em 2012. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Central de Abastecimento comercializa mais de 170 mil toneladas de produtos por ano, mas não faz qualquer acompanhamento do uso de agrotóxicos nas lavouras

O Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul (MPF/MS) recomendou à Central de Abastecimento (Ceasa/MS) e à Associação de Usuários da Ceasa/MS (AUCE) que seja realizado o monitoramento da existência de agrotóxicos em frutas, verduras, legumes e hortaliças comercializados na central. A recomendação foi expedida após inércia da empresa e de seus fornecedores na análise da presença de resíduos químicos nos produtos comercializados.

O documento solicita que seja verificada a existência de agrotóxicos acima do limite permitido, de uso proibido ou não recomendados para as culturas alimentícias vendidas no local. A iniciativa, já realizada em outros estados do país, pretende aumentar o controle sobre a utilização dos agrotóxicos, preservar a qualidade dos produtos comercializados e a saúde dos consumidores.

Segundo site nacional da Ceasa, por ano, 170 mil toneladas de produtos hortigranjeiros são vendidos em Mato Grosso do Sul. Contudo, nem a central e nem os fornecedores monitoram com efetividade a presença de resíduos de agrotóxicos nos vegetais ofertados.

A Ceasa e os fornecedores têm 30 dias para responder se acatam ou não a recomendação e, em caso positivo, informar como ocorrerá o monitoramento.

40 litros de agrotóxicos por ano – Em maio, ciclo de palestras realizado pela Comissão Estadual de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos em Mato Grosso do Sul reacendeu o alerta sobre o alto consumo de agrotóxicos no estado. De acordo com o professor Wanderlei Pignati, da UFMT, os sul-mato-grossenses ingerem, por ano, até 40 litros de agrotóxicos (enquanto a média nacional é de 5,2 litros) e a presença de agrotóxicos já foi identificada até no leite materno.

Conforme a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os agrotóxicos podem se dispersar no meio ambiente com facilidade, causando danos ao solo, água, fauna e flora da região, em alguns casos de forma irreversível. Segundo estudos recentes da agência, a alface e o tomate, que fazem parte do consumo diário de muitas famílias, estão no topo da lista de uso de agrotóxicos.

Em relação à saúde, pesquisas apontam que os princípios ativos presentes nos inseticidas podem causar esterilidade masculina, distúrbios neurológicos, respiratórios, cardíacos, pulmonares, no sistema imunológico e na produção de hormônios, além de má formação fetal e desenvolvimento de câncer.

Informações do Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul, publicadas no Portal EcoDebate, 09/07/2015

Plantas medicinais e economia de reciprocidade, artigo de Roberto Naime

[EcoDebate] As plantas medicinais, ou fitoterápicas são objeto da ausência de transmissão de conhecimento, do preconceito e do desinteresse da indústria farmacêutica e de outros tantos fatores. Não integram o currículo e não patrocinam qualquer movimento no interior dos cursos de medicina, então só podem ser relegadas mesmo ao ostracismo. Não há interesse em viabilizar qualquer defesa ou condenação de seu uso ou de atestar sua eficácia ou eficiência, o que pode e deve ser feito por pessoas habilitadas especificamente para isto.

Mas cabem algumas reflexões, num país aquinhoado por uma das maiores e mais notáveis, massas de biodiversidades do mundo, em seus diversos biomas e ecossistemas. O patrimônio genético do país é quase imensurável, tanto em elementos faunísticos, como em diversidade botânica. A indústria de fármacos alopáticos argumenta que componentes de plantas fitoterápicas são ineficientes ou de reduzida capacidade terapêutica. Não cabe opinar sobre esta manifestação.

Mas então porque as terapias com plantas não acabam se reduzindo amplamente no país? Só a existência de populações pobres e vulnerabilizadas explica tudo? A resposta, certamente é negativa. Para espanto de todos. Certa vez empresa multinacional de fármacos desenvolveu remédio que dependia de planta existente em local remoto. As populações que viviam no local eram tradicionais, detentoras de saberes e modo de vida despojado, que obviamente não era compreendido. Então os responsáveis precificaram a planta de forma que lhes pareceu adequado. Quando fatores mercadológicos tornaram necessária maiores quantidades da planta, os responsáveis elevaram o valor do preço de compra. E para seu espanto diminuíram as quantidades coletadas e entregues pela população local.

É que as populações locais necessitavam certa quantidade de recursos para seu sustento e quando esta quantidade de valores passou a ser obtida com menor quantidade de plantas, então as disponibilidades de matérias-primas obtidas passou a ser menor. Diante da premissa de acumulação contínua e crescente que caracteriza as sociedades ocidentais, esta realidade deve continuar sendo incompreendida até os dias atuais.

Raciocínio análogo, mas não exatamente igual, ocorre em relação às redes de saberes tradicionais, e sustentação que se estabelecem entre as comunidades e determinam a continuidade das terapias com plantas. A este cenário se denomina de economia de reciprocidade.

Um indivíduo tem conhecimento da natureza fitoterápica. Outro tem conhecimentos tradicionais em botânica popular. Determinada pessoa conhece outras que já usaram a substância de forma medicamentosa, e atestam sua efetividade. Outras pessoas detém conhecimentos históricos de usuários capazes de certificar as condições de uso e a eficiência do fitoterápico considerado. Tudo não depende da presença ou ausência de recursos financeiros. Mas está formada a interligação que determina a formação de redes de confiabilidade entre indivíduos e grupos sociais e é esta “rede” ou interligação que vai certificar a formação de um núcleo de economia de reciprocidade.

É extremamente natural que indivíduos integrantes de indústrias farmacêuticas tradicionais, pensem e necessitem de farmacopéias em volumes extensos, e em testes padronizados de eficiência terapêutica dentro de uma ótica cartesiana. E da mesma forma que a formação científica hegemônica de todos, questionem a veracidade da certificação informal ou nem mesmo compreendam os mecanismos atuantes na economia de reciprocidade que estabelece os mecanismos de validação do conhecimento que perpetuam a permanência da terapêutica das plantas.

Sobre economia de reciprocidade, se pode definir a mesma com uma só expressão, que independe de fatores econômicos, omissões curriculares, ou interesses econômicos explícitos ou difusos. A palavra é confiança. A reciprocidade se estabelece como um valor determinante para a existência de todas as populações excluídas ou vulnerabilizadas e que é de extrema importância, se diria que é um vetor fundamental. Reciprocidade é confiança. A necessária confiabilidade entre indivíduos, que fundamenta a vida e viabiliza a sobrevivência de quem mais precisa.

Certamente este valor humano explica todo um conjunto de relações subjacentes ou subterrâneas, de extrema consistência que, como as raízes de uma grande árvore, sustenta o modo de vida das pessoas. Ninguém vai tomar um chá de um extrato de planta, que não tem a menor probabilidade de atuar de maneira eficiente. Mas entre as populações de mais baixa renda, carentes ou vulnerabilizadas, subsistem relações apenas ancoradas em confiabilidade ou solidariedade, em muito maior dimensão do que se imagina.

Tal qual os gestores que dependiam de matéria-prima de região habitada apenas por populações tradicionais que não entenderam a diminuição da oferta com a elevação de preço, os pilares da economia de reciprocidade ainda ficarão por muito tempo incompreendidos e a utilização de fitoterápicos continuará existindo por muitas gerações dentro deste cenário, até que seja absorvida ou não pela medicina e farmacologia mais formalizada. Ou simplesmente, a medicina mais tradicional.

Até lá prevalecerão constantes que priorizam a manutenção de qualidade ambiental e maior qualidade de vida das populações consideradas, com ou sem mecanismos formais que atestem eficientização de remédios à base de princípios fitoterápicos. Ou seja, até lá, nada além do que a economia de reciprocidade avaliza e a confiabilidade sustenta.

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

Publicado no Portal EcoDebate, 09/07/2015
"Plantas medicinais e economia de reciprocidade, artigo de Roberto Naime," in Portal EcoDebate, 9/07/2015, http://www.ecodebate.com.br/2015/07/09/plantas-medicinais-e-economia-de-reciprocidade-artigo-de-roberto-naime/.