terça-feira, 26 de junho de 2018

Tomate-árvore - aspectos nutricionais

Texto:

  • Letícia Fonseca do Pinhal - Ciências Biológicas - bacharelado UNIP - Universidade Paulista
  • Marcos Roberto Furlan - Engenheiro Agrônomo - Professor Faculdade Cantareira e Universidade de Taubaté - UNITAU  

As plantas alimentícias não-convencionais (Pancs), são espécies que não são comumente consumidas como alimentos pela maioria da população. Dentre elas, o tamarillo (foto) é um exemplo de panc, pois é conhecido por poucos. No entanto, está invadindo os quintais, principalmente na Bahia, em Minas Gerais e em São Paulo.



Dentre seus vários nomes populares, no comércio é conhecido por tamarillo ou tamarilho, mas nos quintais recebe nomes, como, por exemplo, tomatão, tomate-japonês, tomate-inglês, tomate-francês, tomate-árvore, tomate-de-árvore e tomate-arbóreo. Estes três últimos nomes são referências à sua altura (2,0 a 4,0 m), apesar de ser um arbusto, e por produzir fruto semelhante à alguns cultivares de tomate. Os demais nomes que fazem menção à sua origem não se justificam, pois é originado da América do Sul. 


Pertence à família Solanaceae, a mesma do tomate, pimentão e berinjela, dentre outras. Seu nome científico é Solanum betaceum, nome aceito segundo www.theplantlist.org, mas é comum encontrar com a sinonímia Cyphomandra betacea. Podem ser encontradas variedades que se diferenciam pela cor dos frutos.

O fruto pode ser consumido in natura em saladas, como sobremesa, como aperitivo, na forma de suco e, ainda, em combinação com outros produtos, tais como sorvete, leite e iogurte (PANTOJA et al., 2009).

Apesar da sua importância na alimentação, há poucas informações sobre seus usos medicinais. Quanto à composição nutricional, Torres (2012) observa que esta espécie é apreciada por ser fonte de compostos antioxidantes, cálcio, fósforo, potássio, ferro, açucares, ácidos orgânicos, pectinas e flavonoides. 

Alguns dos resultados encontrados pela pesquisadora e relacionados à composição em 100g de polpa madura do tamarillo foram: 30 Kcal; 4,10 g de fibra dietética; 331,32; 21,25; 21,18; 17,03 e 7,44 g, respectivamente, de fósforo, cálcio, magnésio, potássio e ferro. Obteve, ainda, 23,32 mg de ácido ascórbico; 1,22 mg de licopeno e presença de compostos fenólicos, antocianinas e taninos (0,40 mg catequina/100 g). 

Um de seus destaques na nutrição é o teor de vitamina A. Prohens e Nuez (2001), em revisão sobre a espécie, relatam variação de 540 a 2475 U.I..

Pantoja et al. (2009), analisando duas variedades de tamarilo encontradas na região do Alto Vale do Jequitinhonha, no norte de Minas Gerais, concluíram que suas características físicas e físico-químicas as qualificam para o consumo in natura e para processamento industrial. Entre tais características, os autores destacaram o baixo valor calorífico do fruto, o bom rendimento de polpa e o elevado teor de sólidos solúveis. 

Referência 

PANTOJA, Lilian; PINTO, Nisia; LOPES, Cristiane; GANDRA, Renata; SANTOS, Alexalndre. Caracterização física e físico-quimica de frutos de duas variedades de tamarilho oriundas do norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal - SP, V.31, n 3, p 916-919, 2009. Disponivel em: http://acervo.ufvjm.edu.br/jspui/handle/1/1124. Acesso em: 23 jun. 2018.

PROHENS, Jaime; NUEZ, Fernando. The Tamarillo (Cyphomandra betacea). Small Fruits Review, [s.l.], v. 1, n. 2, p.43-68, 20 abr. 2001. Informa UK Limited. http://dx.doi.org/10.1300/j301v01n02_06. 

TORRES, Alexia. Caracterización física, química y compuestos bioactivos de pulpa madura de tomate de árbol (Cyphomandra betacea) (Cav.) Sendtn.. Archivos Latinoamericanos de Nutrición, v. 62, n.4, p.381-388, 2012. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/256488204_Physical_chemical_and_bioactive_compounds_of_tree_tomato_Cyphomandra_betacea. Acesso em: 26 jun. 2018.

Nenhum comentário:

Postar um comentário